Trabalhos com apresentação painel!

Total: 204
DESEMPENHO DE CRIANÇAS COM HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO NA RESOLUÇÃO DE SITUAÇÃO-PROBLEMA.
CALDONAZZO , ANELISE ; FERNANDEZ , PAULA T. ; SANTOS , CAROLINA ; GOTO, MAURA MIKIE FUKUJIMA ; BAPTISTA , MARIA TEREZA ; JR, GIL GUERRA ; MARINI , SOFIA LEMOS; LI , LÍLIA D'SOUZA;
 RESUMO Retardo no desenvolvimento neuropsicomotor, associado ao hipotireoidismo congênito (HC), pode ser evitado se reposição hormonal com levotiroxina sódica for iniciada nas primeiras semanas de vida. Crianças portadoras de HC, com coeficiente intelectual normal, podem apresentar déficit de atenção, problemas de comportamento, dificuldades na linguagem na memória e no desempenho visoespacial. O objetivo deste trabalho foi avaliar as funções cognitivas de pacientes com HC em acompanhamento no  ambulatório de triagem neonatal de nosso serviço. Avaliadas 38 pacientes e 38 controles pareados na faixa  etária de 5 a 15 anos. A avaliação psicológica utilizou: Teste de atenção concentrada, Figura Complexa de Rey e  Matrizes Progressivas coloridas de Raven. A proposta de avaliação dinâmica centrada na resolução de Problemas verificou as funções metacognitivas. Teste estatístico não paramétrico Wilcoxon foi utilizado para avaliar os dados pareados. Resultado: Quando comparado com o grupo controle, pacientes com HC apresentaram piora significativa no desempenho das avaliações psicométricas de memória visual (p=0, 022) e tempo de atenção concentrada (p=0,003), como nas avaliações dinâmicas de resolução de problemas. Houve comprometimento significativo da organização (p= 0,04), planejamento (p= 0,04), recepção da informação (p= 0,019), representação inicial (p= 0,028), memorização da informação (p= 0,002) e utilização dos esquemas de alta ordem (p= 0,003). Como conseqüência, a avaliação da produção final da tarefa foi comprometida nos pacientes (p= 0,02). Conclusão: Embora os pacientes com HC apresentem inteligência normal, eles apresentam comprometimento de funções cognitivas e executivas na realização de tarefas que podem resultar em baixo desempenho escolar.
"CENTRO SOL:OS MECANISMOS PROTETORES UTILIZADOS POR UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA PROMOçãO DE CRIANçAS E ADOLESCENTES RESILIENTES"
Vincenzi, Maria Regina Rodrigues ; Zanolli, Maria de Lurdes; Chacra, Fernando César;
  RESUMO: As crianças e os adolescentes com vínculos familiares frágeis, que são expostos às situações de vulnerabilidade na rua, têm histórico social que os definiam como “menores”, e eram assim tratados nas instituições e no âmbito social, como sujeitos destituídos de direitos. O objetivo desta pesquisa é investigar a possibilidade de uma instituição ser promotora de crianças e adolescentes mais resilientes, descrevendo quais desafios encontrados e quais mecanismos possíveis de superá-los. Partindo de referenciais teóricos sobre o conceito de resiliência, se estabeleceu dentro deste contexto um projeto de pesquisa com metodologia qualitativa, cuja concentração de interesse se baseou na criança e no adolescente em situação de risco que freqüentam o Centro Sol. Para compreender melhor essa instituição, usou-se como fonte de pesquisa a documentação escrita sobre o Centro Sol, desde sua fundação em 1996. A pesquisa de campo inicialmente foi feita através da técnica de observação participante. Juntamente aos dados que foram obtidos por esta técnica, foram realizadas entrevistas com grupos focais que permitiram a obtenção de dados a partir de discussões planejadas com os participantes. A escolha destes grupos foi intencional, tentando incluir o máximo de protagonistas implicados. Desta forma, foram estabelecidos cinco grupos focais de interesse: de gestores; de trabalhadores envolvidos diretamente com as crianças e adolescentes; de estagiários; de crianças/adolescentes que freqüentam regularmente a instituição; de adolescentes que já freqüentaram. Cada grupo acima teve no máximo dez participantes. O modelo básico se constituiu em usar um roteiro com questões semi-estruturadas sobre os temas fundamentais da pesquisa: resiliência, fatores de risco, fatores protetores e vulnerabilidade tanto no nível individual como institucional. Estas entrevistas foram gravadas, posteriormente transcritas e a partir deste material, as categorias foram elencadas, tentando construir uma totalidade para poder responder às questões primordiais da pesquisa. Obteve-se um conjunto de informações que foram analisadas e interpretadas no contexto da literatura sobre cada tema abordado. Os resultados obtidos de acordo com os grupos focais é que a importância da formação do vínculo; o cuidar; o acolhimento; a valorização das conquistas pessoais; a disponibilidade para ouvir e uma rede social de apoio são mecanismos promotores de resiliência existentes no Centro Sol. No entanto, a alta rotatividade dos estagiários e a falta de capacitação dos novos integrantes pela equipe de gestores, são apontadas como obstáculos na continuidade dessa promoção. Conclui-se que o Centro Sol é uma instituição que promove resiliência por oferecer um espaço que permite relações interpessoais com base na confiança, no acolhimento, na resolução de conflitos e na diminuição da vulnerabilidade que essas crianças e adolescentes estão expostos. Porém, há a necessidade de se repensar novas políticas públicas com um maior envolvimento dos gestores e da própria sociedade, para que não ocorra simplesmente uma transferência de toda responsabilidade para uma instituição específica.      
A ESPIRONOLACTONA MELHORA A NEFROPATIA POR REDUZIR O ESTRESSE OXIDATIVO VIA NADPH OXIDASE EM MODELO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIMENTAL
Pessôa, Bruno Sevá; Lopes de Faria, José Butori ;
Objetivos: A hipertensão arterial e a hiperglicemia são capazes de promover estresse oxidativo e inflamação no tecido renal, alterações envolvidas na patogênese da nefropatia diabética (ND). Por sua vez, estresse oxidativo pode levar a inflamação e vice-versa. O bloqueio da aldosterona, melhora a ND em modelos animais e em pacientes com DM. Tem sido sugerido que a redução da inflamação e/ou do estresse oxidativo renal sejam os mecanismos responsáveis pela melhora obtida com o bloqueio da aldosterona. O objetivo deste estudo foi testar se a redução do estresse oxidativo ou da inflamação é o responsável pela melhora da lesão renal com bloqueio da aldosterona em um modelo que combina hipertensão arterial genética e diabetes mellitus experimental. Métodos e Resultados: Ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 4 semanas de idade foram tornados diabéticos através da injeção de estreptozotocina (50 mg/kg) e ratos controles receberam apenas o veículo (tampão citrato). Os animais diabéticos foram randomizados para receberem, ou não, espironolactona (50mg/kg/dia), um bloqueador da aldosterona, diluída na água de beber. Após 20 dias ou 8 semanas de tratamento, os ratos foram eutanaziados e os rins coletados. Alterações induzidas pelo estresse oxidativo no DNA e infiltração de macrófagos foram avaliadas por imunohistoquímica para 8-OHdG e ED1, respectivamente. A expressão de 8-OHdG foi maior nos ratos diabéticos em relação aos controles (n=8, p=0,0008, 20 dias de tratamento, e n=4, p=0,0209, 8 semanas de tratamento) e houve redução nos ratos tratados por 20 dias com espironolactona (n=9, p=0,0143). Não foi observado aumento na expressão de ED1 nos animais diabéticos em relação aos controles tratados por 20 dias. Entretanto, no grupo de 8 semanas existe uma tendência ao aumento na infiltração de macrófagos nos ratos diabéticos em relação aos controles (p=0,0814). A albuminúria foi maior no grupo diabético comparado ao controle (p=0,0062, 20 dias de tratamento, e p=0,0176, 8 semanas de tratamento), e foi reduzida com o tratamento (p=0,0283, 20 dias de tratamento, e p=0,0283, 8 semanas de tratamento). A produção de superóxido induzido pela via NADPH oxidase foi maior nos ratos diabéticos em relação aos controles (p=0,0143, 20 dias de tratamento, e p=0,0209, 8 semanas de tratamento) e foi parcialmente reduzida pelo tratamento de 8 semanas (p=0,0641). A análise, por Western blotting, da subunidade p47phox da NADPH oxidase mostrou um aumento no grupo diabético em relação ao controle (p=0,0004, 20 dias de tratamento) e a redução com o tratamento (p<0,0001, 20 dias de tratamento). A pressão arterial sistólica não foi alterada pelo diabetes ou tratamento, assim como a glicemia.       Conclusão: Os resultados sugerem que a espironolactona pode reduzir a albuminúria nos ratos SHR diabéticos sem efeito na pressão arterial reduzindo principalmente o estresse oxidativo via NADPH oxidase e antecedendo a ação anti-inflamatória.             Apoio financeiro: Fapesp.                                           &n
A LOCALIZAÇÃO DA PROTEÍNA NIS NÃO TEM CORRELAÇÃO COM OS NÍVEIS DE MRNA DO GENE EM CÉLULAS FOLICULARES NEOPLÁSICAS
Marcello, Marjory Alana; Morari, Elaine Cristina; Filho, Paulo Latuf; Gerhard, Renê ; Soares, Fernando Augusto; Vassalo, José ; Ward, Laura Sterian;
  A glicoproteína de membrana responsável pela captação ativa de iodo, simportador sódio-iodo (do inglês Sodium Iodide Symporter - NIS), está localizada na membrana basolateral de células tiroidianas foliculares. O tratamento dos cânceres da tiróide bem como os exames de imagem para diagnóstico e acompanhamento são baseados nessa captação de iodo, o que tem levado os pesquisadores a estudar o papel desta proteína no câncer de tiróide (CDT). Um terço dos tumores deixa de responder ao tratamento com iodo, levando os pacientes a um pior prognóstico. Acredita-se que isso esteja ligado a diminuição da expressão de NIS em células tumorais. Os níveis reduzidos de expressão de RNAm do gene NIS freqüentemente observados em tumores da tiróide, têm sido relacionados com a coloração imunohistoquímica intracelular aberrante da proteína, que normalmente deve ser encontrada apenas em membrana. Entretanto, ainda não há dados conclusivos quanto ao papel da expressão gênica e protéica de NIS no CDT. Para investigarmos a correlação entre a localização de NIS e sua expressão gênica com o diagnóstico e evolução de pacientes com CDT, utilizamos o anticorpo monoclonal anti-NIS MAB3564-Mouse para analisar por imunoistoquímica 217 carcinomas papilíferos (CP: 141 clássicos, 67 variantes foliculares, 6 variantes de células altas); 43 carcinomas foliculares (CF) e 132 tecidos tiroidianos não cancerosos. Além disso, quantificamos os níveis de expressão de RNAm de NIS em 60 CP usando PCR em tempo real. Os pacientes foram tratados de acordo com um protocolo padrão e seguidos por 67±39 meses. Foram classificados como livres de doença 167 casos, enquanto que classificamos como de má evolução 26 casos (4 mortes) de acordo com os níveis de Tg e outras evidências de recidiva/metástase. Observamos que 90,3% dos pacientes livres de doença eram positivos para NIS, enquanto que todos os pacientes com má evolução apresentaram NIS negativo. Os níveis de RNAm de NIS foram maiores nos pacientes de estadios I/II quando comparados com estadios III/IV (p=0.0056). Entretanto, não houve nenhuma relação entre a expressão da proteína NIS e a expressão de seu mRNA. Apenas 9 de 31 (11,8%) casos positivos para NIS mostraram coloração intracelular mas sem correlação com os níveis de expressão de RNAm. Além disso, não houve relação entre a expressão protéica ou a expressão de RNAm de NIS e qualquer outro fator de risco relacionado ao paciente (idade, sexo) ou tamanho do tumor (tamanho, histologia, invasão, metástase). Nossos dados confirmam trabalho anterior que relaciona os níveis de expressão de RNAm de NIS com a agressividade do CP. Entretanto, não encontramos nenhuma correlação entre níveis de expressão e localização da proteína em células tiroidianas malignas.  
A PROTEíNA PGC-1A MODULA A EXPRESSãO DE INTERLEUCINA-10 NO FíGADO – AVALIAçãO DA SUA INTERAçãO COM OS FATORES DE TRANSCRIçãO NFKB E C-MAF
Morari, Joseane ; Torsoni, Adriana Souza; Anhê, Gabriel F; Roman, Erika Anne; Cintra, Dennys Esper; Silva, Carina Solon;
Insuficiência hepática causada por cirrose decorrente da progressão da esteato-hepatite não alcoólica é hoje uma das principais indicações para transplante hepático no mundo. A ingestão de dietas ricas em lípides é uma das principais causas de esteato-hepatite não alcoólica, e, uma vez estabelecida, poderá ou não evoluir para cirrose, dependendo da ativação de uma resposta inflamatória local. Nem todos os indivíduos que desenvolvem esteatose progridem para a esteato-hepatite. Acredita-se que, dentre os fatores que desempenham papel protetor na progressão para a esteato-hepatite e, por conseguinte, para a cirrose, encontra-se o equilíbrio entre a expressão de citocinas pró- e anti-inflamatórias no fígado. Níveis locais elevados da citocina anti-inflamatória IL-10 reduzem a resistência hepática à insulina e diminuem o risco de desenvolvimento de esteato-hepatite. Em estudos recentes observamos que a inibição da atividade da IL-10 em um modelo animal de esteato-hepatite induzida por dieta contribui para a piora da disfunção hepática. Por outro lado, a redução da expressão do co-ativador de transcrição gênica PGC-1a reverte a esteatose hepática induzida por dieta. Tal reversão é acompanhada pela modulação da expressão de IL-10 e de seu receptor, IL-10R. No presente estudo avaliamos se o PGC-1a interage com dois fatores de transcrição que participam do controle da expressão de IL-10, c-Maf e NFkBp50. Para tal utilizamos as técnicas de imunoblot, imunoprecipitação, imunocitoquímica, histologia convencional e imunoprecipitação de cromatina. Inicialmente, observamos que no fígado esteatótico intacto a expressão das proteínas IL-10 e PGC-1a aumenta. Ao inibirmos PGC-1a através de oligonucleotídeo antisense, há um aumento na expressão da proteína IL-10 e uma redução do fenótipo de esteatose hepática. Em cultura primária de hepatócitos, o tratamento com ácidos graxos saturados e insaturados, aumenta a expressão do gene da IL-10. Isto é acompanhado por uma maior associação de PGC-1a com dois fatores de transcrição, c-maf e NFkBp50, conhecidos por modular a expressão do gene da IL-10. Após o tratamento com ácidos graxos, as proteínas PGC-1a, NFkBp50 e c-maf migram do citoplasma para o núcleo do hepatócito, ligando-se à região promotora do gene da IL-10. Ao inibirmos a ativação de NFkB através do tratamento com ácido acetil salicílico, houve redução da expressão do gene da IL-10, além de uma redução da associação entre PGC-1a e NFkBp50. Portanto, PGC-1a pode ser apontado como um potencial regulador transcricional do fenômenos inflamatórios que ocorrem no na esteatose hepática.
A QUANTITATIVE THEORETICAL MODEL FOR DEVELOPMENT OF MALIGNANCY IN DUCTAL CARCINOMA IN SITU
Silva, Ariosto S; Gatenby, Robert A; Gillies, Robert J; Yunes, José A;
Mathematical models and clinical observations have demonstrated that microenvironmental hypoxia and acidosis are important selection factors during the later stages of somatic evolution of breast cancer. The consequent promotion of constitutive upregulation of glycolysis and resistance to acid-induced cellular toxicity are hypothesized to be critical for the ability of cancer cells to invade host tissue. In this work we developed a tridimensional computer model to study the role of these two phenotypes in determining morphology and invasion of ductal carcinoma in situ (DCIS). The model was conceived as an epithelial duct 40-cell wide, surrounded by blood vessels and composed of a basement membrane and one internal layer of epithelial cells. Our results show that an increment in the order of 8-fold in glucose metabolism and an increase in acid resistance corresponding to pH thresholds of approximately 6.8 and 6.45 for quiescence and death respectively are required for the tumor to breach through the layer of healthy epithelial cells and reach basement membrane, as a first step for invasion. Our model also suggests correlations between classic morphologies and different values of hyperglycolytic and acid resistant phenotypes, indicating that immunohistochemistry studies targeting these genes may improve predictive power of morphologic analysis of biopsies.   Obs. Submitted to Journal of Theoretical Biology on 23 February 2009
A SITUAÇÃO DE SAÚDE DA TRIBO XUKURU: ELABORAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO NO PERÍODO DE 2002 A 2006
Cabral, Elizabeth Regina de ; Oliveira, Elisangela Alves; Brust, Suzane ; Silva, Wagner Francisco ;
  RESUMO     Este trabalho define o perfil epidemiológico da etnia Xukuru no período de 2002 a 2006, objetivando identificar os índices de morbimortalidade contribuindo assim para o planejamento de ações de saúde específicas para a determinada tribo. Trata-se de um estudo descritivo do tipo quantitativo, tendo como base de dados o Sistema de Informação da Atenção a Saúde Indígena – SIASI, complementando com informações obtidas no Sistema de Informações de Agravos de Notificação-SINAN, do  Sistema de Mortalidade - SIM e do Sistema de Informação de Nascidos Vivos - SINASC. No período em estudo, identificou-se que dentre os índios Xukuru que adoeceram houve uma maior prevalência em indivíduos do sexo feminino com 62.4% e a faixa etária que ocorreu o maior número de agravos foi a de 1 a 9 anos - 24%. Identificou-se que as doenças do aparelho respiratório - 27.4%, as doenças infectas parasitárias - 24.5% e as do aparelho geniturinário - 18.4% foram as que mais prevaleceram entre os índios Xukuru no período em questão. Relacionando os óbitos do período, observou-se que dentre as causas mais comuns encontradas foi a ignorada como a de maior ocorrência - 28.3%, seguido pelos óbitos causados por doenças do aparelho circulatório - 20.7% e pelos óbitos sem assistência médica - 9.3%. Ao identificar o perfil demográfico da mortalidade no período, foi encontrado o sexo masculino como o de maior prevalência - 51.5% e os indivíduos com idade superior aos 60 anos com 52.7% como a faixa etária mais freqüente. Ao analisar os resultados, depara-se com o já descrito por muitos autores acerca da precariedade das ações de saúde prestadas ao indígena, principalmente no que se refere á ações de atenção básica e saneamento, justificando-se através das doenças de maior acometimento (DIP) e da faixa etária mais atingida (1-9 anos). Por fim, através deste estudo denota-se a urgência em ações e serviços de maior qualidade na saúde do indígena, como também em um melhor direcionamento e aplicabilidade dos recursos destinados à saúde deste povo, que durante a história foi esquecido e marginalizado pelas ações governamentais.
A UTILIZAçãO DE BIOSINAIS NA AVALIAçãO DO ESTADO EMOCIONAL EVOCADO PELA MúSICA
Fornari, José ;
Música é conhecida pela capacidade de evocar em ouvintes emoções com tal facilidade e intensidade que esta é freqüentemente utilizada por outras formas de arte como ferramenta auxiliar no discurso emotivo de uma obra artística (ex: as trilhas sonoras criadas para filmes e peças teatrais). A informação musical pode ser discriminada em três níveis de comunicação: 1) perceptual, ou psicoacústico, 2) cognitivo e 3) emocional. Cada nível apresenta aspectos próprios e característicos. A aquisição e análise desses aspectos musicais tem sido o objetivo principal da área de pesquisa musical que vem se organizando desde os anos 90, chamada de MIR (Music Information Retrieval). Neste trabalho, focamos nos aspectos emocionais evocados pela escuta musical. A emoção desperta variações em sinais fisiológicos involuntários, aqui chamados de biosinais. Exemplos destes são: GSR (galvanic skin response) e HRV (heart-rate variability), ritmo respiratório, dilatação/contração de pupila, entre outros. Desse modo, podemos estudar a emoção musical evocada a partir de modelos computacionais que analisem e correlacionem os dados advindos da aquisição de biosinais. Descrevo aqui alguns importantes trabalhos acadêmicos na área de cognição e emoção musical, e também minha pesquisa de PosDoc, no projeto Braintuning (www.braintuning.fi) na Universidade de Jyvaskyla, Finlândia, onde desenvolvi modelos computacionais para a aquisição de características musicais, tais como: complexidade harmônica, pulsação, densidade de eventos e outros, com o propósito de estudar como a música é percebida e entendida pelo indivíduo. Desses dados pudemos tirar algumas interessantes conclusões sobre os aspectos emocionais constatados pelo ouvinte de música. Finalizo este artigo descrevendo minha recente pesquisa, já em desenvolvimento no Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora – NICS / UNICAMP, no âmbito de implementação de equipamentos e modelos computacionais para a aquisição e análise de biosinais e sua utilização no estudo da emoção musical evocada.
ADAPTAçãO DO “INSTRUMENTO SOBRE FATORES DO TRABALHO QUE PODEM CONTRIBUIR PARA SINTOMAS OSTEOMUSCULARES EM FISIOTERAPEUTAS”
Shimabukuro, Vanessa G. P.; Alexandre , Neusa M. C.;
INTRODUÇÃO: Os sintomas osteomusculares englobam um amplo conjunto de problemas que envolvem o sistema musculoesquelético. Apesar de não serem exclusivamente causados pelas atividades do trabalho, representam importante parcela das doenças relacionadas a ele, e tornou-se um dos maiores problema de saúde nessa esfera. Vários fatores de risco estão associados com o desenvolvimento ou com a exacerbação dos distúrbios osteomusculares no trabalho. Estão incluídos fatores biomecânicos, organizacionais e psicossociais. Muitos estudos têm buscado relacionar esses fatores e os profissionais de saúde, sendo que a movimentação e o transporte de pacientes são os mais apontados.  Pesquisas sobre esse tema envolvendo fisioterapeutas não são muito freqüentes, possivelmente por se acreditar que este profissional tem formação acadêmica com maior ênfase em biomecânica e em prevenção de lesões osteomusculares. Apesar disso seu trabalho envolve diversos fatores de risco para essas afecções. Os questionários como instrumento de pesquisa têm sido amplamente utilizados em diversos estudos envolvendo a questão, porém há uma falta de instrumentos validados e com propriedades psicométricas testadas que estudem fisioterapeutas e a ocorrência desses sintomas. OBJETIVO: O objetivo desta pesquisa foi adaptar para os fisioterapeutas o “Instrumento sobre atividades do trabalho que podem contribuir para sintomas osteomusculares”, avaliando suas propriedades psicométricas. MATERIAL E MÉTODO: Inicialmente foi realizada uma ampla pesquisa bibliográfica para adaptar e desenvolver os itens do questionário. Seguiu-se então a etapa de validade de conteúdo, quando um comitê formado por 10 juízes elaborou a versão que foi pré-testada em 10 fisioterapeutas.  As propriedades psicométricas foram avaliadas auto-aplicando o questionário em 142 fisioterapeutas. A confiabilidade foi verificada por meio da estabilidade (teste-reteste) e da consistência interna (Coeficiente Alfa de Cronbach). A validade de constructo foi analisada por meio da técnica de grupos conhecidos, quando comparou-se as respostas de fisioterapeutas com as de um grupo de funcionários administrativos.  RESULTADOS: Na etapa de validade de conteúdo, o comitê de juízes modificou as instruções de preenchimento e 10 itens do instrumento. O questionário passou de 17 para 16 itens e a escala que inicialmente era de 0 a 10, passou a conter o indicador NA (não se aplica), para quando o fator descrito não fizer parte do trabalho. No teste-reteste os resultados apontaram uma elevada correlação intra-classe com ICC de 0.80 a 0.90 (p<0.001; IC95%). A consistência interna foi considerada excelente para os dois grupos (Alfa de Crombach= 0.91 para fisioterapeutas e 0.87 para funcionários administrativos). Na avaliação da validade de constructo, por meio da técnica de grupos conhecidos, houve diferença estatisticamente significativa (p<0.001) na maioria das respostas, sendo que apenas os itens 3, 15 e 16 não demonstraram essa tendência. CONCLUSÃO: Este estudo demonstrou evidências de validade de conteúdo, confiabilidade (estabilidade e consistência interna) e validade de constructo do “Instrumento sobre fatores do trabalho que podem causar sintomas osteomusculares em fisioterapeutas”, tornando-se importante ferramenta para pesquisas envolvendo essa temática. &
ALBUMIN INCREASES INFLAMMATORY CYTOKINES IN HUMAN ADIPOSE TISSUE
de Barros-Mazon, Sílvia ; Lee , Mi-Jeong ; Glynn, Nicole M; Fried, Susan K;
Methods to measure cytokine production from human adipose tissue (AT) often involve incubation or culture of adipose tissue fragments ex vivo in media with BSA or FBS. Ruan and Lodish reported that incubation of mouse AT ex vivo greatly increased the expression of the tumor necrosis factor (TNF); we hypothesized similar effects in human AT, and that endotoxin or fatty acid contamination of the BSA used could mediate this effect. We therefore tested the effects of different albumin preparations on cytokine expression during incubation or culture of human AT. Three BSA preparations were tested: BSA-A allowed low basal glucose metabolism and a robust insulin effect (~10-fold) in rat adipocytes; it had a low endotoxin content (0.9 ng/ml) by LAL assay; BSA B and C were very low in endotoxin (0.03 ng/ml and 0.12 ng/ml). Fatty acid concentrations were 3, 49 and 0 uM in A, B, and C. Incubation of omental (om) AT fragments with 1% BSA-A for 3h increased TNF mRNA 42+/-8 fold (n=4; range: 31.2-63.7) and IL-6 mRNA 11+/-3 fold (range: 2-18). In contrast, incubation in BSA free M199 for 3h increased TNF gene expression only 2.5 fold (range: 1.7-4.3, mean: 2.6+/-0.6 fold). TNF release into BSA-free M199 was undetectable, while it averaged 0.7+/- 0.1, 0.2+/-0.1 ng/g, 0.5 with BSA-B and (BSA-C) (n=3-4). Addition of 1 ng/ml LPS to low endotoxin BSAs did not stimulate TNF mRNA expression or release to the same extent as observed with BSA-A. BSA also stimulated cytokine expression in sc AT. AT (om or sc) cultured for 7 days with M199 (with insulin and dexamethasone) expressed low cytokines, and addition of BSA-C or 5% FBS for an additional 24h stimulated TNF and IL6 mRNA expression ~2-8-fold and markedly increased lipolysis and decreased the lipoprotein lipase activity. Our results suggest that BSA, independent of endotoxin or fatty acids, has marked and rapid effects on inflammatory gene expression in human AT. Furthermore, BSA may be responsible for reportedly deleterious effects of culture on the expression of key adipose genes and metabolic activities. How the in vitro release of cytokines under different conditions reflects in vivo AT inflammation remains to be determined. Grant support:CNPq-Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico, Brazil & NIH-National Institutes of Health, USA. 
ALPHA DYSTROGLYCAN AND MATRIX METALLOPROTEINASE 9 IMBALANCE ON UROTHELIAL CARCINOMA: A NEW ANIMAL MODEL.
Reis, Leonardo Oliveira; Fávaro, Wagner José; Fazuoli, Mariana Facca Galv; Billis, Athanase ; Cagnon, Valéria Helana Alv; Ferreira, Ubirajara ;
Background: Bladder cancer animal models have provided valuable anatomic, imaging, and histologic data in furthering understanding of urothelial cancer. However, bladder models should not be extrapolated to both ureteral and renal pelvis urothelial tumours and there is no well designed and reproducible upper urothelial carcinoma (UUC) animal model. UUC occurrence is scarce and the study of these segments of the urinary tract seems to be neglected. In contrast to the concentrated research on the urinary bladder, few reports of molecular analysis of ureter and renal pelvic carcinoma have been published. Furthermore, disturbances in the interactions of cells with the extracellular matrix (ECM) play an important role in the development and progression of many types of cancer and an altered relationship between ECM and tumor cells is considered a hallmark of malignant transformation. MMP-dependent disruption of the DG complex might play an important role in urothelial tumor development and progression. Objectives: To correlate the immunolocalization of α-DG and MMP-9 receptors with the urinary bladder and upper urinary tract carcinogenesis and to verify the viability of the combined treatment with MNU and sodium citrate in the study of the urothelial carcinogenesis. Methods: Thirty female Fischer 344 were divided into two groups: the control group (CT) received a 0.30 ml dose of 0.9% physiological saline intravesically every other week for a total of 4 doses; the MNU-Citrate group received 0.15 ml of MNU and 0.15 ml of sodium citrate intravesically every other week for a total of 4 doses. After 15 weeks of treatment, bladder, ureters and renal pelvis were collected for morphological and immunological analyses.   Results: The MNU-Citrate group showed reduced α-DG and increased MMP-9 and Ki-67 immunoreactivities. Combined treatment with MNU and sodium citrate was able to lead to both urinary bladder and upper urinary tract tumors, probably as consequence of vesicorenal reflux.   Conclusions: The histopathological and molecular changes verified in the MNU-Citrate group positively signaled the relevance of this model in the urothelial carcinogenesis studies. The evaluation of DG and MMP immunolocalization in the entire process of tumor development will help to clarify the role of these molecule in the process and the mechanism responsible for its loss in cancer cells and have the potentiality to contribute to a better understanding of human urothelial cancer development as well as to its treatment strategies in a near future.Furthermore, the intravesical route could be the most reliable and human analogous way of inducing and managing experimental urothelial carcinoma.     Table 1: Percentage of histopathologic alterations of the urinary bladder, ureters and renal pelvis of rats from MNU-Citrate group. Tissues Histopathology Urinary Bladder (n= 15) Ureter (n= 15) Renal Pelvis (n= 15) High Dysplasia (pTis)   01 (6.6%)   04 (26.6%)   06 (40.0%) Papillary Carcinoma (pTa)     14 (93.4%)   11 (73.4%)   09 (60.0%)
ALTERAçãO DA RESPOSTA CONTRáTIL E RELAXANTE EM DETRUSOR DE RATOS NORMOTENSOS E HIPERTENSOS.
Ramos Filho, Antonio Celso Saragossa; Rojas Moscoso, Julio Alejandro; Mônica, Fabíola Z.T; Baú, Fernando R.; Antunes, Edson ;
Introdução: É conhecido que a hipertensão arterial repercute em outros sistemas fora do eixo cardiovascular, como a bexiga urinária, podendo levar a um quadro de detrusor hiperativo. Entretanto, os estudos ainda são inconclusivos (Michel e Barendrecht, 2008). O objetivo deste trabalho foi investigar as alterações das respostas contráteis e relaxantes de detrusor isolado de ratos hipertensos renovasculares (2K-1C) e geneticamente hipertensos (SHR). Material e Métodos: O protocolo experimental foi aprovado pela Comissão de Ética na Experimentação Animal (CEEA-IB). Os ratos (CEMIB-UNICAMP) foram anestesiados com cetamina (110 mg/kg, i.p) e xilazina (9 mg/kg, i.p). A bexiga foi retirada, colocada em solução nutritiva de Krebs à 37oC. O tecido foi cortado em strips, e colocado em câmaras para banho isolado na presença de Krebs oxigenado (95%O2/5%CO2). Para avaliação da resposta contrátil, realizou-se curvas concentração-resposta ao carbacol (0,001 a 100 µM). Para as respostas relaxantes, realizou-se curvas concentração-resposta ao nitroprussiato de sódio (SNP; 0,001-100 µM) e ao BAY 41-2272 (estimulador direto da guanilil ciclase solúvel; 0,001-100 µM) em bexiga precontraída com KCl .Resultados: No grupo SHR, notamos redução significativa das respostas relaxantes máximas (Emax) para o SNP (p<0,001) e para o BAY 41-2272 (p<0,05), em relação ao respectivo grupo controle (WKY). Já no grupo 2K1C não observamos diferenças significativas das respostas relaxantes, porem notamos aumento da resposta contrátil ao carbacol (p<0,0001), em comparação ao grupo controle SHAM. Conclusões: Nossos dados mostram diferenças funcionais nos mecanismos contráteis e relaxantes do detrusor, dependendo este do modelo de hipertensão arterial.
ALTERAçõES DO EQUILíBRIO HUMANO NOS DISTúRBIOS DEGENERATIVOS SUBCORTICAIS: UM ESTUDO TRANSVERSAL
Christofoletti, Gustavo ; Borges, Guilherme ; Damasceno, Benito Pereira;
Os distúrbios degenerativos subcorticais representam condições clínicas graves, por acarretar alterações nos diversos núcleos da base e provocar declínio de ordem neuro-psíquica. O objetivo deste trabalho foi analisar as alterações de equilíbrio em duas doenças degenerativas distintas: a doença de Parkinson (DP), primariamente subcortical (substância negra mesencefálica), com manifestações iniciais e predominantes motoras; e a doença de Alzheimer (DA), primariamente cortical (sistema entorrinal-hipocampal e neocortical), com predomínio de alterações cognitivas e psíquico-comportamentais.  Para tal, foi realizado um estudo transversal envolvendo 30 sujeitos de ambos os sexos, divididos em três grupos: G1 (composto por 10 indivíduos com DP – idade média de 71,6±6,1 anos), G2 (formado por 10 sujeitos com DA – idade média de 73,8±7,5 anos) e G3 (grupo controle, formado por 10 participantes “saudáveis” – idade média de 68,7±7,0 anos). Na avaliação do equilíbrio, foi utilizado a Escala de Equilíbrio Funcional de Berg; nesta escala, valores baixos representam pior equilíbrio da pessoa avaliada. Para a análise dos dados, foi utilizada a estatística descritiva, além dos testes Kruskall-Wallis e post hoc de Tukey (ambos sob nível de significância de 5%). Os resultados constados neste trabalho indicaram um escore de 35,7±5,4 pontos do G1, seguido de 42,3±3,1 pontos do G2 e 46,9±2,8 do G3. O teste de Kruskall-Wallis apontou diferença significativa entre os três grupos, evidenciada também pela comparação aos pares do post hoc de Tukey. Em conclusão, apesar da DP e da DA apresentarem quadro clínico distintos, ocorreram alterações do equilíbrio em ambas doenças. Por meio dos resultados foi possível constatar que, mesmo havendo preservação do aparato locomotor na DA, a alteração psíquica característica do quadro demencial gera uma alteração de equilíbrio, evidenciada principalmente na realização de atividades funcionais não-automáticas que requeiram constante ativação das funções cognitivas e executivas. Recomenda-se, diante disso, que os pacientes de ambos distúrbios sejam assistidos por uma abordagem fisioterapêutica específica, com ênfase no treino de equilíbrio e na ativação cognitiva.
ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE HUMANIZAÇÃO DO SUS: O ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR EM AMBULATÓRIO DE FOLLOW UP DE BEBÊS DE RISCO – CRDI FÊNIX
Maruo Meira, Denise Sayuri; Shon Chun , Regina Yu ;
    ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE HUMANIZAÇÃO DO SUS: O ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR EM AMBULATÓRIO DE FOLLOW UP DE BEBÊS DE RISCO – CRDI FÊNIX Denise Sayuri Maruo Meira - Pediatra do Centro de Reabilitação e Desenvolvimento Infantil (CRDI) Fênix do Hospital Municipal Mario Gatti, Campinas, SP e mestranda do Programa de Mestrado Profissional Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação, CEPRE/FCM - UNICAMP Profª Drª Regina Yu Shon Chun - Docente do Programa de Mestrado Profissional Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação, CEPRE/FCM – UNICAMP e professora visitante do Programa de Mestrado da Saúde da Criança e do Adolescente, FCM/UNICAMP Introdução:A mudança do perfil da mortalidade infantil, com o predomínio do componente neonatal sobre o pós natal e a elevada proporção de óbitos evitáveis, gerou mudanças nas políticas públicas de saúde e levou à inserção da atenção perinatal como área programática das diretrizes governamentais. Tais medidas promoveram readequação tecnológica e qualificação dos recursos humanos nessa área, levando ao aumento da sobrevida de prematuros extremos e bebês com graves intercorrências perinatais. Estes sobreviventes, muitas vezes, necessitam de suporte especial, proporcionado por programas longitudinais como o do Centro de Referência em Desenvolvimento Infantil Fênix (Campinas, SP, Brasil). Trata-se de proposta de Humanização na Atenção e Gestão do Sistema Único de Saúde do Ministério da Saúde, a qual seguindo a lógica de rede de cuidados, busca articular-se com várias unidades e instituições do município a fim de cumprir com o objetivo de atenção integral ao paciente e sua família. Objetivos: analisar o acompanhamento multidisciplinar desse serviço na perspectiva do usuário cuidador e caracterizar a população atendida no período de junho de 2005 a julho de 2006. Material e métodos: Trata-se de pesquisa de abordagem quantitativa e qualitativa aprovada pelo CEP da FCM/UNICAMP e pela Comissão de Ética do Hospital Municipal Mário Gatti. Foram analisados 108 prontuários institucionais para caracterização da demanda, sendo que destes foram entrevistados aqueles atendidos no Ambulatório de Follow Up pela equipe multiprofissional (pediatra, neuropediatra e fonoaudióloga) e que receberam alta no período estudado, num total de 13 cuidadores de 11 bebês de risco. Nas entrevistas, foi aplicado um questionário denominado de “Avaliação do Acompanhamento de Follow Up do Usuário”. As entrevistas foram realizadas pela pesquisadora, gravadas em vídeo e transcritas ortograficamente para análise. Resultados: Apresentam-se aqui resultadosparciais. Dos 108 sujeitos, 85 são moradores de Campinas e 23 de outras cidades. Houve adesão ao Programa Fênix de 53% dos sujeitos, sendo que dos que abandonaram (47%), 46% são de Campinas e 52% de outras cidades. A aplicação do Teste Qui Quadrado mostra que não há associação entre as variáveis abandono e cidade de origem, indicando a necessidade de pesquisas futuras para estudo das causas do abandono. Em relação ao tempo de permanência no serviço até o abandono 28% dos sujeitos, permaneceram até a primeira consulta, 14% até
ANáLISE DO GENE FLNA EM UMA FAMíLIA PORTADORA DE HETEROTOPIA NODULAR PERIVENTRICULAR E SíNDROME DE WEST REVELA A IMPORTâNCIA DO USO DE GRUPO CONTROLE ADEQUADO.
Souza Kols, Daniela Aguiar ; Torres, Fábio Rossi; Tsuneda, Simone Sayuri; Brandão Almeida, Iara Leda; Guerreiro, Marilisa Mantovani; Cendes, Fernando ; Lopes-Cendes, Iscia ;
A heterotopia nodular periventricular (HNP) é caracterizada pela presença de neurônios heterotópicos próximos à região ventricular em um córtex aparentemente normal. A HNP pode ser causada por mutações no gene FLNA que está localizado na região Xq28, possui 48 exons e é responsável pela codificação da proteína filamina (FLNA). A FLNA é uma proteína de 280kD que realiza ligação cruzada com a actina. Mulheres heterozigotas para mutações deletérias em FLNA apresentam o fenótipo de HNP, enquanto os homens, hemizigotos, geralmente morrem de forma precoce. Recentemente foi descrita uma família cujos pais assintomáticos e consangüíneos tiveram três filhos do sexo masculino portadores de HNP. A análise molecular do gene FLNA identificou uma alteração C1286T localizada no exon nove, levando a troca de uma treonina por uma metionina e que não foi identificada no grupo controle. No entanto, o padrão de herança (autossômico recessivo) desta família, a ausência de HNP e da mutação nos pais (especialmente na mãe) e diferenças clínicas significativas dos três meninos afetados para com os pacientes com HNP devido a mutações em FLNA nos levaram a estudar mais profundamente a alteração C1286T. O objetivo deste trabalho é confirmar, através de um grande grupo de indivíduos controles, se a mutação C1286T no gene FLNA é responsável por HNP na família estudada. Foram analisados até o momento 70 controles, sendo 32 homens e 38 mulheres, totalizando 108 alelos. O DNA foi extraído pelo método de fenol clorofórmio. O exon 9 do gene FLNA foi amplificado pela técnica de PCR e analisado por digestão enzimática com a enzima Bsp1286I e eletroforese em gel de acrilamida. Os indivíduos com resultado positivo para a presença da mutação foram submetidos ao sequênciamento automático (MegaBace 1000) para confirmação da mesma. Até o momento, a alteração C1286T foi encontrada em três indivíduos controles. Embora a mutação C1286T tenha sido descrita como patogênica, nosso grupo detectou a presença da mesma em indivíduos normais, refletindo, provavelmente, as singularidades étnicas entre os grupos controles testados pelos diferentes trabalhos. Portanto, sugerimos que o gene FLNA não está relacionado com HNP nesta família e que há outro gene envolvido com a etiologia desta malformação cortical. Este trabalho enfoca a importância de se realizar análises em grandes grupos controles (preferencialmente multi-étnicos) antes de se caracterizar mutações possivelmente patogênicas. A realização inadequada destas análises pode levar a resultados errôneos, gerando falsas associações entre genótipos e fenótipos. Análise em um número maior de indivíduos controles está sendo realizada no momento.
ANáLISE IMUNOHISTOQUíMICA DOS RECEPTORES DE FATOR DE CRESCIMENTO VASCULAR VEGFR-1 E VEGFR-2 NO DESENVOLVIMENTO PULMONAR DE FETOS DE RATO NORMAIS E COM HéRNIA DIAFRAGMáTICA CONGêNITA INDUZIDA PELO NITROFEN
Nassr, Azize Cristina C; Schmidt, Augusto Frederico; Maia, Maidane Luisi da C; Vianna, Patrick ; Pereira, Luis Antonio Vi; Sbragia, Lourenço ;
A Hérnia Diafragmática Congênita (HDC) é um defeito da formação do diafragma que incide em aproximadamente 1:2500 nascidos vivos e apresenta altos índices de mortalidade fetal e neonatal decorrentes da hipoplasia e hipertensão pulmonares. A análise microscópica do pulmão da HDC mostra alveolarização e vascularização alteradas, especialmente na musculatura da camada média das arteríolas. Um dos fatores envolvidos no desenvolvimento vascular pulmonar é o VEGF (Vascular Endothelial Growth factor) e seus receptores, no entanto ainda não se conhece como a expressão desta glicoproteína e de seus receptores varia ao longo do desenvolvimento pulmonar fetal nesta doença. O objetivo deste estudo foi comparar a evolução da morfologia pulmonar e da expressão dos receptores de VEGF – VEGFR-1 (Flt-1) e VEGFR-2 (Flk-1) em três estágios do desenvolvimento pulmonar: pseudoglandular, canalicular e sacular em fetos de rato normais e com HDC. Ratas Sprague-Dawley grávidas foram divididas em três grupos: controle externo, expostas a óleo de oliva e expostas ao nitrofen via gavagem no dia gestacional 9,5 (termo= 22 dias). Os fetos foram divididos em quatro grupos: controle externo, óleo de oliva, nitrofen com HDC e nitrofen sem HDC; com 20 fetos em cada uma das cinco idades gestacionais estudadas: 17,5, 18,5, 19,5, 20,5 e 21,5. As seguintes variáveis morfológicas foram estudadas: peso corporal, peso pulmonar total, peso do pulmão esquerdo, relação peso pulmonar total / peso corporal, volume pulmonar total e volume do pulmão esquerdo. As variáveis histométricas estudadas foram: parênquima pulmonar, espaço aéreo, densidade do parênquima do pulmão esquerdo e volume do parênquima do pulmão esquerdo. A reação imunohistoquímica para VEGFR-1 e VEGFR-2 foi mensurada pela contagem da freqüência de células imunomarcadas em 100 pontos aleatórios por imagem, em 20 imagens por lâmina, de 5 lâminas por animal com 5 animais por idades gestacional de cada grupo. Os dados foram analisados pelo teste ANOVA com pós-teste de Tukey-Kramer. A freqüência de HDC entre os fetos expostos ao nitrofen foi 37% (100/270). Todas as variáveis morfológicas e histométricas estvam diminuídas no grupo nitrofen com e sem HDC, sendo mais pronunciadas no último (p<0.05). As diferenças foram mais evidentes a partir dos dias gestacionais 18,5 e 19,5. A freqüência de células imunomarcadas para VEGFR-1 e VEGFR-2 estava aumentada nos fetos expostos ao nitrofen, sendo mais evidentes nos fetos com HDC (p<0.05). O VEGF e seus receptores estão relacionados à patogênese da hipertensão pulmonar na HDC e os fetos expostos ao nitrofen com e sem HDC demonstraram hipoplasia pulmonar primária e maior freqüência de células que expressam VEGFR-1 e VEGFR-2, sendo essas diferenças mais pronunciadas nos fetos com a doença.  
ANGIOGêNESE EM EXPLANTES HEPáTICOS: ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CARCINOMA HEPATOCELULAR E NóDULOS CIRRóTICOS, ATRAVéS DE IMUNO-HISTOQUíMICA.
Segatelli, Vanderlei ; Escanhoela, Cecília A. Fazzio;
    INTRODUÇÃO: O carcinoma hepatocelular (CHC) destaca-se como uma das formas mais comuns de câncer no mundo, com cerca de quinhentos mil a um milhão de novos casos por ano, respondendo por mais de 90% das neoplasias primárias do fígado. Trata-se de neoplasia altamente vascularizada à angiografia, cuja neovascularização tumoral se faz através de capilarização sinusoidal. A angiogênese está relacionada ao crescimento e progressão dos tumores, onde há alterações dos fatores pró e anti-angiogênicos no micro-ambiente tumoral e consequente aumento da proliferação celular endotelial. Assim, nesta e em outras neoplasias, a densidade microvascular (DMV) intratumoral tem sido utilizada como importante marcador prognóstico. OBJETIVO: Estudar a DMV em CHCs e nódulos cirróticos regenerativos (NCRs), através de marcadores imuno-histoquímicos específicos para células endoteliais. MATERIAL E MÉTODOS: Neste estudo retrospectivo e investigativo avaliamos a DMV em materiais incluídos em blocos de parafina de 44 pacientes submetidos a transplante hepático, onde se diagnosticou CHC nos explantes; foram ainda selecionados 44 NCR no parênquima adjacente. Todos os nódulos foram submetidos a cortes histológicos e reações imuno-histoquímicas, com os marcadores endoteliais CD34 e CD105 (endoglina). Foram comparados os resultados da contagem de vasos sanguíneos após as reações imuno-histoquímicas entre os CHCs e NCRs. As imagens microscópicas foram digitalizadas e, para comparação estatística dos grupos, foi utilizada a ANOVA, para medidas repetidas com transformação por postos; valores de p < 0,05 foram considerados estatisticamente significantes. RESULTADOS: Em relação aos NCRsobservamospositividade predominantemente periférica para o CD34, além de imunomarcação positiva em vasos sanguíneos de septos fibrosos circunjacentes. Já o CD105 demonstrou positividade predominante na região central. Nos CHCs observou-se imunomarcação difusa do CD34 e o CD105 demonstrou positividade focal e predominantemente periférica. A análise estatística de comparação entre as DMVs na região central e periférica dos nódulos estudados demonstrou diferenças entre todos os grupos (p < 0,0001). CONCLUSÃO: O CD34 e o CD105 realçam “subsets” diferentes de microvasos nos NCRs e nos CHCs. A imunomarcação difusa do CD34 nos casos de CHC pode ser entendida pelo fato deste ser um marcador pan-endotelial, ou seja, marcar tanto vasos em proliferação como pré-existentes. No entanto, a imunomarcação predominantemente periférica do CD105 nos nódulos de carcinoma hepatocelular, ainda não relatada na literatura, pode ser interpretada como substrato para o crescimento e desenvolvimento neoplásico, com conseqüentes implicações prognósticas.   
APLICAÇÃO DO MÉTODO DE MLPA PARA IDENTIFICAÇÃO DE REARRANJOS SUBTELOMÉRICOS: IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA E RESULTADOS INICIAIS.
Lincoln-de-Carvalho, Carolina Rodrigues; de Mello, Maricilda Palandi; Marques-de-Faria, Antonia Paula;
A técnica denominada Multiplex Ligation-dependent Probe Amplification (MLPA) possibilita a quantificação relativa, quanto ao número de cópias, de mais de 50 sequências de ácidos nucléicos em um único experimento, sendo capaz de detectar deleções e duplicações de diversos genes, além de mutações de ponto conhecidas. É baseada na hibridização do DNA genômico a uma mistura de sondas específicas para cada região estudada, com amplificação dos produtos de ligação pela técnica de PCR, utilizando um par de primers universal. A visualização dessas amplificações pode ser feita por eletroforese capilar e a análise por programas específicos de genotipagem. Entre as vantagens do método estão baixo custo, simplicidade, rapidez e sensibilidade, aspectos que justificam sua implantação em serviços voltados para a investigação diagnóstica em Genética Clínica, como o do Departamento de Genética Médica da FCM-Unicamp. Foi usado o kit SALSA MLPA P036, para pesquisa de rearranjos subteloméricos em indivíduos com deficiência mental idiopática atendidos no referido serviço. Na padronização, foram empregados controles com e sem alteração subtelomérica, sendo avaliados os parâmetros de tempo de estocagem das reações em refrigerador; quantidade de DNA utilizado em cada reação; forma de normalização dos dados das reações, e possibilidade de redução do volume das soluções empregadas para metade ou dois terços do preconizado no protocolo original, cujo volume final de reação é de 50µL, dos quais somente 0,75µL são utilizados na eletroforese capilar, com descarte do restante. A análise dos resultados, confirmados pela utilização de controles normais e com alterações subteloméricas, mostrou que a implantação do método foi bem-sucedida. Além disso, foi verificado que o tempo máximo de estocagem das reações em refrigerador sem prejuízo dos resultados é de aproximadamente três meses; que a quantidade de DNA satisfatória para o procedimento está entre 150-250ng por reação; que não é aconselhável a utilização de protocolos com volumes reduzidos, pois a análise de reações realizadas dessa forma mostrou resultados falso-positivos quando comparados às reações feitas a partir do protocolo original; que a forma de normalização dos dados mais adequada para a análise dos resultados é a combinação dos programas GeneScan®, Genotyper® e planilha específica para cada kit ao invés do programa Coffalyser®, indicado pelo fabricante do produto. Após essa padronização, foi realizado estudo-piloto em 63 indivíduos com deficiência mental de causa indeterminada, sendo identificados dois com alterações subteloméricas, constatadas também pelo kit de confirmação SALSA MLPA P070, sendo um com deleção 1p36, e outro com rearranjo deleção 5p/duplicação 9p sugestivo de translocação que aguarda conclusão da técnica de FISH para validação do resultado.
ARHGAP21 MODULA A ATIVIDADE DA QUINASE DE ADESãO FOCAL (FAK) E ALTERA A MIGRAçãO DE CéLULAS DE GLIOBLASTOMA IN VITRO
Bigarella, Carolina Louzão ; Borges, Luciene ; Costa, Fernando Ferreira; Saad, Sara T.O.;
  Proteínas RhoGAPs ativam a capacidade intrínseca de hidrólise de GTP de proteínas da família das RhoGTPases, levando-as à inativação. O gene que codifica a proteína ARHGAP21 é altamente expresso em musculatura esquelética e cardíaca e em tecido neural. ARHGAP21 apresenta além de um domínio RhoGAP, um domínio Pleckstrin Homology (PH) e um domínio PSD-95/Discs-large/ZO-1 (PDZ) (Bassères et al., 2002). Atualmente, há aproximadamente 70 proteínas codificadas pelo genoma humano que possuem um domínio RhoGAP versus 20 membros da família das RhoGTPases (Kandpal, 2006), o que indica alta especificidade destas moléculas sobre RhoGTPases. Como os domínios PDZ e a estrutura modular de proteínas RhoGAPs são importantes na determinação das interações entre as proteínas, ARHGAP21 provavelmente desempenha outras funções intracelularmente além do controle negativo sobre RhoGTPases. De fato, recentemente, foi mostrado que ARHGAP21 não somente apresenta atividade GAP sobre Cdc42, se associa à ARF1-GTPase e medeia o controle do tráfego vesicular no Golgi, mas que também interage com alfa-catenina, recrutando-a para locais de invasão bacteriana em células endoteliais (Dubois & Chavrier, 2005, Sousa et al., 2005). Portanto, ARHGAP21 tem se mostrado uma importante proteína reguladora da dinâmica do citoesqueleto de actina.             Como ARHGAP21 é altamente expressa em tecido neural normal (Basseres et al., 2002) e em tumores escamosos de cabeça e pescoço (Carles et al., 2006) nosso objetivo foi verificar o papel de ARHGAP21 em modelos de glioblastoma multiforme in vitro. No presente trabalho demonstramos por microscopia confocal, co-imunoprecipitação e transfecção em células de glioblastoma humano T98G e U138MG que ARHGAP21 se associa a FAK. A depleção de ARHGAP21 por moléculas de shRNAi em células T98G resultou em alterações morfológicas e no aumento da fosforilação de FAK em seus resíduos de tirosina Y397 e Y925, na ativação da sinalização de p130CAS à jusante de FAK, no aumento da atividade de Cdc42, no aumento da secreção de metaloprotease 2 (MMP-2) e, por fim, na alteração das taxas de migração celular. Estas modificações provavelmente ocorreram através da perda da ação de ARHGAP21 sobre FAK e Cdc42, que permitiu, portanto, a ativação de vias à jusante destas proteínas. Estes resultados são extremamente importantes, pois posicionam ARHGAP21 como molécula chave no controle da agressividade de células de glioblastoma.
ASPECTOS PSICOLóGICOS DE MéDICOS QUE TRABALHAM COM PACIENTES PORTADORES DE CâNCER
Albuquerque, Marília Sper;
Há inúmeros trabalhos na literatura relacionados ao cuidado dispensado ao profissional médico, pelo risco de adoecimento que pode ocorrer devido a sua prática. Porém, ainda existem poucos serviços com práticas regulares, que ofereçam ao profissional espaços de reflexão, partilha e crescimento na difícil tarefa de cuidar em saúde, ao lado disso, há ainda pouco investimento na elaboração de projetos que auxiliem na saúde do cuidador. O trabalho em oncologia remete ao intenso contato do médico com questões subjetivas como a dor, o sofrimento, a vida e a morte. Há estudos que mostram a existência de sentimentos de angústia, tensões, impotência e onipotência por parte do médico ao lidar com limitações da própria doença, relação com o paciente e seus familiares e com o fato de não conseguir solucionar todas as questões referentes ao câncer, uma doença grave, que remete à finitude humana. Esse trabalho tem como objetivo conhecer quais aspectos psicológicos estão presentes no profissional médico que cuida de pacientes com câncer e as estratégias institucionais que os apóiem em seu trabalho. A metodologia que será utilizada neste estudo será a abordagem de pesquisa qualitativa. Serão realizadas entrevistas com médicos que cuidam de pacientes oncológicos do Hospital de Clínicas da UNICAMP. Os resultados serão analisados a partir da análise interpretativa, utilizando referenciais teóricos da psicanálise e da Saúde Coletiva. O presente estudo pretende contribuir com a Saúde Coletiva, na medida em poderá investigar as necessidades de cuidado desses trabalhadores e disparar novas questões para a construção de projetos que auxiliem a saúde do trabalhador no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), repercutindo no cuidado em oncologia mais ampliado e integral, gerando novas contribuições no tratamento ao paciente com câncer.
ASSOCIAçãO DO ESTILO DE VIDA COM A QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA à SAúDE DE IDOSOS. ESTUDO DE BASE POPULACIONAL, ISA-SP.
Lima, Margareth Guimarães; Barros, Marilisa Berti de A; César, Chester L Galvão; Goldbaum, Moisés ; Carandina, Luana ;
Associação do estilo de vida com a qualidade de vida relacionada à saúde de idosos. Estudo de base populacional, ISA-SP.   Autores: Margareth Guimarães Lima[1] (DMPS-FCM-UNICAMP); Marilisa Berti de Azevedo Barros DMPS–FCM-UNICAMP; Chester Luis Galvão César (FSP-USP); Moisés Goldbaum (FM-USP); Luana Carandina (UNESP-Botucatu).   Introdução: Estilo de vida é um dos termos usados para designar hábitos e comportamentos relacionados à saúde, como o sedentarismo, o alcoolismo e o tabagismo. Estes, aliados aos fatores genéticos, demográficos e sociais, explicam em grande parte a prevalência das morbidades crônicas que são hoje observadas em altas taxas especialmente nos idosos. A adesão a comportamentos saudáveis pode melhorar o controle das doenças, reduzir a ocorrência de incapacidades e elevar o padrão da qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS). Objetivo: Analisar a associação da prática de atividade física no lazer, hábito de fumar e freqüência de ingestão de bebida alcoólica com a qualidade de vida relacionada à saúde de idosos. Material e métodos: Trata-se de um estudo transversal, de base populacional que incluiu 1958 idosos (60 anos ou mais) residentes em 4 áreas do Estado de São Paulo. Foram analisados dados obtidos no projeto ISA-SP, realizado em 2001-2002. A QVRS foi analisada com o uso do questionário Medical Outcomes Study 36-Item Short –Form Health Survey (SF-36) segundo prática de atividade física no lazer, freqüência de ingestão de bebida alcoólica e tabagismo, utilizando modelos de regressão linear simples e múltipla (para os ajustes). Para a análise dos dados, incorporando as ponderações necessárias ao desenho amostral, foi utilizado o software Stata 8.0. Resultados: Verificou-se que a prática de atividade física teve associação positiva com os oito domínios do SF-36, principalmente com capacidade funcional e aspectos físicos. Constatou-se também que os idosos que ingerem bebida alcoólica pelo menos uma vez por semana apresentam melhor QVRS do que os que não ingerem em todos os domínios avaliados pelo instrumento. Essa associação se destaca especialmente em aspectos físicos e vitalidade. Em relação ao tabagismo, os fumantes apresentam pior QVRS no domínio de aspectos físicos e os ex-fumantes, nos domínios: vitalidade e saúde mental. Conclusão: O estudo revelou que a prática de atividade física esteve associada a uma melhor qualidade de vida nos idosos, principalmente em domínios relacionados aos aspectos físicos da qualidade de vida. Ingerir bebida alcoólica moderadamente e não fumar ou deixar de fumar são hábitos que se associam positivamente com a QVRS, também nos domínios relacionados ao componente mental da qualidade de vida. Embora o estudo, pelo seu desenho, não permita comprovar relações causais, as associações observadas apontam a importância de implementação e fortalecimento dos programas de promoção de comportamentos saudáveis direcionados à população idosa.   [1] Margareth Guimarães Lima (Dpto. de Medicina Preventiva e Social/FCM-UNICAMP) Margareth.guimaraes@yahoo.com.br      Marilisa B A Barros : marilisa@unicamp.br
ASSOCIAÇÃO ENTRE POLIMORFISMOS DO GENE KLOTHO E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DAS DOENÇAS FALCIFORMES
PFEIFER, WESLA PACKER; OLALLA, SARA TERESINHA; LIMA, ANA CLAUDIA VAZ TOSTES ; COSTA, FERNADO ;
  Em pacientes com doenças falciformes, complicações clínicas incluem osteonecrose, priapismo, retinopatia  e ulceras de membros inferiores, que podem variar em freqüência e severidade, provavelmente devido a efeitos de genes que modificam a fisiopatologia iniciada pela mutação da anemia falciforme. Pacientes com doenças falciformes, foram estudados, a fim de se analisar a relação entre tais manifestações clínicas e a presença de polimorfismos (SNP) no gene klotho, o qual pode afetar a vaso oclusão falcêmica. Usamos técnicas de PCR seguida por digestão enzimática para avaliar a polimorfismos genéticos em cerca de 200 pacientes, adultos (>18 anos), portadores de Hb SS and Hb Sb-thalassaemia, e Hb SC, dos quais cerca de 20% apresentam ulcera de membros inferiores Associação entre ulcera de perna e SNP do Klotho foram encontradas para os polimorfismos rs211234 e rs211239 (p= 0,0046 – genótipo GA;  p= 0,0148, respectivamente) Nossos dados, desta forma, indicam que alterações em genes produtores de NO, como o gene Klotho estão envolvidos em manifestações clínicas de pacientes com doenças falciformes. Este fato, auxilia no conhecimento sobre a patogenese das úlceras cutâneas, ajudando a identificar indivíduos que apresentam maior risco para a mesma, além de tornar mais próxima e intervenção terapêutica eficaz. Não foi encontrada correlação com as demais manifestações citadas.
ATELIÊ ARTETERAPÊUTICO EM AMBULATÓRIO DE OBESIDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. UM ESTUDO DESCRITIVO DAS LINGUAGENS ACIONADAS NO PROCESSO ARTETERAPêUTICO.
CAMARGO, Ana Paula P. M.; GIGLIO, Joel Gales; GONÇALVES, Tatiana Fecchio C.;
O Ateliê Arteterapêutico busca promover a livre expressão dos sujeitos através da exploração dos materiais gráficos, plásticos e expressivos, facilitando o autoconhecimento, a consciência corporal, a integração entre consciente e inconsciente, o reconhecimento do papel individual e grupal e a expressão das linguagens do sujeito, seja ela verbal ou não-verbal. Este trabalho objetivou descrever as linguagens emergentes no processo arteterapêutico de um paciente inscrito no programa de atendimento do Ambulatório de Obesidade na Infância e Adolescência do departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp. Procuramos seguir os pressupostos da Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung e da Fenomenologia-existencial de Maurice Merleau-Ponty, e fizemos  uma aproximação entre essas duas concepções com o propósito de pontuar os aspectos de confluência e distanciamento,  na medida em que os resultados foram sendo obtidos. Realizamos um estudo de caso de abordagem qualitativa e acompanhamos  uma criança do sexo masculino, com oito anos de idade por 20 semanas consecutivas.  Através das dinâmicas e das técnicas da arteterapia buscamos legitimar as linguagens emergidas e privilegiadas pelo sujeito e posteriormente discutimos os resultados da coleta de dados a luz da psicologia analítica e da fenomenologia existencial. No inicio dos atendimentos Ulisses optou por desenhar e pintar sem comunicação verbal com a pesquisadora, posteriormente passou a fazer algumas perguntas e questionamentos. Em certa sessão solicitou a construção de pipas. Desse dia em diante o garoto demonstrou-se mais receptivo com a pesquisadora. Os desenhos nos revelaram aspectos da vida familiar e social de Ulisses, sua relação com as pessoas, suas brincadeiras preferidas, seu relacionamento com familiares, professores e amigos. Em relação ao garoto poderíamos aqui sintetizar este percurso como o revelar, nas infindas figuras geométricas desenhadas, que tantas vezes em silêncio simbolizou não somente seu psiquismo, sua vida interior, mas a sua relação com seu mundo. Que neste sentido traçou sonhos, desenhou possibilidades não vividas e desejos não verbalizados ; jogar bola, soltar pipas e estar ao lado de sua mãe. A pesquisa possibilitou abrir caminhos para novas discussões nesta interface entre psicologia e arte, e estimando o uso dos recursos plásticos e expressivos na relação terapêutica com crianças em Hospital Geral.
ATELIê ARTETERAPêUTICO EM AMBULATóRIO DE OBESIDADE NA INFâNCIA E NA ADOLESCêNCIA. UM ESTUDO DESCRITIVO DAS LINGUAGENS ACIONADAS NO PROCESSO ARTETERAPêUTICO.
Camargo, Ana Paula de Mello ; Gonçalves, Tatiana Fecchio; Giglio, Joel Sales;
O Ateliê Arteterapêutico busca promover a livre expressão dos sujeitos através da exploração dos materiais gráficos, plásticos e expressivos, facilitando o autoconhecimento, a consciência corporal, a integração entre consciente e inconsciente, o reconhecimento do papel individual e grupal e a expressão das linguagens do sujeito, seja ela verbal ou não-verbal. Este trabalho objetivou descrever as linguagens emergentes no processo arteterapêutico de um paciente inscrito no programa de atendimento do Ambulatório de Obesidade na Infância e Adolescência do departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas/Unicamp. Procuramos seguir os pressupostos da Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung e da Fenomenologia-existencial de Maurice Merleau-Ponty, e fizemos  uma aproximação entre essas duas concepções com o propósito de pontuar os aspectos de confluência e distanciamento,  na medida em que os resultados foram sendo obtidos. Realizamos um estudo de caso de abordagem qualitativa e acompanhamos  uma criança do sexo masculino, com oito anos de idade por 20 semanas consecutivas.  Através das dinâmicas e das técnicas da arteterapia buscamos legitimar as linguagens emergidas e privilegiadas pelo sujeito e posteriormente discutimos os resultados da coleta de dados a luz da psicologia analítica e da fenomenologia existencial. No inicio dos atendimentos Ulisses optou por desenhar e pintar sem comunicação verbal com a pesquisadora, posteriormente passou a fazer algumas perguntas e questionamentos. Em certa sessão solicitou a construção de pipas. Desse dia em diante o garoto demonstrou-se mais receptivo com a pesquisadora. Os resultados nos revelaram aspectos da vida familiar e social de Ulisses, sua relação com as pessoas, suas brincadeiras preferidas, seu relacionamento com familiares, professores e amigos. Em relação ao garoto poderíamos aqui sintetizar este percurso como o revelar nas infindas figuras geométricas desenhadas, que tantas vezes em silêncio simbolizou não somente seu psiquismo, sua vida interior, mas a sua relação com seu mundo. Que neste sentido traçou sonhos, desenhou possibilidades não vividas e desejos não verbalizados ; jogar bola, soltar pipas e estar ao lado de sua mãe. A pesquisa possibilitou abrir caminhos para novas discussões nesta interface entre psicologia e arte, e estimando o uso dos recursos plásticos e expressivos na relação terapêutica com crianças em Hospital Geral.    
ATIVIDADE INFLAMATÓRIA E APOPTOSE EM RESERVATÓRIOS ILEAIS DE DOENTES OPERADOS POR POLIPOSE ADENOMATOSA FAMILIAR E RETOCOLITE ULCERATIVA INESPECÍFICA.
Leal, Raquel Franco ; Ayrizono, Maria de Lourdes Setsuko; Milanski, Marciane ; Coope, Andressa ; Fagundes, João José ; Moraes, Juliana Contim; Velloso, Lício Augusto; Coy, Cláudio Saddy Rodr;
A retocolectomia total com anastomose do reservatório ileal ao canal anal é a cirurgia de escolha para doentes com retocolite ulcerativa inespecífica (RCUI) refratária ao tratamento clínico e para polipose adenomatosa familiar (PAF), com pólipos retais. A ileíte do reservatório é uma das complicações mais comuns, sendo freqüente nos doentes com RCUI, porém rara na PAF. Objetivo: Avaliar a atividade inflamatória e apoptótica em mucosa de reservatórios ileais endoscopicamente normais pela expressão de IFN-γ, STAT-1, IL-10, SOCS-3, Bax, Bcl-2, FADD/Caspase-8 e Apaf-1/Caspase-9 em RCUI e PAF operados. Casuística e Métodos: Estudou-se 18 doentes submetidos à cirurgia com reservatório ileal (RI) em “J”, sendo nove doentes com RCUI e nove com PAF. O grupo controle foi constituído por nove doentes com íleo-colonoscopia normal. As biópsias foram congeladas em nitrogênio líquido e as expressões de IFN-γ, STAT-1, IL-10, SOCS-3, Bax e Bcl-2 foram avaliadas por meio de imunoblot de extrato protéico total.  As expressões de FADD/Caspase-8 e Apaf-1/Caspase-9 foram determinadas por meio de ensaio de imunoprecipitação e imunoblot. Utilizou-se imunoistoquímica para Bax e Bcl-2 e imunofluorescência com Anexina V. Resultados: Expressão de STAT-1 foi maior em RCUI, quando comparada com PAF e controles (p<0.05). A expressão de IFN-γ foi maior em RCUI quando comparada aos controles (p<0.05). Expressões de IL-10, SOCS-3 e Bcl-2 foram semelhantes em todos os grupos (p>0.05). Expressão de Apaf-1/Caspase-9 foi maior em RCUI comparada à PAF (p<0.05), entretanto FADD/Caspase-8 foi similar entre os grupos (p>0.05). Conclusão: Os doentes com RCUI apresentaram maiores níveis das citocinas pró-inflamatórias na mucosa do RI, sendo estas semelhantes àquelas presentes em mucosa colorretal de RCUI ativa, mesmo na ausência de sinais clínicos e endoscópicos de ileíte do reservatório. Além disso, houve expressão aumentada de proteínas pró-apoptóticas no Grupo RCUI, podendo justificar a maior susceptibilidade dos doentes operados por RCUI a esta complicação. Demonstrou-se também, alteração dos mecanismos de apoptose em PAF, que poderia explicar a diminuição da renovação celular e presuntivamente, o aparecimento de adenomas nesta síndrome.
AUMENTO DA EXPRESSÃO DE NANOG EM MEDULA ÓSSEA DE PACIENTES COM MIELODISPLASIA DURANTE A DIFERENCIAÇÃO ERITRÓIDE.
Xavier, Juliana Martins; Barcellos, Karin Albino; Traina, Fabiola ; Costa, Fernando Ferreira; Saad, Sara Olalla;
  Introdução: As síndromes mielodisplásicas (SMD) são um grupo de desordens hematológicas caracterizada por diferenciação anormal e pelo risco da progressão para Leucemia Mielóide Aguda (LMA).         Em SMD, a ativação de NFκB é responsável pela progressão da doença de baixo para alto risco.         A ligação de NFκB à NANOG resulta na inativação de NFκB. Esse processo coopera com STAT3 na manutenção da pluripotência.         Desta forma, o objetivo do estudo foi avaliar a expressão de NANOG em medula óssea e durante a diferenciação eritróide de células CD34+ de pacientes com SMD e compara-la com doadores de medula óssea normal.          Materiais e Métodos: 12 pacientes com SMD (9 AR, 2 ARSA e 1 AREBt), 8 pacientes LMA  e 7controles foram submetidos à coleta de 10 a 20mL de medula óssea. Os eritrócitos foram lisados para extração de RNA por trizol. Foi realizado transcrição reversa e RT-PCR utilizando ABL como controle endógeno.         Células CD34+ foram isoladas de amostras de medula óssea de 4 pacientes SMD (AR) e de 3 doadores de medula óssea para diferenciação eritróide. Dessa maneira, as células CD34+ foram cultivadas em metilcelulose com SBF (50ng/mL), IL3 ( 30UI/mL) e EPO ( 3U/mL) por 6 dias. Posteriormente, as colônias foram lavadas e as células incubadas em meio liquido contendo alpha-MEM com EPO (2U/mL), 30% de SBF, 8% de BSA, 300 mg/mL de holotransferrina e 10-5M of ß-mercaptoetanol. As células foram mantidas em cultura por mais 9 dias, sendo coletadas nos dias 0, 3 e 6 da sua segunda fase para extração de RNA.         Resultados: Observou-se um nível maior de expressão de NANOG nos pacientes SMD quando comparados tanto ao nível de expressão de doadores normais de medula óssea, quanto pacientes LMA. ([média (min-max); SMD = 3.16 (0.93 – 14.11); LMA = 1.23 (0.27 – 4.88); doadores normais = 1.16 (0.16 – 3.24); SMD vs LMA p= 0.0082; SMD vs normal, p= 0.0141].          A alta expressão de NANOG em SMD foi mantida em todas as fases de diferenciação eritróide de células CD34+. A média de expressão de NANOG em SMD é de pelo menos 4 vezes maior que doadores normais no dia 0, 11 vezes maior no 3º dia e 9 vezes maior no 6º dia de cultura, sendo nesse dia pelo menos 4 vezes maior que uma célula CD34+ de doador normal não expandida.         Conclusão: Pacientes com mielodisplasia possuem maior expressão de NANOG quando comparados tanto aos controles quanto a pacientes LMA, possivelmente pela sua relação de inibição com NFκB.         Sabe-se que durante a diferenciação eritróide há ativação de PI3k. Além disso, a inibição de PI3K, resulta na diminuição tanto de mRNA quanto de proteína NANOG. Juntos, esses resultados sugerem que o aumento da expressão de NANOG durante a diferenciação eritróide pode estar relacionado à ativação de PI3K.
AUSÊNCIA DE EVIDENCIA DO ENVOLVIMENTO DO POLIMORFISMO +105 A/C DE IL-18 NO DESENVOLVIMENTO DO CÂNCER DE TIRÓIDE
Cunha, Lucas Leite; Assumpção, Lígia Montalli; Ward, Laura Sterian;
Em estudo recente nosso grupo demonstrou que a infiltração linfocitária bem como a tiroidite linfocítica crônica influenciam a evolução de pacientes com carcinomas papilíferos da tiróide. A interleucina 18 (IL-18) é uma citocina pró-inflamatória envolvida na diferenciação de linfócitos Th1 que, além de inibir a IL-10, possui notáveis características anti-inflamatórias e imunomoduladoras. O gene IL-18 está localizado no cromossomo 11 e contém 6 exons. Polimorfismos neste gene têm sido correlacionados a diversas patologias autoimunes e também a progressão tumoral. Dentre estes polimorfismos, destaca-se o +105 A/C localizado no códon 35. Este polimorfismo poderia alterar o grau de expressão gênica de IL-18. Assim o objetivo do presente estudo foi investigar o papel das variantes +105 da IL-18 no mais freqüente tumor endócrino humano, o da tiróide. Foram genotipados 208 pacientes com câncer de tiróide (165 mulheres, 36 homens; 41,71±15,15 anos), incluindo 159 carcinomas papilíferos, 34 foliculares, 5 medulares e 3 anaplásicos, pareados para sexo, idade e etnia com 145 (78 mulheres, 66 homens; 41,98 ± 12,84 anos) indivíduos-controle saudáveis sem evidência de doença tiroidiana. Dados clínicos e anatomopatológicos dos pacientes foram coletados dos respectivos prontuários. Todos os pacientes foram tratados de acordo com um mesmo protocolo e seguidos por até 34 anos (75,23 ± 68,05 meses). Foram classificados, a partir dos níveis de Tiroglobulina sérica (Tg) e métodos de imagem rotineiramente solicitados durante o seguimento, em pacientes de má ou de boa evolução de acordo com o aparecimento de recidivas/óbito ou a sua ausência, respectivamente. Nossos resultados mostraram uma distribuição genotípica similar nos pacientes (AA 40,86%; AC 48,07%; CC 11,07%) e nos indivíduos-controle (AA 48,96%; AC 40,68%; CC 10,36%) (p=0,3097). O perfil genotípico de IL-18 não se correlacionou com a presença de tiroidite linfocítica crônica concomitante (p=0,2927), multi ou unifocalidade tumoral (p=0,7947), tipo histológico (p=0,4285), grau de diferenciação do tumor (p=0,0945), invasão (p=0,5754), metástase ganglionar (p=0,5137) ou metástase à distância (p=0,1360) ao diagnóstico ou durante o seguimento. Em conclusão, nossos dados sugerem que o polimorfismo +105 da IL-18 não possui papel relevante na patogênese do câncer de tiróide.
AVALIAçãO DA BIOCOMPATIBILIDADE DE DIAMANTE MICROCRISTALINO E NANOCRISTALINO PARA APLICAçõES ORTOPéDICAS
Rodrigues, Ana Amélia; Baranauskas, Vitor ; Peterlevitz , Alfredo Carlos; Ceraglioli, Helder José; dos Santos Jr, Arnaldo Rodrigues; Belangero, William Dias;
  RESUMO: Os materiais usados para a fabricação de implantes ortopédicos apresentam alguns problemas clínicos, tais como corrosão e liberação de partículas que resultam localmente no afrouxamento e soltura de próteses e sistemicamente em reações inflamatórias e carcinogências ainda pouco conhecidas. O diamante produzido pela técnica de deposição química na fase vapor (CVD: Chemical Vapour Deposition) é um material com grande potencial de uso devido a suas características físico químicas. Dentre elas pode-se destacar a inércia química, extrema dureza e o baixo coeficiente de atrito, todas importantes para materiais que necessitam resistir ao desgaste e à corrosão produzida pelos fluídos do corpo humano.  OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi avaliar por análise “in vitro” e “in vivo” a biocompatibilidade de duas amostras do diamante CVD: diamante microcristalino (DM) composto por hidrogênio e diamante nanocristalino (DN) composto por hidrogênio e 65% de argônio.  MATERIAL E MÉTODO: No estudo in vitro foram adotados testes de citotoxicidade indireta e direta. Na análise indireta, as amostras de diamante foram incubadas por 48h em meio Ham F-10 e em seguida os extratos dessa incubação foram colocados em cultura de células Vero do tipo fibroblastos para verificar a liberação ou não de substâncias tóxicas. Na análise direta as células foram cultivadas sobre tubos de DM e DN. A proliferação e a adesão celular foram medidas por um leitor de microplacas e os dados morfológicos foram obtidos por analise citoquímica e Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV). Na análise “in vivo” tubos de DM e DN com 10 mm x 1,2mm foram implantados na diáfise femoral de ratos da linhagem Wistar. A interface diamante-osso foi avaliada quatro e oito semanas pós implante por meio de Microscopia Óptica Convencional (MOC) e MEV. RESULTADOS: Na análise “in vitro” os resultados mostraram que o DM e DN não interferiram no desenvolvimento celular, entretanto houve maior proliferação com síntese inclusive de matriz extracelular sobre os tubos de DN. No estudo in vivo, as analises de MOC e MEV mostraram interação óssea e crescimento de tecido sobre os dois tubos, no entanto houve comparativamente maior crescimento e adesão de tecido sobre a superfície do DN. CONCLUSÃO: Pode-se concluir que o DM e DN são materiais biocompatíveis, sendo que o último propiciou maior estimulo ao crescimento celular e formação de tecido sobre a sua superfície. Estes resultados abrem um campo de investigação extremamente interessante nesta área já que pode-se de acordo com a função desejada selecionar um ou outro tipo de material. Novos estudos devem ser realizados para se descobrir a causa deste comportamento diferenciado. De qualquer modo existem indícios de que isto possa estar relacionado com o acabamento superficial dos tubos. Pela microscopia eletrônica de varredura ficou evidente que há uma forma padrão de irregularidade maior e diferenciada sobre os bastões de DN justificando até certo ponto este seu desempenho.
AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES INFECTADOS PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA EM TERAPIA ANTIRRETROVIRAL DE ALTA ATIVIDADE
Ramalho, Luiz Carlos de Barros ; Baldim, Alexandre Duarte ; Guerra-Júnior, Gil ; Morcillo, André Moreno ; Marmo, Denise Barbieri ; Vilela, Maria Marluce dos Santos ; Silva, Marcos Tadeu Nolasco da ;
INTRODUÇÃO: O advento da Terapia Antirretroviral de Alta Atividade (TARV) resultou em aumento da sobrevida de crianças e adolescentes infectados pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). No entanto, em uma proporção significativa de pacientes, a TARV, especialmente contendo inibidores de protease (IPs), pode apresentar efeitos adversos sobre o metabolismo lipídico, resultando em alterações na distribuição da gordura corporal. OBJETIVO: Avaliar a composição corporal de crianças e adolescentes infectados pelo HIV em TARV, verificando a associação entre as alterações da composição corporal e variáveis ligadas aos esquemas de TARV, ao controle clínico, imunológico e virológico da infecção, à composição da dieta e à atividade física. MÉTODO: Estudo analítico observacional, prospectivo, de corte transversal. Foram incluídos pacientes com infecção pelo HIV confirmada laboratorialmente, em TARV, seguidos em serviço de referência regional, com idades entre 7 e 20 anos. Peso, estatura e Índice de Massa Corpórea (IMC) foram avaliados por técnicas antropométricas usuais. A composição corporal (percentual de massa magra e massa gorda) foi avaliada por técnicas antropométricas, com uso de adipômetro, e por bioimpedância elétrica (BIA). A presença de lipodistrofia ou lipo-hipertrofia foi definida por escore clínico. Categorias clínicas e imunológicas foram definidas com base em diretrizes do Ministério da Saúde. A avaliação imunológica foi realizada com estudo das subpopulações linfocitárias (linfócitos T CD4+ e CD8+) por citometria de fluxo. A avaliação virológica foi realizada por meio da determinação da Carga Viral. Utilizou-se recordatório alimentar de 24 horas para avaliação da composição da dieta, com análise pelo programa Sistema de Apoio ä Decisão em Nutrição versão 2.5. A atividade física foi avaliada por questionários padronizados (IPAC e PAC-C). A tabulação dos dados e a análise estatística foram realizadas com o uso do programa "SPSS for Windows", sendo utilizados os testes do Qui-Quadrado, Mann-Whitney e de Coeficiente de Correlação para a análise da associação entre variáveis. O estudo foi aprovado por Comitê de Ética em Pesquisa. RESULTADOS: Foram avaliados 77 pacientes, sendo 41 do sexo masculino, com idades médias de 12,75 anos (meninos) e 11,91 anos (meninas). A prevalência de lipodistrofia foi de 36,4% e de lipohipertofia 37,7%. Observou-se sobrepeso em 5,2% e desnutrição em 6,5% dos pacientes. Baixa estatura foi identificada em 16,9% dos pacientes. O percentual de gordura corporal foi normal em 31,2%, aumentado em 26% e diminuído em 42,8%. Não foi observada associação estatisticamente significativa entre as alterações de composição corporal e o uso de IPs, controle clínico, imunológico ou virológico, dieta e atividade física. A comparação entre BIA e antropometria para a avaliação da composição corporal mostrou correlação significativa entre técnicas, com coeficiente de correlação de Spearman de 0,71 para massa gorda e 0,89 para massa magra (p < 0,001). CONCLUSÃO: A populaç&
AVALIAçãO DA ESTEATORRéIA PELA CLíNICA E PELO ESTEATóCRITO EM PACIENTES SUBMETIDOS à RECONSTRUçãO DE TRâNSITO POR Y-ROUX E ROSANOV MODIFICADO APóS GASTRECTOMIA TOTAL
Cesconetto, Danielle Menezes; Lopes, Luiz Roberto ; Ribeiro, Fernando ;
INTRODUÇÃO-Esteatorréia é complicação comum da exclusão do duodeno do trânsito intestinal após gastrectomia total, como ocorre na técnica de Y de Roux(Y).Realizamos um estudo clínico, testando técnica de Rosanov modificada(R) que mantém duodeno no trânsito intestinal para avaliar absorção de gordura pós-gastrectomia.OBJETIVOS-Comparar porcentagem de gordura nas fezes de pacientes submetidos à gastrectomia total com reconstrução de trânsito por Y e R, avaliar sintomas, perda/ganho de peso a curto/ longo prazo, sobrevida e exames laboratoriais.CASUÍSTICA E MÉTODOS-Levantamos prontuários dos pacientes submetidos à gastrectomia total pelo grupo de Esôfago-Estômago-Duodeno do Hospital das Clínicas da UNICAMP de janeiro de 1989 a dezembro de 2007.Preenchemos um questionário semi-estruturado com base em entrevista, dados anteriores à cirurgia e nos valores dos exames atuais(hemograma, dosagem de proteína sérica e dosagem de gordura nas fezes- esteatócrito).Nesse último método, criou-se grupo controle de 22 amostras de fezes de voluntários sem patologias do trato gastrointestinal ou cirurgias prévias, de ambos sexos e faixa etária proporcional às dos pacientes estudados.A referência para o método em adultos é dada pela média± 2 desvios-padrão do grupo controle sem má absorção.Critérios de exclusão: recusa, pós-operatório menor que 6 meses e prontuário inativo no sistema(5 ou mais anos).RESULTADOS-Foram realizadas 266 gastrectomias totais: 177 (66,5%) reconstruções de trânsito por Y e 89 (33,5%) por R.Desses, havia 64 prontuários em atividade, resultando em perda de seguimento, sendo óbito provável causa, de 76%.Obtivemos 47 pacientes no grupo Y e 17 no grupo R.No grupo Y, dos 47 prontuários ativos, obtivemos abordagem/coleta de exames completa em 32; 3 recusas;11 óbitos e 1 perda de uma amostra.No grupo R, dos 17 prontuários ativos, obtivemos abordagem/coleta de exames completa em 11; 1 recusa; 4 óbitos e 1 paciente sem contato.Ficou estabelecido valor de 4,92% como limite superior do método esteatócrito com base no controle.O grupo R apresentou apenas um valor acima da referência, sendo esse 7,1%, 5 dos 11 pacientes (45,5%) apresentaram o valor de 0% de gordura.O grupo Y apresentou valores de 0% a 15,4%, sendo 14 deles (43,7%) acima do valor de referência. Realizando-se teste t de Student, tomando-se 5% como nível de segurança, temos diferença significativa entre os dois grupos (p=0,003), sendo o grupo R semelhante ao grupo controle (p=0,269) e o grupo Y diferente do controle(p=0,001).Predomínio de mulheres no grupo R(54,5%) e de homens no grupo Y(68,7%), idade média na cirurgia semelhante nos dois grupos. Porém, grupo R apresentou a menor faixa etária de todo estudo-19 anos.Tempo de pós-operatório foi maior ou igual a 5 anos em 63,6% dos pacientes do grupo R e em apenas 21,9% do grupo Y, considerando 10 anos, temos: 45,4% e 9,3%, respectivamente.Não houve diferença na análise da perda e ganho de peso a curto/longo prazo.O grupo R apresentou melhor status laboratorial com menor prevalência de anemia (27,3% x 78,1%- p=0,001) e maiores dosagens séricas de proteína (p=0,026).Houve alteração do hábito intestinal após cirurgia em 72,1% dos pacientes, sendo aumento do número de evacuações mais prevalente, principalmente no grupo Y
AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA PARA A DOENÇA CEREBROVASCULAR (SSQOL) E O USO DA COMUNICAÇÃO SUPLEMENTAR E/OU ALTERNATIVA EM SUJEITOS AFÁSICOS
Bahia, Mariana Mendes; Chun, Regina Yu Shon;
Introdução: A noção de qualidade de vida (QV) em saúde tem mudado ao longo do tempo, sendo aqui entendida de modo mais abrangente, incluindo a satisfação pessoal dos indivíduos nas atividades diárias e em suas relações pessoais, o viver em condições adequadas e o acesso à educação, à saúde e ao lazer, dentre outros. Apresenta-se trabalho desenvolvido em parceria entre duas unidades da UNICAMP – Curso de Graduação em Fonoaudiologia – CEPRE/FCM e o Centro de Convivência de Afásicos e não Afásicos (CCA) - IEL/UNICAMP. Este estudo volta-se a sujeitos afásicos pela carência da temática na literatura e pelas repercussões na QV desses sujeitos em aspectos como: dependência nas tarefas cotidianas, interferência nas relações sociais e comprometimentos lingüísticos e psíquico-afetivos.  Assim vista, a QV amplia a abordagem de assistência à saúde, consolida novos paradigmas do processo saúde-doença e favorece a Promoção da Saúde. Nesse contexto, a Comunicação Suplementar e/ou Alternativa (CSA) mostra-se como possibilidade de favorecimento da linguagem e das interações sociais e, conseqüentemente, da QV. Objetivo: Investigar questões de linguagem e de QV de sujeitos afásicos a partir do uso da CSA. Método: Pesquisa de abordagem qualitativa-quantitativa de corte longitudinal, cujo corpus se constitui de 05 sujeitos afásicos usuários da CSA, participantes do CCA - IEL/UNICAMP. Os dados foram coletados por meio de registros em vídeo do acompanhamento fonoaudiológico com CSA no período de agosto de 2006 a junho de 2008, depoimentos dos sujeitos acerca da CSA e aplicação do Questionário Específico da Avaliação da Qualidade de Vida para a Doença Cerebrovascular (SSQOL), traduzido e adaptado culturalmente para a língua portuguesa, além de informações dos prontuários institucionais referentes às características de linguagem, da afasia e da história de cada um. Resultados: Apresentam-se aqui resultados parciais referentes aos depoimentos dos sujeitos e ao SSQOL, que evidenciam aspectos da QV por meio da descrição de 12 domínios (cuidados pessoais, visão, linguagem, mobilidade, trabalho/produtividade, função do membro superior, modo de pensar, comportamento, ânimo, relações familiares, relações sociais e energia). O escore médio dos domínios foi de 172,2, sendo o escore mínimo possível de 49 e o máximo de 245 pontos. As maiores dificuldades relacionam-se à linguagem (64%), seguida das relações sociais (52%) e do modo de pensar (46,7%). Os domínios do SSQOL menos prejudicados pelo AVC foram visão (86,7%), relações familiares (66,6%) e energia (60%). Na comparação entre as impressões dos sujeitos no momento atual em relação ao período anterior ao AVC encontrou-se que todos os sujeitos referiram que sua QV piorou após o episódio lesional. A análise dos depoimentos dos sujeitos e dos registros em vídeo demonstra que, de modo geral, a CSA contribui para favorecimento da interação e da linguagem em atividades como conversa entre o grupo, jogos, construção de poesias e textos, cantar e trocar receitas. Conclusão: Os achados evidenciam a efetividade da parceria entre as unidades em bene
AVALIAçãO DA RIGIDEZ ARTERIAL PELO MéTODO DA VELOCIDADE DE ONDA DE PULSO (VOP) EM HIPERTENSOS RESISTENTES E CONTROLADOS
Favero, Fabrício Faveri; Sabha, Maricene ; Martins, Luis Cláudio; Aníbal, Delano ; Souza, Walnéia Aparecida; Júnior, Heitor Moreno;
 A hipertensão afeta aproximadamente um bilhão de indivíduos no mundo todo e o enrijecimento arterial apresenta-se elevado na doença. Danos nas grandes artérias é o maior contribuinte para doenças cardiovasculares e por isso requerem uma avaliação precoce dos fatores de risco cardiovasculares. Entre os métodos simples e não-invasivos da avaliação da rigidez arterial, a medida da velocidade de onda de pulso (VOP), em m/s, é amplamente utilizada como um índice de elasticidade e rigidez arterial, podendo ser facilmente aplicada na avaliação do risco cardiovascular. Este estudo avaliou a VOP carótido-femoral em 42 hipertensos resistentes (HAR), 46 hipertensos controlados (HAC) e 41 indivíduos normotensos (CT). O equipamento utilizado foi o Complior® System (Artech-Medical, Pantin-France). Os estudos foram realizados no período inicial (fase 0), com tratamento medicamentoso otimizado, e após 6 meses com tratamento otimizado associado ao uso de espironolactona, 25 mg/uma vez ao dia (fase 1). Analisou-se a medida de pressão arterial pelo método auscultatório em ambas as fases e pelo método oscilométrico MAPA (Monitoração Ambulatorial de Pressão Arterial) dos três grupos na fase 0. RESULTADOS: Os resultados expressos em média ± desvio padrão, mostram que na fase 0 a VOP do grupo CT (7,8 ± 1,06 m/s) foi inferior à do grupo HAC (8,6 ± 1,26 m/s), que foi inferior à do HAR (9,3 ± 1,5 m/s). Na fase 1 a VOP do grupo CT (7,8 ± 1,12 m/s) foi inferior à do grupo HAC (8,42 ± 1,19 m/s), que foi inferior à do grupo HAR (9,4 ± 1,45 m/s). Ocorreu diferença estatística significante (P<0,05) entre grupo CT e HAC, e grupo CT e HAR em ambas as fases. Não foram observadas variações da VOP após a introdução da espironolactona na fase 1. Na fase 0 as medidas de pressão arterial sistólica e diastólica pelo método auscultatório do grupo CT (118,1 ± 7,64 / 78,23 ± 5,12 mmHg) foram inferiores às do grupo HAC (139,2 ± 11,55/ 87,7 ± 8,43 mmHg), que foram inferiores às do grupo HAR (157,9 ± 13,6 / 101,2 ± 10,03 mmHg). Na fase 1 as medidas do grupo CT (117,6 ± 7,45 / 77,94 ± 5,21 mmHg) foram inferiores às do grupo HAC (122 ± 9,34 / 81,1 ±7,5 mmHg), que foram inferiores à do grupo HAR (138,7 ±13.23 / 92 ± 9,78 mmHg). Ocorreu diferença estatística significante (P<0,05) entre grupo CT e HAC, e CT e HAR, e entre HAC e HAR na fase 0; na fase 1 entre grupo CT e HAR. Observou-se uma diminuição significante (P<0,05) da pressão arterial dos grupos HAC e HAR da fase 0 para fase 1. Os resultados da MAPA mostraram medidas da pressão arterial sistólica e diastólica de 24 hs do grupo CT (114,60±7,36 / 73,37±5,97 mmHg) inferiores às do grupo HAC (127,21±13,87 / 80,06±12,13 mmHg), que foram inferiores às do grupo HAR (139,52±19,11 / 85,18±12,97 mmHg) com significância estatística (P<0,05) entre grupo CT e HAC; CT e HAR. Os grupos HAC e HAR apresentaram valores de pressão arterial pela MAPA, inferiores aos obtidos pelo método auscultatório (P<0,05). O número de classes de medicamentos utilizados pelos grupos HAC (2,5) e HAR (3,6) foram os mesmos em ambas as fases. Foi realizado o ajuste posológico dos outros antihipertensivos após introdução da espironolactona (fase 1), obtendo-se uma re
AVALIAçãO DAS PROPRIEDADES PSICOMéTRICAS DA VERSãO BRASILEIRA DO INSTRUMENTO JOB FACTORS QUESTIONNAIRE
Coluci, Marina Orpinelli; Alexandre, Neusa Costa;
As desordens osteomusculares são as maiores causas de incapacidade e de ausência ao trabalho em muitos grupos ocupacionais e podem ser causadas por fatores ergonômicos relacionados ao trabalho. Questionários e escalas têm sido considerados importantes estratégias para identificar esses fatores, possibilitando avaliar a efetividade de intervenções ergonômicas e prevenir sintomas osteomusculares. Porém, existe uma necessidade de instrumentos voltados para a população brasileira. O objetivo desta pesquisa foi realizar uma adaptação cultural do questionário “Job Factors Questionnaire” e avaliar suas propriedades psicométricas. A adaptação cultural foi realizada de acordo com metodologia internacionalmente recomendada, seguindo as etapas de tradução, síntese, retro-tradução, revisão por um comitê de especialistas e pré-teste. O questionário foi traduzido independentemente por dois tradutores, cuja língua materna era o português. Após a síntese dessas traduções, outros dois tradutores, que possuíam como língua nativa o inglês, realizaram as retro-traduções. Um comitê multidisciplinar composto por seis especialistas revisou e comparou as traduções, desenvolvendo uma versão final para aplicação no pré-teste. O pré-teste foi realizado com 40 trabalhadores. As propriedades psicométricas foram avaliadas por meio da administração do questionário em 148 trabalhadores de indústrias metalúrgicas. A confiabilidade foi verificada por meio da estabilidade. A validade de constructo foi avaliada utilizando a técnica dos grupos conhecidos, aplicando o questionário em trabalhadores das áreas de produção e administrativa. A validade também foi verificada comparando as respostas dos trabalhadores com os achados obtidos com os escores do Questionário Nórdico. Os resultados indicaram que as etapas da adaptação cultural foram completadas e produziu-se uma versão final do questionário. A confiabilidade foi obtida pelo procedimento de teste-reteste em um intervalo de sete dias, utilizando o Coeficiente de Correlação Intraclasse (CCI). Os valores de CCI foram calculados para cada uma das 15 questões do questionário. Os valores CCI demonstraram uma boa concordância para a maioria dos itens do instrumento, variando de 0,61 a 0,73. Considerando a validade de constructo, houve uma diferença significativa (p < 0,02) entre as respostas dos dois grupos de trabalhadores em dez questões do questionário. O teste de validade demonstrou uma diferença significativa (p < 0,01) nos valores de cada item do questionário sobre percepção de fatores do trabalho que poderiam contribuir para o desenvolvimento de dor e/ou lesão entre os sujeitos que indicaram a presença de sintomas e aqueles que revelaram ausência deles, de acordo com o Questionário Nórdico. Concluiu-se que o processo de adaptação cultural foi realizado com sucesso e a versão adaptada do questionário demonstrou possuir propriedades psicométricas adequadas, tornando-se confiável para ser aplicado na cultura brasileira.
AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES PSICOMÉTRICAS DO QUESTIONÁRIO “AVALIAçãO DE INCAPACIDADE CAUSADA PELA DOR” (THE PAIN DISABILITY QUESTIONNAIRE - PDQ).
Giordano, Patricia C. Moreira; Alexandre, Neusa M Costa;
    A literatura relata que a dor osteomuscular tem sido um dos maiores problemas de saúde pública em países desenvolvidos. Apresenta um impacto na população em função de sua elevada prevalência e morbidade, podendo desencadear um grande potencial de incapacidade. O presente estudo teve como objetivo realizar a adaptação cultural do The pain disability questionnaire, e avaliar sua confiabilidade e validade em pacientes portadores de dor osteomuscular crônica. No processo de adaptação cultural foram seguidos os seguintes passos: tradução, síntese, retro-tradução, avaliação por um comitê e realização do pré-teste. Para a avaliação das propriedades psicométricas verificou-se a confiabilidade, a validade e a praticabilidade. A confiabilidade foi avaliada por meio da consistência interna e da estabilidade (teste-reteste). A validade foi obtida por meio da correlação entre os escores do PDQ, Escala numérica da dor e do Índice de Qualidade de Vida de Spitzer. A validade também foi verificada utilizando a técnica de grupos conhecidos. Participaram do estudo 119 pacientes. Os resultados demonstraram um coeficiente alfa de Cronbach= 0,86 para o PDQ Total. Na aplicação do teste-reteste, encontrou-se coeficiente de correlação intraclasse ICC= 0,952 (p<0,001; IC 95%: 0,932; 0,966). Em relação à correlação dos pontos do PDQ com a Escala numérica de dor, foram encontrados valores com baixa correlação (r=0,33) e com o do Índice de Qualidade de Vida de Spitzer encontrou-se uma correlação significativa (r=0,70). Na avaliação da validade de constructo por meio de grupos conhecidos fez-se a comparação de dois grupos distintos, um com dor osteomuscular e outro assintomático. Encontrou-se uma diferença estatística significativa, demonstrando uma validade de constructo confiável. A avaliação da praticabilidade demonstrou que sua aplicação é rápida e de fácil entendimento pelos sujeitos do estudo. Desta forma, conclui-se que o instrumento adaptadoserá, portanto, útil em pesquisas e uma importante ferramenta na prática clínica, tanto na avaliação como na intervenção de pacientes portadores de dor osteomuscular crônica.
AVALIAçãO DE POTENCIAIS BIOMARCADORES DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR A PARTIR DE ANáLISES DE METABóLITOS E PROTEíNAS EM SORO SANGüíNEO
Sussulini, Alessandra ; Prando, Alessandra ; Maretto, Danilo Althmann; Tasic, Ljubica ; Poppi, Ronei Jesus; Kratzin, Hartmut ; Arruda, Marco Aurélio Zezzi; Banzato, Claudio E M;
     O transtorno afetivo bipolar afeta entre 1 a 3% da população mundial e seu mecanismo em nível molecular permanece desconhecido. A descoberta de biomarcadores pode auxiliar na compreensão da patofisiologia da doença, bem como no diagnóstico precoce da mesma. O objetivo deste trabalho consiste em identificar potenciais biomarcadores para o transtorno afetivo bipolar a partir da análise de amostras de soro sangüíneo de indivíduos que apresentam ou não o transtorno e, dentre os pacientes bipolares, avaliar a influência do tratamento utilizando ou não o lítio.      Neste trabalho, foram utilizadas duas estratégias de análise de soro sangüíneo com foco na descoberta de potenciais biomarcadores: a metabonômica e a proteômica. A primeira estratégia consiste na avaliação de alterações nos níveis de metabólitos endógenos, empregando a espectroscopia de ressonância magnética nuclear (1H NMR) e análises quimiométricas. Já a segunda estratégia de análise baseia-se no estudo de alterações nas expressões protéicas. Para isso, os perfis protéicos das amostras do grupo controle foram comparados com aqueles dos grupos de pacientes bipolares sob tratamento com lítio ou não, utilizando a espectrometria de massas com ionização por dessorção a laser realçada por superfície (SELDI-TOF MS). A eletroforese diferencial em gel bidimensional (2-D DIGE) foi empregada para avaliar alterações nas expressões protéicas ao comparar as amostras dos pacientes com transtorno bipolar sob diferentes tratamentos e as proteínas diferenciais detectadas pela análise das imagens dos géis, ou seja, os potenciais biomarcadores, foram identificados por espectrometria de massas em seqüência (MALDI-TOF MS/MS).      A partir da análise metabonômica, foi possível observar diferenciações no perfil metabólico entre os três grupos estudados, controle e pacientes bipolares sob tratamento com lítio ou não. Os metabólitos que apresentaram diferentes níveis foram lipídeos (mono e poliinstaurados), moléculas relacionadas ao metabolismo de lipídeos (mio-inositol, colina, acetato e glutamato) e aminoácidos.      A análise proteômica permitiu a identificação de potenciais biomarcadores. A análise por SELDI-TOF MS permitiu a identificação de 8 picos de proteínas diferenciais entre os três grupos estudados e, na análise por 2-D DIGE, identificou-se 17 proteínas diferenciais (4 sobre- e 13 sub-expressas) ao comparar os pacientes bipolares sob tratamento com lítio ou não. Dentre as proteínas identificadas, destaca-se a apolipoproteína A-I, que é uma proteína relacionada ao metabolismo de lipídeos, o que corrobora com o resultado obtido pela análise dos metabólitos. Os resultados obtidos com este trabalho mostram que o metabolismo de lipídeos pode estar ligado aos mecanismos da doença e/ou de ação do lítio em seu tratamento.  
AVALIAçãO DE TRêS íNDICES PROGNóSTICOS: EUROSCORE, PARSONNET E ESCORE DE RISCO DA MAYO CLINIC NA CIRURGIA CARDíACA EM UM HOSPITAL UNIVERSITáRIO DE CAMPINAS.
Campos, Marco Paulo Cunha; Petrucci, Orlando ; Oliveira, Elaine Soraya Barbosa de; Vilarinho, Karlos Alexandre de Souza ; Lavagnoli, Carlos Fernando Ramos; Oliveira, Pedro Paulo Martins de; Vieira, Reinaldo Wilson;
Avaliação de três índices prognósticos:  EuroSCORE, Parsonnet e Escore de Risco da Mayo Clinic na cirurgia cardíaca em um hospital universitário de Campinas.   PALAVRAS-CHAVE: Índices prognósticos; análise de sobrevivência; avaliação de risco.   INTRODUÇÃO: Modelos de estratificação de risco constituem ferramentas essenciais para a cirurgia cardíaca, com potencial para avaliar a qualidade do tratamento e assistência operatória. Estes índices prognósticos (IP) possibilitam uma avaliação objetiva da indicação de cirurgias cardíacas, facilitando a comparação entre diferentes serviços, riscos e benefícios aos pacientes. Um modelo de boa aplicabilidade deve ser capaz de estimar a mortalidade operatória em diferentes hospitais e em diferentes populações com precisão, ser de fácil manuseio e contar com variáveis comuns e pragmáticas. O Sistema Europeu para avaliação de Risco em Cirurgia Cardíaca foi delineado entre 1995 e 1999, quando informações sobre fatores de risco e mortalidade foram coletados de 19.030 pacientes submetidos à cirurgia cardíaca e 17 fatores de risco reais foram identificados. O Índice Parsonnet foi criado em 1989 nos EUA para avaliação de risco em cirurgias cardíacas e o Escore de Risco da Mayo Clinic (ERMC) é um método que utiliza variáveis clínicas e não-invasivas, originalmente criado para avaliação da angioplastia percutânea. OBJETIVO: Avaliar três diferentes índices comumente utilizados em cirurgia cardíaca: Parsonnet, EuroScore e o ERMC em um hospital universitário. METODOLOGIA: Após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa foram avaliados os prontuários de pacientes submetidos a cirurgia cardíaca entre os anos de 2006 e 2008. Identificaram-se os parâmetros pré e peri-operatórios de acordo com os critérios de risco de cada IP, somando um total de 29 variáveis  distribuídas entre fatores relacionados ao paciente, fatores clínicos e comorbidades e ao tipo de procedimento realizado. As taxas de mortalidade esperadas foram comparadas com as observadas na amostra. Análise estatística: utilizamos comparação de curvas ROC para a discriminação e calibração do modelo e a probabilidade de previsão em diferentes intervalos de mortalidade prevista. RESULTADOS: Foram revistos os dados de 457 pacientes, dos quais 298 (65,2%) eram do sexo masculino. A idade média foi de 57±13,2 anos (95% IC: 55,8 a 58,3 anos). O índice EuroScore apresentou sensibilidade de 83,9% (95%IC: 71,7 a 92,4 %) e especificidade de 73,3% (95%IC: 68,7 a 77,6%). O índice Parsonnet apresentou sensibilidade de 85,7% (95%IC: 75,9 a 94,8 %) e especificidade de 76,3 % (95%IC: 71,8 a 80,4%). O ERMC apresentou sensibilidade de 69,9% (95%IC: 55,9 a 81,2%) e especificidade de 81,5% (95%IC: 77,4 a 85,2 %). A área sob a curva (ASC) para o EuroScore foi de 0,86±0,03, Parsonnet 0,88±0,03 e ERMC de 0,84±0,03, (p=0,27). O ERMC apresentou menor especificidade e sensibilidade em baixas mortalidades previstas quando comparado aos dois outros métodos. O método Parsonnet demonstrou maior sensibilidade em predizer baixas mortalidades quando comparados aos dois outros métodos. DISCUSSÃO: Os três métodos apresentam boa correlação. O ERMC é
AVALIAçãO DO CONHECIMETO SOBRE AIDS E DOENçAS SEXUALMENTE TRANSMISSíVEIS EM GRUPO DE JOVENS (15-22 ANOS)
de Souza, Cinthia Madeira; Tanaka, Michele Tami; Lancellotti, Marcelo ; Almeida, Wanda Pereira; Moriel, Patricia ; Mazzola, Priscila Gava;
A UPA (Unicamp de Portas Abertas) é um evento que tem como objetivo apresentar a Universidade para os futuros alunos, estudantes de ensino médio e fundamental de todo o país. Em 2008, os alunos do curso de Farmácia aproveitaram a oportunidade de receber aproximadamente 60 mil visitantes em um período de 2 dias e realizaram pesquisa acerca do conhecimento doenças sexualmente transmissíveis (DST´s) e AIDS. Nesta oportunidade foram entrevistadas 427 pessoas com idades entre 15 e 22 anos (5% com até 15 anos, 87% entre 16-21 anos e 8% acima de 22 anos), 98% do total sendo estudantes do Ensino Médio. A entrevista consistiu em algumas perguntas simples. Os resultados obtidos demonstraram que apesar de 85% dos estudantes responderem corretamente sobre o que é AIDS, 77% não souberam diferenciar AIDS e HIV positivo e ainda que 51% acreditam que não há contaminação via sexo oral e 15% acreditam que em banheiros ou piscinas há risco de contágio pelo vírus da AIDS. No que diz respeito a detecção do HIV por exame de sangue 68% sabem que o teste é gratuito e 29% acredita que horas após a contaminação pode-se detectar a contaminação por exame laboratorial. Analisando esses dados, nota-se a falta de informação dos estudantes de ensino médio a respeito desse assunto tão importante. Nas escolas, AIDS e DST´s são tratados nas aulas de biologia e, em algumas escolas particulares, nas aulas de educação sexual ou então em palestras sobre o assunto.  A cada ano no Brasil estima–se que 33 mil novos casos de AIDS são diagnosticados no país. Entre 1980 e 2007, foram registrados 474 mil casos da doença, sendo que a maior parcela é de homens. Nos últimos 10 anos, enquanto nos homens percebe–se uma ligeira queda, nas mulheres a incidência tem aumentado (9,1 casos por 100 mil habitantes em 1996 para 15,7 casos por 100 mil habitantes em 2005, um aumento de 72,5%). Com relação à mortalidade, o número de óbitos gira em torno de 11 mil por ano. Dentre a população jovem de 13 a 24 anos, o Brasil tem quase 55 mil casos de AIDS. Essa parcela da população apresenta diversas vulnerabilidades em relação à epidemia, entre as quais estão a dificuldade de avaliar seu próprio risco, o uso de álcool e outras drogas e a necessidade de aceitação e inserção em diversos grupos sociais. Para os adolescentes, a proporção de homens e mulheres infectados é diferente quando comparada a proporção de homens e mulheres na faixa adulta. Enquanto na população geral temos 16 casos em homens para 10 mulheres, na faixa etária de 13 a 19 anos temos 6 meninos infectados para 10 meninas. Durante o evento foram distribuídos cerca de 1000 preservativos para os alunos que estavam no evento.
AVALIAçãO DO DESEMPENHO COGNITIVO EM ESCOLARES INFECTADOS PELO VíRUS DA IMUNODEFICIêNCIA HUMANA (HIV).
Sartori, Alessandra Bizeli O.; Mantovani de Assis, Orly Zucatto; Zaia, Lia Leme; Vilela, Maria Marluce S.; Gerreiro, Marilisa M.; Silva, Marcos Tadeu N.;
  RESUMO III Semana de Pesquisa FCM   Avaliação do Desempenho Cognitivo em Escolares Infectados pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV)   Alessandra B. O. Sartori1, Orly Z. M. Assis2, Sylvio D. A. Giffoni3, Lia L. Zaia2, Cynthia Bonilha3, Marilisa M. Guerreiro3, Maria M. S. Vilela1, Marcos T. N. Silva1.   1Centro de Investigação em Pediatria (CIPED) e 3Departamento de Neurologia - Faculdade de Ciências Médicas - Universidade Estadual de Campinas - SP 2Laboratório de Psicologia Genética - Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas – SP   Endereço eletônico: bizeli@fcm.unicamp.br   RESUMO   OBJETIVO: A infecção pelo HIV compromete globalmente a saúde da criança, potencialmente afetando seu desenvolvimento e desempenho cognitivo. Este estudo visa a avaliar a associação entre o desempenho cognitivo de crianças infectadas verticalmente pelo HIV e variáveis clínicas, imunológicas, virológicas, neurológicas, socioculturais e de qualidade de vida. MÉTODOS: Estudo observacional, analítico, de corte transversal. De uma amostra estimada em 36 crianças infectadas verticalmente pelo HIV, dezoito já realizaram avaliação cognitiva piagetiana, composta pelo conjunto das Provas para Diagnóstico do Comportamento Operatório (conservação de quantidades discretas e contínuas, classificação ou inclusão de classes e seriação), exame neurológico evolutivo e estadiamento clínico, imunológico (subopulações linfocitárias) e virológico (carga viral plasmática). A qualidade de vida foi avaliada com o questionário PedsQL. O estudo foi aprovado por Comitê de Ética em Pesquisa. Os dados foram analisados com os testes Qui-Quadrado e Mann-Whitney. RESULTADOS: Onze crianças eram do sexo feminino, com mediana de idade de 10,5 anos (8,5 -13,7). 17 encontravam-se no estágio de transição entre o período pré-operatório e operatório concreto, com mediana do escore de 3,5 (1,5 - 6). 10 apresentavam controle virológico, 5 tinham ausência de imunodepressão e 5 apresentavam infecção grave (categoria C). O exame neurológico foi normal em 12 crianças. A mediana de renda per capita foi de R$ 275,00 (59,28 – 1.250,00) e a mediana do escore de Qualidade de Vida, de 69,5 (39,13 - 92,39). Não foram encontradas associações estatisticamente significativas entre as variáveis de desempenho cognitivo e variáveis clínicas, imunológicas, virológicas, neurológicas, socioculturais e de qualidade de vida. CONCLUSÃO: Os resultados preliminares sugerem que as crianças avaliadas apresentam desempenho cognitivo comparável ao de crianças brasileiras normais, do mesmo grupo etário e da mesma condição socioeconômica.   Palavras-chave: cognição, Piaget, HIV, AIDS (doença)
AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO IN VITRO E IN VIVO DE HIDROGEL DE POLI-ÁLCOOL VINÍLICO (PVAL) PARA SUBSTITUIÇÃO DA CARTILAGEM ARTICULAR EM RATOS
BATISTA, NILZA ALZIRA; BAVARESCO, VANESSA PETRILLI; BELANGERO, WILLIAM DIAS;
  OBJETIVO: Avaliar o desempenho in vitro e in vivo de membranas de hidrogel de poli álcool vinílico (PVAl) para serem utilizadas como substitutas da cartilagem articular em joelho de ratos. MATERIAL E MÉTODOS: Membranas de PVAl foram confeccionadas com espessura de um mm e diâmetro de dois mm e reticuladas por radiação com dose de 25kGy em acelerador de elétrons em ambiente livre de oxigênio. Para os ensaio in vitro, as mesmas foram caracterizadas quanto a sua citotoxidade através de ensaio de citotoxicidade indireta (ECI) e ensaio de citotoxicidade direta (ECD) por meio de cultura de células de fibroblastos e inoculadas em placas de cultura com meio Ham F-10 sem SFB e incubadas em estufa de CO2 a 37º por 24 horas. Para o ensaio in vivo, foram utilizados 30 ratos machos da linhagem Wistar com 12 semanas divididos em dois grupos, o grupo experimental (GE) com 20 animais e o controle (GC) com 10 animais. Ambos foram subdivididos em dois grupos de acordo com o tempo de seguimento (três e 24 semanas).Os animais foram anestesiados por via venosa caudal com tiopental sódico. Por acesso parapatelar medial a região intercondiliana do fêmur foi exposta. Com furadeira de baixa rotação e broca um milímetro de diâmetro, foi feito um furo na região intercondiliana do fêmur. No GE foi introduzido sob pressão um cilindro de PVAl com a mesma dimensão do furo mantendo-se o implante no nível da cartilagem articular adjacente. No GC o furo foi deixado vazio. A patela foi reposicionada e a pele suturada com mononaylon 000.Os animais foram mantidos livres em gaiolas coletivas no Biotério e durante as primeiras 48 horas pós-cirurgia, todos os animais receberam solução de Paracetamol® 25mg/Kg/l na água e após este período, ração e água à vontade até o dia da eutanásia. Dos 20 animais do GE seis foram encaminhados para microscopia eletrônica de varredura (MEV) sendo três do grupo com três semanas e três do grupo com 24 semanas. Os 14 restantes foram para microscopia óptica convencional (MOC) após coloração com hematoxilina e eosina e tricrômico de Mason sendo sete com três semanas e sete com 24 semanas. Dois do GC foram para MEV e oito para MOC.   RESULTADOS:No ensaio de toxicidade para os controles negativo e positivo, foram considerados significativamente diferentes de todas as demais amostras de PVAl. Já para as amostras estudadas os resultados foram considerados iguais entre si, considerando o nível de significância testado que ficou entre 0,05 e 0,001. No ensaio in vivo, a análise da superfície da membrana de PVAl e da cartilagem articular adjacente pela microscopia eletrônica de varredura com 150 vezes de aumento mostrou que não houve desgaste por adesão abrasão nos dois tempos de seguimento. O aspecto da membrana e da cartilagem articular adjacente ao implante e da patela era semelhante ao do hidrogel não implantado e da cartilagem normal do rato.A análise histológica dos espécimes na região intercondiliana com PVAl após três semanas mostrou que houve manutenção do defeito na sua forma original e que o implante estava envolvido por tecido conjuntivo denso sem a presença de células gigantes do tipo corpo estranho. Com 24 semanas notava-se que os implantes estavam envolvidos por tecido ósseo sem sinais de reabsorção. Não foi observado crescimento de tecido cartilaginoso sobre os implantes. Nos controles houve preenchimento dos defeitos por tecido conjuntivo
AVALIAçãO DO EFEITO DO DIGLUCONATO DE CLOREXIDINA SOBRE MICRORGANISMOS DA CAVIDADE BUCAL
Queiroz, Vanessa Salvadego ; Lyra, Luzia ; Schreiber, Angélica Zaninelli ;
  A doença cárie é um processo dinâmico e biofilme-dependente, que ocorre devido à fermentação dos carboidratos e produção ácida nos depósitos microbianos (biofilme) e que resulta em distúrbio do equilíbrio entre o mineral do dente e o fluido do biofilme adjacente. Com o decorrer do tempo, o resultado é a perda mineral na superfície do dente. O S. mutans foi identificado como sendo o mais importante agente no desenvolvimento da cárie dentária, uma vez que está presente em número significativo no biofilme antes e durante o aparecimento da lesão cariogênica, tem grande habilidade de degradação de carboidratos com conseqüente rápida formação de ambiente ácido e ainda possui tolerância em ambientes com baixo pH. A Clorexidina representa o mais efetivo e bem documentado agente antimicrobiano, sendo considerado o agente quimioterapêutico mais potente contra os S. mutans e a cárie dentária e, conseqüentemente, é o mais utilizado como controle positivo em avaliações do potencial anticariogêncio de outros agentes. Esse agente, em uma concentração de 0,12%, é considerado o Gold Standard no tratamento antiplaca, é particularmente efetivo contra gengivite e é utilizado como adjunto no tratamento contra a periodontite. O objetivo deste trabalho foi determinar a Concentração Mínima Inibitória (CIM) e a Concentração Bactericida Mínima (CBM) ou a Concentração Fungicida Mínima (CFM) do Digluconato de Clorexidina - Sigma-Aldrich Co. (St Louis, MO, USA) frente ao S. mutans UA159 ATCC 700610 e a duas importantes leveduras da cavidade bucal, a C. albicans ATCC 90028 e a C. dubliniensis CBS 7987. Para tanto, foi realizada a técnica de microdiluição em caldo, de acordo com o CLSI M7-A6 e CLSI M27-A2, para bactérias e leveduras respectivamente. Além dessas análises, foram realizados testes de susceptibilidade por disco de difusão, de acordo com os CLSI correspondentes. Como resultado foi encontrado que a CIM e a CBM do Digluconato de Clorexidina não ultrapassou 1 ug/ml para os S. mutans, assim como para o microrganismo utilizado como controle em testes de susceptibilidade bacteriana, a E. coli ATCC 25922. Com relação às leveduras, a CIM esteve entre 1 e 2 ug/ml para C. albicans e foi de 0,5 ug/ml para C. dubliniensis e a CFM foi de 2 ug/ml para C. albicans e de 1 ug/ml para C. dubliniensis, sendo que ara as leveduras estudadas, foram utilizados como controle a C. krusei ATCC 6258 e a C. parapsilosis ATCC 22019. Os resultados dos testes de susceptibilidade por disco de difusão, utilizando o Digluconato de Clorexidina na concentração de 0,12%, foram de formação de halos inibitórios de 18 mm para S. mutans, de 17 mm para C. albicans e de 14 mm para C. dubliniensis. Porém, utilizando as respectivas CIM de cada microrganismo nos testes de susceptibilidade por disco de difusão, não foi observada formação de halo de inibição de crescimento. Portanto, pode-se concluir que o Digluconato de Clorexidina foi efetivo, em baixas CIM, contra os microrganismos avaliados por meio da técnica de microdiluição, porém, nos testes de susceptibilidade por disco difusão, não houve formação de halos inibitórios nessas concentrações. Esses resultados indicam uma maior sensibilidade do agente na primeira técnica, em que os microrganismos estão em suas formas planctô
AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO PSICOLÓGICO DE PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA DE PARKINSON
Zampieri, Marília ; Martins, Thais ; Souza, Elisabete Abib Pedro;
A Doença de Parkinson (DP) é caracterizada por ser crônica e progressiva. Limitações nos movimentos e dificuldades em executá-los, decorrentes da rigidez e do tremor, estão entre as principais manifestações da DP, porém suas implicações vão além, e estão presentes nas várias dimensões da vida do paciente: cognitiva, emocional, comportamental e social.Estas  dificuldades podem levar a transtornos psicológicos mais sérios. Neste estudo, 19 portadores de DP com idades entre 44 e 81anos (M=60,4  e DP=9.40) responderam à EAS-40, uma escala de auto-relato usada para rastreamento de quatro categorias de sintomas psicopatológicos: somatização, ansiedade, obsessividade-compulsividade e psicoticismo. A maior média de sintomas relatados foi na categoria obsessividade-compulsividade (M=0,72), seguida pelos sintomas de somatização ( M=0.61).Os resultados dos aspectos psicoticismo e ansiedade foram menores. O Total de Sintomas Positivos (TSP) médio foi de 15,94, diante dos 40 sintomas que compõem o instrumento. A população estudada apresentou, portanto, índices baixos de sintomas psicopatológicos, e poderia se beneficiar de tratamentos preventivos para manter tais índices estáveis.
BELIEFS TO FOLLOW A SODIUM RESTRICTED DIET OF PATIENTS WITH RECOMMENDATION OF RESTRICTION IN SALT INTAKE - COMPARATIVE STUDY
Gallani, Maria Cecília Bueno Jaym; Agondi, Rúbia de Freitas;
Objectives: Compare the beliefs about Benefits and Barriers to follow a sodium restricted diet in three groups of patients with indication of salt restriction intake (patients with Heart Failure [HF], Hypertension and Chronic Renal Failure[CRF]).  Methodology: It is a cross-sectional study, envolved three samples of patients with Hypertension (n=132), Heart Failure (n=84) and Renal Chronic Disease (n= 117). The individuals completed a questionnaire assessing socio-demographic and clinical data. Beliefs were evaluated with the Brazilian version of the BDCs - Beliefs about dietary compliance scale.  Results: The three groups were more favorable and less perceived Barriers to following sodium restricted diet. The beliefs of Benefits subscale with higher scores were the number 2 and 3 ("Salty food is not good for me" and " Eating a low salt diet will keep my heart healthy”) for the three groups. For the group of hypertensive patients, there is still the belief 1. Patients with HF had values significantly higher in Benefits scores subscale of which patients with hypertension and CRF in the total score and in the majority of items, considered separately. Patients with CRF recognize more Benefits in pursuing sodium restricted diet than the hypertensive patients. Regarding the subscale of Barriers, the beliefs with higher scores in the three groups studied were of number 6 and 7 ( " Eating a low salt diet makes it hard to go to restaurants " and " Food does not taste good in the low salt diet”). Differences between groups were less frequent and more heterogeneous. Correlations indicated which the lower educational and socioeconomic level and great age and time of diagnosis, implies in more Barriers and lower Benefits perceived in three groups. Conclusion: The data of the study show that in the three groups, are perceived more Benefits and fewer the Barriers to follow a sodium restriction diet. Patients with HF perceive more Benefit to follow a low salt diet which CRF patients, which in turn, perceive more Benefits which hypertensive patients. The beliefs about Barriers tend to be similar for the three groups, only three beliefs were different between groups, so heterogeneous. The low education and older age were associated with lower perception of Benefits and greater perception of Barriers. The data point to the need for recognition of the peculiarities of the peoples, according to the presenting clinical condition and for factors that may support the adoption in a sodium restricted diet. The recognition of these factors for each group can devise specific educational interventions for each.  
CAMINHANDO PARA UM MODELO IN VITRO DA DOENçA DE MACHADO JOSEPH E SEU USO NA EXPLORAçãO DE ALTERNATIVAS TERAPêUTICAS
Lopes, Camila Miranda; Pereira, Tiago Campos; Lopes-Cendes, Iscia ;
A ataxia espinocerebelar do tipo 3 (SCA-3), também conhecida como doença de Machado Joseph, é o tipo de ataxia de herança autossômica dominante mais comum mundialmente. O gene MJD1, responsável pela doença, codifica a proteína ataxina-3, a qual apresenta uma expansão consecutiva de 54-84 glutaminas quando mutada, em contraste com a ataxina-3 normal que apresenta 14-37 glutaminas. A elaboração de um modelo expressando a ataxina-3 expandida torna-se importante para a compreensão dos aspectos citopáticos da doença, bem como para investigações de novas drogas. Para tanto foi estabelecidada e padronizada uma cultura celular a partir de neuroblastoma de camundongo (Neuro-2a). Como o modelo depende da internalização de um plasmídeo expressando a ataxina-3, diferentes métodos de transfecção foram testados. Os experimentos demonstraram a viabilidade e eficiência da técnica de transfecção utilizando lipofectamine 2000 para um plasmídeo controle, expressando GFP. Foram também realizados experimentos de transfecção com um oligo de RNA dupla fita marcado com fluoresceína, evidenciando a utilização dessa técnica também para pequenas moléculas de dupla fita de RNA. A taxa de transfecção ocorreu, em média, em 50% das células, a morfologia das células não foi alterada e não houve indução de morte celular. Assim, ficou estabelecida a aplicabilidade desse método, simples e eficiente, como veículo de internalização do plasmídeo contendo a ataxina-3 e a possibilidade da utilização da interferência por RNA (RNAi) como ferramenta terapêutica no futuro em nosso modelo celular de SCA3.  
CARACTERIZAÇÃO DE CARCINOMAS DA TIRÓIDE DE PADRÃO FOLICULAR COM A UTILIZAÇÃO DA EXPRESSÃO DE MUC-1
Marcello, Marjory Alana; Morari, Elaine Cristina; Silva, Joyce Rosário; Guilhen, Ana Carolina Trindade; Gerhard, Renê ; Soares, Fernando Augusto; Vassalo, José ; Ward, Laura Sterian;
  A proteína MUC1 é membro de uma família de glicoproteínas complexas, denominadas mucinas. Essas proteínas desempenham papel secretor de muco, protegendo as células de agentes externos, além de estarem ligadas à adesão celular. Quando associada a tumores, a proteína MUC1 está ancorada na membrana e é freqüentemente secretada. Altos níveis de expressão de MUC1 têm sido relacionados com a progressão do câncer e metástase, levando a um pior prognóstico, mas seu valor diagnóstico em pacientes com câncer de tiróide não tem sido explorado. Utilizamos a técnica de imunoistoquímica (IHQ) para avaliar a expressão de MUC em 300 carcinomas tiroidianos e 121 tecidos benignos, incluindo 16 normais, 50 hiperplasias e 55 Adenomas Foliculares (AF). Dentre os casos de câncer, havia 44 Carcinomas Foliculares (CF) e 256 Carcinomas Papilíferos, incluindo 162 clássicos (CPC), 17 Variantes de Células Altas (CPVCA) e 77 Variantes Foliculares (CPVF). Utilizamos a técnica de RT-PCR quantitativa para medir os níveis de expressão de RNAm de MUC1 em 75 dos 256 CP. Todos os pacientes foram submetidos ao mesmo protocolo e seguidos por 67±39 meses (mediana=73 meses). Os pacientes foram classificados como livres de doença (201 casos) ou de má evolução (35 casos - 13 mortes) de acordo com seus níveis de Tg e outras evidências de recidiva/metástase. A proteína MUC1 foi identificada em 89% dos CP; 56% dos CF; 67,5% dos CPVF; 70% dos CPVCA; 21% dos AF e 6% dos tecidos tiroidianos normais. MUC1 distinguiu os tecidos tiroidianos benignos dos tecidos malignos com sensibilidade=76.4% e especificidade=76.8%. MUC1 também diferenciou CF de AF (p=0.005); CPVF de AF (p<0.0001); CPVF de hiperplasia (p<0.0001); CPVCA de AF (p<0.0001). Entretanto, nem a IHQ nem a expressão de RNAm de MUC1 estavam associados com estádio tumoral, grau de diferenciação ou qualquer variável clínica ou patológica de agressividade ou prognóstico, nem com a curva de sobrevivência de Kaplan-Meier. Sugerimos que a expressão de MUC1 pode ajudar a diferenciar carcinomas tiroidianos de padrão folicular, mas não é um bom marcador de prognóstico para os pacientes com câncer de tiróide.
CARACTERIZAÇÃO DE CINCO NOVAS DELEÇÕES ALFA-TALASSÊMICAS POR MLPA (MULTIPLEX LIGATION-DEPENDENT PROBE AMPLIFICATION)
Suemasu, Cintia Natsumi; Kimura, Elza Miyuki; Oliveira, Denise Madureira; Bezerra, Marcos André Cavalcanti; Costa, Fernando Ferreira; Sonati, Maria de Fátima ;
  A talassemia alfa constitui um grupo de doenças hereditárias causadas pela deficiência de síntese das cadeias alfa da hemoglobina. Os genes dessas cadeias são duplicados (alfa-2 e alfa-1) e estão localizados em 16p13.3, próximos à região telomérica. As deleções são as principais causas da doença, podendo afetar um ou ambos os genes no genoma haplóide (formas alfa+ e alfa0, respectivamente). A gap-PCR é a técnica mais utilizada na detecção das deleções mais comuns, mas as deleções novas e raras, especialmente aquelas de grande extensão, não são identificadas, permanecendo os seus portadores sem um diagnóstico definitivo. Nós caracterizamos cinco novas deleções alfa-talassêmicas (todas alfa0), em indivíduos não relacionados, empregando a técnica de MLPA, recentemente adaptada ao estudo das hemoglobinopatias. Para isso, foram utilizadas 45 sondas, cujos comprimentos variaram de 94 a 409 pb. Quatro dos casos estudados são de pacientes com doença da Hb H em que a deleção alfa0 encontra-se associada à deleção alfa+3,7, identificada pela metodologia convencional. Um é de heterozigose simples da talassemia alfa0. Em quatro casos as deleções comprometem uma região de grande extensão que inclui todo o cluster alfa e seu principal elemento regulatório (alfa-Major Regulatory Element), duas delas entre o telômero e a posição 171054 do UCSC Genome Browser, removendo minimamente 170 kb de DNA, e as outras duas entre o telômero e as posições 451410 e 583598 (tamanhos entre 190 e 450 e 450 e 580 kb, respectivamente). Em um caso, a deleção remove somente o alfa-MRE, deixando os genes alfa intactos, porém sem expressão (entre as posições 43625 - 132952 do UCSC Genome Browser). Sondas adicionais serão desenhadas e empregadas para um maior refinamento da extensão e na tentativa de caracterização dos breakpoints das novas deleções encontradas.   Suporte Financeiro: FAPESP / CAPES.  
CÉLULAS DENDRÍTICAS HUMANAS ESTIMULADAS COM A CEPA DE BAIXA VIRULÊNCIA DE PARACOCCIDIOIDES BRASILIENSIS (PB265) INDUZ A PROLIFERAÇÃO DE CÉLULAS T PRODUTORAS DE IFN-GAMA E IL-17
Fornazim, Márcia Cristina; Mamoni , Ronei Luciano; Spago , Maria Carolina; Oliveira , Rômulo Tadeu Dias; Nowill , Alexandre Eduardo; Blotta , Maria Heloisa Souza Lima;
  Introdução: A paracoccidioidomicose (PCM), causada pelo fungo Paracoccidioides brasiliensis, é a micose sistêmica mais prevalente no Brasil. A principal resposta de defesa contra o fungo é mediada por macrófagos, cuja atividade fungicida é estimulada por citocinas Th1 como o IFN-g. Estudos recentes têm demonstrado a participação da resposta inata no controle da resposta adaptativa. Células dendríticas (DCs) são as únicas células apresentadoras de antígenos profissionais (APCs) capazes de estimular linfócitos T naive, efetores e memória e de interagir com células do sistema imune inato, potencializando assim a resposta imune adaptativa. Objetivos e Métodos: Verificar o potencial de leveduras de P. brasiliensis em promover a diferenciação de DCs imaturas (iDCs) em DCs fenotipicamente e funcionalmente competentes (mDCs). Monócitos do sangue periférico obtidos de indivíduos saudáveis foram diferenciados in vitro na presença de rh-GM-CSF e rhIL-4 durante 7 dias (D7). Após este período as iDCs foram estimuladas com leveduras do fungo (Pb18, alta virulência e Pb265, baixa virulência) durante 24 horas (D8), quando então foram avaliadas quanto a expressão de antígenos de superfície por citometria de fluxo, a capacidade fagocítica e também quanto a capacidade de estimular a proliferação de linfócitos autólogos. Além disso, o sobrenadante das culturas de células (iDCs, mDCs e linfócitos) foram avaliados quanto a produção de citocinas (TNF-a, IL-6, IL-12p40, IL-10, IFN-g e IL-17) por ELISA. Resultados e conclusões: DCS estimuladas com ambas as cepas do fungo apresentaram morfologia e fenótipo característico de mDCs, com aumento da expressão de CD83, CD80 e CD86 e diminuição da capacidade fagocítica. A expressão de CD83, CD86 e a produção de citocinas inflamatórias como TNF-a e IL-12p40 foi maior em DCs que foram estimuladas com a cepa de baixa virulência (Pb265), quando comparada com a cepa de alta virulência (Pb18). Além disso, as DCs estimuladas com Pb265 foram capazes de induzir maiores níveis de proliferação de linfócitos T CD4+ e T CD8+  produtores de IL-17 e IFN-g, quando comparadas com DCs geradas na presença de Pb18. Esses resultados indicam que as DCs são capazes de detectar pequenas alterações na superfície de patógenos e influenciar de forma particular a resposta adaptativa. Neste contexto, o fato da cepa Pb265 induzir uma resposta mais potente nas DCs (maior expressão de moléculas associadas à apresentação de Ags e produção de citocinas inflamatórias) e consequentemente nos  linfócitos (maior capacidade de proliferação e produção de IFN-g e IL-17) poderia contribuir para a destruição mais eficiente do fungo e melhor controle da doença.  
COMPARAçãO ENTRE A TéCNICA DE ANTIGENEMIA CLáSSICA E O KIT CMV BRITE™ TURBO DE DETECçãO E QUANTIFICAçãO DO CITOMEGALOVíRUS HUMANO (HCMV) EM PACIENTES IMUNOSSUPRIMIDOS.
Trinca, Inah Regina F.; Peigo, Murilo de Freitas; Postal, Mariana ; Bonon, Sandra Helena A.; Costa, Sandra Cecilia B.;
O citomegalovírus (HCMV) é um herpesvírus humano que ocorre em todas as regiões do mundo tendo nítida relação com o nível sócio-econômico local. É considerado um vírus oportunista pela sua capacidade de latência e reativação em condições de imunossupressão, sendo considerado um dos mais importantes patógenos nos pacientes imunossuprimidos. O diagnóstico da infecção ativa pelo HCMV é difícil de ser firmado somente pelo exame clínico e requer confirmação laboratorial. Em pacientes com alto risco de desenvolver a doença é extremamente importante uma monitorização feita através de diagnósticos precoces. Os diagnósticos laboratoriais mais utilizados são: a reação em cadeia da polimerase (PCR) que detecta o DNA viral e a antigenemia que detecta o antígeno pp65 do HCMV. O objetivo deste trabalho foi comparar o método clássico de antigenemia por imunoperoxidase com o kit comercial CMV Brite™  Turbo. Foram realizados 330 testes para detecção da infecção ativa pelo HCMV em amostras de sangue periférico, coletadas de 67 pacientes imunossuprimidos, tais como: transplantados de medula óssea, transplantados renais e hepáticos, indivíduos HIV + entre outros. Desses 330 testes, 110 foram realizados pelo método de antigenemia clássica, 110 testes utilizando o Kit CMV Brite™ Turbo e em 110 testes foi realizada a Reação em Cadeia da Polimerase tipo Nested (N-PCR), que foi utilizada como padrão-ouro. Os seguintes resultados foram obtidos : o método da antigenemia clássica apresentou baixa sensibilidade (31,6%) em relação à N-PCR, enquanto o kit comercial apresentou uma maior sensibilidade (78,9%) em relação ao padrão-ouro. As duas técnicas apresentaram especificidade de 100%. O tempo de execução do método clássico foi de 8 horas enquanto o kit comercial foi realizado em 2 horas. Concluímos que o Kit CMV Brite™ Turbo apresentou maior eficácia em relação ao método clássico, apresentando maior sensibilidade e rapidez, favorecendo os pacientes que necessitam de um diagnóstico rápido e precoce de infecção ativa pelo HCMV agilizando o tratamento e evitando que a doença pelo HCMV se manifeste.     
COMPARATIVE STUDY BETWEEN PHYSIOTHERAPEUTIC AND PHARMACOLOGICAL TREATMENTS IN CHILDREN WITH POLYSYMPTOMATIC ENURESIS
Campos, Renata Martins; D'Ancona, Carlos Arturo Lev;
Hypothesis / aims of study   Polysymptomatic enuresis occurs in children aged 5-10 years old, with episodes of urine loss during the day and night, followed or not by other urinary tract symptoms, affecting mainly female children.  Verify the physiotherapeutic treatment results associated with behavioral reeducation in enuretic children, analyze the effects of drug treatment associated with behavioral reeducation, and compare the physiotherapeutic and pharmacological treatment results.       Study design, materials and methods   Twenty-one children in Group I took oxybutynin, and received orientations concerning diet and hygiene, posture on the toilet, and miccional diary. Twenty-six children in group II underwent pelvic floor physiotherapy and same orientation and miccional diary of Group I. Both Groups underwent a three-month treatment period. The miccional diary was performed by the child through sun and rain pictures, registering urinary losses. In addition, the child was oriented to do only one of the exercises at home two times a week, being followed by one of their parents, who were also previously oriented to motivate them during all phases. The Mann-Whitney test was used to compare the variables of the miction schedule between the group I – pharmacological –, and the group II – physiotherapeutic –, according to the number of sun pictures.     Results During the first treatment month, the children of the Group I presented 12 dry nights, while during the second month, they presented 13 dry nights, arriving at the end of the third month with approximately 16 dry nights.  On the other hand, the Group II showed a significant difference, presenting approximately 15 dry nights during the first treatment month, 21 dry nights during the second month and, finally, 24 dry nig hts during the third month (Figure).           Figure: Results following three months treatment         Interpretation of results         Concluding message     Pelvic floor physiotherapy and orientations detailed before present better results than pharmacological treatment. Pelvic floor physiotherapy is new treatment and could become an option for polysymptomatic enuresis       References Shafik A, Shafik IA. Overactive inhibition in responsive to pelvic floor muscle exercises. World Journal Urology. 2003, 20: 374-77. Kegel HA. Progressive resistance exercise in the functional restoration of the perineal muscles. Journal  of Pediatric.1994; 124: 91-2. De Paepe H, Renson C, Hoebeke P, Raes A, Van Laecke E, V, Vande Walle J. The role of pelvic floor therapy in the treatment of lower urinary tract disfunctions in children. Scand J Urol Nephrol. 2002; 36: 260-67. Sapsford RR, Hodges PW, Richardson A, Cooper DH, Mark well SJ, Jull GA. Co-activation of the abdominal and pelvic floor muscles during voluntary exercises. Neurology and Urodynamics. 2001, 20: 31-42. Fonseca LMC e Monteiro LMC. Diagnóstico clínico de disfunção miccional em crianças e adolescentes enuréticos. Jornal de Pediatric. 2004; 80.    
CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE ENTRE COLETORES DA COOPERATIVA DE RECICLÁVEIS DO ENTREPOSTO HORTIFRUTIGRANJEIRO, EM CAMPINAS-SP
Vedovato, Tatiana Giovanelli; Monteiro, Maria Inês;
    RESUMO        O objetivo dessa pesquisa foi descrever a saúde dos trabalhadores e os principais fatores de riscos no trabalho dos coletores da cooperativa de recicláveis situada na Ceasa–Campinas. Trata-se de um estudo transversal realizada na cooperativa com todos os trabalhadores. Foram utilizados os seguintes instrumentos: questionário com dados sociodemográficos, trabalho e riscos ocupacionais. Os coletores do sexo masculino eram 53,9% e do sexo feminino eram 46,1%, a média de idade foi de 45 anos (DP 12,8) e 53,9% dos coletores tinham até 49 anos, o grau de estudo predominante entre os cooperados foi o ensino fundamental incompleto (69,2%) e a idade média que começaram a trabalhar foi de 10,2 anos (DP 4,2). Um dos riscos evidenciado por todos os trabalhadores durante a entrevista foi a manipulação de produtos tóxicos, como o papel de mamão que contém resíduos do carbureto de cálcio. As doenças com diagnóstico médico e da opinião dos coletores da Ceasa que com maior prevalência foram: alergia de pele (53,8%) e doença respiratória alérgica (46,1%). A presença de dor pelo corpo também foi relatada por mais da metade dos trabalhadores que referiram estar presente há pelo menos seis meses (76,9%) e também na última semana (61,5%). Esses dados sugerem a necessidade de ações que visem a promoção à saúde dos coletores e a prevenção do desgaste físico visando melhorias nas condições de trabalho dessa cooperativa de recicláveis.  
CONSUMO DE SóDIO é UM PREDITOR INDEPENDENTE DE MENOR ELASTICIDADE E MAIOR CARGA HEMODINâMICA EM ARTéRIAS CARóTIDAS DE HIPERTENSOS
Salmora Ferreira-Sae, Maria Carolina; Addeo Cipolli, José Alexandre; Estevan Cornélio, Marília ; Cunha Matheus Rodrigues, Roberta ; Bueno Jayme Gallani, Maria Cecília; Nadruz Júnior, Wilson ;
INTRODUÇÃO: O consumo de sódio por sujeitos hipertensos ainda é um desafio à prática clínica. Apesar de sua relação com Hipertensão Arterial e risco cardiovascular serem amplamente investigados, somente em modelos animais existem associações entre o consumo excessivo de sódio e alterações relativas à elasticidade e aterogênese de carótidas. OBJETIVO: Avaliar a relação entre o consumo de sal, espessura de íntima média, forças hemodinâmicas e a elasticidade de carótidas em sujeitos hipertensos. MÉTODO: Foram estudados 113 pacientes hipertensos (H=61;M=52) com idade média 58 anos (±10,8) por meio de avaliação clínica, laboratorial e ultrassonográfica. O consumo de sal foi avaliado com metodologia previamente validada e consistiu na coleta de um recordatório de 24 horas, consumo de sal per capita e um questionário de frequência de alimentos com alto teor de sódio – QFASÓ, que resultam na estimativa da média de consumo diário para cada sujeito. RESULTADOS: A análise univariada mostrou que o consumo diário de sódio se correlacionou com espessura de íntima média (r=0.20; p<0.05), diâmetro sistólico (r=0.36 p<0.001), tensão circunferencial média (r=0.42 p<0.001), índice de resistividade da carótida interna (r=0.22; p<0.05) e com a rigidez arterial (r=0.43; p<0.001) (modelo de elasticidade de Young). A análise multivariada ajustada por idade, sexo, IMC, pressão arterial sistólica e diastólica, tabagismo e sódio urinário revelou que o consumo de sal é um determinante independente de diâmetro (0.289±0.092; p<0,05), tensão circunferencial (0.165±0.062; p<0,01) e de rigidez arterial (0.118±0.052; p<0,05). CONCLUSÃO: Esses dados indicam que o consumo de sal é um preditor independente de menor elasticidade e maior carga hemodinâmica em artérias carótidas de indivíduos hipertensos.  
CORRELAçãO CLíNICA E HISTOPATOLóGICA DAS METáSTASES SALTATóRIAS EM CARCINOMA EPIDERMóIDE DE CAVIDADE ORAL: QUAL SUA IMPORTâNCIA?
CHONE, CARLOS TAKAHIRO ; SILVA, RODRIGO CESAR ; MAGALHÃES, RODRIGO SOUZA; MOHANA, LAIZA ; ALTEMANI, ALBINA M; CRESPO, AGRICIO N;
  Objetivo: Determinar o padrão de distribuição de metástases linfáticas no carcinoma epidermóide(CEC) de cavidade oral, avaliar a taxa de metástases saltatórias e correlacionar sua prevalência com o estadiamento clínico dos pacientes. Tipo de estudo: Estudo retrospectivo de pacientes submetidos a esvaziamentos cervicais por carcinoma epidermóide de cavidade oral. Métodos: Cada lado de dissecção do pescoço foi considerado individualmente. A prevalência de metástase histopatológica para cada nível foi relacionada. Foram consideradas metástases saltatórias aquelas isoladas nos níveis IIB, III,IIIB ou IV. A taxa de metástases saltatórias foi calculada e correlacionada com o estadio clínico dos pacientes. Resultados: Foram analisados os prontuários de 50 pacientes com dos quais 20% no estadio clínico I, 38% no estadio II, 28% no estadio III e 14% no IV. Foram realizados esvaziamento cervical unilateral em 38 pacientes e bilaterais em 12, com um total de 62 dissecções. A proporção de distribuição das metástases linfáticas por nível cervical foi: 11% no nível I, 13% no nível II, 16% no nível III e 8% no nível IV. Metástases saltatórias foram encontradas em 8% das dissecções no total e em 22% dos pescoços histopatologicamente positivos. Não houve correlação significativa entre lesões T3/T4 e a presença de metástases saltatórias(p=0,10).Conclusões: A proporção de distribuição das metástases linfáticas por nível cervical foi: 11% no nível I, 13% no nível II, 16% no nível III e 8% no nível IV. Metástases saltatórias foram encontradas em 8% dos espécimes cirúrgicos e em 22% dos pescoços histopatologicamente positivos. Não houve correlação significativa entre o estadio clínico  do primário e a presença de metástases saltatórias
CORRELAçãO ENTRE O SNP ARG302GLN DO GENE RAD18 E A PROGRESSãO DO CâNCER COLORRETAL
Favetta, Bruna ; Bonadia, Luciana Cardoso; Bertuzzo, Carmen Silvia;
O Cancer Colorretal (CCR) é uma forma de neoplasia que afeta o colon e reto, tipicamente caracterizado por sua alta incidência, gravidade e tendência de ser diagnosticado tardiamente. No Brasil, é o quinto mais freqüente tipo de neoplasia entre homens e o quarto entre mulheres. CCR geralmente se apresenta como um grupo de sintomas que incluem anemia, dor abdominal, constipação, diarréia, náusea, vômito, fraqueza, entre outros. A sobrevida é principalmente influenciada pelo envolvimento de linfonodos e infiltração da parede intestinal pelo tumor e o diagnóstico precoce está ligado a um melhor prognóstico. Diversas mutações em vários genes têm sido associadas a um risco aumentado de desenvolvimento e progressão do CCR. O gene RAD18, localizado no cromossomo 3p24-p25, codifica uma proteína que desempenha um importante papel no sistema de reparo pós-replicacional humano. Uma das funções da proteina é se ligar à fita simples de DNA onde uma falha tenha ocorrido e então recrutar outras proteínas com a finalidade de reparo. Nesse gene, um polimorfismo de único nucleotídeo (SNP) no códon 302 que leva a troca de uma arginina por uma glutamina, foi associado a uma possível diminuição da função da proteína RAD18. Estudos que determinem alterações moleculares que interferem na gênese ou progressão do câncer são de extrema importância, já que esse conhecimento permitiria que indivíduos que estivessem sob risco poderiam optar por diminuir sua exposição a fatores ambientais conhecidos como importantes no desenvolvimento de câncer, bem como estimular a busca por estratégias terapêuticas mais severas, tratamento individualizado e aconselhamento genético. O objetivo desse estudo foi de determinar a associação entre o polimorfismo Arg302Gln e o desenvolvimento e progressão do CCR. O método utilizado foi PCR alelo-específica em 50 pacientes não-relacionados com CCR esporádico e em 82 controles, seguida da verificação da presença dos alelos através de eletroforese em gel de poliacrilamida. O estágio clínicopatológico e a classificação histológica dos pacientes foram realizados de acordo com o critério TNM, sistema de estadiamento Aster-Coller e grau de diferenciação das células tumorais. A análise estatítica foi realizada pelo teste de Qui-quadrado no programa EpiInfo, versão 6.04. Não foi encontrada diferença significativa entre a distribuição genotípica do grupo de pacientes quando comparada aos controles. Contudo, houve um aumento significativo do alelo 302Gln em pacientes com maior grau de estadiamento (C2, Aster-Coller) quando comparados com o grau mais baixo (B2, Aster-Coller) (p=0,048), sugerindo, portanto a correlação entre o polimorfismo estudado e a progressão do CCR, nessa amostra.
COTIDIANO DO ESTUDANTE: COMO CONCILIAR ESTUDO E LAZER?
Oliveira, Joyce Teodoro de; Bittencourt, Zélia Zilda Lour;
INTRODUÇÃO: A literatura científica atual da área da saúde preconiza o paradigma ampliado de saúde, que considera o processo saúde-doença como resultado de um processo de produção social tendo como determinantes as relações entre os fatores biológicos, ecológicos, econômicos, culturais e sociais que ocorrem em determinada sociedade. A promoção da saúde, portanto, refere-se a um conjunto de estratégias através das quais a população se capacita em busca dos meios para controlar os fatores que favorecem seu bem estar e levem à qualidade de vida. Transpondo esse conceito para o cenário acadêmico, pode-se afirmar que no ambiente universitário a promoção da saúde deve estar diretamente relacionada a atividades sócio-culturais e de lazer, que levem os alunos a buscar boas condições de vida. Esse estudo investigou como os alunos do curso de Fonoaudiologia da Universidade Estadual de Campinas conciliam as atividades de estudo e de lazer, fundamentais para a qualidade de vida. MÈTODOS: A investigação de caráter qualitativo foi realizada durante o ano de 2008 e contou com a participação voluntária de 66 alunos das quatro séries do curso de Fonoaudiologia da FCM /UNICAMP. Utilizou-se para a coleta de dados um formulário contendo questões abertas que versavam sobre atividades extracurriculares e qualidade de vida. Os achados foram transcritos e agrupados para a análise. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da FCM/ UNICAMP. RESULTADOS: Os dados revelaram que muitos alunos eram forçados a realizar atividades extracurriculares remuneradas durante a graduação para ajudar na sua manutenção financeira em Campinas. Soma-se a esse dado a informação de que 34,8% dos alunos não residiam com os pais, mas sim em republicas, com amigos, sozinhos ou na moradia estudantil, o que reforça a necessidade de aumentarem seus recursos financeiros através de atividades remuneradas. A necessidade de preencher o pouco tempo livre da grade horária com atividades remuneradas faz com que os alunos não tenham tempo suficiente para atividades socioculturais e de lazer, como a prática de esportes além de outras atividades de ordem acadêmica consideradas importantes para a formação, como, por exemplo, o desenvolvimento de projetos de Iniciação Cientifica.   "... apesar do trabalho impedir de fazer muitas outras coisas (inclusive da faculdade), não acho que me prejudique, apenas não consigo fazer IC por exemplo, até tentei continuar meu projeto sem bolsa, mas foi impossível ...ou era a IC ou o trabalho, e o trabalho foi mais importante no momento pra mim... vai fazer falta mais pra frente no meu currículo ..) “ (Sujeito 16, 3º Ano)   Os alunos demonstraram insatisfação com a falta de tempo livre, devido à extensa grade curricular, impedindo atividades de lazer:   "Falta tempo para lazer, pouco tempo para almoçar já que as 2 horas de almoço são ocupadas com reuniões, estágios, trabalhos, entre outros." (Sujeito 10, 2º Ano)   "Queria só ter tempo para namorar mais, curtir meus pais, sair com meus amigos, ler meus livros...queria um dia de 48h." (Sujeito 16, 3º Ano)    "Falta tempo, horários livres; lazer...queria ler algum livro sem ser para a faculdade, assistir um filme sem pensar que tenho coisas para fazer..." (Sujei
DANçA LABORAL
Vechia, Patricia ;
  Quando se deu a Industrialização, no século XIX, a mecanização das atividades e a procura por rendimento de trabalho foram valorizadas de modo que o homem se especializou em uma atividade, numa sucessão de uma única movimentação durante longos períodos de tempo. O corpo que tende a essa especialização de movimentos para uma boa produtividade, acaba por mecanizar seus gestos. Neste contexto, surge a necessidade de uma recuperação da percepção da totalidade do corpo, em favor da saúde deste trabalhador que acaba por adquirir disfunções não só músculo-esqueléticas como também de aumento de estresse. No presente trabalho foi desenvolvido um programa de exercícios que trabalham a Consciência Corporal, o Relaxamento e o Alinhamento Postural com duas populações de funcionários de empresas localizadas em Campinas (SP), todos os dias durante 15 minutos. Essas atividades foram desenvolvidas para que o indivíduo praticante zelasse por seu próprio corpo no ambiente de trabalho, trazendo melhoras em sua saúde, bem estar e eficiência dentro da área de trabalho. Após as analises dos questionários e da resposta dos participantes da pesquisa concluiu-se que houve efeitos benéficos em seus corpos assim como se percebeu a possibilidade de trabalho mais aprofundado dos temas da pesquisa devido à resposta dos indivíduos às atividades propostas.
DESEMPENHO DO EXAME RADIOLóGICO DE TóRAX NA INVESTIGAçãO DE DOENçAS CARDIOVASCULARES EM RECéM- NASCIDOS: ESTUDO COMPARATIVO COM O ECOCARDIOGRAMA.
Vaz-Tostes Lima, Ana Claudia; Álvares, Beatriz Regina; Damiano, Ana Paula;
       O exame radiológico de tórax (RXT) representa um dos métodos de imagem mais usados em recém-nascidos (RN) internados nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatais, na investigação de doenças pulmonares e cardiovasculares, devido ao seu baixo custo, facilidade operacional e por representar um procedimento não invasivo. Apesar disto, existem poucos trabalhos abordando os aspectos mais relevantes do RX de tórax nas doenças cardiovasculares no período neonatal.      Buscando avaliar o desempenho do RXT no diagnóstico de doenças cardiovasculares, em RN internados nas Unidades de Terapia Intensiva e Semi-intensiva Neonatal do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM) – UNICAMP, foi realizado um estudo comparativo com o ecocardiograma – ECO (exame utilizado como padrão-ouro), sendo analisados prospectivamente 85 exames radiológicos e ecocardiográficos referentes a 74 pacientes portadores de cardiopatias (incluindo Persistência do Canal Arterial - PCA). Foram excluídos deste estudo, os RN que realizaram exames de imagem para outras finalidades que não o diagnóstico de doenças cardiovasculares, ou que o tenham feito com intervalo de tempo superior a 24 horas.      Entre as limitações do RXT para o diagnóstico de doenças cardiovasculares em RN, destacamos a dificuldade de avaliações da vascularização pulmonar, nos casos de doenças pulmonares concomitantes, e dos grandes vasos nas radiografias com imagem tímica presente, devido à sobreposição de achados radiológicos, dificultando a análise destas estruturas anatômicas (34%).      O RXT mostrou concordância com os achados do ECO, nos casos de aumento cardíaco moderado a importante (100% em VD e 82% em VE) ou de dilatação global do coração (100% de concordância), apresentando um bom desempenho na avaliação do tamanho cardíaco, através do índice cardiotorácico – ICT (modificado por Edwards), especialmente nos casos de dilatação global das câmaras cardíacas ou em dilatações mais importantes ainda que apenas em uma câmara (concordância entre ICT aumentado e ECO de 88,47%). Houve associação ainda entre os casos de ICC (diagnóstico funcional fornecido pelo ECO) e os maiores ICT.      A valorização de achados radiológicos específicos também foi relevante na formulação de hipóteses diagnósticas sendo ressaltado um caso de RN portador de Tetralogia de Fallot em que se observou a concavidade do arco médio à esquerda, assim como dois casos de RN com hipertensão pulmonar apresentando convexidade do arco médio também à esquerda, tendo havido concordância destes diagnósticos radiológicos com os diagnósticos ecográficos destes pacientes (5,9% dos casos).
DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA DETERMINAçãO DE ADULTERAçãO DE MACONHA
Eiras, Marina Marques ; Fonseca, Maria Francesca Riccio; Neto, Mario Benassi; Eberlin, Marcos Nogueira; Cazenave, Silvia Oliveira S; Catharino, Rodrigo Ramos;
Introdução: A Cannabis sativa L, conhecida popularmente como maconha, é a droga ilícita mais consumida em todo mundo, tendo 165,6 milhões de usuários de acordo com o relatório mundial sobre drogas, promovido em 2008 pela United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). Como os produtos da Cannabis sativa L representam uma porcentagem tão alta das amostras de drogas recebidas nos laboratórios de toxicologia forense no Brasil e no mundo, há uma preocupação na esfera forense e clínica com os usuários destes produtos. Nos últimos anos, foi reportada a adulteração de maconha com partículas de vidro, giz, tabaco e análogos de sildenafil (Viagra®), compostos que podem trazer problemas a saúde desses usuários. Objetivo: Este trabalho teve por objetivo o desenvolvimento de uma metodologia analítica que possibilitasse a determinação rápida e eficiente de adulterantes nos produtos de Cannabis sativa L., empregando a técnica de ESI-MS sem a necessidade de preparação de amostra, auxiliando no diagnostico rápido e preciso em quadros de intoxicações com drogas adulteradas. Material e Método: Amostras de Cannabis sativa L., apreendidas na região de Campinas e encaminhadas para o Instituto de Criminalística. As amostras foram dopadas com sildenafil e tabaco também apreendidos, foram transferidas para um eppendorf© e diluídas a 1 mL de uma solução de metanol e água (50:50 v/v). Realizou-se a infusão direta dessas amostras no espectrômetro de massas (Q-TOF) com ionização por eletronspray, no modo positivo. Dessa forma, foram analisadas as relações massa-carga (m/z) dos componentes da solução. Resultados: Em apenas 30 segundos de análise realizando apenas a simples diluição das amostras foram obtidos os espectros das drogas adulteradas e observou-se os íons 315 m/z indicando a presença do THC, principal componente da maconha, 163 m/z indicando a presença de nicotina, componente existente no tabaco e do 475 m/z íon referente a presença de sildenafil. Todos os íons foram confirmados estruturalmente mediante a realização de experimentos de MS/MS. Conclusão: A nova metodologia mostrou-se rápida e simples, com baixo consumo de solventes orgânicos, e muito eficiente para a determinação dos adulterantes. Além disso, pode vir a ser empregada na detecção de contaminantes como pesticidas e nos metabólitos da maconha e droga adulterada em fluídos biológicos, auxiliando com diagnósticos rápidos e preciso em casos de intoxicação.
DETECÇÃO DE HERPESVÍRUS HUMANOS EM SISTEMA NERVOSO CENTRAL PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE
Parola, Daniela Corte; Alves Bonon, Sandra Helena; Nucci, Anamarli ; Costa, Sandra Cecilia B.;
Os herpesvírus humanos, incluem o herpesvírus simples (HSV), o herpesvírus tipo 4 (HHV-4, conhecido como Vírus Epstein-Barr - EBV), o citomegalovírus (HCMV), o herpesvírus tipo 6 (HHV-6), com suas variantes A e B e o herpesvírus tipo 7 (HHV-7). Estes vírus, freqüentemente causam sérias complicações em pacientes imunossuprimidos, principalmente após transplante. Os herpesvírus também podem causar doenças no Sistema Nervoso Central (SNC) e estão freqüentemente relacionados com casos de encefalites. Para iniciar um tratamento rápido para que a doença não se alastre, é necessária a realização de exames laboratoriais que possam diagnosticar rapidamente a infecção. Para isso, utilizamos técnicas de biologia molecular no diagnóstico rápido e precoce dessas viroses. Os objetivos deste trabalho são: detectar o DNA dos Herpesvírus Simples (tipo 1 e 2), Herpesvírus tipo 4 (Epstein-Barr vírus - EBV), Citomegalovírus, Herpesvírus tipo 6 (variantes A e B) e Herpesvírus tipo 7 em amostras de sangue periférico, de soro e de líquido cefalorraquidiano, utilizando a nested - PCR tipo multiplex e avaliar o impacto clínico destas viroses e a interação entre estes vírus no sistema nervoso central. Está sendo realizada a técnica de padronização para Multiplex Nested-PCR para detecção de infecção ativa pelos herpesvírus (HSV, EBV, HCMV, HHV-6 E HHV-7) nas amostras de sangue, soro e líquor. Até o presente momento, padronizamos a reação em cadeia da polimerase para os vírus HHV-6 e HHV-7. Com a utilização da Reação em Cadeia da Polimerase, tipo Nested e a utilização simultânea de “primers” que detectem vários tipos de herpesvírus ao mesmo tempo, conseguimos verificar a presença da infecção por estes vírus em pacientes com encefalites e outros problemas neurológicos em amostras de sangue, soro e líquor, propiciando um diagnóstico rápido e precoce e um tratamento mais adequado e eficiente.
DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO VÍRUS EPSTEIN-BARR PELA REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE EM TEMPO REAL (REAL TIME PCR) EM PACIENTES TRANSPLANTADOS DE CÉLULAS PROGENITORAS HEMATOPOÉTICAS E INFECÇÃO ATIVA PELO CITOMEGALOVÍRUS
Paquotto, Juliana ; Bonon, Sandra Helena A.; Albuquerque, Dulcinéia Martins; Thomasini, Ronaldo ; Favarelli, Maira Helena C.; Parola, Daniela Corte; Costa, Sandra Cecilia B.;
Foram estudadas amostras de sangue e soro de 46 pacientes submetidos a transplantes alogênicos de células progenitoras hematopoéticas, relacionados, acompanhados no Serviço de Transplante de Medula Óssea (STMO) do Hospital das Clínicas da UNICAMP/HEMOCENTRO. A monitorização iniciou-se no dia do transplante e continuou até 150 dias pós-transplante. As coletas das amostras foram realizadas quinzenalmente. Utilizamos as técnicas de PCR em tempo real e Elisa para a detecção do vírus EBV. Consideramos a presença de 1 ou mais cópias/ul do DNA-EBV como resultado positivo (GARTNER et al, 2002) e realizamos também a técnica da Nested-PCR para o CMV, considerando como critério para definir infecção ativa pelo CMV a presença de 2 ou mais resultados positivos consecutivos. Os objetivos do nosso trabalho foram: diagnosticar a infecção ativa e quantificar a carga viral do vírus Epstein-Barr (EBV) em pacientes transplantados de células progenitoras hematopoéticas; relacionar infecção ativa do vírus Epstein-Barr com o Citomegalovírus (CMV) e verificar a incidência da Doença linfoproliferativa e a Doença do enxerto contra o hospedeiro (GVHD) nos pacientes estudados. Com os resultados de nosso estudo concluímos que nenhum dos pacientes apresentou doença linfoproliferativa relacionada ao EBV. Co-infecção entre EBV e CMV ocorreu em 20/46 pacientes (43,5%). Há evidências de que essa dupla replicação ocorra freqüentemente em TMO e está relacionada ao estado de intensa imunossupressão nestes pacientes (LIN et al, 2002). Doença por CMV ocorreu em 7/46 (15,2%) pacientes no trato gastrintestinal. Todos estes doentes apresentaram infecção ativa pelo CMV e 4/7 (57%) apresentaram infecção ativa pelo EBV. Um destes pacientes foi a óbito por doença por CMV. Os casos de co-infecção ativa EBV+CMV em relação à ocorrência de GVHD também foram estatisticamente significantes (p=0.001). Concluímos que a infecção pelo CMV ainda é a maior causa de morbidade e mortalidade nos pacientes após o transplante. A RT-PCR é uma ferramenta útil para verificar os pacientes que reativaram pelo EBV após o transplante e pode auxiliar na prevenção da doença linfoproliferativa causada pelo EBV juntamente com a identificação dos fatores de risco associados. Verificamos a ocorrência e significância do GVHD e infecção ativa pelo CMV, mas não observamos esses mesmos resultados comparados ao EBV. O controle da carga viral é muito importante na prevenção do desenvolvimento da doença linfoproliferativa. Estudos futuros de monitorização da carga viral do EBV poderão ser realizados em um número maior de pacientes e, principalmente, naqueles pacientes transplantados não-relacionados, onde o risco da doença por EBV é maior.  
DETERMINAçãO DA INTERAçãO RESULTANTE DE COMBINAçõES DE ANTIFúNGICOS IN VITRO FRENTE A FUNGOS DEMáCEOS
Biancalana, Fernanda S. Corrêa; Lyra, Luzia ; Schreiber, Angélica Zaninelli;
O crescente número de infecções causadas por fungos demáceos e a dificuldade em estabelecer um tratamento eficiente, sugerem mais estudos sobre a suscetibilidade in vitro a antifúngicos destes microrganismos. Além da terapêutica clássica, estudos demonstram excelente eficácia in vivo da terbinafina associada ou não a outros antifúngicos. Há poucos relatos de avaliação desta in vitro e nenhum estudo sobre sua associação a outros antifúngicos frente a fungos demáceos. Este trabalho determinou o tipo de interação resultante das combinações terbinafina x itraconazol, terbinafina x anfotericina B e terbinafina x voriconazol através da determinação de concentrações inibitórias mínimas (CIM) pela técnica de microdiluição em caldo seguida de cálculo da Concentração Inibitória fracional (CIF), frente a 23 cepas de fungos demáceos pertencentes aos gêneros Alternaria sp, Bipolaris sp, Cladophialophora sp, Curvularia sp, Exophiala sp e Fonsecaea sp. Para as drogas isoladas as CIMs variaram de 0,25-32 ug/mL para Anfotericina B, de 0,25- >128 ug/mL para itraconazol, de 0,064-2 ug/mL para voriconazol e de 0,008-8,2 ug/mL para terbinafina. Por sua vez, as associações de terbinafina com anfotericina B e terbinafina x voriconazol resultaram em 100% de sinergismo e de terbinafina x itraconazol em 96% de efeito sinérgico e 4% aditivo. Estes resultados comprovam in vitro os benefícios já observados in vivo das associações terapêuticas com terbinafina.
DETERMINATION OF 24 MINOR RED BLOOD CELL ANTIGENS FOR CORD BLOOD CELLS BY HIGH-THROUGHPUT DNA ANALYSIS
Amaral, Daphne Renata Tavares; Ribeiro, Karina Rosa; Credidio, Débora Castilho; Guarnieri, Mara Heloisa ; da Costa, Daiane Cobianchi; Castilho, Lilian ;
  Background: Knowledge of the molecular bases to blood group polymorphisms provides a means to predict blood group phenotype from genomic DNA with a high degree of accuracy. As automated procedures attain higher and faster throughput, typing of blood donors by DNA-array analysis is becoming more widespread. Based on this we evaluated the usefulness of DNA array analysis as a routine method of minor red blood cell antigens prediction in cord blood cells. Methods: DNA was extractedfrom cord blood cells kept in RPMI Medium at 1x106 cells/ml. We analyzed a total of 29 DNA samples of cord blood cells of known phenotypes by the HEA BeadChipTM (Bioarray Solutions, Warren, NJ) containing SNPs associated with 24 antigens of 10 blood group systems. Phenotypes were predicted from genotypes. The costs of this genotyping platform and serological assays were determined. Results: Phenotypes predicted for 29 cord blood cells on the basis of the BeadChip DNA analysis were concordant with 22 phenotypes obtained by hemagglutination for the Rh, MNS, Kell, Duffy, Kidd blood group systems. All the 7 discrepant results, including 2 Fy(a-b-) and 5 Fy(a+b-), were due to silencing of Fyb. The DNA array analysis identified 3 rare cells (2 Co(b+) and 1 Di(a+). It was also possible to predict the Dombrock phenotypes (Do(a+b–) [n=5], Do(a+b+) [n=12], and Do(a–b+) [n=12]). This genotyping platform format processes 96 DNA samples per 5 hour, including automated data analysis and report generation; and the costs/Ag are 4 times lower than phenotyping. Conclusion: Our results show that DNA array analysis is a reliable high-throughput method of predicting minor red blood cell antigens for cord blood cells in a short period of time and is cost efficient. This procedure can be very helpful to constitute a cord blood bank genotyped for several blood group polymorphisms. The advent of routine DNA analysis of cord blood cells and patients would make it possible to contemplate a new paradigm for the selection of cord cells for transplant on the basis of the respective HLA and blood group antigen repertoires.
DIFERENTES COMPORTAMENTOS METABÓLICOS ESCLARECEM A ASSOCIAÇÃO DA LIPEMIA PÓS-ALIMENTAR COM A ESPESSURA ÍNTIMA-MÉDIA CAROTÍDEA E OS AUTOANTOCORPOS CONTRA EPÍTOPOS DE LDL OXIDADA
Oba, Juliana Fugikava; Tentor, Juliana ; Harada, Lila Mina; Nakamura, Rui T; Gidlund, Magnus Ake; de Faria, Eliana Cotta;
  Resumo: É necessário entender os mecanismos da associação entre a lipemia pós-alimentar com aterosclerose precoce e estabelecida para a prevenção de doença coronariana. Objetivo: Identificar as respostas lipêmica e metabólica após uma refeição padronizada e relacioná-las a marcadores de aterosclerose precoce. Materiais e métodos: Coleta de amostras de sangue antes e após uma refeição líquida (40 g gordura/m2 superfície corporal) nos tempos 0, 2, 4, 6 e 8 horas para medida de lípides, ácidos graxos livres (AGL), insulina, proteína de transferência de colesteril éster (CETP), autoanticorpos contra epítopos de LDL oxidada (anti-oxi LDL), atividade de lipases e genótipos de apolipoproteína E. Foi determinada a espessura íntima-média das carótidas comuns (C-EIM).  Resultados: Sessenta adultos normolipêmicos foram classificados em responsivos precoces de triglicérides (TG) à refeição (n=39), tardios (n=21) e bifásicos (entre os tardios, n=10). Nos tardios e bifásicos, foi observada uma redução nas concentrações do HDL colesterol e da insulina no período de pico de TG e no jejum para HDL colesterol. Observou-se também aumento de AGL nos tardios no pico de TG. No grupo bifásico, não houve aumento da CETP pós-alimentar. Só os responsivos tardios apresentaram correlação positiva entre AUC de C-EIM e TG, TG 0-8h, anti-oxi LDL, colesterol, LDL colesterol e IMC. Títulos de anti-oxi LDL apresentaram correlação positiva com colesterol e negativa com CETP, lípase hepática e pressão arterial sistólica. Conclusões: Pode-se propor que a associação entre os marcadores de aterosclerose estudados neste trabalho e a lipemia pós-alimentar deve-se a um estado de resistência à insulina com prejuízo do transporte reverso de colesterol.
DIMENSãO FRACTAL (FD) DA CROMATINA NUCLEAR é UM FATOR INDEPENDENTE PARA SOBREVIDA NO MELANOMA MALIGNO.
Bedin, Valcinir ; /adam, Randall L; de Sá, Bianca ; Landman, Gilles ; Metze, Konradin ;
  Introdução: Fatores prognósticos para melanoma maligno (MM) incluem idade, local, genero, índice de Breslow, índice de Clark, ulceração, taxa mitótica, fase de crescimento, regressão, resposta inflamatória do hospedeiro, vascularização de tumor, invasão vascular, neurotropismo e satelitose. Algumas características yais como a área nuclear e diploidia vem sendo estudada. A dimensão fractal (FD) da cromatina em citologia de rotina tem se mostrado um fator independente de sobrevida em pacientes com neoplasias hematopoeticas. O objetivo dos autores foi estudar a importância da dimensão fractal (FD) da cormatina em laminas de MM coradas pela rotina como um fator prognostico de sobrevida.   MATERIAIS E MÉTODOS: Um dispositivo denominado “tissue microaaray” (TMA) foi feito com 71 melanomas primários e metastáticos de pacientes com um mínimo de 5 anos de seguimento. A FD da cromatina nuclear foi obtida de acordo com o método de Sarkar de 12.000 nucleos em laminas coradas pelo HE e analisadas por software especialmente desenvolvido para este fim. Usando o modelo de Cox, a relevância da FD para sobrevida foi testada conjuntamente com a expressão imunohistoquimica da ciclina D1, p16, p21, CDK4, p53 e pRb, obtidos de um outro estudo que utilizou o mesmo TMA.   RESULTADOS: A idade média dos pacientes foi 52,4 anos. A expressão de ciclina d1, p 21, CDK4, p53 e Rb não tiveram relevância quanto ao prognostico. A FD da cromatina nuclear entretanto mostrou ser um fator prognostico significante (B=74.91 p=0.0084) numa analise univariada. Um aumento do valor da FD indica pior prognostico. No modelo de Cox multivariado, quando testado conjuntamente c0m os fatores prognósticos tradicionais, a FD permaneceu, junto com o indice de Breslow, como um fator independente de prognostico.   CONCLUSÃO: A FD da cromatina em cortes histológicos corados pela rotina é um fator prognostico independente adicional para a sobrevida em pacientes com melanoma maligno.
DISFUNÇÃO DE MITOCÔNDRIAS DE CÉREBRO EM RATOS SUBMETIDOS À RESTRIÇÃO PROTÉICA GESTACIONAL ESTÁ ASSOCIADA AO DESENVOLVIMENTO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL
Maciel, Evelise Neves; Madeira, Eduardo Sulinski; Boer, Patricia ; Gontijo, José Antônio Rocha;
  Introdução: Evidências epidemiológicas têm sugerido que a desnutrição intra-uterina pode ter papel importante no desenvolvimento de hipertensão arterial na fase adulta. Estudos recentes mostram uma elevada prevalência de hipertensão em adolescentes que foram crianças desnutridas - que chega a 21% na cidade de São Paulo. Mitocôndrias são essenciais para manter a integridade celular, desempenhando o papel de centro energético da célula. Neste estudo avaliamos os efeitos da privação protéica durante a gestação no aparecimento de alterações no metabolismo oxidativo em mitocôndrias de cérebro de ratos adultos, assim como a associação destas com o desenvolvimento da hipertensão arterial. Métodos e Resultados: Ratas Wistar fêmeas foram colocadas com machos e, a partir da presença de espermatozóide no lavado vaginal, estas foram divididas em dois grupos submetidos: (1) à dieta normoproteíca (NP, 17%) e (2) à dieta hipoproteíca (HP, 6%). O desenvolvimento das proles foi monitorado aos 15, 30, 60, 120 e 180 dias pós-natal. Um grupo de machos com idade de 180 dias de idade foi tratado com o anti-hipertensivo hidralazina durante 5 semanas a fim de avaliarmos o efeito da normalização da pressão arterial nas alterações mitocondriais na fase adulta. Mitocôndrias isoladas de cérebros (forebrain) de machos do grupo HP apresentaram uma diminuição de aproximadamente 25% da respiração quando utilizamos glutamato e malato como substratos respiratórios, mas não succinato. Esta alteração de função mitocondrial só foi evidenciada a partir de 30º dia de vida pós-natal. Estes resultados indicam uma deficiência funcional do complexo I da cadeia respiratória, mas não de outros complexos respiratórios, em cérebro de machos do grupo HP. Fêmeas do grupo HP não apresentaram hipertensão arterial na fase adulta, assim como alterações em mitocôndrias cerebrais. Além disso, observamos um expressivo aumento da produção de espécies reativas de oxigênio e uma redução da capacidade de retenção de Ca2+ em mitocôndrias de cérebro de ratos machos do grupo HP. Notadamente, as alterações evidenciadas no metabolismo oxidativo mitocondrial foram suprimidas após tratamento com hidralazina em animais com 6 meses de idade. Estes resultados indicam deficiência funcional do complexo I da cadeia respiratória, mas não de outros complexos respiratórios, em cérebro de machos do grupo HP. Conclusões: Os resultados indicam que a privação protéica gestacional resulta em hipertensão arterial e disfunções ontogênicas cerebrais, envolvendo o complexo I da cadeia respiratória de mitocôndrias e que estas disfunções estão associadas à predisposição fenotípica da hipertensão arterial neste modelo. Esta expressão fenotípica é corrigida pela redução da pressão arterial Financiamento: Câmara de Pesquisa/FCM, FAPESP e PIBIC/CNPq.
DISTÚRBIOS DO SONO EM ESTUDANTES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO E DE CURSOS PRÉ-VESTIBULARES
Rocha, Célia Regina da Silva; Reimão, Rubens Nelson Amaral de ;
A adolescência é considerada uma das fases cruciais do desenvolvimento humano, marcada pela aquisição de uma nova imagem corporal, manifestas pelo rápido e intenso crescimento, e substanciais transformações fisiológicas, anatômicas e emocionais. O adolescente se vê diante de situações desconhecidas, exigências para o cumprimento de obrigações e deveres, dentre eles o da escolha profissional, que geralmente está vinculada à entrada na Universidade. O processo seletivo é concorrido, permeado pelas expectativas dos jovens e de seus familiares, gerando angústia e ansiedade, fatores de risco para o surgimento de distúrbios do sono. O objetivo deste estudo foi o de verificar a ocorrência de distúrbios do sono em estudantes do terceiro ano do ensino médio e de cursos pré-vestibulares. A amostra foi constituída por 529 jovens de ambos os gêneros, na faixa etária de 16 a 19 anos, estudantes de escolas do ensino médio da rede pública e particular, e de cursos pré-vestibulares, localizados na cidade de São Paulo. O instrumento utilizado foi o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh – IQSP. Os resultados indicam que os sujeitos que cursam o pré-vestibular quando comparados aos do ensino médio, não apresentam diferença significativa na pontuação global do instrumento (p=0, 4591) e nos itens: duração do sono (p=0,3877), eficiência habitual do sono (p=01512), distúrbios do sono (p=0,6837), uso de medicação para dormir (p=0,8801), sonolência diurna e distúrbios do sono (p=0,2539). Apenas no que se refere à qualidade subjetiva do sono há diferença estatística significante (p=0,0335) nos estudantes dos cursinhos. Obteve-se diferença significativa (p=0, 045) entre os estudantes do gênero masculino - bons dormidores, com 420 minutos de sono; e o gênero feminino maus dormidores, 390 minutos de sono.
DOADORES DE óXIDO NíTRICO INIBEM A TRANSIçãO DE PERMEABILIDADE MITOCONDRIAL
Garcia, Rafael ; Utino, Fabiane Leonel; Leite, Ana Catarina R; Castilho, Roger Frigério; Oliveira, Helena Coutinho F; Vercesi, Aníbal Eugênio ;
  A transição de permeabilidade mitocondrial (TPM) caracteriza-se normalmente como um dos eventos de processos fisiopatológicos que levam à morte celular tanto por necrose como por apoptose. O óxido nítrico (NO·) é um mensageiro intracelular envolvido na regulação de diversos mecanismos fisiológicos e tem influência direta sobre o metabolismo mitocondrial, sendo a mitocôndria um sítio de sua geração. Os efeitos biológicos do NO· podem ser benéficos ou citotóxicos, dependendo, principalmente, de sua concentração. Resultados prévios do nosso grupo demonstraram que inibidores da óxido nítrico sintase (NOS) levam à TPM por mecanismo dependente de Ca2+. No presente trabalho avaliamos os efeitos de dois doadores de NO· com estruturas químicas distintas e tempos de meia vida diferentes: Spermine e DetaNONOato. Os resultados mostram que concentrações entre 5 e 10 nM desses compostos inibem o desencadeamento da TPM, como indicado pelo aumento do tempo de retenção de íons Ca2+ captados pela mitocôndria, redução do inchamento mitocondrial e proteção contra a perda de potencial desencadeada pelo Ca2+ e potencializada pelo L-NAME, um inibidor da NOS. Em contraste, doses maiores desses compostos (25 - 100 nM) induzem TPM. Tais resultados são compatíveis com os obtidos anteriormente com o SNAP (outro doador de NO·). Esses dados sugerem que, independentemente da fonte exógena de NO·, baixas concentrações do mesmo podem inibir a TPM causada pela inibição da atividade da mtNOS através da reposição de níveis fisiológicos de NO·.     Apoio Financeiro: CNPq, FAPESP e CAPES.      
EFEITO DA S-NITROSO-N-ACETILCISTEINA NA BIODISPONIBILIDADE DE ÓXIDO NÍTRICO EM MODELO DE DIABETES MELLITUS EXPERIMENTAL
Faria, Aline Macedo; de Souza, Gabriela Freitas Pe; de Oliveira, Marcelo Ganzarolli; Lopes de Faria, José Butori;
  Introdução: A diabetes mellitus (DM) experimental está associada com complexas alterações na biodisponibilidade e sinalização do óxido nítrico (NO) que estão envolvidas na patogênese da nefropatia diabética (ND). É possível que compostos doadores de NO como S-nitroso-N-acetilcisteina (SNAC) possam restabelecer as alterações do NO no DM e consequentemente melhorar a ND.   Objetivo: O objetivo deste trabalho foi testar a hipótese que a SNAC pode melhorar a biodisponobilidade de NO em ratos experimentalmente diabéticos.   Métodos e Resultados: Ratos Wistar Kyoto com 12 semanas de idade foram tornados diabéticos através da injeção endovenosa de estreptozotocina (50 mg/kg) e ratos controles receberam apenas o veículo (tampão citrato). Os animais diabéticos foram randomizados para receberem, ou não, SNAC (1,4mg/kg/dia) por gavagem. Após 4 semanas de tratamento, os ratos foram eutanaziados e os rins coletados. Não houve alteração na glicemia e na pressão arterial dos animais diabéticos após o tratamento com SNAC. A expressão da eNOS total, estimada por Western Blot (WB), não foi modificada pelo DM ou pelo tratamento com SNAC. Já na forma ativa da eNOS, a fração de membrana, houve uma tendência a redução pelo DM e a ser normalizada pelo tratamento com SNAC. A quantificação tecidual de nitrito e nitrato (NO analyser) estava aumentada no DM (n=5, p=0,014) e foi reduzida pelo tratamento (p=0,0194). Finalmente, a formação de peroxinitrito, resultado da ligação do NO ao superóxido, estimado por nitrotirosina por WB, aumentou no DM (p=0,0128) e foi reduzida com o tratamento (p=0,0466).   Conclusão: Observamos que o diabetes leva a alterações na biodisponibilidade do NO e que o tratamento com SNAC foi capaz de prevenir estas alterações. É possível que a SNAC seja útil no tratamento da ND.
EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO DE ANDRÓGENOS NA MUSCULATURA E COLÁGENO PERIURETRAIS. ESTUDO EXPERIMENTAL COM RATAS.
Feitosa, Isabel Cristina A; Riccetto, Cassio Z.; Palma, Paulo Cesar; Vidal, Benedicto Campos; Maciel, Luiz Carlos;
Introdução: A deficiência do estrógeno parece interferir na função contrátil e nas camadas musculares da uretra, reduzindo o número de células contráteis e aumentando o de fibras colágenas, que poderia estar relacionado com urgência e incontinência urinária. Objetivo: Foi analizar o efeito da suplementação androgênica na musculatura e fibras colágenas periuretrais de ratas fêmeas Winstar, através do uso da microscopia de polarização. Materiais e métodos: Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA) da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.             Trinta ratas adultas (fêmeas, virgens, Winstar), com 90 dias de vida, foram randomizadas em 2 grupos e receberam o acompanhamento e tratamento por 60 dias:             Grupo 1 C (Controles) : 15 ratas receberam doses diárias de 0,1 ml de placebo, por via subcutânea.             Grupo 2 T (Reposição hormonal): 15 ratas receberam diariamente doses de 0,075 mg/kg de metiltestosterona, por via subcutânea.               Trinta dias após terminadas as aplicações, os animais foram sacrificados, com auxílio do thiopental. A bexiga, uretra, vagina e músculos do assoalho pélvico foram removidos em bloco.             A microscopia de polarização é um método que traz informações importantes sobre a ultra-estrutura e a organização molecular de células e tecidos, e que quando quantificada atinge níveis elevados de precisão quanto a organização molecular. A determinação das anisotropias ópticas em preparados biológicos permite interpretações das propriedades físico-químicas e características funcionais das estruturas em estudo. O cálculo foi feito através do retardo óptico (RO) correspondente:  RO = S x e² / 2 εο mw02 = S x 2.510    pm             O retardo óptico foi medido pelo brilho da birrefringência, através da análise das imagens. Nestas imagens, as medidas dos Retardos Ópticos correspondem aos valores de birrefringência, expressos em pixel.             Os parâmetros analisados foram área e intensidade de brilho, densidade média. A intensidade de brilho foi transformada em valores de transmitância ( 0 pixel corresponde ao ponto preto da imagem, sem transmitância; até 255 pixels, vermelho, correspondendo a 100 % de transmitância).             Para as análises estatísticas foi utilizado o teste de Mainn-Withney, com desvio-padrão (p < 0,05). Resultados: Foi realizada inicialmente a análise morfológica das estruturas, onde as imagens birrefringentes permitiram uma detecção fina e caracterização do colágeno e das bandas anisotrópicas das fibras musculares.             As fibras colágenas estavam distribuídas em torno da uretra, fazendo um trançado. Já as fibra
EFEITO DA TRAQUEO-OCLUSãO FETAL E DO TRATAMENTO MATERNO COM DEXAMETASONA NA EXPRESSãO DOS RECEPTORES DO FATOR DE CRESCIMENTO VASCULAR ENDOTELIAL EM PULMõES DE FETOS DE RATO COM HDC INDUZIDA PELO NITROFEN
Schmidt, Augusto Frederico; Nassr, Azize Cristina C; Rossi, Angélica Sartori; Pereira, Luís Antonio Vi; Sbragia, Lourenço ;
A Hérnia Diafragmática Congênita (HDC) é um defeito da formação do diafragma que incide em aproximadamente 1:2500 nascidos vivos e apresenta altos índices de mortalidade fetal e neonatal decorrentes da hipoplasia e hipertensão pulmonares. Este defeito pode ser induzido experimentalmente em ratas grávidas administrando o herbicida nitrofen que causa HDC em 24% dos fetos. A análise microscópica do pulmão da HDC demonstra a presença de hipoplasia pulmonar além da alveolarização e vascularização alterada e vários tratamentos têm sido propostos para a melhora da hipertensão pulmonar nesta doença. O tratamento materno com corticosteróide melhora a maturidade bioquímica e estrutural levando ao aumento da produção de surfactante pulmonar. O tratamento empregando a traqueo-oclusão fetal (TO) promove crescimento, aumento da maturação e causa diminuição da espessura das arteríolas pulmonares em fetos de rato com HDC induzida por Nitrofen e em humanos. No entanto, a fisiopatologia da ação destes tratamentos não está completamente esclarecida, especialmente de como as vias dos fatores de crescimento pulmonar podem levar à maturação. Um dos principais fatores envolvidos no desenvolvimento pulmonar é o VEGF (Vascular Endothelial Growth Factor) que com seus receptores VEGFR-1 (Flt-1) e VEGFR-2 (Flk-1) que atuam não só no desenvolvimento da vascularização, mas também na septação e alveolarização pulmonares. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da associação de dois tratamentos fetais: a) da administração materna de corticosteróide e b) da TO na expressão dos receptores pulmonares de VEGF (VEGFR-1 e VEGFR-2) em fetos de rato normais e com HDC. Ratas Sprague-Dawley grávidas foram divididas em sete grupos: controle externo, expostas ao nitrofen por gavagem no dia 9,5 de gestação (termo=22 dias), tratadas com 0.4 mg/kg de dexametasona intraperitoneal no dia de gestação 18,5, operadas para TO fetal no dia gestacional 18,5 com três grupos fetais (controle, sham e TO), tratadas com dexametasona e TO, expostas ao nitrofen e tratadas com TO, expostas ao Nitrofen e tratadas com dexametasona e TO. Os fetos expostos ao nitrofen foram divididos em dois grupos fetais: com HDC e sem HDC. Cada grupo fetal foi composto de 20 fetos. As variáveis morfológicas estudadas foram: peso corporal (PC), peso pulmonar total (PPT), peso do pulmão esquerdo (PPE), relação PPT / PC. Para avaliação da expressão de VEGFR-1 e VEGFR-2 foi feita análise por Western Blotting. Os dados foram analisados pelo teste ANOVA com pós-teste de Tukey-Kramer. A freqüência de HDC foi de 40% (140/350). As variáveis morfológicas mostraram redução no grupo nitrofen com e sem HDC, sendo mais pronunciadas no último (p<0.05). O PPT, o PPE e a relação PPT/PC aumentaram nos fetos submetidos a TO com e sem HDC, sendo significativamente maiores nestes grupos do que nos fetos do grupo controle externo. O tratamento com corticosteróide não alterou as variáveis morfométricas. A expressão de VEGFR-1 foi diminuída pela TO, mas não foi alterada pela dexametasona. Já a expressão de VEGFR-2 não foi alterada pela TO, mas foi marcadamente aumentada pela dexametasona. Também observamos que os fetos sham apresentaram expressão aumentada de VEGFR-2. O VEGF e seus receptores
EFEITO DO PACLITAXEL NA VIA IRS/PI3-QUINASE/AKT/MTOR EM LINHAGEM DE ADENOCARCINOMA DE MAMA E CARCINOMA DE PULMÃO.
Rocha, Guilherme Zweig; Dias, Marília Meira; Ropelle, Eduardo Rochete; Costa, Felipe Osório; Carvalheira, José Barreto Ca;
A elucidação das vias de crescimento celular e a observação de que essas vias estão alteradas no câncer humano levou a procura de inibidores específicos. Proteínas adaptadoras, isto é, que se ligam a múltiplos elementos de uma cascata de sinalização e coordenam a sinalização celular, bem como quinases intracelulares podem ser candidatos ideais a alvos para o bloqueio da sinalização celular. Nesse sentido, a via de sinalização IRS/PI3-quinase/Akt/mTOR e a AMPK aparecem como alvos para o bloqueio de crescimento e indução de apoptose de células tumorais. Por outro lado, a descoberta dos taxanos, ésteres de alcalóides complexos, compostos por um sistema de anéis e com diversas ramificações laterais que são essenciais para a ação única contra os microtúbulos, é provavelmente a mais importante adição ao arsenal quimioterápico do final do século vinte. Entretanto, os efeitos da associação entre taxanos e moduladores da atividade da AMPK e de bloqueadores da mTOR em linhagens de câncer de mama são parcialmente conhecidos. Assim, o objetivo do projeto foi avaliar o efeito do tratamento concomitante entre moduladores da atividade da AMPK ou bloqueadores da mTOR e taxanos em diferentes linhagens de câncer de mama e de pulmão. As células de adenocarcinoma de mama (MCF-7) e de carcinoma de pulmão (A549) foram tratadas com 2-Deoxiglicose (2-DG) e Metformina, como ativadores da AMPK, e com Paclitaxel. Os resultados obtidos mostram que Akt e AMPK são ativadas e que mTOR, p70S6K e 4EBP-1são inibidas por 2-DG e Metformina de maneira tempo e dose dependentes nas células MCF-7 e A549. Além disso, observamos que o tratamento com Paclitaxel também ativou a Akt e a AMPK e inibiu mTOR, p70S6K e 4EBP-1 de maneira tempo e dose dependente nas duas linhagens de células utilizadas. Entretanto, na associação de 2-DG com Paclitaxel e de Metformina com Paclitaxel, verificamos que a única proteína ativada pela associação de drogas era a AMPK e que Akt, mTOR, p70S6K e 4EBP-1 se encontravam inibidas nas células MCF-7 e A549. Assim, podemos sugerir que a associação de um ativador da AMPK, que leva a uma diminuição da atividade de vias de crescimento, proliferação e diferenciação pode ser uma alternativa mais eficiente que o tratamento com Paclitaxel isolado.
EFEITOS E ATVIDADES DA PEÇONHA DA BOTHROPS LANCEOLATUS E SUA NEUTRALIZAÇÃO COM IMUNESOROS ESPECÍFICOS.
Carvalho, Marcelo de; Dotto, Paula Lourenço; Garcia, Célia A. A.; Hyslop, Stephen ; Araújo, Paulo M. Ferreir; Lôbo de Araújo, Albetiza ;
  Envenenamentos causados por picadas de serpentes peçonhentas, resultam em graves efeitos biológicos devido a complexidade das peçonhas, condições da vítima, fatores genéticos, entre outros. O tratamernto mais eficaz em acidentes ofídicos se faz com uso da soroterapia embora possa ocorrer reações de hipersensibilidade. A Bothrops lanceolatus (BL) endêmica da Ilha da Martinica no Caribe, posssui atividades biológicas similares as das Bothrops brasileiras. Camundongos previamente tratados com a peçonha da BL (4.8µg/g; n=5) e imunizados com eritrócitos de carneiro (EC) reduziram a produção de anticorpos anti-EC (P<0.05). Este efeito também foi evidenciado com a fração I (FI=2.4µg/g; n=5), obtida por cromatografia de exclusão em Sephadex G-100 (P<0.05). A fração II (FII=2.4µg/g; n=5) do veneno da BL, não apresentou inibição significante da resposta imune (P>0.05), sendo utilizada como imunógeno em esquemas de imunização em coelhos. O imunesoro produzido em coelhos (Anti-FII) foi mais reativo ao veneno da BL que o imunesoro comercial (Anti-BL) produzido em eqüinos, quando analizados através dos testes de imunodifusão e ELISA. Ambos os imunesoros neutralizaram total ou parcialmente algumas das atividades biológicas da peçonha da BL (hemorrágica, hemolítica indireta, esterásica, caseinolítica e coagulante sobre o fibrinogênio). Nossos resultados sugerem que existe a possibilidade de produzir imunesoros mais específicos e eficazes, para neutralizar as diversas atividades biológicas do veneno da BL, selecionando assim, frações que não contenham atividade inibidora sobre o sistema imune humoral e utilizando-as como imunógeno em animais soro produtores.  
EFFECTIVENESS OF INTERVENTIONS ACTION PLANNING AND COPING PLANNING ON THE IMPLEMENTATION OF PHYSICAL ACTIVITY IN ISCHEMIC HEART DISEASE
Spana, Thaís Moreira; Mendez, Roberto D. R.; Gallani, Maria Cecília B. J.; Rodrigues, Roberta C. M.;
OBJECTIVES: The aim of this study was to test two brief interventions designed to encourage coronary outpatients to engage in regular physical activity (PA). METHODOLOGY: An experimental longitudinal trial was conducted to test the combination of two interventions focused on a combination of action planning and coping planning, comprised planning on (a) when, where, and how to act, and (b) on how to deal with anticipated barriers. A total of 100 participants completed assessments at baseline and 1 month after baseline. Fifteen days after baseline, IG received phone reinforcement for maintaining PA. Participants were randomly assigned to either the intervention group (IG) or a standard-care control group (CG). Behavior was asked: "In the past month, how many times have you walked at least 30 minutes? Answers could vary from (1) less than once a week up to (4) three or more times per week”. RESULTS: At baseline, scores of Behavior were similar in both groups (B=2.6) and one month later participants in both IG and CG did significantly more physical exercise than in the baseline (B= 2.9 and 3.0 respectively). However there was no difference in the Behavior score between IG and CG individuals. CONCLUSIONS: The results of this study pointed that 1-month after the baseline, the mere elicitation regarding behavior (in the CG) resulted in similar gains in behavior when compared to the combined intervention (in the IG). Theses results may be considered in planning regular and objective elicitation strategies in the follow-up of coronary outpatients.
EFFECTS OF SIMVASTATIN ON MITOCHONDRIAL RESPIRATION OF RAT SKELETAL MUSCLE FIBERS
La Guardia, Paolo Gadioli; Alberici, Luciane Carla; Vercesi, Anibal Eugênio;
3-Hydroxy-3-methylglutaryl CoA reductase inhibitors (statins) are safe and well-tolerated therapeutic drugs. However, they occasionally induce adverse effects, mainly myotoxicity and hepatotoxitity. Here, we investigated the effects of statin, in vivo and in vitro, on mitochondrial respiratory fuction in skeletal muscle biopsies. Incubation (1 hour) of permeabilized soleus muscle biopsies (2 mg) with crescent doses of simvastatin (1 to 40 M) reduced the maximum ADP- or FCCP-stimulated mitochondrial respiration rate in a dose-dependent manner without changes in resting respiration rate (oligomycin-sensitive). The effects of a low simvastatin dose (1 M) was prevented by coincubation with 1 mM L-carnitine, 100 M mevalonate or 10 M coenzyme Q10. The last two compounds are a product and an isoprenoid intermediary metabolite of HMG-CoA reductase, respectively. Cyclosporin A, an inhibitor of mitochondrial permeability transition, had no effect. Soleus muscle biopsies from rats treated during 15 days with therapeutic doses (100 mg/kg, p.o.) of simvastatin presented reduced oxygen consumption rates under all respiratory states while respiration of mitochondria isolated from this muscle presented no significant difference compared to mitochondria isolated from control rats. Altogether, these mitochondrial alterations may explain the myotoxicity observed in vivo and attributable to inhibition of HMG-CoA reductase, and reduction of ubiquinone pool into the electron transfer chain. Experiments are currently under way in order to characterize the mechanisms of L-carnitine protection against simvastatin-induced respiration inhibition. Supported by: CAPES, CNPq, FAPESP, FAEPEX-UNICAMP
ESTUDO DA PRESENÇA DE POLIMORFISMOS NOS GENES MODIFICADORES GCLC E GST (M1, T1 E P1) EM PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA E SUA ASSOCIAÇÃO COM A GRAVIDADE APRESENTADA NO QUADRO CLÍNICO
Marson, Fernando Augusto de; Bonadia, Luciana Cardoso ; Bertuzzo, Carmem Silvia; Ribeiro, Antonio Fernando;
INTRODUÇÃO: A Fibrose Cística (FC) é uma alteração genética que cursa principalmente com manifestações pulmonares e pancreáticas. A correlação genótipo-fenótipo da fibrose cística é motivo de muitos estudos. Somente a correlação com a insuficiência pancreática foi encontrada. Percebeu-se, também, que o curso e a gravidade da manifestação pulmonar não estão correlacionados com o genótipo CFTR. A doença pulmonar pode ser influenciada por fatores ambientais e por fatores genéticos. Genes modificadores podem influenciar a gravidade do fenótipo dos fibrocísticos através de vários mecanismos. Para o presente estudo foram escolhidos genes candidatos a modificadores relacionados com o mecanismo de atuação da glutationa, importante antioxidante presente no organismo. OBJETIVO: Associar a presença de polimorfismos dos genes GST (M1, T1 e P1- conjugadores de agentes que causam estresse oxidativo com a glutationa) e GCLC (codifica uma subunidade da enzima glutamato-cisteína ligase que é limitante na síntese da glutationa) com o grau de gravidade apresentado pelos pacientes. CASUÍSTICA E METÓDO: Foram selecionados 137 pacientes, sendo 72 do sexo masculino (52,6%) e 65 (47,4%) do feminino, com idade média de 15 anos, diagnosticados como fibrocísticos pela presença de dois testes de suor alterados. Foi utilizada a técnica de Polymerase Chain Reaction (PCR) nos genes GSTM1 e GSTT1(polimorfismos de deleção de fragmentos), para os genes GSTP1 (polimorfismo 313A/G) e GCLC (polimorfismos 129C/T e 350A/G) foi realizada ainda digestão enzimática. Os dados obtidos foram correlacionados com marcadores clínicos (Escore de Kanga (EK), Escore de Shwachman (ES), Índice de Massa Corpórea (IMC), idade ao diagnóstico, inicio dos sintomas (pulmonar e digestivo), microrganismos isolados, espirometria e saturação de oxigênio. A análise estatística foi realizada pelo software SPSS v.10.0. A análise dos dados quantitativos sem distribuição normal foi realizada pelos testes de Kruskal-Wallis e Mann-Whitney e dos dados com distribuição normal pela análise de variância para um fator e pelo Teste-T. Os dados qualitativos foram analisados através dos testes qui-quadrado ou Exato de Fisher e quando possível foi calculado do Odds Ratio (OR) e o Risco Relativo (RR). Foi estabelecido um nível de significância de 5%. RESULTADO E DISCUSSÃO: Para os genes GSTM1, GCLC (polimorfismo 129 C/T) e GSTP1 não se observou correlação estatisticamente significativa com os marcadores clínicos. Para o gene GSTT1 (polimorfismo de alelo nulo) indivíduos portadores de pelo menos um alelo codificante foram classificados preferencialmente na categoria de baixo peso (p=0,01) quanto ao IMC (OR:3,08, p=0,01). Quando os genes GSTM1 e T1 foram analisados simultaneamente, os indivíduos portadores de pelo menos um alelo codificante foram classificados com maior freqüência como portadores de baixo peso (OR=1,52, p=0,05). Quanto a saturação de O2 transcutânea foi observado associação entre o genótipo e a gravidade clínica (p=0,04), com um RR de 0,34 (p=0,04) para pacientes com ambos genes com alelos nulos em apresentar menores valores de saturação, e em relação ao ES, a presença do alelo nulo em ambos os genes (T1 e P1) foi associada à pior classificação
ESTUDO DAS MUTAÇÕES DO GENE FANCC EM PACIENTES COM QUADRO CLÍNICO DE ANEMIA DE FANCONI
Gonçalves, Claudia Estela; Santos, Renato de Oliveir; Amstalden, Lucila Gobby; Bonadia, Luciana Cardoso; Bertuzzo, Carmen Sílvia;
    A Anemia de Fanconi (AF) é uma doença que apresenta herança autossômica recessiva. É caracterizada por múltiplas anomalias congênitas, progressiva falha da medula óssea e alto risco para desenvolvimento de câncer. A mais importante das características clínicas é a manifestação hematológica, responsável pelo grande número de morbidade e mortalidade em portadores de AF.  Também é chamada de síndrome da instabilidade cromossômica por apresentar hipersensibilidade a agentes clastogênicos como a mitomicina C e diepoxibutano. A incidência da AF em todo o mundo é de aproximadamente, três por milhão e a frequência de heterozigotos é estimada em um para 300 na Europa e Estados Unidos. No Brasil não há dados sobre a prevalência da doença. Foram descobertos até o momento 13 grupos de complementação (FANCA, B, C, D1, D2, E, F, G, I, J, L, M e N), e os 13 genes foram clonados e pelo menos 11 genes estão relacionados ao distúrbio. O presente estudo teve como objetivo a análise das principais mutações (IVS4+4A>T, Q13X, W22X, DG322, R185X, L496R, L554P, e R548X) do gene FANCC em pacientes com quadro clínico de AF. Foram analisados 121 indivíduos com clínica compatível à AF. Na amostra encontramos 14% de indivíduos heterozigotos e 4% de indivíduos homozigotos para as mutações mais freqüentes do gene FANCC. As mutações mais prevalentes foram: IVS4+4A>T com 6,6% dos alelos analisados, com freqüência similar à encontrada na literatura, W22X com 2.47% dos cromossomos analisados e Q13X com 1.23% dos cromossomos analisados.
ESTUDO DO PERFIL DO IDOSO TRAUMATIZADO ATENDIDO NO HOSPITAL DAS CLíNICAS/UNICAMP.
Costa, Isis Lozzi da; Hirano, Elcio Shiyoiti; Mantovani, Mario ;
  INTRODUÇÃO O aumento da população idosa é um fenômeno que ocorre em quase todo o mundo. No Brasil não é diferente. O volume de atendimento a idosos tem aumentado nos hospitais, bem como o número de internações desta população. Um novo perfil configura-se, então, nesta realidade: uma população que necessita de um tempo maior de internação e está à mercê de maiores incidências e reincidências de traumas devido a sua fragilidade fisiológica. Conhecer esta nova realidade deve fazer parte dos estudos do século XXI, pois deparamos com uma metamorfose contínua da população atendida nos serviços de saúde.     OBJETIVOS Objetivo geral: Avaliação retrospectiva de pacientes idosos (acima de 60 anos) que deram entrada na Unidade de Emergência Referenciada (UER) da Unicamp entre janeiro/2005 e setembro/2008, vítimas de causas externas. Objetivos específicos: 1)      Identificar os tipos de traumatismos mais freqüentes; 2)      Obter informações sobre o estado clínico do idoso antes do trauma (doenças pré-existentes, etc); 3)      Obter informações sobre o estado clínico do idoso na sua chegada ao hospital (pós-trauma); 4)      Avaliar a evolução do paciente; 5)      Demonstrar os fatores preditivos das complicações; Demonstrar os fatores preditivos de mortalidade.     MÉTODO Avaliação retrospectiva de pacientes idosos (acima de 60 anos) que deram entrada na UER da Unicamp entre janeiro/2005 e setembro/2008, vítimas de causas externas. Os pacientes foram rastreados através dos códigos de CID que estavam relacionados com afecções de causas externas (quedas, atrompelamentos, acidentes automobilísticos, agressões, tentativas de suicídio, ferimentos de arma branca, de projétil de arma de fogo, traumas contusos, morderuras e outros). Foram coletadas, também, informações acerca de condições clínicas pré-existentes, tipos de lesões, condutas tomadas e evolução do paciente. Os dados foram armazenados para Excel para posterior análise estatística.     RESULTADOS Dados Gerais No período de janeiro/2005 a setembro/2008, 274860 adultos (acima de 14 anos) foram atendidas na UER (Unidade de Emergência Referenciada) do HC/UNICAMP. Destes, 50161 foram atendimentos à idosos (de 60 anos acima), representando 18,2% dos atendimentos. O número de idosos acometidos por causas externas foi de 4120, representando 1,4% do total de atendimentos a adultos e 8,2% do total de idosos, com uma média de 91,5 casos/mês. Destes atendimentos (4120 idosos acometidos por causas externas), 518 eram retornos. Dos 3602 casos restantes, 482 evolíram para internação (13,3%). Idade A média de idade foi de 71,4 anos (60~100 anos) e o sexo feminino foi prevalente (59,6%). A média de idade dos pacientes que evoluíram para internação foi de 74,5 anos e dos que não evoluíram, 71,0 anos. Condições de Moradia Este dado não foi informado em 89,4% dos pacientes, sendo negligenciado principalmente no atendimento na UER (99.9% não informados). No entanto, esta informação foi obtida em 78,6% dos pacientes que evoluíram para internação. Assim, dos p
ESTUDO DO POLIMORFISMO D/I NO GENE ACE CANDIDATO A MODIFICADOR NA FIBROSE CÍSTICA E SUA ASSOCIAÇÃO COM A GRAVIDADE APRESENTADA NO QUADRO CLÍNICO
Marson, Fernando Augusto de; Bonadia, Luciana Cardosos; Bertuzzo, Carmem Silvia ; Ribeiro, Antonio Fernando ;
INTRODUÇÃO: A fibrose cística (FC) é uma doença genética causada por mutações no gene CFTR e clinicamente tem como principal causa de morbidade e mortalidade o dano do trato respiratório. O gene CFTR está localizado na região 7q3.1 e consiste em 27 exons que codificam a proteína CFTR (Cystic Fibrocis Transmembrane Conductance Regulator) expressa na membrana apical das células epiteliais das vias aeríferas, do pâncreas, das glândulas salivares e sudoríparas, do intestino e do aparelho reprodutor, constituindo-se como um canal de cloro. Existe baixa correlação entre o tipo de mutação do gene CFTR e o quadro clínico dos pacientes, assim estudos de fatores ambientais e genéticos podem contribuir para o melhor entendimento da fisiopatologia desta doença. O gene ACE codifica a enzima conversora de angiotensina que é uma enzima relacionada a resposta pró-inflamatória, um processo presente no parênquima pulmonar de fibrocísticos. Este gene apresenta um polimorfismo denominado de D/I, sendo o alelo D caracterizado pela deleção de 287pb no intron 16 e responsável pela maior expressão do gene. OBJETIVO: Neste estudo, o objetivo foi associar o polimorfismo D/I no gene ACE com marcadores clínicos da fibrose cística (Escore de Kanga, Escore de Shwachman, Índice de Massa Corpórea – IMC, idade ao diagnóstico, inicio dos sintomas pulmonares e digestivos, microrganismos presentes, dados de espirometria, saturação de oxigênio). MATERIAL E METÓDO: Foram selecionados 137 pacientes, sendo 72 do sexo masculino (52,6%) e 65 (47,4%) do feminino, com idade média de 15 anos, diagnosticados como fibrocísticos pela presença de dois testes de suor alterados. Para a análise do polimorfismo D/I se utilizou da técnica de Polymerase Chain Reaction (PCR). A análise estatística foi realizada pelo Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 10.0. A análise dos dados quantitativos sem distribuição normal foi realizada pelo teste de Kruskal-Wallis. A análise dos dados quantitativos com distribuição normal foi realizada pela análise de variância para um fator. Os dados qualitativos foram analisados através do teste do qui-quadrado, utilizando, se necessário, correção de Yates ou teste exato de Fisher. Também foi realizado o cálculo do Odds Ratio (OR) e do Risco Relativo. Foi estabelecido um nível de significância de 5%. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Para os pacientes portadores do alelo D o diagnóstico foi realizado em média antes que o três anos de idade (p=0,04), quando comparado a indivíduos homozigotos II, sendo OR de 3,07 (p=0,05). Quanto ao aparecimento do quadro digestivo o mesmo foi observado (p=0,05; OR= 8.2 e p=0.1). Quanto ao Escore de Shwachman, principal marcador de gravidade clínica na fibrose cística, foi observado um maior número de pacientes portadores do genótipo DD com escore classificado como grave (p= 0.02), OR de 6,38 (p=0,04) e um risco relativo de 4,81 (p=0,02) para os portadores do genótipo DD quanto a gravidade clínica dada pelo Escore. Esses resultados sugerem que a maior expressão do ACE decorrente do genótipo DD leva ao maior dano pulmonar devido a inflamação. Porém o genótipo DD parece proteger contra a infecção crônica o que pode ser observado pela presença de maior número de pacientes infectados pela bact
ESTUDO LONGITUDINAL DE UMA SÉRIE DE CASOS DE CORTADORES DE CANA FOCALIZANDO ASPECTOS NUTRICIONAIS E SOCIO-DEMOGRÁFICOS
Gronau Luz, Verônica ; Corrêa Filho, Heleno Rodrigues; Zangirolani, Lia Thieme Oik;
  O estado físico, mental e psico-social dos cortadores de cana vêm sendo cada vez mais destacado no âmbito da saúde do trabalhador, sobretudo pela alta demanda de esforço físico nos quais estes são submetidos para cumprimento da meta de volume de corte de cana-de-açúcar estipulada para cada um deles, bem como o aumento dos casos de mortes nos últimos anos nesta população. Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o estado nutricional e alguns aspectos relacionados ao trabalho e alimentação de trabalhadores rurais do Estado de São Paulo, por meio de medidas antropométricas e consumo alimentar no decorrer de uma safra de cana-de-açúcar. Serão aferidas medidas antropométricas de 40 trabalhadores em três momentos da safra, objetivando um acompanhamento do comportamento da massa corporal e relacionando-a com a qualidade e quantidade da ingestão alimentar, bem como todos os aspectos sociais e de trabalho que possam estar envolvidos a alimentação. Para uma melhor avaliação clínica e de consumo alimentar, será aplicado um questionário investigatório a fim de desvendar hábitos diários de trabalho e consumo alimentar. Esta pesquisa requer primordialmente uma forma de auxiliar a desvendar quais as condições de saúde destes trabalhadores, considerando aspectos nutricionais e de trabalho.
EVALUATION OF SUPERANTIGEN STAPHYLOCOCCAL ENTEROTOXIN B (SEB) VERSUS BACILLUS CALMETTE-GUERIN (BCG) IMMUNOTHERAPY FOR SUPERFICIAL BLADDER CANCER (SBC).
Reis, Leonardo Oliveira ; Fávaro, Wagner José; Fazuoli, Mariana Facca Galv; Billis, Athanase ; Cagnon, Valéria Helena Alv; Ferreira, Ubirajara ;
  INTRODUCTION AND OBJECTIVE The structure and function of rodents’ lower urinary tract is remarkably similar to that of humans. Early studies demonstrated urothelial cancer and few calculi induction by means of n-methyl-n-nitrosourea (MNU) intravesical instillation in female Fischer 344 rats. Intravesical BCG therapy is considered the most successful treatment for superficial bladder cancer. However, undesirable effects of BCG were noted such as irritative voiding symptoms. Authors have evaluated the SEB as a potential candidate to intravesical therapy of bladder cancer, showing no local or systemic toxicity, despite having doubts about this topic. Thus, the aim of this work was to compare the BCG and SEB treatments in the superficial urinary bladder cancer of rats, induced experimentally.   MATERIALS AND METHODS A total of twenty female Fischer 344 rats, aged 7 weeks, were purchased from the Center of Bioterism / Unicamp (Campinas-SP, Brazil) and anesthetized with 0.25 mL/100 g body weight dose of Francotar/Virbaxyl (1:1). Five animals received 0.2 ml dose of saline (control group). Other 15 rats received 1.5 mg/ kg dose of n-methyl-n-nitrosourea (MNU), via 22-gauge angiocatheter intravesically every other week for 7 weeks. All animals were kept anesthetized during 45 minutes to prevent spontaneous micturition. After MNU treatment, the 15 rats were divided into 3 groups: MNU group received the above proceeding; SEB group received 10 mg/ml dose of SEB intravesically for 8 weeks; BCG group received 106 UFC dose of BCG for 8 weeks. After 15 weeks, all rats were anesthetized and bladders were processed for structural and immunological analyses and staged.   RESULTS The results showed undifferentiated tumor, characterizing carcinoma in situ and papillary carcinoma in MNU group. The SEB group showed urothelial hyperplasia and BCG group presented bladder papiloma. Apoptosis and cellular proliferation were increased in MNU, BCG and SEB groups. However, these processes showed diminishing in the SEB and BCG groups. The SEB group showed better recovery of cancer state than that observed in BCG group.   CONCLUSIONS The MNU-induced model of urothelial cancer is able to lead to vesical tumors with the great advantage of being a carcinogen-induced autochthonous vesical cancer model, which does not require metabolism by the gastrointestinal tract. The MNU induced model cancer in Fisher 344 is a golden model to develop vesical cancer. Intravesical therapy is an important adjunct to transurethral resection in patients with superficial bladder cancer, many of whom are at risk for disease recurrence and progression. BCG is one of the most commonly used and most effective agents available for prophylaxis against recurrence and subsequent progression of superficial bladder cancer. However, side effects of BCG are noted in up to 90% of all patients and consist largely of irritative voiding symptoms, including hematuria, dysuria and urgency. Finally, it also could be concluded that the SEB group showed better recovery of cancer state than that observed in BCG group. Thus, SEB treatment should be the first choice in superficial bladder cancer in comparison to BCG one.   Table 1: Percentage of histopathologic alterations of the bladder of rats in the different experimental groups. Groups Histopathology MNU (n= 15) BCG (n= 15) SEB (n= 15) Simple Hyperplasia 02 (13,4%) 01 (6,6%)
EVOLUçãO E INVOLUçãO DA ATEROSCLEROSE: ESTUDO EXPERIMENTAL EM COELHOS HIPERCOLESTEROLêMICOS.
Ozaki, Michiko Regina; Almeida, Eros Antonio de;
Objetivos: Verificar a evolução e involução da aterosclerose experimental em Coelhos através do estudo da função endotelial, lípides plasmáticos e tecidual, peroxidação lipídica quantificação macro e microscópica da aterosclerose aórtica. Material e Métodos: Quinze coelhos machos, raça Nova Zelândia, pesando 3,0-3,5 kg, divididos em 3 grupos (n=5): G1 (Grupo hipercolesterolêmico), G2 (Grupo involução) e G3 (Grupo tratado). O G1 foi tratado com dieta hipercolesterolêmica (Ração, colesterol-0,5%, gordura de côco-10%) por 4 meses. O G2 foi tratado por 4 meses com dieta hipercolesterolêmica seguido por dieta normal por 4 meses. O G3 foi tratado como o G2 e acrescido nos quatro últimos meses de 5 mg/dia de rosuvastatina, administrada via gavagem. No final do experimento for±am dosados: colesterol total (CT), TG, LDL, HDL, colesterol da aorta (CAo), peroxidação lípidica na parede arterial (MDA). A função endotelial (RMAX) foi estudada em segmento de aorta torácica, através de curvas de concentração-efeito com acetilcolina e nitroprussiato de sódio. A quantidade de aterosclerose foi verificada pela medida da área arterial acometida, via software, após coloração com sudam IV e coloração histológica. Estatística: Teste T de student (p < 0,05).   G1 G2 G3 CT 860,6± 103,7 51,6 ± 13,42 § 31,4± 6,66 * · TG 253,4 ± 54,2 27,2± 5,36 § 30,0± 5,67* LDL 503,9± 25,5 27,6± 16,91 § 5,85± 8,1 * · HDL 306,1± 77,9 18,54± 3,11 § 29,2± 13,63 * · CAo 138,8 ± 19,1 50,47 ± 5,58 § 34,3 ± 35,92*· MDA 9,14± 1,48 8,4±0 2,01 5,87± 0,97*· RMAX 0 % 0 % 41,5± 38,4*· Atero(%) 45,27± 18,61 31,8± 20,4 § 18,23± 1,90*·
EXPERIêNCIA COM DEFICIENTES, TEMPO DE EXPERIêNCIA DOCENTE E INCLUSãO EDUCACIONAL.
, ;
Objetivo: verificar a influencia da experiência com deficientes e do tempo de docência  sobre a percepção de aspectos da inclusão educacional em docentes de  Universidade Privada Método: 235 docentes de Universidade Privada selecionados por cluster ; questionário semi-fechado. Resultados: a análise de regressão logística mostrou que docentes com mestrado, doutorado ou pós-doutorado (p= 0.098, OD=1.90) e com até 10 anos de experiência docente (p=0.108, OD= 2.16) na Universidade estudada, apresentaram quase duas vezes mais chance de optar por oferecer Contexto Pedagógico adequado a alunos deficientes. Chama atenção o resultado encontrado quanto à presença de equipamentos adaptados: exatamente os docentes que tiveram experiência com deficientes indicaram o item (p=0.083) com chances de até seis vezes de ocorrência de tal opção e, com menor relevância, docentes com 11 anos ou mais de tempo de instituição (p= 0.140, OR = 2.26). Tal fato sugere que os demais nunca tiveram informação sobre tal item ou simplesmente não a valorizavam. Muito significativa foi a relação encontrada entre tempo de experiência docente na Universidade (11 anos ou mais) e Experiência com Deficientes (sim) quanto a sistema de avaliação e método pedagógico adequado para deficientes: p=0,026 (OR=2.34) e 0,015(OR=3.20) respectivamente, de tal forma que se pode concluir que estão sensibilizados para tal necessidade exatamente aqueles que tiveram experiência com deficientes e tiveram mais oportunidades de vivenciá-la, provavelmente por estar a mais tempo na instituição de ensino.Deduz-se que os demais tiveram pouca ou nenhuma noção sobre necessidades específicas tratando-se de alunos deficientes. Supõe-se que tal informação deveria ser disponibilizada ainda que haja um staff para atendê-los em caso de  contato com tal clientela. A preocupação com adequação dos métodos foi mencionada por docentes que tiveram experiência com deficientes (p= 0, 058, OR=7.24) e tinham 11 anos ou mais de experiência docente na instituição de ensino (p= 0,072, OR= 0.072) o que reforça o quanto docente  modifica a postura quando em contato com o deficiente. Aparentemente tal chance ocorre a intervalos maiores de tempo de docência, em função da incidência pequena, embora ascendente deste tipo de aluno na realidade universitária.Também marcante foi a constatação de que em relação a disciplinas inviáveis exatamente o gênero feminino o tenha destacado (p= 0.002, OD= 3.11) e, com menor força, com 45 anos ou mais de idade (p=0.164, OR= 1.79), as quais predominavam na área de humanas, mas também em paramédicas.Entretanto a possibilidade de torná-las acessíveis ainda que dominante entre os docentes do gênero feminino (p= 0.002, OD = 3.88) se conjugava em parte com docentes com mestrado, doutorado ou pós-doutorado (p= 159, OD=2.00).Aparentemente a experiência com deficientes não influenciou este item, nem o tempo de docência. De forma interessante nota-se o “oposto” em relação à inclusão como algo considerado realista, pois justamente o gênero masculino o indica predominantemente (p=0.077, OD= 1.85), e com 11 anos ou mais de docência ainda que com menor significância estatística (p= 0.196, OD= 1.71). Algo coerente se consideradas as disciplinas não indic
EXPERIMENTAL ANIMAL MODEL AND RNA INTERFERENCE: A PROMISING ASSOCIATION FOR BLADDER CANCER RESEARCH.
Reis, Leonardo Oliveira; Fávaro, Wagner José; Pereira, Tiago Campos; Cagnon, Valéria Helena Alv; Lopes-Cendes, Iscia ; Ferreira, Ubirajara ;
  The focus of this review is to propose the association between animal models and RNA interference for bladder cancer research. Different experimental approaches have been employed to study bladder cancer, including the use of rodents. Animal models are at the center of laboratory bladder cancer (BC) research and at the same time, the bridge to the clinic. A new and very promising therapeutical approach is to silence abnormally up-regulated genes in cancer, through siRNA molecules. Therapeutic use and success of siRNAs will largely depend on their efficient and safe in vivo delivery and on avoiding accidental off-target effects. Intravesical siRNA is a strategy which may be the best deliver option to surperficial BC like intravesical immunotherapy. Its direct action might allow a continuous intracellular exposure to effective siRNA concentrations. While the procedure of transurethral siRNA administration is promising for bladder cancer research allowing detection of new targets in bladder cancer therapy, the optimal intravesical carrier and the best target(s) to siRNA are to be determined. Many interestig questions remain to be responded, among them: i) the effects of administring single versus combined siRNAs (cocktail); ii) applicability right after surgical tumour resection (after transurethral resection of the bladder) and iii) possibility of implementation as a combination therapy into conservative treatment strategies, for example, before or simultaneously with mitomicin or BCG instillation. Translational clinical trials will reveal optimal carrier, dosing, pharmacokinetic behavior, and potential side-effects, aside the best targets to be silenced in human BC.   Table 1: Advantages and disadvantages points of different animal models ANIMAL MODELS ADVANTAGES DISADVANTAGES Carcinogen induced human carcinogens bladder concretions immunocompetent urocystitis multistage, multicausal, multifactorial process   similar to human pathogenesis   Transgenic immunocompetent loss of tumour heterogeneity allows identification of specific gene roles in tumourigenesis Implantable tumour identical human cancer immunocompromissed useful to study the mechanism of metastasis difilcult orthotopic implantation invasive from the start     Table 2. Application of RNAi in urological cancers PROCESS TARGET GENE NUMBER OF RELATED PAPERS Growth / proliferation Ki-67 antigen 4 Signal Transducers and Activator
EXPOSIçãO VERTICAL AO VíRUS DA IMUNODEFICIêNCIA HUMANA NãO AFETA MATURAçãO DA ATIVIDADE DE CéLULAS NATURAL KILLER
Abramczuk, Beatriz M.; da Silva, Marcos T.N.; Lima, Simone C.B.S.; Zorzeto, Tatiane Q.; Vilela, M. Marluce S.;
Introdução e Objetivos: Células Natural killer (NK) desempenham um papel central na resposta imune inata. NK atua na lise de células infectadas por vírus e células tumorais e ajuda a ativar uma resposta adaptativa através da secreção de citocinas. Nos primeiros meses de vida a atividade citolítica de células NK atinge sua competência funcional similar a um indivíduo adulto. O presente estudo teve como objetivo avaliar se a exposição vertical a partículas do HIV, durante a gestação e o parto, interfere na maturação da atividade de células NK do lactente. Métodos e Resultados: A atividade de células NK foi investigada em 33 lactentes com exposição vertical ao HIV, mas não infectados, acompanhados na unidade de pediatria da Universidade Estadual de Campinas, com idades variando de 6,6 a 10,83 meses (mediana, 7,57) e 38 controles não expostos ao HIV, com idades variando de 7,1 a 10,77 meses (mediana, 7,63). Células mononucleares do sangue periférico (CMSP), em três concentrações diferentes, foram incubadas a 37ºC por 2 horas em 5% de CO2 com células alvo K562 (1x105cel/mL) marcadas com PKH2 (Sigma, EUA). Houve adição de iodeto de propídio (Sigma, EUA) e a porcentagem de lise celular foi adquirida em citômetro de fluxo Epics XL-MCL (Beckman-Coulter, USA). As medianas da atividade de NK para os lactentes expostos ao HIV foram 1,75% (0,0 – 4,3), 4,1 (0,0 -7,9) e 5,9% (1,2 -13,8) para as concentrações de CMSP de 0,625x106cel/mL, 1,25x106cel/mL e 2,5x106cel/mL, respectivamente. Não houve diferença na atividade de NK entre os lactentes expostos ao HIV e os controles (teste de Mann-Whitney, p = 0,123, p = 0,289 e p = 0,204). As contagens relativas de NK (CD3-CD16+CD56+) foi determinada para os lactentes expostos ao HIV e para nove controles. A mediana da porcentagem de células NK para o grupo com exposição ao HIV 7,2 (2,7 – 16,7) e para os controles foi 9,0 (5,5-16,3). Não houve diferença entre os lactentes expostos ao HIV e os controles (teste de Mann-Whitney, p = 0,206). Não houve correlação entre a percentage de célula NK e a atividade lítica para os lactentes expostos ao HIV (teste de Spearman, p= 0,307 , 0,103 e 0,918). Conclusão: Os dados sugerem que a exposição vertical a partículas do HIV não interfere na maturação da atividade citolítica de células NK. Apoio:FAPESP e CNPq.
FATORES ASSOCIADOS AO DIABETES EM IDOSOS
Belon, Ana Paula ; Francisco, Priscila Stolses Be; Barros, Marilisa Berti de A; César, Chester Luis Galv; Carandina, Luana ; Goldbaun, Moisés ; Alves, Maria Cecília Goi Porto ;
Introdução: O diabetes figura entre as principais doenças crônicas não transmissíveis que atinge a população idosa. Frente o envelhecimento demográfico e o aumento da longevidade, são registrados crescentes índices de prevalência e altos níveis de morbi-mortalidade de diabetes entre os idosos. Uma vez que pode acarretar complicações à capacidade física e biológica, à autonomia e à qualidade de vida, o diabetes se torna um grave problema de saúde pública. Objetivo: Analisar a prevalência de diabetes em idosos segundo características socioeconômicas, estilo de vida e indicadores de condições de saúde. Método: Estudo transversal de base populacional, do qual participaram 1.949 idosos (60 anos ou mais) selecionados a partir de amostragem probabilística, estratificada, por conglomerados e obtida em dois estágios em seis municípios do estado de São Paulo, no período de 2001 e 2002. Foram utilizadas estatísticas descritivas e a associação entre as diversas variáveis e a presença de diabetes foi verificada na análise bivariada pelo teste χ2 com nível de significância de 5%. Resultados: Dos idosos entrevistados, 15,4% referiram diabetes. Não houve associação estatística entre diabetes e as variáveis demográficas e socioeconômicas avaliadas neste estudo. Dentre as variáveis de estilo de vida, o Índice de Massa Corporal esteve associado ao diabetes e a prática de exercício físico no lazer apresentou-se no limite da significância estatística. Quanto aos indicadores de condição de saúde, foram verificadas maiores prevalências da doença entre os idosos com pior percepção da saúde, nos que referiram internação hospitalar nos últimos 12 meses, nos que referiram alguma enfermidade nos 15 dias que antecederam a pesquisa e nos que relataram as seguintes doenças: hipertensão arterial, anemia, doença renal crônica, e doenças do coração. Conclusões: Os achados deste estudo apontam para a importância do diabetes entre os idosos, particularmente naqueles com co-morbidades. Frente à associação entre diabetes e obesidade, internação hospitalar, avaliação do estado de saúde, hipertensão, anemia, doença renal crônica e doenças do coração, medidas terapêuticas e de promoção de hábitos saudáveis, como a adoção de dieta saudável e prática de atividades físicas, tornam-se prioritárias para o controle desta doença e de suas complicações.
FATORES DE RISCO PARA SEPSE EM RECÉM-NASCIDOS EM UM SERVIÇO UNIVERSITÁRIO DE NEONATOLOGIA
Aoki, Roberta Nazario; Dellatorre, Jackeline Aparecida; da Silva, Marcos Tadeu Nolasco; Filho, Antonio Azevedo Barros; Calil, Roseli ;
      INTRODUÇÃO Sepse é a apresentação de maior gravidade e letalidade das infecções neonatais. Consiste em uma resposta inflamatória sistêmica a uma infecção, resultando em insuficiências orgânicas múltiplas. Pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. O recém-nascido é particularmente vulnerável, por sua imaturidade imunológica e pela presença de fatores de risco (prematuridade, baixo peso, uso de dispositivos invasivos). Nos casos de sepse precoce, definida como a sepse que ocorre até 48 horas após o parto, são de fundamental importância os fatores ligados à saúde materna. Apesar de vários fatores de risco já terem sido bem delineados em estudos internacionais, é relevante a avaliação das características da população brasileira. OBJETIVOS Avaliar a prevalência, a etiologia e identificar fatores de risco maternos, do parto e do recém-nascido, associados à sepse precoce, no período de janeiro de 1996 a dezembro de 2007. MATERIAL E MÉTODOS Estudo analítico, observacional, retrospectivo, do tipo caso-controle. Os dados foram coletados por meio de revisão dos prontuários das mães e dos neonatos, arquivados no Serviço de Arquivo Médico (SAME) do Centro de Assistência Integral à Saúde da Mulher (CAISM), UNICAMP. RESULTADOS Foram estudados 60 casos de recém-nascidos com diagnóstico de sepse neonatal precoce, e 214 controles pareados para peso e idade gestacional. Os casos foram mais freqüentes nos meses mais quentes e úmidos do ano, de outubro a março (42 casos, IC95% -1,37-4,13). O agente etiológico de maior prevalência foi o Streptococcus agalactiae (47%), seguido por Listeria monocytogenes (27%) e Escherichia coli (13%). Do total de bebês estudados com sepse neonatal, 64% nasceram antes de completar 34 semanas de gestação e 31% apresentaram muito baixo peso ao nascer (entre 1000 e 1500g). Na população estudada, 25 recém-nascidos tinham mães negras ou pardas (odds ratio = 2,10;IC95%1,15-3,82). Bebês nascidos de mães com diabetes mellitus apresentaram maior risco de infecção precoce (odds ratio = 2,65), ao contrário de recém-nascidos de mulheres com alguma doença obstétrica, que apresentaram risco reduzido de sepse (odds ratio = 0,33 (IC95% -0,18 - 0,60) . Observou-se menor risco de sepse em recém-nascidos cujas mães apresentavam baixa escolaridade (menos de 8 anos completos), com odds ratio de 0,38 (IC95% -0,18 - 0,77). DISCUSSÃO E CONCLUSÕES A predominância de RNs prematuros e de baixo peso entre os casos de sepse está de acordo com a literatura internacional. O dado de sazonalidade, com a concentração dos casos no período mais quente e úmido do ano (outubro a março) não foi previamente descrito. A associação de maior risco com diabetes materna provavelmente reflete a maior suscetibilidade a infecções da população diabética, com conseqüente risco para o RN. O maior risco associado à cor da pele negra ou parda e a aparente redução de risco nos casos de doença obstétrica e baixa escolaridade materna provavelmente refletem situações ligadas ao acesso aos serviços de saúde.
FATORES SOCIOECONôMICOS E DEMOGRáFICOS ASSOCIADOS AO SEDENTARISMO NO LAZER EM ADULTOS, SãO PAULO, BRASIL.
Zanchetta, Luane Margarete; Barros, Marilisa Berti de A; César, Chester Luis Galvã; Goldbaum, Moisés ; Carandina , Luana ;
  Introdução: O sedentarismo é considerado fator de risco para inúmeras doenças crônicas como hipertensão, doenças coronárias, diabetes, osteoporose, alguns tipos de câncer, depressão entre outras. Estimular a prática de atividades físicas é uma importante opção para a prevenção e tratamento das doenças crônicas. Sendo que a diminuição do sedentarismo teria grande impacto nos custos dos serviços de saúde e melhoria da saúde populacional. Objetivo: Este trabalho objetiva descrever as prevalências de sedentarismo no lazer e fatores demográficos e socioeconômicos associados em adultos de áreas do estado de São Paulo. Material e métodos: Foram utilizados os dados do Inquérito ISA-SP, pesquisa transversal de base populacional realizada em 2001-2002, em alguns municípios do estado de São Paulo. Foi obtida uma amostra probabilística, estratificada, por conglomerados em dois estágios, com residentes de área urbana. As informações foram obtidas por entrevistas domiciliares realizadas com a pessoa sorteada. A atividade física de lazer foi aferida pela pergunta: Pratica pelo menos uma vez por semana, algum esporte ou exercício físico? As variáveis independentes estudadas foram: sexo, faixa etária, raça/cor, situação conjugal, religião, escolaridade, renda per capita, situação de ocupação e posse de carro.As análises foram feitas com o uso do aplicativo Stata 8.0 e levaram em consideração os pesos e o desenho da amostra. Resultados: A amostra foi de 2050 indivíduos (1028 mulheres e 1022 homens), com idades de 18 a 59 anos. A prevalência de sedentarismo no lazer foi 65,4%, sendo 56,3% nos homens e 73,9% nas mulheres. Para os homens, o sedentarismo no lazer associou-se à faixas etárias maiores, ser de cor preta ou parda, não solteiro, ter menor escolaridade, ocupar cargos não especializados na indústria e agronegócios e entre os que a família não possui carro. Após regressão de Poisson, as variáveis cor e posse de carro perderam a significância estatística para os homens. Já pra as mulheres, o sedentarismo no lazer foi associado às faixas etárias abaixo dos 50 anos, ser de cor preta ou parda, declarar ser de religião evangélica, ter menor escolaridade, menor renda per capita, e ocupar função não especializada na indústria/agronegócios/ administração e comércio e naquelas cuja família não possuía carro. No modelo final após regressão de Poisson as variáveis cor e religião perderam significância estatística. Conclusões: Os resultados deste estudo apontam elevadas prevalências de sedentarismo e significativas desigualdades sociais. Evidencia-se a relevância do tema para a saúde coletiva, levando-se em conta a importância de promover difundir e estimular a adesão à prática de atividades físicas para promoção da saúde. Entender os fatores associados ao sedentarismo, pode contribuir para o desenvolvimento e implementação de programas de intervenção eficazes e políticas públicas para estimular a prática de atividades físicas especialmente nos grupos mais vulneráveis ao sedentarismo.
GENES MODIFICADORES: TNF, ADIPOQ, STATH EM PORTADORES DE FIBROSE CíSTICA DA REGIãO DE CAMPINAS.
Correia, Cyntia Arivabeni ; Mrcelino, Aline Roberta Ba; Bonadia, Luciana Cardoso; Carlin, Marcelo Paschoalet; Ribeiro, Antonio Fernando ; Ribeiro, José Dirceu; Bertuzzo, Carmen Silvia;
  A Fibrose Cística (FC) possui uma grande variabilidade de expressão fenotípica, o que significa que crianças com o mesmo genótipo podem diferir quanto à sua apresentação. A proteína defeituosa formada é chamada CFTR (proteína reguladora da conductância iônica), causa transporte anormal de sódio e cloro através da membrana apical das células epiteliais das vias aéreas, pâncreas, intestino e aparelho reprodutor. Essa proteína é codificada por um único gene que recebe o mesmo nome da proteína, CFTR, e localiza-se no braço longo do cromossomo 7, região 7q3.1. Gêmeos monozigóticos apresentam maior concordância em relação à gravidade da doença pulmonar que os dizigóticos, sugerindo que a FC seja modulada por fatores genéticos secundários – genes modificadores – além do gene CFTR. A característica mais importante na FC é a sobrevida que é influenciada pela doença pulmonar. Portanto, genes que estejam envolvidos na imunidade, inflamação, reparação do epitélio e produção de muco são candidatos a genes modificadores da doença. Os objetivos foram: 1) determinar a prevalência dos polimorfismos -308G/A e          -238G/A do gene TNFa entre portadores de FC e verificar existência de associação entre esses polimorfismose a gravidade do quadro pulmonar, 2) identificar alterações de sequencia nos exons e junções exon/ intron dos genes ADIPOQ e STATH e verificar existência de associação entre possíveis variações nesses genes e a gravidade da FC. Foi realizada PCR seguida por digestão enzimática para o polimorfismo -308G/A do gene TNFa, Reação em cadeia da Polimerase ARMS para o polimorfismo -238G/A do gene TNFa, e para os genes ADIPOQ e STATH foi feita a triagem de mutações através de cromatografia líquida de alta resolução por desnaturação - DHPLC com posterior sequenciamento da região onde foi encontrada alteração. Foram analisados 49 pacientes com FC em seguimento no Ambulatório de Mucoviscidose do HC/UNICAMP, homozigotos para a mutação ΔF508 ou heterozigotos compostos para mutações de classe I ou II ou homozigotos para mutações de classe II, que são alterações que não levam à formação de proteína funcional. Além disso, foram selecionados indivíduos que apresentem alteração de eletrólitos no suor. Para o polimorfismo –308G/A do gene TNFα os genótipos GG, AA e GA foram encontrados com as seguintes frequencias: 14,28, 67,35 e 18,36% respectivamente. Estes dados se opõem ao relatado na literatura. Tal diferença deve ocorrer pelas características populacionais da população brasileira. Para o polimorfismo -238G/A do gene TNFα, os genótipos GG e AG tiveram as seguintes frequencias: 79,59 e 20,41% respectivamente. O genótipo AA não foi encontrado na amostra analisada. A alta frequencia do genótipo GG comparado com o AA, concorda com a literatura. Não foi encontrada alteração na sequencia dos genes STATH e ADIPOQ. Não foi possível estabelecer uma associação entre a gravidade da FC e os genes TNFα, STATH e ADIPOQ, nas regiões analisadas.  
GERENCIAMENTO E CONTROLE DE INSTRUMENTAIS EM CENTRO CIRÚRGICO DE ROTINA E DE URGÊNCIA
Lino, Mariza ; Roscani, Alessandra N.C.P.; Petrucci , Maria Beatriz ; Gonçalves , Luciana ;
RESUMO: A unidade de centro cirúrgico apresenta-se como uma unidade dinâmica e detentora de alta complexidade de procedimentos e equipamentos. A assistência de enfermagem em centro cirúrgico inclui atividades específicas e de grande responsabilidade profissional como o preparo da sala de operação, de equipamentos específicos e do instrumental cirúrgico. O instrumental cirúrgico permite a realização de manobras impossíveis de serem executadas apenas com as mãos do cirurgião, daí sua importância visto que o êxito do tratamento cirúrgico é, em parte, resultado da eficiência da infra-estrutura e apoio logístico oferecido à equipe cirúrgica e de anestesia. Este estudo descritivo teve como objetivo fazer levantamento de instrumentais utilizados no centro cirúrgico e construir banco de dados para embasar discussões e condutas futuras. Para a coleta de dados utilizou-se uma planilha com dados referentes ao início e término do procedimento cirúrgico elaborada pelas pesquisadoras. Para análise dos dados utilizou-se o programa SPSS. Foi mensurada a utilização de 469 caixas de instrumentais, contabilizando cerca de 14.394 peças de instrumentais utilizados no período de cinco dias, com exceção dos instrumentais consignados; 88% dos instrumentais foram utilizados no centro cirúrgico de rotina e o dia da semana com maior consumo de instrumental foi quarta-feira. Observou-se que, 91% das caixas conferem o número de peças no início e no fim do procedimento; 50 % dos instrumentais foram encaminhados para a central de material no período da tarde. Conclui-se que a conferência e a análise do uso de instrumental cirúrgico é de extrema importância devido à relação direta com a assistência ao paciente, alto custos que representa para instituição e influência na dinâmica do atendimento aos procedimentos cirurgicos realizados na unidade de centro cirúrgico. 
HáBITO ALIMENTAR EM ADOLESCENTES
Caram, Ana Lúcia Alves ; Costa Pinto, Elizete Aparecida Lomazi ;
  Hábito alimentar em adolescentes A adolescência é um período de transição entre a juventude e a vida adulta, caracterizado por intensas mudanças somáticas, psicológicas e sociais. Muitas vezes, em busca de uma imagem corporal idealizada, o adolescente utiliza dieta inadequada, gerando desequilíbrios nutricionais que interferem na sua saúde e desenvolvimento. Identificar o hábito alimentar permite direcionar condutas educativas, corrigir erros alimentares e evitar a instalação de doenças crônicas degenerativas na vida adulta. Esse trabalho teve como objetivo identificar o hábito alimentar de adolescentes em escola pública de periferia. O desenho do estudo foi prospectivo e transversal. O hábito alimentar foi identificado por meio de um questionário de freqüência de consumo de alimentos (> 4x/semana). Foram encontrados os seguintes resultados quanto ao hábito alimentar de 126 adolescentes, na faixa etária de 12,5 a 18,8 anos, com média de 15,04 anos (+1,46), sendo 62 (49,2%) meninos e 64 (50,8%) meninas: Hábito alimentar para: arroz em 120 adolescentes (95,2%), pão francês em 76 (60,3%), feijão em 104 (82,5%), frutas em 76 (60,3%), doces e balas em 73 (57,9%), achocolatados em 67 (53,2%), leite integral em 73 (57,9%), suco em 77 (61,1%) e refrigerante em 64 adolescentes (50,8%). Carne não foi definida como hábito provavelmente devido a sua variação com outras fontes protéicas como o frango e ovo na mesma semana. Conclusão: Arroz e feijão foi mantido como hábito nesses adolescentes, ao contrário de outros trabalhos, pouco mais que a metade ingere leite, outros alimentos ricos em fibras como o arroz integral, pão integral, barra de cereal, aveia, farelo de trigo, pipoca e verdura de folha, não foram classificados como hábito, alimentos esses que poderiam ser motivados seu consumo diário devido aos seus benefícios encontrados na literatura. Termos de indexação: hábito alimentar, adolescente, imagem corporal.    
HAPLóTIPOS DA REGIãO GêNICA CFTR EM NúCLEOS FAMILIARES DE PACIENTES COM FIBROSE CíSTICA
Furgeri, Daniela Tenório ; Correia , Cyntia Arivabeni ; Bertuzzo , Carmen Sílvia ;
  A Fibrose Cística (FC) é uma doença genética de padrão de herança autossômica recessiva com incidência de 1/2.500 indivíduos e uma freqüência de portadores de 1/25 nos indivíduos caucasóides. A doença é progressiva e apresenta como manifestação clínica a obstrução respiratória crônica, infertilidade masculina e deficiência de ganho de peso pelo dano ao pâncreas exócrino. A maioria dos pacientes tem níveis elevados de eletrólitos no suor. O gene responsável pela doença foi localizado no cromossomo 7, possui 27 éxons, e é denominado CFTR (“Cystic Fibrosis Transmembrane Conductance Regulator Gene”). Existem mais de 1.000 mutações descritas em todo o gene, a mais freqüente, a ∆F508, é caracterizada como uma deleção de três pares de bases, o que determina a perda de uma fenilalanina na posição 508 da proteína CFTR, a qual forma um canal para o transporte do íon cloro. O defeito básico está associado com a diminuição da condução de íons cloro através da membrana apical de células epiteliais. O objetivo desse trabalho foi verificar em uma amostra de núcleos familiares de pacientes com fibrose cística, os haplótipos existentes, a possibilidade de utilização de polimorfismos para diagnóstico pré-natal e pré-implantação e correlacionar a mutação ∆F508 com os haplótipos encontrados. A análise de polimorfismos GATT foi realizada através da técnica da reação em cadeia da polimerase (PCR) e a análise dos polimorfismos MP6-D9, TUB09 e TUB18 foi realizada através da PCR e digestão enzimática específica. Em nossa casuística, nove haplótipos diferentes foram encontrados em 39 cromossomos. Vinte e cinco estão ligados a mutação ∆F508 e 14 ligados a outras mutações (não-∆F508), O haplótipo 6, +; G; C (GATT, MP6D9, TUB09 e TUB18) foi o mais freqüente (48%) em cromossomos com o gene CFTR alterado e está fortemente ligado a mutação ∆F508 (64%).  Em 43% das famílias analisadas pelo menos um polimorfismo informativo foi encontrado para o diagnóstico pré-natal ou pré-implantação. Em conclusão, estes polimorfismos constituem um excelente grupo de marcadores genéticos, úteis para observar a transmissão dos alelos mutados em famílias de pacientes com fibrose cística, onde não é possível estabelecer o genótipo completo. De acordo com os resultados obtidos, estes polimorfismos poderão ser amplamente utilizados para o diagnóstico pré-natal e pré-implantação, cumprindo com o objetivo do trabalho.
HIGH-THROUGHPUT METABOLOMIC SCREENING OF LIVER MITOCHONDRIA EXTRACTS BY MASS SPECTROMETRY
Alberici, Luciane C; Riccio, Maria F; Alberici, Rosana M; Oliveira, Helena C F ; Eberlin, Marcos N; Vercesi, Aníbal E; Catharino, Rodrigo R;
  Metabolomics is an emerging research field with growing contributions to many areas of biology and biochemistry, such as cell metabolism and function. Electrospray mass spectrometry (ESI-MS) with direct infusion of samples has recently been shown to be a powerful ‘"MS-only’" technique for metabolomic screening. Therefore, liver mitochondria from hypertriglyceridemic transgenic and control mice were characterized in organic extracts by ESI-MS. Characteristic profiles of phospholipids (PL) and free fatty acids (FA) were obtained for each group of animals. Metabolomic screening analysis provides therefore characterization and direct and detailed information about membrane composition, via PL and FA profiles. A database based on these spectra could also be developed and may be used for their fast and reliable characterization, application screening and development of clinical diagnostic tools.
HOUVE MUDANçA DOS FATORES PREDITIVOS DE óBITO POR LEPTOSPIROSE NA úLTIMA DéCADA?
de Jesus, João Carlos; Angerami, Rodrigo Nogueira; Sinkoc, Verônica Maria; Garcia, Márcia Teixeira; Moretti, Maria Luiza; Resende, Mariângela Ribeiro;
Apesar do aprimoramento dos recursos diagnósticos e terapêuticos, a leptospirose ainda apresenta letalidade significativa. A identificação de indicadores prognósticos pode  ter impacto na redução da letalidade. Objetivos: avaliar a letalidade dos casos humanos de leptospirose atendidos em um hospital regional de nível terciário de referência em doenças infecciosas e avaliar os fatores preditivos de óbito associado à doença, na década atual. Métodos: estudo retrospectivo, descritivo, no qual foram incluídos os pacientes notificados com diagnóstico sorológico de leptospirose, no período de 2001 a 2008 no Hospital de Clínicas da Unicamp. Resultados: dentre os 64 pacientes incluídos, houve predomínio no gênero masculino (84,4%) e na faixa etária 20 a 49 anos. O contato com roedores e exposição a coleções hídricas foram relatados em, 29,7% e 36,5%, respectivamente. As manifestações clínicas mais frequentes foram: febre(89,1%), cefaléia(84,4%), mialgia(84,4%), icterícia(39,1%), hiperemia conjuntival(35,9%) e manifestações hemorrágicas(18,8%). A letalidade total foi 7,8% , na faixa etária entre 20 e 49 anos de 9,0% e nos maiores de 49 anos não ocorreu nenhum óbito. Os fatores associados à letalidade foram: icterícia(p=0,015), hemoptise(p=0,002), dor abdominal(p=0,005), colúria(p=0,002),  e oligúria(p=0,002),.  Os antecedentes epidemiológicos de exposição não foram associados à letalidade. Conclusão: foi observada letalidade inferior à relatada para o total de casos notificados no Estado de São Paulo. Os fatores preditivos de letalidade foram associados ao acometimento pulmonar (hemoptise), renal (oligúria) e hepático (icterícia e colúria) referidos nas séries prévias de casos. Os indicadores de oportunidade necessitam ser mensurados de forma mais detalhada.
IDENTIFICAçãO DA INTERAçãO DE CATS COM A QUINASE REGULADORA DO CICLO CELULAR, KIS.
Pernambuco Filho, Paulo Castanho A;
  Identificação da interação de CATS com a quinase reguladora do ciclo celular, KIS. PERNAMBUCO FILHO, PCA, ARCHANGELO, LF e SAAD, STO Hemocentro UNICAMP, Brasil   CATS (CALM interacting protein expressed in Thymus and Spleen) foi recentemente identificada como uma proteína que interage com CALM/AF10, uma fusão protéica associada à leucemia mielóide e linfóide aguda (LMA e LLA) e a linfoma maligno. Em trabalhos anteriores nós mostramos que CATS não só interage com a fusão leucêmica CALM/AF10, como também seqüestra esta fusão para o núcleo e para o nucléolo. A proteína CATS é altamente expressa em linhagens leucêmicas e tumorais, porém é ausente em células que não se encontram em estado de proliferação. Os níveis de sua proteína são dependentes do ciclo celular e induzidos por mitogenes. A expressão característica de CATS à torna um marcador de proliferação e sugere que esta proteína desempenhe um papel no controle de proliferação celular. Experimento de duplo híbrido foi realizado para identificar proteínas que interagem com CATS. Entre as proteínas identificadas, nós encontramos KIS, uma serina/threonina quinase que regula o ciclo celular através da fosforilação de p27(Kip1). Nós confirmamos a interação protéica identificada no sistema de levedura através de co-imunoprecipitação. Para isto, construções de KIS fusionado a proteína fluorescente amarela (YFP-KIS) e das isoformes de CATS com tags de HA foram co-transfectadas na linhagem celular HEK-293. Extratos protéicos nucleares das células transfectadas foram utilizadas na reação de precipitação com anticorpo que reconhece CATS. KIS foi precipitado com as duas isoformes de CATS confirmando a interação de KIS com ambas isoformas. Neste estudo nós identificamos a interação das proteínas CATS e KIS. A interação de um marcador de proliferação como CATS com uma quinase reguladora do ciclo celular vai de encontro com o envolvimento destas proteínas no controle de progressão do ciclo celular e sugere a participação de CATS na via de regulação da atividade de p27 mediada por KIS.
IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES EM GENE QUE CODIFICA UMA DAS SUBUNIDADES DO CANAL DE SÓDIO VOLTAGEM-DEPENDENTE NEURONAL EM PACIENTES COM EPILEPSIAS GENERALIZADAS COM CRISES FEBRIS
Gonsales, Marina Coelho; Preto, Paula Maria; Guerreiro, Marilisa Mantovani; Cendes, Iscia Lopes;
  INTRODUÇÃO As epilepsias possuem como característica comum crises epilépticas recorrentes causadas por descargas elétricas anormais e excessivas dos neurônios, e estão entre as alterações neurológicas mais freqüentes na população. Dentre as epilepsias infantis, destacam-se a epilepsia mioclônica grave da infância, a epilepsia mioclônico-astática e a epilepsia generalizada com crises febris plus, que constituem fenótipos de um mesmo espectro, sendo que a primeira representa a forma mais grave. Estudos recentes de genética molecular identificaram relação entre essas síndromes e mutações no gene SCN1A, o qual codifica a subunidade alfa- I do canal de sódio voltagem-dependente neuronal. No entanto, permanece ainda controverso o valor prognóstico dos tipos de mutações encontradas, e uma possível correlação com os diferentes subtipos clínicos.   OBJETIVO O objetivo deste trabalho é averiguar a presença de mutações no gene SCN1A em um grupo de pacientes com o espectro de epilepsias generalizadas e estabelecer a correlação genótipo-fenótipo entre as alterações encontradas e a gravidade no espectro clínico dessas desordens.   CASUÍSTICA E MÉTODOS A casuística foi composta por 24 pacientes, sendo 8 deles diagnosticados com epilepsia mioclônica grave da infância, 15 com epilepsia mioclônico-astática, e 1 com epilepsia generalizada com crises febris plus. O DNA utilizado nas análises moleculares foi obtido a partir de amostras de sangue periférico, utilizando-se o protocolo de extração com fenol-clorofórmio. Foram desenhados pares de primers para amplificação dos éxons do gene SCN1A por PCR. Os fragmentos foram analisados por meio da técnica de DHPLC (Denaturing High-Performance Liquid Chromatography), que permite a detecção de alterações na seqüência nucleotídica. As amostras que apresentaram perfis cromatográficos alterados foram submetidas ao sequenciamento automático.   RESULTADOS A análise do gene SCN1A por DHPLC e posterior sequenciamento automático revelou até o momento 20 alterações na sequencia nucleotídica em fragmentos de amplificação de 12 éxons, sendo 7 delas encontradas na região codificante, e 13 em íntrons. Dentre as alterações encontradas nos éxons, as substituições c.829T>C, c.971A>C e c.5434T>C resultam em troca de resíduo de aminoácidos na subunidade do canal de sódio (C277R, H324P e W1812R, respectivamente). Segundo análises computacionais, essas substituições afetam a função da proteína. Tais mutações foram encontradas em pacientes com o fenótipo mais grave do espectro, a epilepsia mioclônica grave da infância, sendo outro indício do caráter deletério dessas mutações. Duas das alterações encontradas na região intrônica localizam-se em possíveis sítios doadores de splicing (IVS4+1G>A e IVS8+3G>T), e podem afetar a estrutura da proteína. A primeira delas foi encontrada em um paciente com o fenótipo mais grave do espectro, e a outra em um paciente com o fenótipo intermediário. Ambas podem estar relacionadas com a gravidade da doença.   CONCLUSÃO O estudo das mutações no gene SC
IDENTIFICAçãO DE POTENCIAIS PROBLEMAS RELACIONADOS COM MEDICAMENTOS A PARTIR DA ANáLISE DE PRESCRIçõES DE PACIENTES SOROPOSITIVOS
Murari, Patricia Romeiro; Rodrigues, Aline Teotônio; de Souza, Cinthia Madeira ; Tanaka, Michele Tami; Moriel, Patricia ; Mazzola, Priscila Gava;
O número de medicamentos ingeridos por uma paciente é fator de risco para o desenvolvimento de reações adversas a medicamentos (RAM) e outros potenciais problemas relacionados ao mau uso dos mesmos. A polifarmácia é um fenômeno comum, podendo estar relacionado a automedicação, tratamentos preventivos, dentre outros. O Consenso de Granada sobre Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM) publicado em 1999 propõe uma ferramenta de trabalho aos diversos profissionais do seguimento do tratamento farmacológico. Os objetivos deste trabalho são procurar, identificar, prevenir e resolver os problemas de saúde relacionados com os medicamentos que um paciente utiliza. Para atingir estes objetivos Para atingir este objetivo, durante a primeira quinzena de fevereiro, iniciou-se a farmácia clínica no Hospital Dia da Unicamp. Foram acompanhados seis pacientes, utilizando o método Dader de acompanhamento farmacoterapêutico e realizadas as intervenções farmacêuticas. A todos os pacientes em acompanhamento foi prescrito coquetel anti-retroviral (ARV), com uma média de 3,4 medicamentos por paciente por dia. Além do coquetel estes pacientes utilizam em média 3,5 medicamentos por dia. A avaliação de problemas relacionados com medicamentos resultou em 5,4 PRM/paciente, onde: 17 PRM 1 – paciente não utiliza medicamentos necessários; 1 PRM 2 – paciente utiliza medicamento sem necessidade; 1 PRM 3 – inefetividade não quantitativa; 2 PRM 4 – inefetividade quantitativa; 11 PRM 5 – insegurança não quantitativa; ausência PRM 6 – insegurança quantitativa. Os resultados obtidos sugerem que a implantação de uma rotina de atenção farmacêutica poderia contribuir para a adesão dos pacientes ao tratamento farmacológico, bem como, para a prevenção de eventos adversos originados de erros de medicação.
IDENTIFICAçãO DE UM LOCUS CANDIDATO PARA TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR
Secolin, Rodrigo ; Banzato, Cláudio EM; Oliveira, Maria CM; Santos, Marilza L; Bittar, Maria FR; Dalgalarrondo, Paulo ; Lopes-Cendes, Iscia ;
Introdução: Transtorno afetivo bipolar (TAB) é uma das mais freqüentes doenças psiquiátricas, com prevalência de 0,8-2,6 % na população. As principais características clínicas incluem episódios de mania (TAB-I) ou hipomania (TAB-II), espaçados por períodos de depressão. A etiologia da doença ainda não é conhecida, mas muitos estudos apontam para a existência de disfunções complexas, incluindo alterações em receptores sinápticos de neurotransmissores. Um recente estudo de associação genômica apresentou 21 polimorfismos de base única (SNPs) com forte associação genética com o TAB em um grupo de pacientes não aparentados. Objetivo: Verificar se algum dos 21 SNPs previamente apontados como associados com o TAB em pacientes não relacionados de origem européia pode estar também associado à doença em um grupo de famílias segregando o TAB identificado em nosso meio. Métodos: Nós incluímos 96 indivíduos afetados a partir de 75 famílias, com um total de 411 indivíduos. Os SNPs foram genotipados usando PCR em tempo real por meio do sistema TaqMan® (ABI 7500, Applied Biosystems). O processamento dos dados e o cálculo de freqüências alélicas foram realizados utilizando o programa JINGLEFIX. O equilíbrio de Hardy-Weinberg foi avaliado pelo programa HAPLOVIEW v4.1. Nós utilizamos o programa UNPHASED v3.0 para testes de associação baseado em famílias. O poder estatístico da nossa amostra foi avaliado pelo programa TDT POWER CALCULATOR e o ajuste para múltiplos testes foi realizado por meio da correção de Bonferroni. Resultados: Nossa amostra apresentou poder estatístico de 91,36% para detecção de assoicação. Nós encontramos evidências de associação para os SNPs rs2989476 (p = 0,0031), rs7570682 (p = 0,0407), rs9834970 (p = 0,00013) e rs11622475 (p = 0,0153). Entretanto, somente o SNP rs9834970 se manteve estatisticamente significativo após correção de Bonferroni (pc = 0,0027) para comparações múltiplas. Conclusões: Nós demonstramos que um SNP, localizado no locus candidato 3p22.3, pode estar associado com o TAB em nossa amostra de famílias. SNPs adicionais nesta região estão sendo avaliados a fim de identificar a variante funcional responsável pelo efeito identificado. Financiado por FAPESP    
IDENTIFICAÇÃO DOS GENÓTIPOS DOS POLIMORFISMOS C1117T DO GENE CYP1A2 E I71L DO GENE GSTA3, RELACIONADOS AO METABOLISMO DE CARCINÓGENOS, EM CÃES DE RAÇA E CÃES SEM RAÇA DEFINIDA
Custódio, Marcela ; Lourenço , Gustavo Jacob; Passos Lima, Carmen Silvia;
  Introdução: As enzimas do sistema do citocromo P450 atuam no metabolismo oxidativo de compostos endógenos e exógenos relacionadas à carcinogênese química em humanos e cães. A enzima codificada ativa aminas aromáticas a substâncias ainda mais tóxicas. Em cães, o polimorfismo C1117T do gene CYP1A2 foi associado à produção de concentrações variáveis da enzima permitindo classificá-los como metabolizadores rápidos ou lentos. As glutationas S-transferase (GSTs) são enzimas detoxificantes que atuam no mecanismo de proteção contra a carcinogênese. O polimorfismo I71L do gene GSTA3 dá origem a três genótipos distintos II, IL e LL, sendo que o genótipo LL está associado à reduzida detoxificação. A incidência de câncer em cães aumentou nos últimos anos e parece atribuída à exposição a carcinógenos exógenos. A incidência de câncer é maior em cães de raça do que em cães sem raça definida (SRD). Entretanto, a identificação desse polimorfismo em cães não foi ainda descrita. Objetivos: Identificar as freqüências dos genótipos dos polimorfismos C1117T do gene CYP1A2 e I71L do gene GSTA3 em cães de raça e SRD para verificar se constituem heranças que possam explicar as diferentes susceptibilidades ao câncer. Métodos: O DNA do sangue periférico de 398 cães: 84 rotweillers (37 machos, 47 fêmeas, idade mediana: três anos, variação: 0,5–12), 105 boxers (40 machos, 65 fêmeas, idade mediana: três anos, variação: 0,5–13), 110 pastores alemães (66 machos, 43 fêmeas, idade mediana: 2,5 anos, variação: 0,5–15) e 99 cães SRD (32 machos, 67 fêmeas, idade mediana: cinco anos, variação: 1–14) foi avaliado por meio do seqüenciamento automático reação e reação em cadeia da polimerase seguida de digestão enzimática para identificação dos polimorfismos CYP1A2 C1117T e GSTA3 I71L, respectivamente. O significado estatístico das diferenças entre grupos foi calculado por meio do teste do chi-quadrado ou da probabilidade exata de Fisher. Resultados: Os grupos de cães avaliados para o polimorfismo C1117T dogene CYP1A2 estiveram no equilíbrio de Hardy-Weinberg (rotweiller: X2= 0,08, P= 0,78; boxer: X2= 0,01, P= 0,92; pastor alemão: X2= 0,12, P= 0,73 e SRD: X2= 0,41, P= 0,52). O genótipo 1117TT não foi identificado em qualquer dos cães do estudo. Cinco cães da raça rotweiller (5,9%), dois da raça boxer (1,9%), sete da raça pastor alemão (6,4%) e 12 cães SRD (12,1%) apresentaram o genótipo 1117CT. As freqüências desse genótipo foram similares entre os cães da raça rotweiller (5,9%) versus boxer (1,9%) (P= 0,24), versus pastor alemão (6,4%) (P= 1,00) e versus SRD (12,1%) (P= 0,20). As freqüências também foram similares entre os cães da raça boxer (1,9%) versus pastor alemão (6,4%) (P= 0,16) e pastor alemão (6,4%) versus SRD (12,1%) (P= 016). Entretanto, a freqüência do genótipo 1117CT foi maior em cães SRD do que em cães da raça boxer (12,1% versus 1,9%; P= 0,005) e ainda, do que em cães de raça (rotweiller + boxer + pastor alemão) (12,1% versus 4,9%; P= 0,02). Apenas o genótipo LL, foi identificad
IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DOS LINFÓCITOS TCD4+ PRODUTORES DE IL-17 NA ATEROSCLEROSE
Oliveira, Rômulo Tadeu Dias; Téo, Fábio Haak; Silva, Roseane Maria; Souza, José Roberto Ma; Fernandes, Juliano Lara; Fornazim, Márcia Cristina; Menezes, Fábio Husseman; Blotta, Maria Heloisa So;
  Introdução e Objetivos: A inflamação possui um papel central na formação e no desenvolvimento da lesão aterosclerótica. Classicamente, ao lado dos macrófagos, os linfócitos TCD4+IFN-g+ (TH1) estão envolvidos no  desenvolvimento e ruptura das placas ateroscleróticas. Recentemente foi descrito um novo subtipo de linfócitos T auxiliares produtores de IL-17, associado a uma grande variedade de doenças de caráter inflamatório e auto-imune. O objetivo deste estudo foi investigar se os linfócitos TH17 e citocinas relacionadas estão envolvidos na resposta inflamatória presente em lesões ateroscleróticas humanas. Métodos e Resultados: Trinta e dois pacientes (média 66,86 anos; variação de 49 a 89 anos) com estenose crítica de carótida, atendidos no Hospital das Clínicas da Faculdade Estadual de Campinas, foram selecionados para o estudo. As amostras de carótida obtidas por endarterectomia foram analisadas pela metodologia de RT-PCR em tempo real para as citocinas IL-17, IFN-g, IL-2, IL-23p19, IL-1b, TNF-a, IL-10 e TGF-b; para os fatores de transcrição T-bet, GATA-3, RORc e Foxp3; para os receptores de citocinas IL-17R e IL-27R e para a quimiocina CCL20. A presença de IL-17 nas lesões foi investigada por imunoistoquímica e a concentração plasmática determinada por ELISA . Os resultados da expressão gênica e da presença da proteína foram comparados com aqueles obtidos pela análise de fragmento de artéria aorta proveniente de doador de órgãos, utilizada como controle. Os resultados mostraram grande expressão do RNAm para IFN-g, IL-2, T-bet (indicadores de resposta Th1); IL-10, TGF-b e Foxp3 (indicadores da presença de células T regulatórias) e CCL20 (quimiocina envolvida no recrutamento de células Th17) nas amostras de lesão em comparação à artéria controle. Embora houvesse alta expressão de IL-17R, o RNAm para IL-17 foi detectado em apenas algumas placas, e poucas células IL-17+ foram encontradas nas lesões. A determinação plasmática de IL-17 revelou níveis abaixo do limite de detecção do kit utilizado. Conclusões: Os resultados preliminares mostram a forte presença de mediadores da resposta Th1 nas placas ateroscleróticas, embora haja indícios também de uma resposta mediada por células Th17 (expressão elevada do RNAm para IL-23, IL17R e CCL20). Em contrapartida, a expressão elevada de IL-10 e TGF-b, citocinas com potente ação anti-inflamatória, poderia indicar a ativação de mecanismos regulatórios acionados na tentativa de conter o processo inflamatório na lesão.  
IDOSOS E PRÓTESE AUDITIVA: EXPECTATIVAS E SATISFAÇÃO
Santos, Izabella dos; do Couto, Christiane Marques;
Introdução: O envelhecimento traz uma série de mudanças para a vida do idoso. Entre essas mudanças está o rebaixamento dos limiares auditivos, o que pode gerar problemas de sociabilização com seus interlocutores, isolamento social e dependência de um cuidador. Assim, muitos idosos ou suas famílias buscam o programa serviço de saúde auditiva a fim de encontrar na prótese auditiva uma solução não só para o problema auditivo do idoso, mas também para os problemas psico-sociais decorrentes da perda auditiva. Contudo, ao ingressar no programa, estes idosos já trazem consigo uma expectativa sobre a prótese e sobre as melhoras que esta gerará em sua qualidade de vida. Após um tempo de uso, ao se deparar com as limitações da prótese auditiva, o idoso estará satisfeito ou não com a prótese auditiva, e também poderá alterar as suas expectativas. Objetivo: Esta pesquisa analisou a relação existente entre a expectativa do idoso e a sua satisfação. Metodologia: A coleta de dados foi feita em dois momentos, sendo o primeiro no momento em que os idosos receberam a sua prótese auditiva e a segunda um mês após a entrega da prótese auditiva. Na primeira fase foi aplicado um questionário semi aberto, formulado pela própria pesquisadora, que visa avaliar a expectativa dos idosos, intitulado Questionário de Avaliação da Expectativa do Indivíduo quanto ao uso da prótese auditiva. Na segunda fase do estudo, foi aplicado novamente o questionário de expectativa e, também, o Questionário Internacional – Aparelho de Amplificação Sonora / QI-AASI (The International Outcome Inventory for Hearing Aids / IOI-HA), elaborado por Cox (2002), que visa analisar a satisfação do indivíduo entre outras dimensões relativas ao uso da prótese auditiva. Esse questionário é composto por sete questões fechadas, que analisam uso, benefício, dificuldade auditiva residual, satisfação, limitação de atividades residual, relacionamento com pessoas importantes, qualidade de vida, tendo cinco respostas possíveis, as quais recebem uma pontuação crescente de um a cinco. Participaram da pesquisa indivíduos entre 60 e 85 anos, com perda auditiva neurosensorial, pertencentes ao Programa de Saúde Auditiva da UNICAMP, sendo que na primeira fase da pesquisa participaram 14 indivíduos e na segunda fase participaram 10 dos 14 da fase inicial. Resultados: Na primeira fase foram avaliados 14 indivíduos, cuja principal expectativa era ouvir melhor. Na segunda fase, 10 indivíduos foram entrevistados e mostraram uma expectativa mais especifica, direcionando o que eles buscavam ouvir melhor. Em relação à satisfação, os indivíduos responderam o questionário QI-AASI, no qual 70% dos indivíduos tiveram uma pontuação entre 29 e 35 pontos, 10% obtiveram uma pontuação entre 22 e 28 pontos e 20% dos indivíduos fizeram entre 15 e 21 pontos. Conclusão: O estudo mostrou que as expectativas se tornam mais especificas após o uso da prótese auditiva e que a maioria dos indivíduos fez uma avaliação positiva do uso da prótese auditiva, estando, portanto, satisfeito com o uso da mesma.
IGFBP7 E A QUIMIORESISTêNCIA DA LEUCEMIA LINFóIDE AGUDA PEDIáTRICA
Laranjeira, Angelo Brunelli A; Vasconcelos, Jaira F; Sodek, Ladaslav ; Spago , Maria Carolina; Fornazim, Marcia Cristina; Nowill, Alexandre Eduardo; Brandalise, Silvia Regina; Yunes, José Andrés ;
  A interação das células de Leucemia Linfóide Aguda (LLA) com o estroma da medula óssea tem um impacto positivo na resistência das células de LLA ao tratamento quimioterápico. Recentemente, Holleman et al. (2004) através de testes de sensibilidade in vitro com células de LLA, listaram genes possivelmente associados com a resistência e sensibilidade destas células a quimioterapia. De posse destes dados, resolvemos investigar se estes genes poderiam estar envolvidos na regulação da resistência das células de LLA a ação da L-asparaginase mediado pelo contato com o estroma. Células primárias de LLA foram cultivadas com estroma da medula óssea e alterações na expressão gênica foram quantificadas por PCR em Tempo Real. Todos os genes relacionados à sensibilidade apresentaram queda de expressão (GPR56, MAN1A1); enquanto que IGFBP7, que é um gene de resistencia,apresentou aumento de expressão nas células de LLA co-cultivadas com as células estromais. O aumento de expressão de IGFBP7 foi confirmado no nível protéico por análise de citometria de fluxo, marcando IGFBP7 intracelular. Além disso, ensaios de ELISA mostraram que o plasma da medula óssea dos pacientes com LLA ao diagnóstico tem o dobro dos níveis de IGFBP7 em comparação a amostras de medula normal (P < 0,0001). Para verificar se este aumento nos níveis de IGFBP7 implicava em uma vantagem biológica para as células leucêmicas, foram realizados ensaios de viabilidade in vitro (MTT). Nestes as células de LLA foram submetidas a ação da L-asparaginase e aos tratamentos foram adicionadas rhIGFBP7 e/ou seus ligantes (IGF1, ou IGF2, ou insulina). Dos resultados obtidos pudemos observar que a presença de rhIGFBP7 mais um dos seus ligantes atenuou significativamente o efeito citotóxico da L-asparaginase (P < 0,05). Observamos que este efeito se deve em parte ao aumento de expressão de asparagina sintetase (ASNS) nas células estromais, as quais respondem positivamente ao tratamento com rhIGFBP7 mais ligantes (IGF1, ou IGF2, ou insulina). Além disso, células estromais tratadas com rhIGFBP7 mais ligantes apresentaram aumento de produção de asparagina (ASN), como observado no sobrenadante de cultura após 24 e 48 horas por dosagem por HPLC de fase reversa. Verificou-se ocorrer uma relação direta entre niveis de ASN secretados no meio de cultura e a resistência das células de LLA a L-asparaginase (P < 0,05). Análise da expressão de IGFBP7 por RQ-PCR em 136 amostras diagnostico de pacientes de LLA indicaram que altos níveis de expressão de IGFBP7 estão significativamente associados a pior prognóstico (P = 0,04). Foram identificados genes que podem contribuir tanto para um fenótipo de resistência a quimioterapia quanto para comunicação recíproca entre as células de LLA e células estromais em beneficio das primeiras. Células estromais da medula óssea estimulam as células de LLA a aumentarem a expressão de IGFBP7, um fator secretado que por sua vez estimula a expressão de ASNS e a conseqüente produção de ASN pelas células estromais, contribuindo assim para a proteção das células leucêmicas contra os efeitos citotóxicos da L-asparaginase.
IMAGENS COMBINADAS DE GLUCARATO-99MTC E SESTAMIBI-99MTC NO DIAGNÓSTICO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO
Pedras, Marcos Villela ; Amorim, Bárbara Juarez; Lima, Mariana da Cunha L; Santos, Allan de Oliveir; Etchebehere, Elba Cristina S; Barboza, Marycel F.; Cirilo, Willian ; Coelho, Otávio R. ; Mengatti, Jair ; Ramos, Celso Dario;
INTRODUÇÃO: O glucarato-99mTc é um novo radiofármaco para imagens de necrose miocárdica e foi recentemente produzido em nosso meio pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). Os poucos estudos disponíveis com esse radiotraçador indicam uma alta sensibilidade para a detecção do infarto agudo do miocárdico (IAM) desde que a administração do material seja feita até 9 horas após o evento cardíaco. OBJETIVOS: Avaliar a utilidade da cintilografia com glucarato-99mTc no diagnóstico precoce, localização e estimativa da extensão do IAM. MATERIAIS E MÉTODOS: Foram estudados 4 pacientes, sendo 3 do sexo feminino e 1 masculino, com 33 a 75 anos de idade, média de 54 anos. Todos se apresentaram ao Serviço de Emergência do Hospital, onde foi feita a hipótese diagnóstica de IAM não-Q ao eletrocardiograma (ECG). Foram excluídos os pacientes com possibilidade de gravidez, condição clínica crítica, ECG evidenciando supra-ST e precordialgia há mais de 9 horas de duração. Além do ECG, todos realizaram curva enzimática dos marcadores cardíacos. Foi administrado por via venosa 740 MBq de glucarato-99mTc, ainda no setor de emergência. As injeções foram realizadas após 3, 5, 6 e 9 horas do início da dor, respectivamente, nos 4 pacientes. Após 2 horas foram adquiridas imagens tomográficas (SPECT) do tórax sendo 1 imagem a cada 6 graus, completando 186 graus. Mantendo o paciente na maca de aquisição cintilográfica, sem alterar sua posição, foi administrado por via venosa, 740 MBq de sestamibi-99mTc e adquiridas, imediatamente, novas imagens tomográficas exatamente na mesma posição. RESULTADOS: Em dois casos o estudo foi verdadeiro positivo para IAM e foram visualizadas pequenas áreas de captação do glucarato-99mTc e ausência de captação do sestamibi-99mTc, compatíveis com necrose miocárdica aguda, o que foi comprovado pela elevação da curva enzimática. A localização e a extensão da área necrótica puderam ser avaliadas com precisão nos dois casos. Um desses pacientes apresentava área de infarto antigo que também pode ser corretamente identificada pelas imagens combinadas de glucarato-99mTc e sestamibi-99mTc. Em outro paciente, o estudo foi verdadeiro negativo: ausência de captação de glucarato-99mTc, captação normal de sestamibi-99mTc e enzimas normais. No quarto paciente, que recebeu a injeção de glucarato-99mTc 9 horas após o início da dor, o estudo foi falso-negativo, não se evidenciando captação de glucarato-99mTc, apesar da positividade da curva enzimática. CONCLUSÃO: As imagens combinadas de glucarato-99mTc e sestamibi-99mTc parecem ser úteis no diagnóstico, localização e avaliação da extensão do IAM não-Q e possibilitam fazer a distinção entre IAM recente e antigo. Por outro lado, o tempo entre o início da dor e a injeção do glucarato-99mTc parece ser crítico, devendo ser inferior a 9 horas. Mais estudos com uma maior casuística são necessários para avaliar o potencial desse novo radiofármaco.
IMPACTO DA INFECÇÃO MATERNA PELO HIV NA ONTOGENIA DE CÉLULAS CD19+CD5+
Abramczuk, Beatriz M.; Lorand-Metze, Irene ; Almeida, Eliane Borges; Cunha, Fernanda G.P.; Milanez, Helaine ; Metze, Konradin ; da Silva, Marcos T.N.; Vilela, M Marluce dos S.;
  Introdução e Objetivos: A exposição intra-uterina a proteínas do HIV, a transferência placental de citocinas maternas, assim como o uso de terapia antiretroviral pela mãe, afetam a ontogenia do sistema imune. O objetivo do estudo foi avaliar células CD19+, CD19+CD5+, CD3+CD4+ e CD3+CD8+ no cordão umbilical de recém nascidos com exposição vertical ao HIV e após 7 meses de idade. Métodos e Resultados: O sangue de cordão umbilical foi investigado em recém nascidos de 36 mães com HIV (9 usuárias de drogas) e 15 recém nascidos de mães saudáveis. Entre o grupo com exposição ao HIV, foi avaliado o sangue periférico de 21 crianças (7-23 meses) após diagnóstico de não infecção pelo HIV. A imunofenotipagem foi realizada com combinações de anticorpos monoclonais (CD5/CD19/CD45 e CD8/CD4/CD3) e os dados foram adquiridos em citômetro de fluxo FACS Calibur (Beckton Dickinson). Foi observado aumento de linfócitos B no cordão umbilical dos recém nascidos com exposição ao HIV, especialmente em casos de mães usuárias de drogas, devido a um aumento de células CD19+CD5+. A mediana de linfócitos CD19+CD5+ no sangue de cordão foi de 59,5 (42,8-91,1) para os controles e 75,8 (47,7-97,0) para os recém nascidos de mães HIV+ (p= 0,006). A mediana da porcentagem de células CD19+CD5+ no sangue periférico das 21 crianças foi de 62,46 (17,99-96,98) e no cordão foi de 75,8 (48,58-96,98). Houve diferença na porcentagem de células CD19+CD5+ entre o sangue de cordão e o sangue periférico (p = 0,01). Não houve correlação entre a porcentagem de CD19CD5+ e a idade das crianças (p = 0,524). No cordão umbilical, a porcentagem de células CD3+CD8+ foi diferente entre os recém nascidos com exposição ao HIV e os controles (p= 0, 04). Conclusão: Recém nascidos de mães HIV+ apresentam alterações em linfócitos T e B. A elevada porcentagem de células CD19+CD5+ presente no sangue de cordão umbilical de recém nascidos com exposição ao HIV persiste em algumas crianças. Tais alterações podem prejudicar as respostas dependentes de célula T e, com isso, afetar a eficiência da vacinação neonatal.   Apoio: FAPESP e CNPq
IMPACTO DA RESPOSTA IMUNOLÓGICA NA AGRESSIVIDADE TUMORAL E NO PROGNÓSTICO DE PACIENTES COM CARCINOMAS PAPILÍFEROS DA TIRÓIDE
Cunha, Lucas Leite; Morari, Elaine ; Vassalo, José ; Soares, Fernando ; Ward, Laura ;
  A presença de Tiroidite Linfocítica Concomitante (TLC) e de Linfócitos Infiltrantes Tumorais (LIT) é freqüentemente observada em carcinomas papilíferos da tiróide (CPT), mas seu significado clínico tem sido motivo de controvérsias. O objetivo da presente investigação foi avaliar a correlação entre a presença de TLC, LIT e seu impacto na agressividade e no prognóstico do CPT.Foi construído um Tissue Microarray (TMA) com 85 casos de CPT submetidos a um mesmo protocolo e seguidos no mínimo por 20 meses (49±14 meses). Dados clínicos, achados intra-operatórios, anátomo-patológicos e de evolução foram coletados de prontuários. Estimou-se o grau de LIT de acordo com a porcentagem da área tumoral ocupada por linfócitos em cada spot do TMA. A presença de TLC foi mais freqüente em tumores menores (51,66.%) do que nos maiores de 2cm (20%, p=0,0341). Indivíduos com TLC associada ao tumor evoluíram mais freqüentemente livres de doença (Fisher; p=0,0188) enquanto que, ao contrário, pacientes sem TLC evoluíram com recidivas mais freqüentes (Kaplan-Meier; Breslow =0.006). A presença de TCL estava associada a características de menor agressividade tumoral, como menor tamanho (p=0,0341), e a características de melhor prognóstico, como maior tempo livre de doença (p=0,0188). Por sua vez, LIT apareceram mais em mulheres (47,22%), que apresentam melhor prognóstico do que homens (15,38%; Fisher, p=0,0371) e também em tumores menos invasivos (Fisher; p=0,0042). LIT estavam associados à presença de TCL (p=0,0016). O presente estudo confirma publicações anteriores de nosso grupo e de outros mostrando que a presença de autoimunidade tiroidiana representa melhor prognóstico para pacientes com CPT, além de se correlacionar com a presença de LIT. Em conclusão, nossos dados mostram uma interação imunopatológica com o desenvolvimento do CPT que poderá auxiliar na identificação de pacientes de maior risco para má evolução e servir de base para o desenvolvimento de novas terapias nos casos mais agressivos.
IMUNIDADE HUMORAL PARA A VACINA DE HEPATITE B EM CRIANçAS COM EXPOSIçãO VERTICAL AO HIV
Mazzola, Taís Nitsch; Abramczuk, Beatriz Mariana; Moreno, Yara Maria Franco; Blotta, Maria Heloísa ; Da Silva, Marcos Tadeu Nolasco; Vilela, Maria Marluce dos Santos;
  Embora a baixa resposta vacinal de crianças com infecção vertical ao Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) esteja bem documentada, há pouca informação sobre o impacto da exposição ao HIV durante a gestação no desenvolvimento imunológico da criança não infectada. A vacina de hepatite B, composta pelo antígeno de superfície de hepatite B, é administrada em três doses logo nos primeiros meses de vida e, em crianças saudáveis, induz uma potente resposta humoral T dependente. O objetivo deste trabalho foi descrever a resposta à vacina de hepatite B em lactentes com exposição vertical ao HIV não infectados e em crianças com infecção vertical pelo HIV. O estudo de corte transversal foi realizado com crianças acompanhadas no Ambulatório de Imunodeficiência Secundária de Pediatria do Hospital de Clínicas da UNICAMP. Foram usados os critérios do Ministério da Saúde para determinação do diagnóstico de infecção por HIV. Ao todo, 25 crianças infectadas pelo HIV e 55 lactentes com exposição vertical ao HIV porém não infectados foram incluídos na pesquisa. As amostras de sangue foram coletadas após, no mínimo, 15 dias da aplicação da terceira dose da vacina de hepatite B. Os títulos de anticorpos anti-HBsAg (mIU/mL) foram determinados em amostras de soro por MEIA (microparticle enzyme immunoassay, Axsym Ausab®), sendo que títulos maiores de 10 mIU/mL foram considerados protetores para a hepatite B. Dentre os lactentes expostos ao HIV mas sem infecção (mediana de idade 7,97 meses, de 6,9 a 24,7), cinco (9,1%)  foram considerados não-respondedores (anti-HBs < 10 mIU/mL) e 28 (50,9%) foram ótimos respondedores (anti-HBs > 1000 mIU/mL). Em um trabalho publicado por nosso grupo, apenas 0,8% (2 dentre 253) de lactentes saudáveis apresentaram títulos de Anti-HBsAg menores que 10 mIU/mL. Houve diferença significativa entre o número de não-respondedores do grupo de expostos ao HIV sem infecção e estes lactentes saudáveis (c2 = 205,96, gl = 1). Dentre as 25 crianças infectadas pelo HIV, apenas quarto (mediana de idade 4,6 anos, de 2,5 a 10,5) foram consideradas respondedoras, sendo que duas tiveram títulos de Anti-HBsAg maiores que 1000 mIU/mL. Vinte e uma crianças infectadas (mediana de idade 9,1 anos, de 6,3 a 16,1) não apresentaram títulos protetores para hepatite B. Dessa forma, conclui-se que a maioria das crianças infectadas pelo HIV deste estudo tem uma resposta pobre para hepatite B. Além disso, mesmo em lactentes com exposição vertical pelo HIV sem infecção houve elevado número de não respondedores para hepatite B. É provável que, nos infectados e expostos ao HV sem infecção, as alterações em função e número de células do sistema imune, como linfócitos T e B (ativados e de memória), tenham interferido na resposta à vacina de hepatite B. Financiamento: FAPESP e CNPq
INCLUSãO EDUCACIONAL: REPERCUSSõES DO CONTATO COM PESSOAS DEFICIENTES EM DOCENTES UNIVERSITáRIOS.
Regina, M.Cristina de O.;
Resumo: Objetivo: Verificar as repercussões do contato de docentes com Pessoas Deficientes sobre a compreensão de aspectos relativos à Inclusão Educacional Sujeitos e Métodos: 235 docentes selecionados por cluster em Universidade Privada da região de Campinas. Questionário semi-aberto aplicado coletiva ou individualmente. Resultados: Docentes entre 41-60 anos de idade tiveram mais contato com pessoas deficientes (p = 0.041) e tinham entre 11 e 20 anos de atividades na Universidade Privada na qual coletou-se os dados do presente estudo (p=0.012).Entre os que tiveram contato com pessoas deficientes pode-se observar alguns diferenciais:  61%  acreditavam que estrutura física podia ser oferecida no curto prazo pela Universidade aos estudantes com necessidades especiais e 44% entre os que não tiveram contato acreditavam que tal item poderia ser oferecido à médio ou longo prazos(p=0.029); sujeitos que tiveram contato revelaram-se mais “sensíveis” à existência de equipamentos adaptados aos estudantes com necessidades especiais, indicando-os como acessíveis (13%) em contraposição aos que não tiveram contato, os quais não os assinalaram( 98%) (p= 0.026%); indicaram com maior freqüência métodos de avaliação especial aos estudantes com necessidades especiais (15%) que entre os que não tiveram contato( não assinalado por 98% )(p=0.019);aparentemente não refletiu sobre a forma de perceber disciplinas viáveis ou não aos estudantes deficientes. Conclusão: O contato com pessoas deficientes parece sensibilizar para aspectos "pedagogicamente" relevantes, aparentemente não percebidos ou “desconhecidos” pelos que não tiveram contato.Tal fato sugere necessidade de informação sobre tais aspectos no meio docente universitário na Universidade Privada focada no presente estudo.               
INDIVÍDUOS COM EXCESSO DE PESO SÃO MAIS SUSCETÍVEIS AO DESENVOLVIMENTO DE CÂNCER DIFERENCIADO DA TIRÓIDE
Sampaio, Aline Castaldi; Marcello, Marjory Alana; Cunha, Lucas Leite; Asumpção, Ligia Vera Monta; Ward, Laura Sterian;
Registros nacionais mostram que também no Brasil, a exemplo do restante do mundo, ocorreu um aumento na incidência do Câncer Diferenciado da Tiróide (CDT), particularmente entre as mulheres. Estima-se que a obesidade contribua para 14 a 20% do risco de câncer em geral, estando associada a vários fatores que podem ser lesivos para o controle do ciclo celular, além dos efeitos da gordura e do açúcar no metabolismo, funções imunes e níveis hormonais (insulina e estradiol). Uma recente metanálise que abrangeu 3.303.073 indivíduos de múltiplas etnias, incluindo 2375 mulheres e 1212 homens com CDT, mostrou que a obesidade aumentava o risco relativo para CDT em 1.33 vezes (IC95%=1.04–1.70; p=0.02). O objetivo do presente estudo foi investigar a relação entre o perfil alimentar e antropométrico dos Brasileiros e o risco de desenvolvimento do CDT em nossa população. Coletamos peso e estatura de 141 pacientes com CDT (126 mulheres e 15 homens) criteriosamente pareados com 126 indivíduos-controle (89 mulheres e 37 homens) para idade, outras condições mórbidas, tabagismo, uso de álcool e produtos químicos, atividade física, ocupação e exposição ambiental, condições socioeconômicas e culturais. Todos os 267 indivíduos foram submetidos a um extenso questionário que incluía anamnese alimentar. A avaliação do perfil alimentar mostrou que ambos, pacientes e controles, possuíam alimentação rica em gorduras e açúcares, com conteúdo insuficiente de fibras, frutas e vegetais, e realizavam insuficiente atividade física. O excesso de peso foi mais freqüente entre os pacientes com CDT (60.28%) do que no grupo controle (40.06%; p= 0.0046) dobrando o risco de desenvolvimento de câncer (OR=2.066; IC95% 1.266 a 3.371). Entre os portadores de CDT, havia mais mulheres (90,54 %) do que homens (9,41 %) com excesso de peso (p=0.0259). O excesso de peso aumentou o risco de CDT entre as mulheres quase 2 vezes (OR= 1.925, IC95% 1,110 a 3,338; p=0.0142). No entanto, entre os homens, o excesso de peso não representou risco para o desenvolvimento de CDT (p=0.3498). Em conclusão, nossos dados indicam que o excesso de peso colabora para o aumento de risco para CDT, podendo contribuir para o aumento relativamente maior observado no sexo feminino, e sugerem que a implementação de políticas de prevenção em saúde pública, particularmente para a população de risco, também poderia diminuir a prevalência de CDT na população Brasileira.
INDUÇÃO DE TRANSIÇÃO DE PERMEABILIDADE MITOCONDRIAL PELOS INIBIDORES DA ÓXIDO NÍTRICO SINTASE L-NMMA E 1400W
Utino, Fabiane Leonel ; Garcia, Rafael ; Leite, Ana Catarina Rezende; Castilho, Roger Frigério; Oliveira, Helena Franco Cou; Vercesi, Aníbal Eugênio;
       O óxido nítrico (NO·) exerce um importante controle do metabolismo mitocondrial e regula funções vitais das células como ativação e detenção do ciclo celular, apoptose e necrose. A transição de permeabilidade (TPM) é uma permeabilização não-seletiva da membrana mitocondrial interna que está envolvida em processos de morte celular estimulados por excesso de Ca2+. Resultados prévios do nosso grupo mostraram que L-NAME, um inibidor não seletivo da NO· sintase induz TPM através de um mecanismo que envolve a redução da produção de NO·. No presente trabalho, objetivamos avaliar se outros inibidores da NO·sintase (L-NMMA e 1400W) também induziriam a TPM. Os resultados mostraram que tais compostos induzem TPM in vitro, causando inchamento e diminuição da capacidade de retenção de Ca2+ em mitocôndrias isoladas de fígado de rato de forma dose-dependente (1 – 50 mM). Tais eventos foram revertidos completamente na presença de cisclosporina A (inibidor da TPM). Observamos também que L-NMMA e 1400W reduzem a produção de espécies reativas de oxigênio em MFR. Esses resultados nos levam a concluir que, assim como o L-NAME, tanto o L-NMMA como o 1400W induzem TPM via inibição da NO·sintase e diminuição da geração de NO·. Dessa forma, notamos que, dependendo dos níveis de concentração e do destino metabólico, o NO·pode cumprir alguns papéis regulatórios em benefício da função mitocondrial, ou induzir disfunção mitocondrial, a qual poderá ser seguida pela morte celular necrótica ou apoptótica.   Apoio Financeiro: CNPq, CAPES e FAPESP.  
INFECçãO ATIVA POR CITOMEGALOVíRUS (HCMV) EM PACIENTES COM LúPUS ERITEMATOSO SISTêMICO (LES).
Mudinutti, Cristiane ; Bonon, Sandra Helena A.; Costallat, Lilian Tereza L.; Costa, Sandra Cecilia B.;
Neste estudo foram monitorizados 40 pacientes com diagnóstico de Lúpus Eritematoso Sistêmico (SLE) em relação à infecção ativa pelo citomegalovírus humano (HCMV) utilizando as técnicas de Nested-PCR (N-PCR) e Antigenemia (AGM). Foi também realizada a sorologia tipo ELISA (IgM e IgG) anti-HCMV. As amostras foram obtidas através de coletas de sangue realizadas no Ambulatório da disciplina de Reumatologia do departamento de Clínica Médica da FCM-UNICAMP nos pacientes estudados, sendo que a primeira coleta foi realizada em dia da consulta de rotina e outra após um mês da primeira coleta. As coletas obtidas de pacientes na enfermaria foram realizadas semanalmente, durante o período de internação. Para tanto, foram necessárias 2 ou mais amostras de sangue por paciente, obtidas através de punção venosa. Os pacientes encontravam-se em diferentes estágios da doença lúpica ou tratamento específico.   Diante do exposto, os objetivos deste estudo foram: verificar a presença do DNA e do antígeno pp65 do HCMV utilizando as técnicas de N-PCR e AGM em amostras de sangue periférico de pacientes com LES; verificar a presença das imunoglobulinas IgG e IgM anti-HCMV pelo método de ELISA e comparar os resultados com a N-PCR e a AGM.Dos 40 pacientes estudados, 4 (10%) apresentaram infecção ativa pelo HCMV detectado por N-PCR e/ou AGM. Destes, 3 estavam com a doença lúpica em atividade (SLEDAI ≥ 6). Em outros dois pacientes, a sorologia IgM-HCMV estava reagente. Todos apresentaram sorologia IgG-HCMV reagente. Entre os pacientes com infecção ativa pelo HCMV diagnosticados pela N-PCR e/ou AGM, 3/4 (75%) apresentaram provável doença por HCMV. Dois destes pacientes foram à óbito por sepse de foco pulmonar. A infecção ativa pelo HCMV é muito comum em pacientes com LES. A utilização de diagnóstico precoce da replicação deste vírus utilizando o método de N-PCR e AGM é muito importante pois permite um tratamento mais precoce e mais efetivo em relação ao diagnóstico sorológico, principalmente em pacientes com falha imunológica como os pacientes deste estudo.
INFLUêNCIA DA OBESIDADE NA ATIVIDADE CONTRáTIL DE MúSCULO LISO DETRUSOR EM CAMUNDONGOS
Leiria, Luiz Osório; Calixto, Marina ; Lintomen, Letícia ; Zakia Taufic Mónica, Fabíola ; Saad, Mário ; Antunes, Édson ;
INTRODUÇÃO: Sintomas do baixo trato urinário, como a hiperatividade da bexiga, são frequentemente associados à obesidade, mas a natureza destes sintomas no índividuo obeso ainda é pouco compreendida (Laven et al., 2008). Este trabalho procurou avaliar as alterações funcionais de músculo liso detrusor isolado de camundongos usando modelo de obesidade induzida por dieta hiperlipídica. MATERIAIS E MÉTODOS: O estudo foi aprovado pela Comissão de Ética na Experimentação Animal (CEEA-IB). A bexiga foi isolada e colocada em solução nutritiva de Krebs à 37oC e aerada a 95%O2/5%CO2. Segmentos de detrusor foram montados em banhos para órgão isolado e suspensos entre um transdutor de força e uma unidade fixa, a uma tensão de 5 mN. Após estabilização dos tecidos (45 min), construiu-se curvas concentração-resposta ao carbacol (agonista muscarínico) e curvas frequência-resposta à estimulação elétrica (EFS; 1-32 Hz), na ausência e/ou na presença de atropina (antagonista muscarínico) ou suramin (antagonista purinérgico). RESULTADOS: Os camundongos obesos apresentaram níveis aumentados de gordura epididimal, colesterol total e LDL (p<0,05), em relação ao grupo controle. A resposta contrátil do detrusor induzida pelo carbacol foi significativamente maior no grupo obeso (Emax: 90,62±4,77%, p<0,05) em relação aos controles não-obesos (Emax: 72,43±5,2%, n=7). A estimulação elétrica (EFS) do detrusor resultou em respostas contráteis dependentes da frequência em obesos e não obesos, as quais foram significativamente reduzidas pela atropina (p<0,05). Entretanto, no grupo obeso houve menor inibição da resposta contrátil (16 Hz: 47,1%; 32 Hz: 48,2%), em relação aos não-obesos (16 Hz: 56,1%; 32 Hz: 57,0%). Resultados semelhantes foram obtidos em preparações tratadas simultaneamente com suramin e atropina.                                                                                                                                                                                                                                                                               &nb
INFLUÊNCIA DOS POLIMORFISMOS A2920C DO GENE XPC E T30028C DO GENE XPF, RELACIONADOS COM O REPARO DE DNA,NA SUSCEPTIBILIDADE AO MELANOMA MALIGNO
Oliveira, Cristiane ; Lourenço, Gustavo Jacob; Rink-Júnior, José Augusto ; Moraes, Aparecida Machado; Lima, Carmen Silvia Passos;
Introdução: O melanoma maligno (MM) é o tumor de pele mais letal. O principal meio de controle das doença é a sua prevenção uma vez que as terapêuticas disponíveis para o tratamento de pacientes com a doença são insatisfatórias. O principal fator de risco é a exposição solar aos raios ultravioletas (UV) A e B. Sete grupos do gene xeroderma pigmentosum (XP) participam do mecanismo de reparo de DNA por excisão de nucleotídeos (REN), que elimina danos causados na estrutura do DNA decorrentes da luz UV. Polimorfismos nesses genes de reparo podem contribuir para a variação funcional da proteína codificada, interferindo em sua capacidade de reparar danos. Os polimorfismos A2920C do gene XPC e o T30028C do gene XPF foram relacionados com o aumento do risco do MM em alguns estudos mas não em outros. A proteína codificada pelo alelo variante do polimorfismo A2920C do gene XPC é menos funcional no reparo do DNA do que a codificada pelo alelo selvagem. Até onde atinge o nosso conhecimento, estudos funcionais das proteínas codificas pelos alelos distintos do polimorfismo T30028C não foram ainda realizados. Considerando que não está estabelecido se esses polimorfismos alteram o risco para o MM, estes foram os objetivos desse estudo. Métodos: Foram avaliados 69 pacientes com MM (idade mediana: 57 anos, variação: 29-86 anos; 29 homens, 40 mulheres; todos Caucasianos) e 69 controles saudáveis pareados por idade, sexo e raça aos pacientes (idade mediana: 55 anos, variação: 29-60 anos; 29 homens, 40 mulheres; todos. Caucasianos). O DNA genômico do sangue periférico de todos os indivíduos foi analisado por meio da reação em cadeia da polimerase (PCR) e digestão enzimática. O significado estatístico das diferenças entre grupos foi calculado por meio do teste do chi-quadrado ou da probabilidade exata de Fisher. As determinações dos riscos de ocorrência de MM foram obtidas por meio das razões das chances (ORs) considerando o intervalo de confiança de 95% (IC 95%). Resultados: As amostras de pacientes e controles estiveram em equilíbrio de Hardy-Weinberg no lócus A2920C do gene XPC (X²= 1,57; P= 0,21; X²= 0,32; P= 0,57; respectivamente) e no lócus T30028C do gene XPF (X²= 0,28; P= 0,60; X²= 0,68; P= 0,38; respectivamente). Não foram observadas diferenças entre as freqüências dos genótipos combinados AA + AC (10% versus 8,7%; P= 0,77) e dos genótipos CC + AC (63,8% versus 55%; P= 0,38) do polimorfismo A2920C do gene XPC entre pacientes e controles. Também não foram observadas diferenças entre as freqüências dos genótipos combinados TT + TC (13% versus 10%; P= 0,79) e dos genótipos CC + TC (55% versus 46,4%; P= 0,39) do polimorfismo T30028C do gene XPF entre pacientes e controles. As freqüências dos genótipos combinados AC + CC do gene XPC e TC + CC do gene XPF foram também similares em pacientes e controles (33% versus 26%; P= 0,19). Conclusões: Os resultados desse estudo sugerem que os polimorfismos A2920C e T30028C dos genes XPC e XPF, respectivamente, parecem não influenciar o risco de ocorrência do MM em nossa região. Entretanto, estudos adicionais com maior casuística, bem como estudos dos efeitos dos polimorfismos nas manifestações clínicas da doença, são necessários para obter conclusões consistentes sobre o assunto. Suporte financeiro: FAPESP e CNPq.
INFLUÊNCIA DOS POLIMORFISMOS DOS GENES GSTM1, GSTT1 E A4889G E T6235C DO GENE CYP1A1, RELACIONADOS AO METABOLISMO DE CARCINÓGENOS, NA SUSCEPTIBILIDADE AO CÂNCER DE LARINGE
Zanetti, Anderson ; Lourenço, Gustavo Jacob; Chone, Carlos Takahiro; Lima, Carmen Silvia Passos;
  Introdução: O carcinoma epidermóide (CEC) de laringe está associado a agentes químicos presentes em bebidas alcoólicas e no tabaco. A doença é frequente em nosso país e está associada a alta morbidade e mortalidade a seus portadores. As glutationa S-transferases (GSTs) são enzimas detoxificantes que atuam no mecanismo de proteção contra a carcinogênese. Os genes GSTM1 e GSTT1 são polimórficos em humanos e estão deletados de forma homozigótica em cerca de 50% e 20% dos indivíduos saudáveis, respectivamente. Já os genótipos variantes GG e CC dos polimorfismos A4889G e T6235C do gene CYP1A1, identificados em cerca de 3% e 5% dos indivíduos saudáveis, respectivamente, parecem mais eficazes na ativação de carcinógenos. Entretanto seus papéis na ocorrência do CEC de laringe são controvertidos. Objetivo: Avaliar se os genótipos destes genes influenciam o risco de CEC de laringe em nossa região. Métodos: O DNA genômico de 96 pacientes (88 homens, 8 mulheres; idade mediana: 59 anos, variação: 39 a 92 anos; 87 caucasóides, 9 negróides) com CEC de laringe e de 190 controles (174 homens, 16 mulheres; idade mediana: 53 anos, variação: 49 a 60 anos; 171 caucasóides, 19 negróides) foi avaliado por meio da reação em cadeia da polimerase (multiplex-PCR) e PCR e digestão enzimática, respectivamente. O significado estatístico das diferenças entre grupos foi calculado por meio do teste do chi-quadrado ou da probabilidade exata de Fisher. Resultados: Os controles do estudo avaliados para os polimorfismos A4889G e T6235C do gene CYP1A1 estiveram no equilíbrio de Hardy-Weinberg (X2= 0,10, P= 0,74 e X2= 0,24, P= 0,62, respectivamente). Em contraste, os pacientes não confirmaram a expectativa de Hardy-Weinberg nos lócus A4889G e T6235C do gene CYP1A1 (X2= 14,66; P= 0,005; X2= 19,54; P= 0,0001). As freqüências da deleção homozigótica do GSTM1, do GSTT1 e combinada dos genes em pacientes com CEC de laringe foram similares às observadas em controles (42,7% vs 43,2%, P= 0,88; 25,0% vs 16,8%, P= 0,30; 12,5 vs 6,8%, P= 0,19; respectivamente). Riscos de ocorrência da doença de 1,05 (IC95%: 0,59-1,83), 1,45 (IC95%: 0,72-2,90) e 1,92 (IC95%: 0,73-5,06) foram observados em indivíduos com as deleções isoladas e combinada dos genes, respectivamente. A freqüência do genótipo combinado 4889AG e 4889GG do gene CYP1A1 foi similar em pacientes e controles (22,9% versus 27,9%; P= 0,52). Risco de ocorrência da doença de 0,81 (IC95%: 0,43-1,53) foi observado em indivíduos com o alelo G. Entretanto, de forma inesperada, a freqüência do genótipo selvagem 6235TT do gene CYP1A1 foi maior em pacientes com CEC de laringe do que em controles (75,0% versus 62,1%; P= 0,007). Portadores do genótipo selvagem estiveram sob risco 2,4 vezes (IC 95%: 1,27-4,56) maior de apresentar CEC de laringe do que os portadores do alelo variante C. Freqüências similares de todos os genótipos estudados combinados foram similares entre pacientes e controles. Conclusões: Nossos resultados sugerem que a deleção homozigótica dos genes GSTM1 e GSTT1 e o polimorfismo A4889G do gene CYP1A1, parecem não influenciar o risco de ocorrência da doença em indivíduos de nossa região. Entretanto, o genótipo selvagem do polimorfismo T6235C do gene CYP1A1 parece aumentar o risco do CEC de laringe em nossa população. Assim, portado
INIBIÇÃO DO METABOLISMO OXIDATIVO DE GLUTAMATO POR METILMALONATO: IMPLICAÇÕES NA FISIOPATOLOGIA DA ACIDEMIA METILMALÔNICA
Melo, Daniela Rodrigues ; Mirandola, Sandra Regina; Castilho, Roger Frigério;
  É proposto que a neurodegeneração que ocorre na acidemia metilmalônica seja consequência de um comprometimento do metabolismo oxidativo mitocondrial e que isso estaria relacionado ao acúmulo de ácido metilmalônico (MMA), principal marcador bioquímico desta doença. No presente trabalho, estudou-se o efeito de MMA no consumo de oxigênio por mitocôndrias isoladas de cérebro de rato, empregando-se diversos substratos. A respiração mantida por glutamato foi inibida consideravelmente por concentrações milimolares de MMA (1-10 mM), enquanto que nenhum efeito inibitório foi observado quando um coquetel de substratos para o complexo I foi utilizado como doador de elétrons. Por meio de experimentos de inchamento mitocondrial observou-se que este efeito de MMA na respiração mantida por glutamato não estava relacionado à inibição do transporte mitocondrial deste substrato. Partindo deste resultado, avaliou-se o efeito de MMA em enzimas que participam do metabolismo de glutamato, e que são relevantes para o metabolismo oxidativo neuronal. O MMA apresentou efeito inibitório mínimo sobre as enzimas glutamato desidrogenase, transaminase glutâmica oxaloacética e piruvato desidrogenase, enquanto a atividade da α-cetoglutarato desidrogenase foi fortemente inibida pelo MMA (Ki = 6,45 ± 0,39 mM). A partir de medidas de consumo mitocondrial de O2 e por meio da avaliação do transporte de α-cetoglutarato, concluiu-se que, além da inibição na α-cetoglutarato desidrogenase, ocorre uma troca de MMA por α-cetoglutarato da matriz mitocondrial, depletando este substrato da mitocôndria e diminuindo a respiração mantida por glutamato. Aditivamente, para se estudar o efeito in vivo do MMA na ocorrência de alterações no metabolismo oxidativo mitocondrial, ratos neonatos foram cronicamente tratados com MMA (i.p., 15 d) para se alcançar níveis séricos de 2 a 2,5 mM desta toxina. Não se observou diferença significativa entre a respiração de mitocôndrias de ratos controles e tratados com MMA, indicando que este tratamento não leva a alterações permanentes da função mitocondrial e que os efeitos na bioenergética mitocondrial dependem da presença deste ácido orgânico para ocorrerem. Conclui-se que o efeito inibitório de MMA no metabolismo oxidativo de glutamato e α-cetoglutarato pode ter importante papel na fisiopatologia da acidemia metilmalônica. Financiamento: FAPESP e CNPq. Palavras-chave: α-cetoglutarato, glutamato, metilmalonato, mitocôndria.   INIBIÇÃO DO METABOLISMO OXIDATIVO DE GLUTAMATO POR METILMALONATO: IMPLICAÇÕES NA FISIOPATOLOGIA DA ACIDEMIA METILMALÔNICA   D.R. Melo, S.R. Mirandola, R.F. Castilho   Departamento de Patologia Clínica, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP 13083-887, Brasil.    
INTERVENçãO FARMACêUTICA: FARMáCIA CLíNICA NO HOSPITAL LEITO DIA DA UNICAMP
Rodrigues, Aline Teotônio; Murari, Patricia Romeiro; Tanaka, Michele Tami; Souza, Cintia Madeira de; Mazzola, Priscila Gava; Moriel, Patricia ;
O aconselhamento terapêutico traz grandes benefícios aos pacientes e proporciona maior reconhecimento ao farmacêutico; o paciente torna-se capaz de  reconhecer a necessidade dos medicamentos, uma vez que este aconselhamento farmacêutico atua para a manutenção de medidas educativas dirigidas à população, para aumentar o conhecimento dos pacientes sobre sua enfermidade e melhorar a adesão ao tratamento, estas estratégias estão inseridas na promoção do uso racional dos medicamentos.  Os objetivos deste trabalho são relatar e quantificar a intervenção farmacêutica em pacientes portadores de HIV. Para atingir estes objetivos, durante a primeira quinzena de fevereiro, inciou-se a farmácia clínica no Hospital Dia da Unicamp. Foram acompanhados sete pacientes, utilizando o método Dader de acompanhamento farmacoterapêutico e realizadas as intervenções farmacêuticas. As intervenções farmacêuticas acontecem tanto com o paciente como com a equipe multidisciplinar, principalmente com o médico. Foram realizadas um total de 16 intervenções, sendo estas no modo de administração (3), tempo de administração (3), qualidade de vida e alimentação (3), sugestão de exames e monitoramentos (4), apoio social (1), fornecimento de leitura para o paciente (1) e sugestão na posologia (1). Apesar dos reconhecidos benefícios que o aconselhamento apropriado pode trazer ao paciente, pouca atenção é dada ao desenvolvimento de habilidades de comunicação, ponto fundamental para esta prática. Algumas atitudes podem fazer a diferença e ser benéficas para mudar o cenário atual, como, por exemplo, esquecer sobre o comportamento passivo do paciente, adotar uma nova abordagem e centrar o atendimento no paciente. Outro aspecto importante, que parece não ser corrente no Brasil, é o registro e documentação das atividades. É importante que os trabalhos em andamento, sejam divulgados por meio de artigos científicos ou comunicações breves em congressos, para uma melhoria da adesão do paciente ao medicamento e da resposta farmacoterapêutica.
INVESTIGAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA HERANÇA DE VARIANTES DO CÓDON 432 DO GENE CYP1B1 SOBRE O RISCO DE DESENVOLVIMENTO DE DOENÇAS DA TIRÓIDE
Marcello, Marjory Alana; Bufalo, Natassia Elena; Cunha, Lucas Leite; Guilhem, Marielly Silva; Assumpção, Ligia Vera Monta; Ward, Laura Sterian;
A Doença de Graves (DG) é uma doença auto-imune da tireóide caracterizada por hipertiroidismo, oftalmopatia e mixedema pretibial. Hipertiroidismo devido a DG tem incidência notóriamente mais elevada entre as mulheres, acometendo cerca de oito mulheres para cada homem. O câncer de tireóide pode ser considerado o mais comum na região da cabeça e pescoço e é três vezes mais freqüente no sexo feminino. A razão pela qual estas duas patologias de etiologia tão distinta ocorrem preferencialmente em mulheres ainda é desconhecida. Os citocromos P450 (CYP450) formam uma superfamília de enzimas de funções mistas. CYP1B1 catalisa, entre outras reações, a formação de 4-hidroxiestradiol a partir de estradiol e está relacionado à ativação de aflotoxinas B1 a metabolitos mutagênicos, bem como à formação de intermediários mutagênicos de uma série de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAPs). No códon 432 ocorre uma substituição G > C, que causa a troca de uma valina (Val) para uma leucina (Leu) na estrutura primária da proteína, de forma que a variante Leu432 tem maior atividade catalítica em relação às demais variantes. O objetivo deste estudo foi avaliar o papel do polimorfismo de CYP1B1 no códon 432 como um marcador para a incidência diferencial de Doença de Graves e dos carcinomas bem diferenciados de tireóide em homens e mulheres. Utilizando a técnica de PCR-RFLP, genotipamos 139 indivíduos com Doença de Graves (DG); 79 com carcinoma diferenciado da tiróide (CDT), incluindo 53 com carcinoma papilífero (CP) e 26 com carcinoma folicular (CF); e um grupo controle composto de 330 indivíduos saudáveis, sem histórico familiar de doenças tiroidianas, cuidadosamente pareados para sexo, idade, etnia e tabagismo, e condições de exposição ambiental. Observamos que o risco para DG foi maior em indivíduos que fumavam (OR=1,409;IC95%=1,023-1,940; p=0,0397), da raça branca (p<0,0001) e com idade acima de 45 anos(p<0,0001). As variantes alélicas de CY1B1 foram mais freqüentes entre os pacientes com DG (74,82%) do que nos controles (64,09%), dobrando a susceptibilidade para a doença dos portadores das variantes de CYP1B (OR=2,195;IC95%=1,273-3,783; p=0,0047). Entretanto, uma análise de regressão logística múltipla corrigida para sexo, idade, etnia e tabagismo não demonstrou relação entre genótipo e sexo. Também observamos maior incidência das variantes de CYP1B1 entre os pacientes com CDT (84,81%) do que nos controles (69,09%), causando aumento de risco de quase 4 vezes (OR=3,728;95%IC=1,422-13,00; p=0,0159). O aumento de risco foi observado tanto para pacientes com CF (57,14%) se comparados aos controles (30,90% -OR=5,333;IC95%=1,422-20,003; p=0,0087) quanto entre os pacientes com CP (52,83%) em relação ao grupo controle (38,18%-OR=2,519;IC95%=1,048-6,053; p=0,0409). Não encontramos associação entre genótipos e sexo, etnia, tabagismo ou qualquer parâmetro clínico ou patológico de agressividade, nem no momento do diagnóstico nem durante o acompanhamento. Embora não tenhamos conseguido relacionar as variantes de CYP1B1 no códon 432 com a prevalência diferencial da DG e do CDT entre homens e mulheres, mostramos que tais variantes desempenham papel importante na suscetibilidade a estas patologias.
LESÃO DO MÚSCULO ESQUELÉTICO DE RATOS INDUZIDA PELO VENENO DE BOTHROPS LANCEOLATUS : ESTUDO IMUNOISTOQUÍMICO
barbosa-souza, valeria ; contim, daniel kiss; lobo de araújo, albetiza ; irazusta, silvia pierre; Hofling, Maria Alice Cruz;
  A regeneração muscular é um processo coordenado onde múltiplos fatores são sequencialmente ativados para manter e preservar a estrutura muscular e a sua função nos casos de injúria. As injurias resultam em uma necrose rápida de miofibras e resposta inflamatória, a qual contribui para a remoção de material necrótico e também para a secreção de citocinas, estimulando os fatores de crescimento além da ativação de células satélites. A regeneração e o reparo ocorrem em quatro fases interdependentes, que são: degeneração, inflamação, regeneração, e fibrose. Neste trabalho, a expressão de Fator VIII, CD68 e TNF-α foi avaliada por imunoistoquímica, após injeção i.m de peçonha da Bothrops lanceolatus (1μg/μl),ou PBS no músculo gastrocnêmico de ratos. Os animais foram sacrificados após os intervalos de tempo de 1, 3, 6, 18 hr, 1, 2, 3, 7 dias. Os dados (média±desvio padrão.) obtidos da quantificação destas proteínas foram analisados usando  one-way  ANOVA.Nossos resultados mostraram que a expressão de TNF-α  aumentou a partir dos tempos iniciais, com pico no intervalo entre 3 a 6 horas, coincidindo com o pico do processo inflamatório e com os menores valores de FVIII. Após este período, houve um decréscimo na expressão de TNF-α, paralelo à progressão da regeneração muscular, mas, no entanto, continuou significativamente elevada quando comparado com o controle. Observou-se intensa ativação de macrófagos residentes nas áreas de lesão, desde o tempo de 3 horas, com elevadas contagens entre 18 e 48 horas, período de início e efetivação da regeneração. Esta expressão não foi observada nos animais controle, confirmando a importância desta célula no processo de regeneração muscular esquelética, após a lesão pelo veneno. Após este tempo, houve gradual redução, sendo que após uma semana as contagens não diferiram do controle. As observações corroboram com a hipótese de que a lesão tecidual é secundária às alterações vasculares isquêmicas e à reação inflamatória causada pelo veneno de B. lanceolatus.
MANEJO MICROENDOSCóPICO NASAL DA FíSTULA LIQUóRICA NA BASE ANTERIOR DO CRâNIO
CHONE, CARLOS TAKAHIRO; SAMPAIO, MARCELO HAMILTON; SAKANO, EULALIA ; PFEISLTICKER, LEOPOLDO N; PASCHOAL, JORGE R;
    Introdução: Fístula espontânea é um achado incomum e pode estar associados à malformações ocultas na base do crânio. Fistulas traumáticas são mais frequentes alguns dias após o trauma, mas podem ocorrer após 10 a 30 anos. O seu fechamento por via transnasal promove uma recuperaçào mais rápida com menor morbidade cirúrgica, diminuindo os custos hospitares quando comparados às técnicas intracranianas. A localização precisa do local da fístula durante a cirurgia é importante para o seu sucesso. Objectivo: Demonstrar nossa metodologia de correção da fístula liquórica na base anterior do crânio com técnica microendoscópica nasal. Material e Métodos: Vinte e três pacientes com fístulas liquóricas na BAC foram tratados com fechamento microendoscópica nasal do defeito. Foram utilizados a CT cisternografia e teste de fluoresceína(TF) para diagnóstico do sítio da falha. Todos tiveram o diagnóstico clínico de rinoliquorréia. Três pacientes apresentaram antecedentes de meningites. A etiologia foi espontânea em quatro e traumática em dois. CT cisternografias foram realizadas após injeção de contraste iodado não iônico intratecal por punção lombar. TF foi realizada com injeção de no máximo 1,0 ml de fluoresceína sódica a 5% intratecal por punção lombar antes da cirurgia. O paciente é colocado em posição de Trendelemburg por 45 minutos. Após a anestesia geral, exposição precisa do local da fístula é importante. O osso em torno do local é dissecado alguns milímetros além, assim como a duramáter. A fístula é fechada com técnica “onlay” e “underlay”. No seio esfenoidal, apenas a técnica “onlay”é utilizada. Dois enxertos de fáscia lata são colocados em camadas com o osso da base do crânio entre eles e recoberta com enxerto de mucosa de corneto inferior. Todos os enxertos são fixos com cola de fibrina( Beriplast®). Suporte adicional é realizado com celulose( Surgicell®) e esponja de gelatina absorvível (Gelfoan®). A cavidade nasal é tamponada com esponjas revestidas de dedos de luvas por 5 a 7 dias. Os pacientes recebem alta no dia seguinte. Após 6 semanas, com o consentimento do paciente, é repetido o TF. Resultados: Todos os pacientes tiveram o local da fístula confirmado com CT cisternografia e TF associados. Todos apresentaram suas fístulas fechadas com a técnica acima descrita. Houve apenas uma recidiva por hipertensão liquórica. Conclusão: Houve 96% de sucesso de fechamento de fístula liquórica em base anterior do crânio com a técnica cirúrgica endonasal apresentada.
MECANOTRANSDUÇÃO VASCULAR: IMPLICAÇÕES NA ATEROGÊNESE
Neufert, Maruska ; Cardoso, Cátia ; Franchini, Kleber ; Nadruz Júnior, Wilson ;
INTRODUÇÃO: O estresse mecânico é um importante estímulo para o desenvolvimento do fenótipo pró-aterôgenico em células vasculares. Nos últimos anos, demonstrou-se que o estresse mecânico é a causa e a conseqüência de diversas doenças no sistema cardiovascular, sendo um importante ativador no processo de degeneração e morte celular. Entretanto, pouco se sabe sobre os mecanismos moleculares envolvidos neste processo. OBJETIVO: Investigar o possível papel da quinase de adesão focal (FAK) sobre a expressão de moléculas pró-inflamatórias em células endoteliais submetidas a estiramento mecânico in vitro. MATERIAIS E MÉTODOS: Células endoteliais de aorta de coelho (RAEC) foram submetidas a estiramento cíclico (1 Hz) por diversos períodos de tempo e estudadas por western blot. Para avaliar o papel da FAK, as células foram tratadas com o inibidor farmacológico de FAK/Src PP2 (1 mmol/mL). RESULTADOS: O estiramento mecânico promoveu uma ativação precoce da FAK (após 10 min), avaliada por meio de sua fosforilação no resíduo de tirosina 397. O estiramento por 6 horas induziu a um aumento significativo na expressão de Toll-Like Receptors (TLRs) 2 e 4, mas não da proteína acopladora Myd88. Além disto, este estímulo promoveu um aumento da expressão da molécula de adesão E-selectina e V-CAM. Por outro lado, o tratamento das células endotelias com PP2 inibiu o aumento de expressão de TLR2, TLR4, E-selectina e V-CAM. CONCLUSÕES: O estiramento mecânico cíclico estimula a expressão de moléculas de adesão e proteínas pró-inflamatórias em células endoteliais in vitro. Ademais, vias de sinalização reguladas pela FAK podem exercer um papel importante neste processo.  
MENOR MASSA VENTRICULAR ESQUERDA EM MULHERES HIPERTENSAS PORTADORAS DO POLIMORFISMO ASP299GLY DO TOLL-LIKE RECEPTOR-4.
Sales, Maria Lilian; Schreiber, Roberto ; Ferreira-Sae, Maria Carolina; Piveta, Cristiane ; Cippoli, José Alexandre; Fernandes, Maruska Neufert; Franchini, Kleber Gomes; Nadruz Júnior, Wilson ;
  Introdução: Estudos recentes revelaram que a inibição do Toll-Like Receptor-4 (TLR4) pode reduzir a hipertrofia cardíaca em animais submetidos à sobrecarga pressora. Por outro lado, o polimorfismo Asp299Gly do TLR4 está associado à produção de uma proteína com menor atividade funcional em seres humanos. Objetivo: Investigar a influência da variante Asp299Gly do TLR4 sobre a estrutura do ventrículo esquerdo (VE) de indivíduos hipertensos. Métodos: Foram estudados 392 pacientes (237 mulheres e 155 homens) por meio de avaliação clínica, laboratorial e ecocardiográfica, enquanto que o polimorfismo foi detectado por reação de polimerase em cadeia/enzima de restrição. Resultados: Foram encontrados 25 heterozigotos (12 mulheres e 13 homens) e 3 homozigotos (2 mulheres e 1 homem) para a variante 299Gly. A mulheres hipertensas portadoras do polimorfismo 299Gly (n=14) apresentaram menor espessura do septo interventricular (9,8±0,4 vs 10,7±0,1mm; p=0,04), espessura da parede posterior do VE (9,6±0,4 vs 10,6±0,1mm; p=0,02) e índice de massa do VE (61,5±5,8 vs 75,3±1,7g/m2,7; p=0,04) além de menor prevalência de hipertrofia do VE (57 vs 90%; p=0,0003) em relação às homozigotas para a variante 299Asp. Estes achados foram confirmados por análise de regressão múltipla, que incluiu sexo, idade, pressão arterial sistólica e diastólica e diabetes mellitus como fatores confundidores. Em contrapartida, a presença do polimorfismo 299Gly não influenciou a estrutura do VE em homens hipertensos. Conclusões: A variante 299Gly do TLR4 está associada a uma menor massa do VE em mulheres hipertensas, mas não em homens portadores de hipertensão arterial. Estes dados sugerem que pode haver uma interação entre gêneros, polimorfismos de TLRs e fenótipo ventricular em indivíduos hipertensos.
MINI SLING OPHIRA PARA TRATAMENTO DA INCONTINêNCIA URINáRIA DE ESFORçO FEMININA: TéCNICA E RESULTADOS
Dalphorno, Fernanda Ferenczi ; Palma, Paulo Cesar Rodrigues; Herrmann, Viviane ; Ricetto, Cassio ;
  Introdução: O mini sling Ophira é um tipo de faixa desenvolvido pela equipe de uroginecologia da UNICAMP. Consiste na colocação de uma faixa suburetral sem tensão, ancorada no músculo obturador interno.   Objetivo: Estudar a eficácia do mini sling Ophira no tratamento da incontinência urinária de esforço feminina.   Materiais e métodos: De abril de 2008 a março de 2009, 42 pacientes com incontinência urinária de esforço foram submetidas a cirurgia ambulatorial para colocação do mini sling. Este mini sling é composto por uma malha central de polipropileno com duas hastes com formato de espinha de peixe, conectado a um mini trocarte de inserção. As pacientes foram acompanhadas em 1, 3, 6 meses e 1 ano após a cirurgia. Nestes momentos foram realizados exame físico e entrevista com aplicação do questionário de qualidade de vida UDI 6. o procedimento foi realizado sob anestesia local com aplicação de 10ml de lidocaína a 2% injetados na região suburetral e em direção ao fornix da vagina, avançando 2cm. Uma incisão vertical de 1cm é realizada na mucosa vaginal distando 1cm do meato uretral. Mínima dissecção vaginal é realizada atrás do ramo ascendente do ísquio, preservando a fáscia endopélvica. O trocarte então é introduzido através desta incisão guiado pelo dedo indicador do cirurgião até atingir o músculo obturador interno. O mesmo procedimento é realizado do outro lado, tomando o cuidado para deixar o sling sem tensão.   Resultados: O tempo operatório médio foi de 20 minutos, variando de 15 a 30 minutos, e o tempo de permanência hospitalar foi em média de 2 horas. Não ocorreram complicações intraoperatórias, como sangramento, infecção ou dor local incapacitante. Foi observada uma taxa de exposição da faixa em 7 pacientes (16,6%). Utilizando o Pad Test e o questinário de qualidade de vida após 6 meses de acompanhamento, 76,1% estavam completamente secas, 9,5% estavam melhores e 14,4% mantinha perda aos esforços.   Conclusão: O mini sling Ophira é seguro e eficaz para o tratamento da IUE feminina.
MITOCHONDRIAL DYSFUNCTION IN HYPERLIPIDEMIC ANALBUMINEMIC RAT.
Figueira, Tiago Rezende ; Saito, Ângela ; Castilho, Roger Frigério; Oliveira, Helena Coutino; Vercesi, Anibal Eugênio;
  Aim: It has been recently demonstrated by our group that hypercholesterolemic (LDL-receptor knock-out) and hipertriglyceridemic mice (ApoCIII transgenic) have mitochondrial alterations. The former are more susceptible to Ca2+ induced mitochondrial permeability transition – MPT, which is associated with increased lipogenesis and depletion of mitochondrial NADPH-linked substrates. Differently, the hipertriglyceridemic mice present higher resting respiration rate due to higher activity of the mitochondrial K+ATP channel. Here, we aimed at studying mitochondrial function in the analbuminemic rat, which develops mixed hyperlipidemia (both, hypercholesterolemia and hypertriglyceridemia) due to increased liver lipogenesis.   Methods and Results: Isolated liver mitochondria from five Nagase analbuminemic rats - NAR and their controls (Sprague-Dawley rats – SDR) were studied. Mitochondrial respiration (Clark type electrode), mitochondrial swelling (light scattering) and NAD(P) redox state (fluorescence) were evaluated. NAR showed higher  plasma levels of cholesterol (146.7+4.8 vs. 69.7+2.8 mg/dL) and triglycerides (99.5+16.1 vs. 58.0+6.0 mg/dL) when compared to SDR, while total plasma protein level was lower (54.7+2.3 vs. 61.7+2.6 g/L) (p < 0.05). Among the mitochondrial parameters studied, we found that NAR mitochondria differed from SDR mitochondria only in the susceptibility to Ca2+ induced MPT. This higher sensitivity to MPT was prevented by EGTA (Ca2+ chelator) or cyclosporine A (known inhibitor of MPT).   Conclusion: We conclude that isolated NAR liver mitochondria have respiratory indexes similar to SDR, but they are more susceptible to Ca2+ induced MPT. In contrast to the hypercholesterolemic mice, NAR are able to sustain reduced NAD(P), suggesting they have normal content of NADPH-linked substrates.
MITOCHONDRIAL DYSFUNCTION PRECEDS THE DEVELOPMENT OF TYPE 1 DIABETES
Malaguti, Carina ; Leite, Ana Catarina Rezende; La Guardia, Paolo Gadioli; Vercesi, Aníbal Eugênio;
The non obese diabetic mice (NOD) spontaneously develop type 1 diabetes mellitus (DM-1) similarly to humans. The destruction of islet beta cells in DM-1 seems to be mediated by a high cellular generation of reactive oxygen species (ROS) that leads to mitochondrial dysfunction and consequently to cell death. The aim of this work was to verify whether alterations in mitochondrial physiology precede the diabetes onset in these animals. The experiments were done with NOD or BALB/c mice (control group) with 10 weeks of age (glicemy < 150 mg/dL). The results showed higher mitochondrial resting respiration and superoxide anion production and lower mitochondrial membrane potential and capacity to take up and retain calcium ions. These alterations are compatible with higher susceptibility to MPT induced by calcium ions. In addition, we observed higher rates of mitochondrial respiration in isolated pancreatic islets and skeletal muscle biopsies in NOD mice. These mitochondrial alterations might be key events in the pathogenesis of DM-1 and may represent potential targets for prophylactic chemotherapy of DM-1.
MITOCHONDRIAL GENERATED NO• PROTECTS AGAINST PERMEABILITY TRANSITION VIA FORMATION OF MEMBRANE PROTEIN S-NITROSOTHIOLS
Leite, Ana Catarina R; Garcia, Rafael ; Utino, Fabiane Leonel; Fernandes, Mariana Pinheiro; Alberici, Luciane Carla; Castilho, Roger Frigério; Oliveira, Helena Coutinho F; Vercesi, Aníbal Eugênio;
       Nitric oxide (NO·) generated in mitochondria seems to regulate energy metabolism, O2 consumption, and reactive oxygen species (ROS) formation by the organelle. Here we report that the NOS inhibitors (L-NAME, L-NNA and L-NMMA) administered either in vitro or in vivo induce Ca2+-dependent mitochondrial permeability transition (MPT) in rat liver mitochondria via a mechanism independent on changes in the energy state of the organelle and associated with a significant decrease in the content of membrane protein S-nitrosothiol. In the experiments in vitro, the effect  of NOS inhibitors was dose dependent in the concentration range of 1 to 50 mM and MPT was judged by the occurrence of a cyclosporine A sensitive mitochondrial membrane potential disruption followed by mitochondrial Ca2+ release and swelling. Furthermore, liver mitochondria isolated from L-NAME-treated (50 mg/kg i.p.) rats presented a higher susceptibility than control mitochondria to develop MPT. In addition to CsA, L-NAME-induced MPT was sensitive to Mg2+, ATP, EGTA, N-ethylmaleimide, and to a lower degree to catalase or dithiothreitol. In contrast to L-NAME, its isomer D-NAME did not induce MPT. It was also observed that low amounts of SNAP (a NO· donor) restored the content of membrane protein nitrosothiol after L-NAME treatment thus preventing MPT triggered either by Ca2+ alone or Ca2+ plus L-NAME, by a mechanism independent on changes in Ca2+ accumulation by the organelle. It is proposed that nitrosilation of critical membrane protein thiols protects against MPT and thus against mitochondrial damage and cell death.   Supported by: CAPES, CNPq and FAPESP.
MITOCHONDRIAL PERMEABILITY TRANSITION PORE ASSEMBLING DOES NOT REQUIRE THE PARTICIPATION OF OUTER MITOCHONDRIAL MEMBRANE PROTEINS
Ronchi, Juliana Aparecida ; Castilho, Roger Frigério ; Vercesi, Anibal Eugenio ;
Mitochondrial permeability transition (MPT) is characterized by Ca2+-induced opening of a nonselective proteinaceous membrane pore, the permeability transition pore (PTP) sensitive to cyclosporin A (CyA). Data from our laboratory provided evidence that PTP is assembled by the aggregation of cyclophylin D with inner membrane proteins due to the formation of thiol cross-linking. Alternatively, literature data propose the participation of a number of other outer membrane proteins in the composition of the PTP, such as, voltage-dependent anion channel (VDAC), creatine kinase, hexokinase and the benzodiazepinic receptor. In order to ascertain the independence of outer membrane proteins to generate the PTP we performed experiments with liver mitoplasts by using digitonin to eliminate the outer membrane. Mitoplasts retained less than 5% of monoamine oxidase activity, a marker of the outer membrane. These mitoplasts were able to generate and sustain a membrane potential enough to phosphorylate ADP and to take up Ca2+. As hypothesized, these mitoplasts were as susceptible to PTP opening by Ca2+ as the intact mitochondria. Mitoplasts PTP were sensitive to the known PTP “inducers” such as inorganic phosphate, thiol and NAD(P)H oxidants, reactive oxygen and “inhibitors”, such as, CyA, Ca2+ chelators, adenine nucleotides, dithiol and NAD(P) reductants, and reactive oxygen scavengers. Altogether, the data indicate that the outer membrane is not necessary for PTP assembling or opening.  
MODELO PÉLVICO SINTÉTICO TRIDIMENSIONAL É UMA FERRAMENTA DIDÁTICA EFETIVA PARA O ESTUDO DA ANATOMIA DO ASSOALHO PÉLVICO COMPARADO COM A PÉLVE CADAVÉRICA.
PORTUGAL, HELIO SERGIO P.; PALMA, PAULO CÉSAR R.; FRAGA, ROGÉRIO DE; RICETTO, CÁSSIO LUIS Z.; ROCHA, SÉRGIO ; CARIAS, LUCIANE ;
    INTRODUÇÃO E OBJETIVOS: A Anatomia é considerada uma matéria essencial para os estudantes de Medicina. O assoalho pélvico, sendo sitio de estruturas numerosas e complexas, caracteriza-se por ser uma região de difícil estudo anatômico, especialmente em peças cadavéricas. Além disto, a aula prática com o uso de componentes anatômicos manipuláveis e em estado de conservação satisfatório é fundamental para um bom processo de ensino e aprendizagem. Pela crescente dificuldade de obtenção de peças cadavéricas, especialmente as que se apresentam em bom estado, os docentes de anatomia têm sido levados a procurar materiais sintéticos que possam complementar seu arsenal didático. Os objetivos deste estudo foram avaliar (1) o Modelo Anatômico Sintético de Pélve (MASP) como uma ferramenta didática, comparando o mesmo com a aula tradicional de anatomia com o uso de pélve cadavérica (PC) e (2) a satisfação dos estudantes com ambos os métodos.   MÉTODOS: Sessenta e quatro estudantes de Medicina, voluntários para este estudo, receberam uma aula teórica convencional. Após esta aula, todos os estudantes foram randomizados em 3 grupos (G1, G2) submetendo-se estes a aulas de Anatomia com diferentes métodos didáticos: aula tradicional de Anatomia prática (AT) e aula proposta de anatomia prática com uso do MASP (AP), respectivamente, e G3 denominado grupo controle, que não foi submetido à aula prática. Um teste teórico preliminar (TTP) foi aplicado a todos os grupos. O G1 submeteu-se a AT e G2 a AP. Um teste teórico final (TTF) foi aplicado para todos os grupos G1, G2 e G3. Os grupos 1 e 2 foram submetidos a uma avaliação de satisfação relativa ao componente utilizado para realização da aula prática (PC ou MASP).   RESULTADOS: A média de idade foi 19.41 (± 1.58) em G1, 19.31 (± 3.43) em G2 e 19.42 (± 3.35) em G3. A análise estatística foi realizada utilizando-se ANOVA Multivariada para comparar os diferentes métodos e um t-Test independente para comparar a satisfação. O nível de significância foi determinado como p ≤ 0.05. Diferenças não-significativas foram observadas entre os grupos na avaliação preliminar (p > 0.05). Diferentemente, na avaliação após as aulas, os estudantes do G3 apresentaram escores mais baixos em relação aos estudantes de G1 (p=0.002) e G2 (p=0.002). Não foram encontradas diferenças significativas entre G1 e G2 (p > 0.05). Entretanto, G2 mostrou-se mais satisfeito com o método utilizado na aula prática (p = 0.001).   CONCLUSÕES: PC e MASP provaram ser ferramentas didáticas efetivas na aula prática de anatomia do assoalho pélvico. Além disto, G2 mostrou maior satisfação no estudo com MASP do que G1, que utilizou PC.   Palavras-chave: anatomia, assoalho pélvico, ferramenta didática, modelo pélvico.
MODELOS ADITIVOS GENERALIZADOS NA ESTIMAÇÃO DO ODDS RATIO ESPACIAL DE DOENÇAS E AGRAVOS DE SAÚDE: UMA ABORDAGEM MULTINOMIAL
Mafra, Ana Carolina Cintra Nun; Cordeiro, Ricardo Carlos; Nucci, Luciana Bertoldi;
    Introdução: O mapeamento, conjuntamente com a estimação de riscos e incidências, é uma ferramenta útil à Epidemiologia, auxiliando na prevenção de agravos, bem como no planejamento e avaliação de serviços de saúde. Este trabalho busca utilizar uma ferramenta estatística que incorpora de forma adequada este tipo de análise conjuntamente ao estudo de outras características que estejam relacionadas a estes agravos. Para tanto, faremos uso de Modelos Aditivos Generalizados (GAM).  A análise foi realizada com acidentes de trabalho. Objetivos: Analisar o uso de GAM na distribuição espacial de riscos quando há associação de outras variáveis de interesse possivelmente relacionadas a alto/baixo risco. Através dos GAM, comparar estimativas feitas a partir de variáveis resposta binomial e multinomial.  Método: O modelo utilizado foi o GAM com variáveis resposta binomial (caso ou controle) e multinomial (controles e casos separados pela gravidade do desfecho estudado). Para a aplicação, se utilizou dados de um estudo caso-controle espacial com base populacional, realizado na cidade de Piracicaba (SP). Resultados: Os modelos ajustados mostraram-se significativos na identificação das áreas de baixo/alto risco. Foi importante a análise conjunta do espaço com as outras covariáveis, pois a inclusão destas modificou as estimativas. Conclusão: O GAM, pouco utilizado na Epidemiologia, se mostrou uma ferramenta útil e abrangente na estimação da distribuição espacial do risco. A abordagem multinomial incorporou informações que se mostraram importantes na compreensão do fenômeno.
MUTAÇÕES DO ÉXON 11 DO GENE KIT EM TUMOR ESTROMAL GASTROINTESTINAL
Zanetti, Anderson ; Lourenço, Gustavo Jacob; Albuquerque, Dulcinéia Martins de; Meirelles, Luciana Rodrigues de; Siqueira, Nadia Sclearuc; Lima, Carmen Silvia Passos;
  INTRODUÇÃO: Os tumores estromais gastrointestinais (GIST) constituem o mais importante grupo de tumores mesenquimais primários do aparelho digestivo. Cerca de 90% desses tumores são determinados por mutações no proto-oncogene KIT, que codifica o receptor transmembrana da proteína tirosina quinase KIT. Tal mutação mantém o receptor ativo independente da ação da proteína e favorece o crescimento do clone maligno. Cerca de 70% dessas mutações são identificadas no éxon 11, 10% no éxon 9, 5% no éxon 13 e 5% no éxon 17 do gene KIT. Não há descrições sobre as mutações distintas do gene KIT em nosso país. Ainda, resposta objetiva e aumento da sobrevida ocorrem em pacientes com GIST tratados com o mesilato de imatinibe. Estas respostas parecem depender do tipo e localização da mutação do gene, o que justifica o esforço para a caracterização molecular de cada tumor. OBJETIVO: Identificar as freqüências de mutações no éxon 11 do gene KIT em pacientes com GIST de nossa região. PACIENTES E MÉTODOS: O DNA de tecidos tumorais embebidos em parafina de 28 pacientes com GIST (11 homens, 17 mulheres; idade mediana: 60 anos, variação: 20 a 72 anos; 22 caucasóides, seis negróides), atendidos no ambulatório de Oncologia, foi avaliado por meio da reação em cadeia da polimerase e sequenciamento automático, com iniciadores que possibilitaram a amplificação do éxon 11 do gene KIT. As amostras que apresentaram deleções no éxon 11 foram submetidas à clonagem gênica. RESULTADOS: Oito mutações no éxon 11 do gene KIT foram identificadas em seis (21,4%) dos 28 pacientes. Mutações pontuais isoladas foram encontradas em três casos. Uma única mutação pontual isolada foi identificada em homozigose no códon 559 (GTT-GAT), com a substituição do aminoácido valina por um ácido aspártico (V559D). As outras duas mutações pontuais isoladas foram encontradas em heterozigose no códon 560 (GTT-GAT), substituindo uma valina por ácido aspártico (V560D). Mutações por deleção, todas em heterozigose, foram encontradas em três pacientes. Em um dos casos, foram identificadas as deleções dos códons 553 ao 558 (TAT-GAA-GTA-CAG-TGG-AAG), com conseqüente deleção dos aminoácidos tirosina, acido glutâmico, valina, glutamina, triptofano e lisina, respectivamente. Em outro caso, foram identificadas as deleções dos códons 550 ao 554 (AAA-CCC-ATG-TAT-GAA), com deleção dos aminoácidos lisina, prolina, metionina, tirosina e ácido glutâmico, respectivamente, além disso, esse caso apresentou também uma mutação pontual, em heterozigose, no códon 555 (GTA-TTA), substituindo uma valina por uma leucina. No último caso, foram identificadas as deleções dos códons 555 ao 558 (GTA-CAG-TGG-AAG), com conseqüente deleção dos aminoácidos valina, glutamina, triptofano e lisina, associado com a inserção dos nucleotídeos CAACCT (del VQWK 555-558QP). Assim, o códon 555 passou a ser CAA (aminoácido glutamina) e o códon 556 passou a ser CCT (aminoácido prolina) e o códon 559 passou a ser o códon 557 e assim respectivamente. CONCLUSÕES: Os nossos resultados indicam: 1) Mutaç&otil
MUTAçõES NOS GENES PI3K, JAK2, FLT3 E NPM1 EM PACIENTES COM SINDROME MIELODISPLáSICA DO HEMOCENTRO UNICAMP.
Machado Neto, João Agostinho; Traina, Fabíola ; Campos, Paula de Melo; Pagnano, Katia Borgia Bar; Lorand-Metze, Irene ; Costa, Fernando Ferreira ; Saad, Sara Teresinha ;
Introdução: Síndrome mielodisplásica (SMD) engloba um grupo heterogêneo de desordens clonais de células-tronco hematopoéticas caracterizadas por hematopoese ineficaz, citopenia refratária e tendência a progredir para leucemia mielóide aguda (LMA). O acúmulo de alterações genéticas está associada com a progressão de SMD para LMA e esforços estão sendo feitos para determinar a importância de várias aberrações genéticas em pacientes adultos com SMD. A via PI3K/AKT é importante no controle de processos celulares como diferenciação, proliferação e apoptose, e mutações PIK3CA são descritas em cânceres. Mutações no gene Janus quinase 2 (JAK2), que atua na via JAK/STAT, tem sido associadas à disfunções hematológicas e ao desenvolvimento de cânceres. FMS-like tirosina quinase 3 (FLT3) é um receptor expresso em progenitores hematopoéticos e mutações no FLT3 já foram descritas em pacientes com LMA e SMD, e podem estar envolvidas na transformação leucêmica. O gene Nucleophosmin (NPM1) é encontrado freqüentemente mutado em LMA e a presença da mutação está associada a melhor sobrevida. O objetivo do presente estudo foi investigar, em pacientes com SMD, a incidência de mutações nos genes PI3K, JAK2, FLT3 e NPM1.   Casuística: Sessenta e cinco pacientes com diagnóstico de SMD foram incluídos no estudo. Segundo a classificação FAB, os pacientes foram distribuídos da seguinte forma: 41 Anemia Refratária (AR), 11 Anemia Refratária com Sideroblastos em Anel (ARSA), 8 Anemia Refrataria com Excesso de Blastos (AREB), 3 Anemia Refrataria com Excesso de Blastos em transformação (AREBt) e 2 Leucemia Mielomonocítica Crônica (LMMC). As amostras foram obtidas de sangue periférico (SP) ou de medula óssea (MO) e foram rastreadas para a presença das mutações PI3KCA (52 MO), FLT3/ITD (52 MO), FLT3 D835 (47 MO), JAK2 V617F (52 MO; 54 SP) e NPM1 (47 MO).   Materiais e Métodos:O estudo de mutações PIK3CA foi realizado por PCR com iniciadores específicos e sequenciamento do DNA. As mutações JAK2 V617F e FLT3 D835 foram rastreadas através de análise por PCR com iniciadores específicos e enzima de restrição específica. A mutação FLT3/ITD foi rastreada através de PCR com iniciadores específicos. As mutações no gene NPM1 foram rastreadas através da genotipagem por tamanho de fragmento de DNA.   Resultados: Mutações PIK3CA, FLT3/ITD, FLT3 D835 e NPM1 não foram encontradas nos pacientes estudados. Um paciente foi heterozigoto para mutação JAK2 V617F. Interessantemente, essa mutação foi identificada neste paciente após a progressão da doença. Inicialmente, o paciente era classificado como LMMC com menos de 5% de blastos na medula óssea e sem a mutação JAK2. A doença dele progrediu com aumento de blastos na medula óssea e leucocitose; e verificou-se a presença da mutação JAK2 no momento da progressão.  Conclusão: Mutação no gene JAK2 em mielodisplasia pode estar relacionada com progressão da doença.
NANOPRECIPITATION VERSUS DOUBLE-EMULSIFICATION METHODS IN PCL INSULIN NANOPARTICLES
Araujo, Thiago Matos Ferr; Teixeira, Zaine ; Caballero, Nelson Durán; Höehr, Nelci Fenalti;
  Introduction   Modern drug carrier systems play an important pathway to turn better the agent in the organism. More than 30 million people around the world suffer from insulin-dependant diabetes mellitus and require daily parenteral injections of insulin; and this treatment comes with the most important regulatory glucose homeostasis. The aim of this study was to prepare and characterize nanoparticles of insulin by two methods. The in vivo assays were performed in tipe 1 diabetic mice.   Materials and methods   All the experiments were performer at 37ºC.   Double-emulsification Human insulin loaded nanocapsules were prepared as follows: 100μL of insulin was added with solution containing policaprolactone (PCL) and span 60 in dichloromethane by ultrasonication, to form the W1/O primary emulsion. After this emulsion was add in another solution containing pluronic F68, and it was sonicated under the same conditions to produce a W1/O/W2 emulsion.   Nanopreciptation The polymer (PCL) and the drug (insulin) were dissolved in acetone. This phase was added by means of a funnel directly into the dispersing phase. Nanoprecipitation occurred as soon as the protein solution was in contact with the dispersing phase. The dispersing phase was constituted of a solvent in which the polymer is insoluble and contains pluronic F68 as a surfactant. Characterization of nanoparticles Particles size was determined with Zetasizer nano ZS (Malvern Instruments Ltd.). Determination of insulin encapsulation was determined by HPLC, using the difference between in total amount of insulin used in the techniques and the volume collected in the supernatant after centrifugation. The morphology of the particles was determined through scanning electronic micrograph in the equipment Jeol JSM-6360LV.    Results   The morphology of the nanoparticles was the similar in both the techniques, and can be seen in the pictures bellow, obtained with scanning electronic micrograph. The differences between size and the efficiency insulin encapsulation could be seen in the table bellow (n=3). Conclusion   This work determined some differences between the two methods to prepare insulin nanoparticles by PCL. Double-emulsification is a technique time-consuming in relation to longer than nanoprecipitation, but the second method showed smaller particles. How ever a double-emulsification had a higher encapsulation efficiency, as showed by in vivo experiments it could be better when the organism have had a glucose control and nanoprecipitation should be preferred effect when the glucose levels are higher, because the free drug could have a faster action.        References   1) Aguiar, M. M. G., Rodrigues Jr., J. M., Cunha, A. S. – Encapsulation of insulin-cyclodextrin complex in PLGA microspheres: a new approach for prolonged pulmonary insulin delivery. Journal of Microencapsulation 21, 553-564 (2004). 2) Zhu, Y., Zhang, G., Hong, X., Dong, J., Xia, B. Influense of emulsifiers on the synthesis of insulin-loaded nanocapsules in double-emulsion. Chinese Journal of Chemistry 24, 109 – 113 (2006). 3) Rabinow, B. E. – Nanosuspensions in drug delivery. Nature Reviews (Drug Delivery) vol. 3, 785 – 796 (2004).
NEFROGêNESE IN VITRO: A HIPERTENSãO PODE SER PROGRAMADA DESDE O DESENVOLVIMENTO?
Mesquita, Flávia Fernandes; Gontijo, José Antonio Rocha; Bertram, John ; Armitage, James ; Boer, Patrícia Aline ;
  Os efeitos da desnutrição materna durante a gestação são alvos de muitos estudos devido às sérias consequências que acarretam ao feto. Uma destas consequências é a “hipertensão programada”, que se manifesta na idade adulta. A esta hipertensão são atribuídos diversos fatores, sendo um dos mais relevantes, a diminuição de cerca de 30% no número de nefrons, levando a alterações na manipulação de sódio, filtração glomerular e assim, função renal. Embora a diminuição no número de nefrons quando o feto atinge idade adulta tenha sido demonstrada em 1992 não é conhecido o momento de interrupção da nefrogênese. Sabendo que o sistema renina-angiotensina (SRA) exerce um papel preponderante durante a nefrogênese, influenciando no número final de nefrons, o objetivo deste trabalho foi verificar a expressão gênica de componentes deste sistema relacionada ao número de nefrons e a influência do brotamento uretérico entre os 14º e 17º dias gestacionais em um modelo de restrição protéica. Ratos fêmeas Sprague-Dawley foram submetidos à dieta normoproteica (19%)-NP, ou hipoproteica (9%)-HP durante duas semanas prévias a gestação e durante o período gestacional. Para os estudos in vitro os embriões foram dissecados e coletou-se metanefrons no 14° dia gestacional, os quais foram colocados imediatamente em meio de cultura, em estufa por 48h. Após este período, os metanefros foram fixados e corados através de imunoistoquimica para citoqueratina. Em microscópio de fluorescência, as ramificações do broto uretérico foram quantificadas e revelaram que já no inicio da nefrogênese, há redução no número de brotamentos uretéricos do grupo HP em relação ao grupo NP de 27%, o que poderá representar futuramente a redução no número de nefrons. O número de glomérulos foi estudado na idade gestacional de 17.5 dias, pela técnica de estereologia, a qual revelou a redução em 25% no número de glomérulos formados ou em formação do grupo HP em relação ao NP. Os componentes do SRA (angiotensinogênio, renina, receptores AT1a, AT1b e AT2) foram estudados em embriões macho através da técnica de RT-PCR na idade gestacional de 15.5 e 17.5 dias e verificamos que estes estão regulados negativamente podendo estar relacionado a gênese e/ou conseqüência da diminuição no brotamento e consequentemente no número de nefrons. Nossos resultados demonstram que a desnutrição protéica materna em um curto período pré concepção e nos primeiros 2/3 da gestação é suficiente para perturbar a nefrogênese levando à disfunção renal e possivelmente à hipertensão arterial na vida adulta.
NEW SPECIFIC INHIBITORS OF BREAST CANCER
Oliveira, André ; Rittner, Roberto ; Carvalho, João Ernesto ; Silva, Thiago ; Höehr, Nelci ;
Background: Breast cancer is the most prevalent form of cancer in the world and several aspects (family history, etc.) have been continuously and recently reviewed. A multi-national program is funding the study of Trastuzumab and Lapatanib as drugs against breast cancer, in Brazilian patients, due to its high mortality rate (14.45 in the South, with an annual increase of 0.47). Our experience with several biologically active compounds (e.g. adenosine kinase inhibitors) has led to a requested patent: PCT/BR2004/000196, Chem Abs.: WO2005085213-A1; BR200400869-A). Methods: A new set of novel nitrogen heterocyclic compounds was synthesized and tested using human tumor cell lines: melanoma (UACC), breast (MCF7), drug-resistant ovarian (NCIADR), renal cell carcinoma RCC (786O), lungs (NCI460), prostate (PCO3), ovarian (OVICAR3), colon (HT29) and leukemia (K562), in 0.25 to 250 µg/ml range concentration. Doxorrubicine was used as a reference compound. Results: The obtained data showed that some substituted compounds (bromine and dimethylamino derivatives) presented cytotoxicity to all cell lines, while other compounds (methyl and hydrogen derivatives) were specific for breast cancer at low concentrations. Conclusions: Despite the same framework is present in the tested compounds, the substituent is critical to determine its biological and specific activity. Work is in progress to synthesize new derivatives, to elucidate how changes in the substituents may lead to a higher or smaller activity. Theoretical studies are also being undertaken to elucidate if there is any relationship between electronic structure or steric effects and its biological activity. (FAPESP).  
NÍVEIS DE ZINCO PLASMÁTICO E LEUCOCITÁRIO EM ADOLESCENTES COM HEPATITE AUTO-IMUNE
Pereira, Thalita Cremonesi; Hessel, Gabriel ;
RESUMO A deficiência de zinco em crianças ou adolescentes acarreta danos ao crescimento, desenvolvimento e ao sistema imune dos indivíduos. Essa deficiência ainda não foi investigada em pacientes com hepatite auto-imune que apresentam comprometimento hepático e utilizam medicamentos que podem causar a deficiência de vitaminas e minerais no organismo. Esta pesquisa teve por finalidade verificar a existência de deficiência de zinco plasmático e/ou leucocitário em adolescentes com hepatite auto-imune. Para isso, participaram do estudo 23 pacientes com hepatite auto-imune entre 10 e 18 anos atendidos no Ambulatório de Hepatologia Pediátrica do Hospital de Clínicas da Unicamp e 23 adolescentes com idade pareada com os pacientes formaram o grupo controle. Foi coletado sangue dos indivíduos dos dois grupos em quantidade suficiente para preencher dois tubos de heparina para a dosagem de zinco leucocitário e um tubo de EDTA para a análise de glutationa reduzida eritrocitária. O zinco plasmático foi analisado pelo HC/Unicamp como exame de rotina. Foi avaliado nos grupos o estado nutricional por meio da aferição de dados antropométricos como peso, altura, circunferência do braço, prega cutânea tricipital e subescapular. Somente no grupo de pacientes também foi realizado o exame de bioimpedância elétrica com aparelho que fornecia dados de resistência e reactância que foram utilizados em cálculos por equações preditivas para estimar a gordura corporal dos pacientes. A ingestão alimentar dos pacientes e do grupo controle foi avaliada pelo preenchimento, pelos próprios adolescentes, de três dias de diário alimentar. Os testes estatísticos empregados foram o de Mann Whitney, correlação de Spearman e análise de concordância interclasses. O nível de significância adotado foi de 5%. A média de zinco plasmático nos pacientes foi de 71.91±11.79 µg/dl e no grupo controle foi de 80.74±10.92 µg/dl, essa diferença foi significante (p=0.04). O nível de zinco leucocitário nos pacientes foi igual a 222.33±166.13 pmol/106 células e no grupo controle foi de 226.64±217.81 pmol/106 células, não ocorrendo diferença estatisticamente significante entre esses (p=0.45). A análise de glutationa mostrou média de 57.34±25.95 mg/dl nos pacientes e de 52.55±23.08 mg/dl no grupo controle, sem diferença estatística (p=0.50). A avaliação do estado nutricional mostrou que a eutrofia é prevalente nos pacientes e estes possuem maior valor de gordura corporal que o grupo controle com diferença significativa. A ingestão alimentar média de zinco (mg/dia) foi de 9.40±3.60 nos pacientes e de 10.94±4.32 no grupo controle, sendo que esta diferença não foi significante (p=0.16). Em comparação com as recomendações nutricionais, a ingestão de zinco e macronutrientes apresenta alta probabilidade de adequação tanto nos pacientes como no grupo controle. Entretanto, a proteína foi o único nutriente estudado que apresentou ingestão significantemente menor nos pacientes quando comparada ao grupo controle, mas ainda dentro do ideal. Conclui-se que os pacientes com hepatite auto-imune apresentam deficiência de zinco plasmático; não apresentam deficiência de zinco leucocitário; possuem ingestão alimentar adequada em relação à Zn, carboidratos, proteínas e li
NON-TUMORIGENIC MELANOCYTE CELL DEATH INDUCED BY FATTY ACID SYNTHASE INHIBITORS
Rossato, Franco A.; Zecchin, Karina G.; Castilho, Roger F.; Graner, Edgar ; Vercesi, Anibal E.;
Fatty acid synthase (FASN) is the anabolic enzyme responsible for the endogenous synthesis of saturated fatty acid palmitate from acetyl-CoA and malonyl-CoA. In contrast to most normal cells, malignant cells depend on FASN activity for growth and survival. FASN is overexpressed in a variety of human cancers including cutaneous melanoma, in which its levels of expression are associated with a poor prognosis and depth of invasion. We have previously shown that the specific inhibition of FASN activity by orlistat significantly reduces proliferation and promotes apoptosis in the mouse metastatic melanoma cell line B16-F10. However, the toxicity of FASN inhibitors in normal cells are not well known. Here we investigated the effects of FASN inhibitors in non-tumorigenic melanocytes, melan-a. FASN inhibitors cerulenin or orlistat induced cell death mainly by apoptosis, which was preceded by caspase-3 activation. These effects were attained with cerulenin and orlistat concentrations 50% and 10%, respectively, of those necessary to induce apoptosis in tumor cells. Cerulenin, but not orlistat, significantly reduced melan-a cell proliferation as evidenced by a decreased number of cells in S phase. In contrast to the mechanism of tumor cells death mediated by oxidative stress no redox changes were observed either in mitochondria or cytosol from melan-a cells. In addition, apoptosis in melan-a cells did not require the involvement of the tumor suppressor protein p53, as observed in melanoma cells. Together these findings suggest that non-tumorigenic cells are more sensitive to FASN inhibitors and show different apoptotic pathways than tumor cells.
NOVO MODELO EXPERIMENTAL DE INDUçãO DE CISTITE INTERSTICIAL POR STRESS OXIDATIVO USANDO INSTILAçãO INTRAVESICAL DE SOLUçãO DOADORA DE óXIDO NíTRICO
Palma, Thais ; Riccetto, Cassio ; Souto, Sophia ; Seabra, Amedea ; Maciel, Luiz Carlos; Oliveira, Marcelo G;
A cistite intersticial (CI) é uma doença crônica caracterizada por dor supra-púbica, urgência urinária, aumento de freqüência urinária e noctúria. A etiologia da CI permanece incerta e existem várias teorias que tentam explicá-la. Uma das causas parece ser o defeito na camada protetora de glicosaminoglicanos (GAG) da mucosa vesical, que permite a passagem de urina para o interstício da parede da bexiga, levando à uma inflamação transmural difusa. Pacientes com CI têm sido frequentemente associadas com desordens imunológicas crônicas. Esses pacientes teriam anticorpos contra as células da mucosa ou do músculo, ou vários outros tecidos conectivos componentes da bexiga (3). A regulação da atividade da enzima óxido nítrico sintase (NOS) urinária tem sido proposta como fator importante na resposta imunológica da CI. O diagnóstico de CI é clínico, baseado nos sintomas e na exclusão de outras doenças da bexiga. Há relatos tanto de aumento quanto de diminuição de níveis de óxido nítrico (NO) em paciente com CI, não havendo um consenso quanto os níveis de NO na bexiga do paciente com CI. Não há estudos relatando os efeitos do NO sobre o urotélio e a camada muscular própria da bexiga. O propósito desse projeto é estudar do ponto de vista anatomo-patológico, os efeitos de uma solução polimérica aquosa de doador de óxido nítrico sobre o urotélio e a camada muscular própria da bexiga de ratas submetidas a indução de cistite com sulfato de protamina e cloreto de potássio. Foram encontrados resultados que sugerem que a solução do protamina, modelo já conhecido na literatura, e o óxido nítrico causaram efeitos inflamatórios similares, no que diz respeito à fibrose e congestão vascular.Com isso, surge a possibilidade de um novo modelo experimental de indução de cistite, através de stress oxidativo, mais semelhante à inflamação causada pela cistite intersticial. Com isso, novos estudos em busca de uma cura podem ser realizados.
NOVOS FATORES PROGNóSTICOS DERIVADOS DA ANáLISE DA SOCIOLOGIA CELULAR EM CãES COM MASTOCITOMAS CUTâNEOS ESPONTâNEOS
Elston, Lilian Barreto; Adam, Randall Luiz; Metze, Konradin ;
Introdução: O Mastocitoma Cutâneo Canino (MCC) é a neoplasia cutânea espontânea mais comum dos cães e apresenta comportamento variável. A subjetividade de alguns parâmetros prognósticos histológicos foi apontada como fator que dificulta a previsão do curso clínico. Neste aspecto tem sido enfatizado na literatura que ferramentas matemáticas aplicadas à microscopia podem oferecer maior confiabilidade e reprodutibilidade. A “análise sintática estrutural” ou “sociologia celular” é o estudo das inter-relações entre a função celular e sua posição espacial no tecido, e permite avaliar quantitativamente e objetivamente as características arquiteturais usando princípios topológicos e da teoria dos grafos. O objetivo deste estudo foi procurar novos fatores prognósticos a partir da análise da sociologia celular em lâminas histológicas de rotina de MCC espontâneo.   Material e métodos: Dados clínicos completos e amostras de MCC espontâneos foram obtidos em 56 cães. Após fixação em formaldeído e inclusão em parafina, os cortes histológicos corados com hematoxilina e eosina foram utilizados para a captura de imagens digitais em campo claro com objetiva de 40X. Os núcleos dos mastócitos foram marcados interativamente utilizando-se o programa Cell Sociology (desenvolvido do Instituto de Computação da UNICAMP a ser registrado no INPI), que construiu árvore geradora mínima (MST) e a triangulação de Delaunay (DT) e que indica as relações de adjacência de forma natural. A análise de sobrevida global foi feita através da regressão Cox (Programa SPSS 10) executada, adotando-se como estatisticamente significativas as variáveis com p<0,05.   Resultados: Encontramos como fatores prognósticos em relação à sobrevida global as seguintes variáveis: Coeficiente de Variação (CV) da distância ao mastócito vizinho mais próximo (p=0,034); CV da distância ao 2º mastócito vizinho mais próximo (p=0,043); ao 3º mastócito vizinho mais próximo (p=0,034) e ao 4º mastócito vizinho mais próximo (p=0,050); o CV da luminância dos pontos marcados (p=0,020) e das arestas da MST (p=0,012)e o CV do ângulo mínimo dos triângulos da triangulação de Delaunay (p=0,028); o CV do perímetro dos triângulos da DT (p= 0,045); a média do angulo mínimo dos triângulos da DT (p= 0,033);   Conclusões: Parâmetros objetivos que descrevem as características do posicionamento espacial dos mastócitos nos MCC, calculados por meio do estudo da sociologia celular, podem ser utilizados como fatores prognósticos do MCC. Em MCCs com comportamento maligno há um profundo remodelamento da posição espacial das células neoplásicas no tecido em comparação com MCCs não agressivos. Estes resultados preliminares deverão ser confirmados por estudos adicionais, em relação à reprodutibilidade e à resposta terapêutica.
O EFEITO DA DRENAGEM LINFáTICA MANUAL EM GESTANTES NO FINAL DA GRAVIDEZ.
Spaggiari, Cristina Wenderholm; Pinto e Silva, João Luiz de Carvalh; Costa, José Vilton;
    O objetivo deste trabalho foi avaliar a efetividade e a segurança da Drenagem Linfática Manual no tratamento de mulheres com edema de membros inferiores no terceiro trimestre de gravidez. Foi realizado um estudo não controlado tipo antes e depois com 20 gestantes inscritas nos programas de Assistência Pré-natal do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Unicamp. Todas apresentavam diagnóstico clínico de edema nos membros inferiores a partir de 28 semanas de gravidez. Um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido foi assinado por cada gestante antes do agendamento das sessões de drenagem aplicadas pela fisioterapeuta pesquisadora. Medidas de cirtometria, peso e pressão arterial foram aferidas antes a após a massagem. Todas responderam a um questionário qualitativo antes e após cada sessão, que teve duração aproximada de 40 minutos. As consultas, coincidiram com os retornos médicos pré-natais. O procedimento da drenagem obedeceu a técnicas padronizadas escolhidas pela pesquisadora. Os dados foram armazenados em um banco de dados do programa Excel. A análise estatística utilizou o teste t de Student para as variáveis contínuas de distribuição normal e de Wilcoxon pareado para os dados de distribuição não-normal. Todos os testes foram avaliados à nível de significância de 5%. O resultado da análise das medidas cirtométricas de todos os locais das extremidades inferiores, antes e após a drenagem, mostrou redução significativa das circunferências das pernas (média de 0,4 a 0,6 cm). Igualmente, observou-se que a pressão arterial materna não se alterou significativamente após cada sessão (média de +/- 10 mmHg). A comparação dos sintomas associados ao edema como dor, formigamento, sensação de peso e inchaço, analisados através da escala visual analógica, com a percepção das mulheres após a DLM mostrou melhora estatisticamente significativa. O grau de satisfação das mulheres na resolução do edema e sintomas associados medidos até a última sessão foi significativo (média de 9,5 a 10 – escala de 0 a 10). A conclusão do estudo foi que a Drenagem Linfática Manual proporcionou redução do edema e sintomas associados nos membros inferiores de mulheres a partir da 28º semanas de gravidez, sem alterar significativamente a pressão arterial, proporcionando alto grau de satisfação às pacientes.    
O EXERCÍCIO FÍSICO E A INTERLEUCINA-6 NO CONTROLE DA INGESTÃO ALIMENTAR.
Ropelle, Eduardo R; Flores, Marcelo B; Cintra, Dennys E; Pauli, José R; Rocha, Guilherme Z; Souza, Claudio T; Moraes, Juliana C; Velloso, Lício A; Saad, Mario JA; Carvalheira, José BC;
Introdução: O aumento da prevalência de obesidade vem se revelando como um dos mais importantes fenômenos clínico-epidemiológicos da atualidade. Fatores como a mudança do hábito alimentar e o estilo de vida sedentário desempenham um papel relevante na patogênese desta doença. O hipotálamo controla a homeostase energética através de uma complexa rede neuronal modulada por diferentes vias de sinalização. Recentemente estudos apontam que o processo inflamatório e o estresse de retículo endoplasmático (RE) observados em modelos de obesidade estão diretamente associados ao fenômeno de resistência à insulina e leptina no hipotálamo e resultam em aumento da ingestão alimentar e ganho de peso.  Objetivo: No presente estudo, nós investigamos os efeitos do exercício físico e da Interleucina-6 (IL-6) sobre o processo inflamatório e o estresse de RE no hipotálamo e relacionamos esses efeitos com a ingestão alimentar em ratos obesos. Métodos: As técnicas de Western blot, microscopia confocal, e real-time PCR foram associadas para avaliar os efeitos do exercício e da IL-6 sobre a inflamação e o estresse de RE no hipotálamo de ratos obesos e camundongos deficientes de IL-6. Resultados: A dieta rica em gordura saturada aumentou a sinalização inflamatória através da ativação do IKKb e também induziu o estresse de RE no hipotálamo de ratos, em paralelo a estes fenômenos observamos severa resistência central à insulina e leptina e aumento da ingestão alimentar diária. Uma única sessão de exercício foi suficiente para aumentar os níveis circulantes e hipotalâmicos da IL-6 e reduzir a fosforilação do IKKb e o estresse de RE no hipotálamo, restaurando parcialmente a sensibilidade central à insulina e leptina e reduzindo ingestão alimentar nestes animais. A infusão intracerebroventricular (ICV) do anticorpo anti-IL-6 em animais obesos antes da realização do exercício, bloqueou todos os efeitos mediados pelo exercício no hipotálamo. Por outro lado, a infusão ICV do peptídeo da IL-6 mimetizou os efeitos do exercício em ratos obesos em repouso, reduzindo a fosforilação do IKKb e o estresse de RE, restaurando a sensibilidade central à insulina e leptina e reduzindo ingestão alimentar. No entanto, o exercício falhou em melhorar a sinalização de insulina e leptina no hipotálamo de camundongos mutantes que não produzem IL-6. De maneira interessante, a sensibilidade a insulina e leptina no hipotálamo desses camundongos foram restabelecidas após a administração exógena  de IL-6 via ICV. Conclusão: Nossos resultados demonstraram que o exercício reduziu a ativação do IKKb e o estresse de RE no hipotálamo, melhorou a sinalização da insulina e leptina e reduziu a ingestão alimentar de maneira dependente da IL-6 em roedores. Assim, a produção de IL-6 mediada pela contração muscular é um importante fator para restabelecer a ação da insulina e leptina no hipotálamo e reduzir a ingestão alimentar em fenótipos de obesidade. Apoio: FAPESP e CNPq.
O PAPEL DOS MICRORNAS NAS MALFORMAçõES DO DESENVOLVIMENTO DO CóRTEX CEREBRAL
Dogini, Danyella Barbosa ; Ribeiro, Patrícia A. O. ; Pereira, Tiago Campos; Tedeschi, Helder ; Oliveira, Evandro P. L.; Maurer-Morelli, Claudia Vianna; Cendes, Fernando ; Lopes-Cendes, Iscia ;
  Introdução: MicroRNAs (miRNAs) são moléculas recém-descobertas de RNA não-codificadores que possuem de 21 a 24 nucleotídeos e que regulam a expressão após a transcrição dos genes alvos. Essa regulação pode ser realizada através da inibição da tradução ou da degradação do RNA mensageiro. Os miRNAs estão envolvidos em vários processos biológicos como, diferenciação celular e desenvolvimento embrionário. Objetivo: Com o objetivo de investigar o papel dos miRNAs nas malformações do desenvolvimento do córtex cerebral, nós quantificamos 157 miRNAs diferentes em tecidos de pacientes com displasias corticais. Material e Métodos: O RNA total foi extraído dos tecidos dos pacientes que se submeteram a procedimento cirúrgico para controle das crises epilépticas por displasias corticais focais. Esse RNA foi transcrito reversamente utilizando-se o kit Stem-Loop primers (Applied Biosystems) e, em seguida usado em reações de PCR em tempo real com o sistema TaqMan™. Resultados: Análises de bioinformática identificaram três miRNAs (let7d, miR29b e miR30d) com alteração de expressão significativa em relação ao tecido controle. Discussão e conclusões: Esta é a primeira constatação do envolvimento de miRNAs nas malformações do desenvolvimento cortical o que abre novas linhas de investigação na fisiopatologia dessas anomalias. Nos tecidos dos pacientes com lesões displásicas, esses três miRNAs parecem estar envolvidos no controle de genes relacionados a apoptose.                                                                        Financiado por CAPES e FAPESP.
O PERFIL DE EXPRESSãO DE RNAS EM CéLULAS ESTROMAIS DE PACIENTES COM SíNDROME MIELODISPLáSICA.
Baratti, Mariana Ozello; Moreira, Yuri B; Traina, Fabíola ; Costa, Fernando Ferreira; Verjovski-Almeida , Sérgio ; Saad, Sara Teresinha ;
Síndromes Mielodisplásicas (SMDs) constituem um grupo heterogêneo de desordens hematopoiéticas, caracterizada por uma hematopoiese ineficaz. O microambiente da medula óssea desenvolve um importante papel na patogenese e perpetuação dos defeitos das células precursoras hemtopoiéticas nas SMDs. Tecnologia de microarranjo (microarray) tem permitido mapear atividade transcricional do genoma humano. RNAs transcritos de regiões intrônicas estão envolvidos em processos de controle transcricional e pós-transcricional, regulação da clivagem dos íntrons e associados à vários cânceres. Caracterização de transcritos intrônicos em células estromais de pacientes SMDs representa uma estratégia importante para entendimento da regulação da expressão gênica desta doença. Conduzimos um estudo piloto em  células estromais de 3 pacientes SMD-ARSA e 4 indivíduos saudáveis. Para isso, utilizamos lâmina com 44k íntron-éxon humanos (Verjorvski-Almeida e col., impressa por Agilent Technologies) constituída de transcritos codificantes de proteína, fita sense e antisense de transcrito totalmente intrônico não-codificante (TIN) e parciamente intrônico não-codificante (PIN). As células estromais foram isoladas de amostras de medula óssea através de gradiente de Ficoll-Paque Plus (Amersham). A integridade do RNA total extraído foi confimado por Agilent Bioanalyzer 2100. 150ng de cada RNA total foi amplificado usando kit Agilent Low RNA Input Fluorescent Linear Amplification, two-Color, hibridizado utilizando kit Gene Expression Hybridization (Agilent), e escaneado por GenePIX 4000B Scanner (Molecular Devices). Os dados foram extraídos por Agilent Feature Extraction Software9.5. Para análise, foi considerado somente intensidade significantemente acima da média do ruído das amostras. Os dados foram normalizados por quantil usando programa Spotfire DecisionSite®. Para identificar genes diferentemente expressos entre SMDs-ARSA e indivíduos saudáveis, aplicamos leave-one-out cross-validation seguido de SAM (análise de significância para microarranjos) que proferiu a análise estatística por teste-t, 500 permutações e FDR<5%. Depois filtramos as amostras aplicando um  fold change>2. Identificamos 45 genes diferentemente expressos (40 hiper e 5 hipoexpressos), dos quais 13 foram TIN e PIN (11 hiper e 2 hipoexpressos). Os transcritos exônicos foram agrupados de acordo com as vias canonicas e funções biológicas usando o programa Ingenuity Pathways Analysis. Verificamos que a maioria dos genes participam da via de sinalização de quimiocinas e estão relacionadas com câncer, morfologia celular e morte celular. Estes resultados demonstram pela primeira vez o perfil expressão diferencial em células estromais de pacientes SMD-ARSA e que 29% de todos genes diferencialmente expressos correspondem a transcritos TIN e PIN, sugerindo que transcritos intrônicos podem ter participação durante desenvolvimento da SMD.
O QUE SãO MEDICAMENTOS GENéRICOS? AVALIAçãO DO CONHECIMENTO EM GRUPO DE JOVENS (16-21 ANOS)
Tanaka, Michele Tami; de Souza, Cinthia Madeira; Lancellotti, Marcelo ; Almeida, Wanda Pereira; Mazzola, Priscila Gava ; Moriel, Patricia ;
A Política Nacional de Medicamentos, como parte essencial da Política Nacional de Saúde, constitui um dos elementos fundamentais para a efetiva implementação de ações capazes de promover a melhoria das condições da assistência à saúde da população. O seu propósito precípuo é o de garantir a necessária segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a promoção do uso racional e o acesso da população àqueles considerados essenciais. Em fevereiro de 1999, entrou em vigor a Lei dos Medicamentos Genéricos (Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999), no entanto, o personagem mais importante dessa mudança é o consumidor. Em 2008, os alunos do curso de Farmácia aproveitaram a oportunidade de receber aproximadamente 60 mil visitantes durante a UPA (Unicamp de Portas Abertas) e realizaram pesquisa acerca do conhecimento sobre medicamentos genéricos. Nesta oportunidade foram entrevistadas 427 pessoas com idades entre 15 e 22 anos (5% com até 15 anos, 87% entre 16-21 anos e 8% acima de 22 anos). A entrevista consistiu em algumas perguntas simples. No geral houve grande dificuldade nas respostas. Aproximadamente 74% dos entrevistados não souberam diferenciar medicamentos genéricos, similares e referências. No que diz respeito à eficácia, 78% dos entrevistados afirmou que os genéricos e os referências apresentam o mesmo efeito. Portanto, observa-se que apesar dos medicamentos genéricos estarem em circulação há 10 anos a população não foi educada para diferenciar suas categorias e basear a compra não apenas na comparação de preços. O papel do profissional farmacêutico torna-se essencial para implantação adequada para as novas Políticas Nacionais de Medicamentos.
O SILENCIAMENTO GÊNICO MEDIADO POR VÍRUS COMO MECANISMO DESENCADEADOR DE DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL
Moraes, Maria Luiza Lança de ; Cendes, Íscia Lopes; Pereira, Tiago Campos ;
  O SILENCIAMENTO GÊNICO MEDIADO POR VÍRUS COMO MECANISMO DESENCADEADOR DE DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL   Maria Luiza Lança de Moraes, Iscia Lopes-Cendes e Tiago Campos Pereira   Departamento de Genética Médica, Faculdade de Ciências Médicas Universidade Estadual de Campinas– UNICAMP     Em um estudo recente, o vírus humano do herpes 6B (HHV-6B) fora associado a um tipo específico de epilepsia em alguns pacientes, nos quais há também uma redução do nível de RNA mensageiro do gene EAAT. Contudo o mecanismo pelo qual o gene EAAT encontra-se reprimido é totalmente desconhecido, assim como se este evento é a causa ou conseqüência da replicação de HHV-6B nas células afetadas. Esta descoberta é intrigante porque vários vírus podem induzir um fenômeno conhecido como Silenciamento Gênico Mediado por Vírus (em inglês VIGS), no qual o patógeno reprime um determinado transcrito através de siRNAs. O estudo para encontrar possíveis siRNAs derivados de vírus contra determinados genes apresentou dados interessantes. Algumas análises de pares vírus/gene não apresentam hits (possíveis siRNAs). Apenas uma análise até o instante apresentou hits com 100% de identidade. A maioria das demais 32 análises apresentou seqüências do tipo 19/21 (19 nucleotídeos idênticos entre 21). O par que apresentou total identidade é Human Herpesvirus 6b / doublecortin (DCX). Esta descoberta é potencialmente um novo mecanismo para explicar defeitos na expressão de DCX, agora via VIGS. Das análises que apresentaram um elevado número de hits pode-se observar a incidência do gene alvo HUNTINTINA. Este fenômeno poderia explicar a forma juvenil da doença de Huntington em uma situação na qual o indivíduo afetado não tenha pais portadores da mutação. A doença surgiria, então, dentro de um quadro de infecção especialmente incomum e crônica com vírus da Raiva ou Poliomielite.
OS NITRITOS SÃO IMPORTANTES NA GÊNESE DO ADENOCARCINOMA ASSOCIADO AO ESÔFAGO DE BARRETT ? ESTUDO EXPERIMENTAL.
Módena, Sérgio Ferreira; Meirelles, Luciana Rodrigues; Araujo, Marina Rachel de;
  RESUMO O objetivo desta pesquisa foi analisar o modelo experimental de refluxo duodenogastroesofágico e a ingestão de solução de nitrito de sódio na gênese do adenocarcinoma associado ao esôfago de Barrett. Sessenta ratos machos Wistar foram divididos em quatro grupos, com vinte animais controles não operados (10 animais ingeriram somente água e 10 animais ingeriram água mais solução de nitrito de sódio) e quarenta animais submetidos a anastomose duodenogastroesofágica látero-lateral (20 animais ingeriram somente água e 20 animais ingeriram água mais solução de nitrito de sódio). A classificação de Viena para displasia e adenocarcinoma foi empregada na análise dos resultados. Após 42 semanas de observação, nos animais operados sem ingestão de nitritos o esôfago de Barrett foi registrado em 26,3% (5/19) dos animais, enquanto no grupo operado associado à ingestão de nitritos, foi encontrado em 72,3% (13/18) dos animais, sendo que neste grupo também foi encontrado seis adenocarcinomas (33,3%). Nenhum animal não operado apresentou o esôfago de Barrett. As categorias 2, 3 e 5 da classificação de Viena somente foram encontradas nos animais operados que ingeriram nitrito de sódio (66,7%). Concluem que a ingestão de nitrito de sódio associado ao refluxo duodenogastroesofágico têm importante participação na gênese do adenocarcinoma associado ao esôfago de Barrett.
OS SENTIDOS DAS PRáTICAS TERAPêUTICAS CONVENCIONAIS E NãO CONVENCIONAIS NO TRATAMENTO DO CâNCER
Spadacio, Cristiane ; Barros, Nelson Filice;
Tem havido um crescimento exponencial no uso das Medicinas Alternativas e Complementares (MAC), principalmente em países ocidentais desenvolvidos. A literatura corrente indica que também em países em desenvolvimento e pobres, a medicina não biomédica permanece como um elemento significativo no tratamento. O crescimento do uso das MAC é, também, perceptível no caso de pacientes oncológicos. Este trabalho pretende-se parte de um programa sociológico das MAC no campo da saúde no Brasil, tendo como foco o uso de MAC por pacientes em tratamento do câncer. Dessa forma, esta pesquisa busca compreender os sentidos do uso de MAC por pacientes em tratamento do câncer no Serviço de Oncologia do HC/Unicamp. Para tanto, foi preciso: 1) analisar como os pacientes lidam com o binômio saúde/doença na situação de doença oncológica; 2) identificar as motivações para o uso das MAC no tratamento do câncer e os processos subjacentes à decisão do uso das MAC: sua seleção, interpretação, aquisição da informação sobre essas técnicas, que delimitam os sentidos; e, 3) mapear as redes de sociabilidades que influenciam na decisão pelo tratamento convencional e o não convencional do câncer. Teoricamente, essa pesquisa ancora-se na teoria praxiológica de Pierre Bourdieu, articulando principalmente o conceito habitus com a noção de modernidade reflexiva de Anthony Giddens. Esse estudo recorre a duas técnicas de coleta de dados: a entrevista em profundidade e o diário de campo. O Diário de Campo possibilitou apreender a trajetória e as modificações que foram ocorrendo principalmente no discurso dos envolvidos, durante os encontros. Tomando a entrevista como “técnica privilegiada de comunicação”, realizamos a modalidade de entrevista aberta ou em profundidade. Esse tipo de técnica propicia o entrevistado a falar livremente, sem que esteja preso a questões já pré-estabelecidas pelo investigador. Os produtos da pesquisa, a partir das entrevistas e do Diário de Campo foram, a construção de categorias analíticas e a produção de narrativas. Os resultados foram, então, organizados a partir das seguintes categorias de análise: a) Itinerários pelos serviços de saúde; b) Saúde-doença: construções e percepções; c) O tratamento; d) Serviço de Saúde Unicamp – significados; e) Outros tratamentos; f) Redes de Sociabilidade. Verifica-se, dessa forma, a importância de estudos qualitativos na área da saúde para entender a construção de sentidos sobre uma determinada situação de saúde e doença a partir da perspectiva dos pacientes, levando-se em conta seus discursos, falas imersas em condicionantes sociais e pessoais que delineiam seus habitus e determinam suas escolhas terapêuticas.
OXIDAÇÃO DA LDL, ATEROSCLEROSE CAROTIDEA E PROTEÍNA DE TRANSFERÊNCIA DE ÉSTERES DE COLESTEROL (CETP) EM ADULTOS SEM DOENÇA ATEROSCLERÓTICA OU FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR
Santiago, Fernanda Dutra; Moriel, Patrícia ; Schreiber, Roberto ; Nakamura, Rui T; de Faria, Eliana Cotta;
Introdução: A oxidação da LDL tem papel fundamental na patogênese da aterosclerose. Aumentos séricos da LDL oxidada (LDLox), assim como dos títulos de autoanticorpos contra epítopos da LDLox (acLDLox), por esta ser uma lipoproteína oxidada e pró-inflamatória, associam-se positivamente com a aterogênese e com complicações clínicas da aterosclerose (Holvoet 2008). Objetivo: Caracterizar em adultos normolipidêmicos assintomáticos e sem doença aterosclerótica manifesta a geração da LDLox e dos acLDLox e determinar o efeito destes parâmetros sobre as proteínas reguladoras do das lipoproteínas plasmáticas, CETP, proteína de transferência de fosfolípides (PLTP), lipase hepática (LH) e lipoproteína lipase (LPL) e sobre a aterosclerose precoce de carótidas. Métodos: Oitenta voluntários adultos normolipidemicos, assintomáticos, de ambos os sexos (59% mulheres e 41% homens), com idade entre 18 e 78 anos foram selecionados para o estudo. Lípides, lipoproteínas e atividades de CETP, PLTP, LPL e LH foram determinados. A LDLox plasmática foi analisada colorimétricamente (kit Mercodia) e os acLDLox através de imunoensaio (ELISA). A espessura da íntima média (EIM) de carótidas foi determinada usando ultrasonografia doppler. Cálculos de percentis, teste de Kruskall-Wallis, análise de covariância e correlações parcializadas com ajustes para idade, sexo, índice de massa corporal e pressão arterial sistólica foram realizadas. Resultados: O grupo do terceiro tercil de LDLox (≥70,0 U/L, n=27) apresentou, com relação aos outros tercis, maiores concentrações de colesterol (+68%, p≤0,001), LDL-C (+67%, p≤0,001) e apoB100 (+63%, p≤0,001) e menor transferência de ésteres de colesterol, atividade de CETP (-63%, p≤0,011)Já o grupo do terceiro tercil para acLDLox (≥35%, n=26), com relação aos outros tercis, mostrou maior concentração de apoB100 (+93%, p≤0,049) e um aumento importante mas limítrofe (+76%,p<0,06) da EIM de carótidas. Não houve correlações significativas entre LDLox, acLDLox, EIM de carótidas, CETP, LPL e LH, no grupo terceiro tercil de LDLox, mas a PLTP se correlacionou positivamente com LDLox (r=+0,999,p=0,029,n=27). No grupo do terceiro tercil de acLDLox não observaram-se correlações. Discussão: A LDLox pode inibir a atividade da CETP (Chiba et al.,1997); por outro lado a CETP aumenta a susceptibilidade da LDL à oxidação (Wang et al.,2007), o que vem de encontro aos resultados. Também a forte correlação de LDLox com PLTP está de acordo com a ação pró-oxidante desta proteína (Cheung et al.,2006). Os títulos mais altos de anticorpos contra LDLox cursaram com o aumento de EIM de carótidas demonstrando seu papel pró-aterogênico como já demonstrado (Cheng et al.,2008). Conclusões: Este estudo demonstra que em adultos assintomáticos caracterizados por um perfil aterogênico secundário a maiores títulos de LDLox ou autoanticorpos contra epítopos da LDLox, a aterogenicidade foi em parte dependente da atividade de PLTP (não de LPL e LH) e da redução do transporte reverso do colesterol via CETP. Em alguns indivíduos este perfil aterogênico levou ao aumento da aterosclerose precoce carotídea.  
PACIENTES HIPERTENSOS COM HIPERTROFIA DE VENTRíCULO ESQUERDO APRESENTAM DETERMINANTES GêNERO-ESPECíFICOS DO DIâMETRO DA RAIZ DA AORTA
Souza, Felipe A. S.; Cipolli, José A. A.; Ferreira-Sae, Maria C. S.; Matos-Souza, José R.; Franchini, Kleber G.; Nadruz Jr, Wilson ;
A dilatação da raiz da Aorta (RA) é observada mais frequentemente em indivíduos hipertensos e está associada de modo independente com a hipertrofia do ventrículo esquerdo (VE). Embora a estrutura do VE tenha determinantes gênero-específicos, ainda se desconhece a existência de diferenças ligadas ao sexo nos preditores do diâmetro da RA. Nós avaliamos 461 pacientes hipertensos com hipertrofia de VE (288 mulheres e 173 homens) através de exame clínico, antropometria, parâmetros laboratoriais e ecocardiograma. Homens e mulheres com dilatação da RA eram mais velhos e tinham maior índice de massa do VE. Adicionalmente, mulheres com diâmetro aumentado da RA tiveram maior débito cardíaco (p=0.004), menor resistência vascular periférica (p=0.01) e maior circunferência abdominal (p=0.03), enquanto os homens com dilatação da RA apresentaram maior prevalência de hipertrofia concêntrica de VE (p=0.007) e inexistência significativa de variações antropométricas ou hemodinâmicas quando comparados com indivíduos com RA normal e pareados por sexo. Entre as mulheres, o diâmetro da RA associou-se com o índice de massa do VE (p<0.0001), idade (p=0.004), débito cardíaco (p=0.005) e circunferência abdominal (p=0.03) em um modelo de análise multivariada que incluía como variáveis independentes: índice de HOMA (homeostasis model assessment), pressão sistêmica diastólica, menopausa e uso de anti-hipertensivos. Por outro lado, entre os homens, o diâmetro da RA associou-se a espessura relativa da parede do VE (p=0.0005), índice de massa do VE (p=0.003) e idade (p=0.03). Dessa forma, esses resultados sugerem que a sobrecarga de volume e a obesidade central possam desempenhar um papel fundamental na fisiopatogênese da dilatação da RA nas mulheres hipertensas e hipertróficas, enquanto o aumento da RA nos homens hipertensos e com hipertrofia de VE estaria mais associado a mecanismos estimulatórios do crescimento das células miocárdicas.
PADRONIZAçãO DA CULTURA E ANáLISE CITOGENéTICA DE MELANóCITOS E QUERATINóCITOS EM INDIVíDUOS COM MOSAICO PIGMENTAR DO TIPO ITO
Cunha, Karina Soares ; Batista, Fabiana Regina Xav; Puzzi, Maria Beatriz; Steiner, Carlos Eduardo;
O mosaico pigmentar tipo Ito é uma alteração cutânea frequente, caracterizada por hipopigmentação seguindo as linhas de Blaschko e, geralmente, associada a anomalias extra-cutâneas, sobretudo do Sistema Nervoso Central. Supõe-se que esse padrão decorre da presença de duas linhagens celulares diferentes no período embrionário e sua migração na ectoderme, tecido que dará origem à epiderme e ao SNC. Foram encontrados diversos tipos de mosaicismo cromossômico em cerca de 70% dos casos descritos, incluindo análise em linfócitos e/ou fibroblastos. Acredita-se que os casos em que não houve associação com mosaico se devam à limitação da amostra e tipo de células analisadas. Devido à função, origem embrionária e migração celular, possivelmente as alterações, nesses casos, seria melhor identificado em melanócitos e queratinócitos. Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo padronizar a cultura e a análise citogenética de melanócitos e queratinócitos em indivíduos com mosaicismo pigmentar tipo Ito, com ou sem retardo mental. Para todos os pacientes está sendo feito cariótipo de linfócitos e fibroblastos, segundo padronização do Laboratório de Citogenética do Departamento de Genética Médica da FCM, Unicamp. A cultura de tecidos é feita em colaboração com o Laboratório de Cultura de Células e Tecido, no CIPED. A técnica citogenética para queratinócitos já foi padronizada. Por outro lado, os melanócitos são células de difícil cultivo, com baixa taxa de crescimento, baixa proporção na pele e as culturas são frequentemente contaminadas por fibroblastos. Porém, a cultura pura desse tipo celular já foi padronizada, estando agora em fase de realização da preparação cromossômica. Para todas as amostras serão analisadas pelo menos 50 metáfases. As amostras de pele são coletadas das regiões hipopigmentada e hiperpigmentada, para verificar possíveis discordâncias entre o cariótipo dessas regiões. Espera-se que, após a padronização da análise citogenética nessas células, possamos identificar alterações cromossômicas não encontradas em linfócitos e fibroblastos dos pacientes com mosaico pigmentar do tipo Ito e, além disso, comparar o padrão citogenético das regiões hipopigmentada e normal da pele desses indivíduos.
PADRONIZAçãO DA RMN PARA DETERMINAçãO PRECOCE DA RESISTêNCIA à QUIMIOTERAPIA NA LEUCEMIA LINFóIDE AGUDA PEDIáTRICA
Melo, Carolina P. S.; Brandalise, Sílvia R.; Zeri, Ana Carolina M.; Yunes, José A.;
Introdução A resposta inicial à terapia tem se mostrado um importante e independente fator prognóstico na Leucemia Linfóide Aguda infantil (LLA) e pode ser atribuído principalmente à resistência/sensibilidade intrínseca das células leucêmicas à quimioterapia. O uso da Metabolômica, uma metodologia que combina Espectroscopia por Ressonância Magnética Nuclear (RMN) e análise estatística multivariada, pode se tornar uma importante ferramenta para a identificação precoce de pacientes resistentes à quimioterapia. Neste trabalho, utilizamos a L-asparaginase (ASP), uma droga que causa a deleção da asparagina, um importante aminoácido que é produzido em quantidades insuficientes pelas células leucêmicas, o que faz com que estas sejam dependentes da asparagina do meio externo. Objetivo Implementar a metodologia de Metabolômica na identificação precoce de pacientes com resistência aos quimioterápicos. Métodos Foram realizados experimentos in vitro com linhagens celulares de LLA resistentes (B15, Nalm6, REH) e sensíveis (RS4;11, Nalm21, Nalm27) à ASP. As células foram cultivadas em meio RPMI1640 com SFB 10%, suplementado ou não com ASP (0,8 UI/ml), em triplicata. Após 24 horas de incubação, o meio de cultura foi filtrado e analisado por RMN. A resistência das células à dose utilizada foi previamente determinada pelo teste de MTT. Espectros de 1H das amostras foram adquiridos utilizando um espectrômetro de RMN Varian com frequência de ressonância de 500 MHz. A quantificação das concentrações dos metabólitos foi feita utilizando o programa Chenomx NMR Suite 4.6 (Chenomx Inc., Edmonton, Canada). Para a análise estatística multivariada utilizamos o programa Pirouette 3.11 (Infometrix Inc., Washington, EUA). Resultados A análise por componentes principais (PCA) feita com os dados de concentração dos meios de cultura das células tratadas com ASP permitiu uma separação clara das amostras entre resistentes e sensíveis. Os metabólitos que mais contribuíram para esta separação foram piruvato, lactato, glutamina e creatina, em maior concentração no meio de cultura das células resistentes, e metionina, treonina, serina, glicose e o-fosfocolina, em maior concentração no meio de cultura das células sensíveis. Conclusão Nossos resultados parecem indicar que a resistência das células à ASP está associada a uma maior atividade glicolítica, o que justificaria uma maior concentração de lactato e uma menor concentração de glicose no meio de cultura das células resistentes. Os primeiros testes indicam que a metodologia é capaz de classificar linhagens celulares com relação à resistência à ASP. O próximo passo é testar o mesmo protocolo com células primárias de pacientes, buscando identificar se o paciente será resistente à droga utilizada na terapia, antes mesmo de submetê-lo a qualquer tratamento.
PARTICIPAçãO DO HIF-1ALFA NA EXPRESSãO DO COLáGENO TIPO II E DO AGRECANO NA CARTILAGEM ARTICULAR MEDIADO PELA IL-1BETA E TNF-ALFA.
Sartori, Angélica Rossi ; de Mara, Cristiane Sampaio; Samara, Adil M; Coimbra, Ibsen Bellini;
Introdução: HIF-1 é um fator de transcrição que regula a expressão de genes relacionados com a concentração de oxigênio e sobrevivência celular. Constitui-se de duas subunidades: HIF-1a e HIF-1b. Ambas são continuamente expressas, mas em condições normais de oxigênio HIF-1a é rapidamente degradada. Atualmente sabe-se que além da hipóxia, algumas citocinas como IL-1b e TNFa, são capazes de estabilizar o HIF-1a e são essenciais na progressão da osteoartrite (OA).  A cartilagem articular é um tecido avascular e o ambiente dos condrócitos caracteriza-se por condições hipóxicas na matriz extracelular. Nessas condições, a proteína HIF-1a, do dímero HIF-1, é necessária para o controle do metabolismo e da integridade funcional da cartilagem, no entanto, pouco se sabe sobre sua participação na progressão na doença.  Objetivo: Analisar a participação do HIF-1a na expressão dos genes do colágeno tipo II e agrecano e sua regulação pelas citocinas TNFa e IL-1b em condrócitos.   Métodos: Condrócitos humanos, obtidos de pacientes com OA submetidos à cirurgia para colocação de prótese total de joelho, foram cultivados em monocamada e submetidos ao silenciamento do gene do HIF-1a pela técnica de Interferência por RNA (RNAi) e posteriormente estimulados com IL-1b e TNFa em condições normais de oxigênio e em hipóxia. O RNA total foi extraído dos condrócitos utilizando o reagente Trizolâ e as proteínas dos meios de cultura das células foram precipitadas com pepsina. A expressão dos genes do HIF-1a, colágeno tipo II e agrecano foram analisados pela técnica de Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real (Real Time- PCR) e a expressão protéica do colágeno tipo II foi analisada por Western Blotting.   Resultados e Discussão: Nos grupos sem silenciamento do gene do HIF-1a, as citocinas,IL-1b e TNFa, aumentaram a expressão desse gene, principalmente em hipóxia. Esta condição de oxigênio aumentou as concentrações de RNAm de HIF-1a quando comparado com as condições normais de oxigênio, mas nesse caso, as citocinas não alteraram a expressão o RNAm do HIF-1a. A eficiência do silenciamento do gene do HIF-1a foi de aproximadamente 70%. Nos grupos silenciados, as citocinas não foram capazes de alterar a expressão do HIF-1a em nenhuma das condições de oxigênio. A expressão do gene do colágeno tipo II não foi alterada pelas citocinas em condições normais de oxigênio tanto nos grupos silenciado quanto nos grupos não silenciados para o HIF-1a. No entanto, em hipóxia, a expressão do colágeno tipo II diminuiu nos grupos silenciados e a associação entre a falta do HIF-1a e as citocinas diminuiu ainda mais o colágeno tipo II em hipóxia. Talvez a diferença encontrada em hipóxia seja pelo fato de que essa condição mais represente o ambiente in vivo dos condrócitos. Pode ser que durante a OA, o HIF-1a atue na tentativa de diminuir os danos causados pela ação das citocinas, estimulando principalmente a produção de colágeno tipo II. Em todas as análises não foi observado diferenças na expressão do gene do agrecano e na expressão da proteína do
PC-3 PROSTATE CANCER CELLS NECROSIS PROMOTED BY SIMVASTATIN IS PREVENTED EITHER BY L-CARNITINE OR PIRACETAM
Costa, Rute Alves Pere; Fernandes, Mariana Pinheiro; Vercesi, Aníbal Eugênio;
  L-carnitine is a cofactor in the channeling of fatty acids inside the cell. It plays two major functions in the cell: it is involved in fatty acid oxidation as it acts as a cofactor in the transport of acyl groups across the inner mitochondrial membrane and it also removes acyl groups from the mitochondria and the cell as acylcarnitines. Piracetam is used as chemical “nootropic”. It improves the brain functions involved in processes of learning, memory, attention and consciousness. The present work was intended to evaluate the protection by L-carnitine or piracetam against cell necrosis promoted either by simvastatin or tert-butyl-hydroperoxide (t-BOOH). Both simvastatin and t-BOOH causes mitochondrial permeability transition (MPT) followed by cell necrosis. Cell necrosis was measured by tripan blue and flow cytometry techniques. Both L-carnitine or piracetam protected against simvastatin or t-BOOH induced cell death via a concentration dependent mechanism (1-12 mM). Similary to cyclosporin A L-carnitine and piracetam protected against mitochondrial membrane potential disruption induced by simvastatin or t-BOOH. We may conclude that these compounds protected against PC-3 prostate cancer  cell necrosis via inhibition of MPT.    
PERCEPçõES DE PORTADORES DA SíNDROME METABóLICA: “O PROBLEMA é SER GORDO”. UM ESTUDO CLíNICO-QUALITATIVO.
Vieira, Carla Maria; Nogueira, Silvia Cordeiro; Turato, Egberto Ribeiro; Carvalhal, Maria Silvia ;
  A rejeição à obesidade, como um mal a ser combatido, está presente na cultura atual reforçada pelo culto ao corpo jovem e saudável que enaltece a magreza. Propagado pela mídia, o corpo gordo, passou a ser considerado sem saúde e visualmente desconfortável, porque fora do padrão estético hegemônico. Portadores de Síndrome Metabólica (SM) apresentam, com freqüência, excesso de peso associado a outros agravos metabólicos crônicos, geralmente acompanhados de distúrbios no comportamento alimentar. Apesar da busca pela perda de peso, a adesão às dietas e mudanças de hábitos são eventos pouco freqüentes no tratamento desses indivíduos. Fatores psicológicos ocorrem no desenvolvimento da morbidade e na manutenção do tratamento, influenciando a adesão às propostas terapêuticas e ao auto cuidado. Este trabalho, de caráter qualitativo, aplicou o método clínico-qualitativo com entrevistas semidirigidas, de questões abertas, conduzidas em profundidade. Amostra: fechada por saturação, com nove sujeitos sob tratamento em serviço ambulatorial de SM no HC/UNICAMP. A análise qualitativa de conteúdo e discussão será ancorada nos referenciais teóricos da psicologia dinâmica aplicada à saúde e suplementarmente com conceitos socioculturais pertinentes. Objetivo: discutir os aspectos psicológicos do comportamento alimentar relacionado às dietas propostas no tratamento ambulatorial para portadores de SM. Resultados e discussão: O excesso de peso dos sujeitos entrevistados revelou-se com o aspecto mais significativo na sua vivência com o conjunto de problemas decorrentes da SM, o que desvia sua atenção em relação aos outros agravos metabólicos e seus sintomas no processo de autocuidado. As prescrições dietéticas foram reveladas pelos sujeitos como metas inatingíveis, que demandam grande sofrimento e mesmo assim são consideradas, na maior parte das vezes, ineficazes para a perda de peso. Esses significados atribuídos à dieta podem ser compreendidos como mais um elemento que contribui para desviar a atenção da SM. Nos depoimentos os sujeitos desvinculam o excesso de gordura corporal de sua prática alimentar, revelando, na análise de conteúdo, contradições em seu discurso sobre a comida. Percebe-se nas entrelinhas e nos silêncios discursivos o vazio, de ordem psíquica, que os sujeitos buscam inconscientemente preencher com o excesso de alimentos, sempre insuficientes. Conclusão: A baixa adesão às propostas dietéticas para portadores de SM vincula-se, portanto, a um desvio de foco no conjunto de sintomas que caracterizam a síndrome, pela maior valorização do excesso de peso e da imagem corporal. Os significados atribuídos às dietas como perda de prazer e cerceamento da liberdade, estão igualmente colaborando negativamente para ocorrência desse fenômeno. Destacamos que a equipe de saúde, ao desenvolver a escuta acurada dos pacientes e a percepção de aspectos psicológicos amplia a compreensão do processo de cuidado e dos determinantes do comportamento alimentar.
PERCEPÇÕES DOS MÉDICOS RESIDENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNICAMP SOBRE A HOMEOPATIA
Fiuza, Alessandra Rodrigues; de Barros, Nelson Filice;
PERCEPÇÕES DOS MÉDICOS RESIDENTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNICAMP SOBRE A HOMEOPATIA  Palavras-Chave: Homeopatia - Residência Médica - Medicinas Alternativas e Complementares              A revisão bibliográfica sobre a prática da homeopatia e o seu ensino no Brasil, em comparação com o cenário mundial, mostrou a necessidade da discussão sobre essa prática no meio médico. Essa pesquisa tem como objetivo analisar a percepção dos médicos residentes da FCM/Unicamp sobre os princípios homeopáticos, sobre a inserção da homeopatia como disciplina na graduação e como programa de residência médica. O estudo utiliza metodologia quantitativa, com aplicação de questionário com questões fechadas em uma amostra de 176 médicos residentes escolhidos por meio da amostragem aleatória sistemática entre todos os matriculados no COREME - FCM/UNICAMP no ano de 2008. No total 41 especialidades diferentes foram entrevistadas. A digitação dos dados foi realizada em um banco de dados criado no programa EPI-INFO versão 6.04d e os dados da análise também foram gerados nele. Os dados analisados mostraram a heterogeneidade da formação médica dos residentes entrevistados, já que foram enumeradas 43 universidades de medicina, distribuídas em todas as regiões do país. A universidade mais prevalente foi a UNICAMP, com 46% dos residentes entrevistados formados nesta. Quanto às características do grupo entrevistado: 53,4% são do sexo feminino e 46,6% do masculino; a idade varia de 23 a 33 anos, com prevalência da faixa etária 25-29 anos, que corresponde a 84,7% dos entrevistados; o ano de conclusão do curso médico varia de 2000 a 2008, com prevalência da faixa 2004-2007, correspondente a 80,9%. Todos os entrevistados conhecem algum tipo de Medicinas Alternativas e Complementares (MAC) e 94,3% usam ou já usaram algum tipo de MAC. Vale ressaltar que a homeopatia é a terceira prática mais conhecida e utilizada pelos médicos residentes. Quanto à importância das MAC para o trabalho médico dos entrevistados, 84,7% consideram-nas importantes, porém apenas 19,3% consideram seus conhecimentos suficientes para informar os pacientes sobre elas e 74,4% gostariam de possuir mais conhecimentos a respeito do assunto. Quanto ao conhecimento da homeopatia pelos entrevistados, 74,4% declaram que conhecem os princípios homeopáticos, porém quando precisam assinalar quais os seus princípios mostram conhecer quase exclusivamente o Princípio da Diluição e da Dinamização dos Medicamentos. Os outros princípios se mostram pouco conhecidos e a maior diferença é quanto ao Princípio da Experimentação do Homem São que apenas 7,4% declaram conhecer. Quanto à inserção da homeopatia na graduação médica 51,1% dos entrevistados a consideram importante e desses 73% consideram que a forma de inserção seria por meio de uma disciplina eletiva; 22,5% obrigatória; e 4,5% trabalhos de Liga Acadêmica. Ainda sobre a criação de programa de residência médica de homeopatia, apenas 43,2% dos entrevistados se mostraram favoráveis. Conclui-se que os princípios fundamentais da homeopatia são desconhecidos pelos médicos residentes da FCM e infere-se que essa carência de informa&
PERFIL DE EXPRESSÃO GÊNICA INDICA MECANISMO FISIOPATOLÓGICO DISTINTO NAS FORMAS ESPORÁDICA E FAMILIAL DE EPILEPSIA DE LOBO TEMPORAL MESIAL
Maurer-Morelli, Claudia Vianna; Rocha, Cristiane de Souza; Domingues, Romenia Ramos; Tedeschi, Helder ; de Oliveira, Evandro ; Cendes, Fernando ; Lopes-Cendes, Iscia ;
  Introdução: Pacientes com epilepsia de lobo temporal (ELTM) e esclerose hippocampal (EH) e, que são refratários ao tratamento medicamentoso, podem ser submetidos à excisão da formação hipocampal como forma de tratamento alternativo para o controle das crises. Os espécimes cirúrgicos desses pacientes oferecem uma oportunidade única para responder questões relacionadas à fisiopatologia da ELTM.   Objetivo: Determinar o perfil de expressão gênica no tecido hippocampal de pacientes com epilepsia de lobo temporal mesial (ELTM) fármaco-resistentes e comparar o padrão de expressão gênica entre as formas esporádica e familial da ELTM.     Método: Foram obtidos oito espécimes cirúrgicos de pacientes com ELTM (n=4 ELTM esporádica e n=4 ELTM familial) bem como tecido controle de autópsia (n=3). Este estudo foi realizado com o chip de DNA Human Genome U133 Plus 2.0 (Affymetrix™) que é capaz de determinar de uma só vez o perfil de expressão de 47.000 transcritos do genoma humano. A quantidade inicial de RNA total foi de 5µg no protocolo One-Cycle Target Labeling (Affymetrix™). Os dados foram adquiridos através do GeneChip Scanner 3000 (Affymetrix™) e analisados pelo DNA-Chip Analyzer (dChip).  A análise estatística empregada foi o Teste-t com p≤0.01 para uma significância entre os grupos com as correções para as múltiplas comparações realizadas.   Resultados: Foram encontrados 101 genes diferencialmente expressos (hiper e hipo regulados) nas amostras de todos os pacientes com ELTM (esporádicos+familiais) quando comparados com espécimes de controles. Na comparação entre controles e ELTM esporádica, 64 genes estavam expressos de forma diferencial. Já na comparação entre ELTM familial e controles foram encontrados 35 genes expressos diferencialmente. Além disso, foi identificada uma diferença significativa no padrão de expressão gênica (191 genes hipo ou hiper expressos) nas amostras de pacientes com ELTM esporádica e familiar, entre esses estavam os genes GRINA, NKTR, SCN2B, RIMS3, GABRB3, NCDN e KCTD16, envolvidos em processos de sinalização, morte celular, regulação da plasticidade sináptica e neurotransmissão. Conclusão: Este é o primeiro estudo que emprega chip de DNA para explorar a diferença de expressão gênica entre as formas esporádica e familial da ELTM. Nossos resultados mostram claramente que, embora similares em sua forma clínica, de imagem e neuropatologia, as formas esporádica e familial da ELTM possuem assinaturas moleculares diferentes apontando para mecanismos fisiopatológicos de base distintos. Nossos dados mudam de maneira significativa o paradigma até aqui empregado na investigação dos mecanismos básicos da ELTM. Apoio: FAPESP and CNPq.
PERFORMANCE OF PHYSICAL ACTIVITY AMONG CORONARY OUTPATIENTS: SOCIODEMOGRAPHIC, CLINICAL AND BEHAVIORAL PROFILE
Spana, Thaís Moreira; Mendez, Roberto D. R.; Gallani, Maria Cecília B. J.; Rodrigues, Roberta C. M.;
  OBJECTIVES: The aim of this study was to investigate the sociodemographic, clinical and behavioral profile of coronary outpatients on the performance of physical activity (PA). METHODOLOGY: Patients were administered a standardized questionnaire. Behavior was asked: "In the past month, how many times have you walked at least 30 minutes? Answers could vary from (1) less than once a week up to (4) three or more times per week”. Intention was measured using six items, with a 5-point Likert-type scale. RESULTS: A total of 114 patients (59.8±9.0 years; 60,5% men; 81,6% caucasian) were included. Most were married (71.9%), retired (55.3%), with individual income of US$ 300 (±212,0), family outcome of US$ 424,0 (±212,0); and 4.9 (± 2.3) years of schooling. Almost half of the subjects (41.2%) had presented acute coronary syndrome with ST segment elevation. Angina was the most reported symptom (64.9%), followed by palpitation (40.4%) and dyspnea (35.1%). Among associated clinical conditions, hypertension was present in 73.7%, dyslipidemia in 74.6% and diabetes mellitus in 29.8%. Regard to lifestyle, 9.6% was smoker and 7.0% were addicted to alcohol. The mean score for Intention was 4.0 (0.7) and for Behavior 2.6 (1.1). CONCLUSIONS: The findings point to a special group of sedentary individuals which can experiment important benefits from PA, and which require specific clinical and educational support for their low level of implementation of their good intention and also for their complex clinical condition.
PET/CT ÓSSEO COM FLUORETO-18F EM PACIENTES COM ALTERAÇÕES INCONCLUSIVAS NA CINTILOGRAFIA ÓSSEA PARA PESQUISA DE METÁSTASES
Oki, Gláucia C.; Bortot, Daniel Camisão ; Amorim, Bárbara J.; Gapski, Sérgio B.; Ruiz, Patrícia P.G.; Arouca, Pedro T.; Santos, Allan O.; Lima, Mariana C. L.; Etchebehere, Elba C. S. C.; Camargo, Edwaldo E.; Barbosa, Marycel F.; Mengatti, Jair ; Ramos, Celso Darío;
  INTRODUÇÃO: O fluoreto-18F é um traçador ósseo para tomografia por emissão de pósitrons (PET), recentemente disponibilizado em nosso meio pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN). Intuitivamente, é possível supor que as imagens de PET e, principalmente, as de PET/CT sejam muito superiores às imagens da cintilografia óssea convencional na pesquisa de metástases ósseas. Entretanto, há poucos trabalhos na literatura comparando objetivamente os dois métodos. OBJETIVO: Comparar as imagens de PET/CT ósseo utilizando fluoreto-18F com a cintilografia óssea (C.O.) convencional utilizando MDP-99mTc em pacientes que apresentam imagens inconclusivas na pesquisa de metástases ósseas por esse último método. MÉTODOS: Foram estudados prospectivamente 39 pacientes com idades variando de 34 a 84 anos, média de 59,4 anos, sendo 15 masculinos e 24 femininos. Todos apresentavam imagens inconclusivas na C.O. para pesquisa de metástases por câncer de mama (18 pacientes), próstata (8), pulmão (3), adenocarcinoma de cólon (2) e outros cânceres (8). Nesses pacientes foram identificadas 78 lesões inconclusivas na C.O., com dúvida entre metástase e processo articular (76 lesões) ou traumatismo (2 lesões). Todos realizaram PET/CT 1 hora após a injeção venosa de 370 MBq de fluoreto-18F, no máximo 4 semanas após a C.O., com imagens da cabeça aos pés, 2 minutos por bed position. Todas as anormalidades identificadas na cintilografia óssea foram visualmente comparadas às imagens de PET/CT com fluoreto-18F. RESULTADOS: O PET/CT com fluoreto-18F identificou todas as lesões visualizadas na cintilografia óssea, com precisão anatômica superior. O PET/CT ósseo evidenciou que 24 lesões, inconclusivas na C.O., correspondiam a metástases ósseas. Outras 52 lesões, o PET/CT com fluoreto-18F demonstrou serem benignas (50 processos degenerativos ósteo-articulares e 2 traumatismos) e 2 inconclusivas. Foram, ainda, encontradas 27 metástases ósseas adicionais em 11 pacientes. Duas lesões encontradas adicionalmente no PET/CT ósseo (cóccix e côndilo femoral medial esquerdo) apresentaram achados inconclusivos para metástase óssea.  CONCLUSÃO: Este estudo preliminar sugere fortemente que PET/CT ósseo com fluoreto-18F apresenta especificidade muito superior à da cintilografia óssea convencional, com baixo índice de achados inconclusivos. Apresenta, ainda, maior sensibilidade e proporciona uma localização anatômica mais precisa das lesões.  
PLATINA ASSOCIADA A CAMPTOTECINA OU ETOPOSIDE PARA TRATAMENTO DE CARCINOMA DE CéLULAS PEQUENAS DO PULMãO COM DOENçA EXTENSA: REVISãO SISTEMáTICA E METANáLISE
Lima, João Paulo da Silveir; Lima, Carmen Silvia Pas; Sasse, André Deeke;
Introdução: O melhor esquema de tratamento quimioterápico para pacientes com carcinoma de células pequenas do pulmão com doença extensa (CCPP-DE) é matéria de debate. Estudos prospectivos randomizados sugerem que o uso de quimioterapia baseada em irinotecan (uma camptotecina) seja melhor do que o esquema clássico platina/etoposídeo, embora haja outros estudos com resultados que questionam essa afirmativa. Frente a resultados controversos derivados de estudos randomizados, uma revisão sistemática da literatura faz-se necessária para determinar qual das abordagens terapêuticas apresenta ganhos reais para o paciente. Métodos: Buscas estruturadas foram feitas em bases de dados eletrônicas relevantes (Pubmed, EMBASE, LILACS, CENTRAL). Foram selecionados estudos clínicos randomizados que compararam a combinação de camptotecinas e platinas com o uso de etoposídeo e platinas, em pacientes com CCPP-DE. O desfecho clínico primário foi sobrevida global (SG). Desfechos secundários foram sobrevida livre de progressão (SLP), taxa de resposta (TR) e toxicidades. Metanálise dos dados foram feitas quando possível. Os resultados são expressos em Hazard Ratio (HR) ou Risco Relativo (RR) com seus respectivos intervalos de confiança (IC) de 95%. Análises de subgrupos foram planejadas para avaliação de cada tipo de camptotecina (irinotecano ou topotecano) utilizada nos estudos. Resultados: Oito estudos foram incluídos, com um total de 2960 pacientes. Dois deles utilizaram topotecano e seis utilizaram irinotecano no braço experimental. O grupo que recebeu irinotecano obteve maior SG (HR=0,86; IC95%=0,76-0,97; P=0,01), porém sem maiores SLP (HR=0,95; IC95%=0,84-1,07; P=0,38) ou TR (RR=0,79; IC95%=0,62-1,01; P=0,06).  Os dados obtidos dos estudos com topotecano foram heterogêneos e não puderam ser incluídos na metanálise. Pacientes que receberam irinotecano tiveram maior incidência de diarréia (P<0,0001), mas menor incidência de toxicidades hematológicas (P<0,001). Conclusões: O presente estudo demonstra que o uso de quimioterapia com irinotecano e platina aumenta a sobrevida global de pacientes com CCPP-DE, em relação ao uso de etoposídeo e platina. Características específicas relacionadas ao paciente devem ser levadas em conta na escolha do esquema terapêutico, devido às diferentes toxicidades.
POLYMORPHISMS IN THE MTHFR GENE IN CHRONIC OBSTRUCTIVE PULMONARY DISEASE (COPD)
Barnabé, Aline ; Paschoal, Ilma ; Annichino-Bizzachi, Joyce Maria; Höehr, Nelci Fenalti;
  Polymorphisms in the MTHFR gene in Chronic Obstructive Pulmonary Disease (COPD)     Introduction.Chronic obstructive pulmonary disease (COPD) is a condition characterized by reduced airflow through the airways, generally progressive and associated with an abnormal inflammatory response of the lung to adverse particles and gases, mainly by smoking. Respiratory symptoms include dyspnea, wheezing, coughing and sputum production. Some extrapulmonary effects have been associated with COPD. The extrapulmonary effects include skeletal muscle dysfunction and hence limited ability to exercise, weight loss, depression and anxiety, increased risk of cardiovascular disease, etc. COPD is the fifth cause of death in Brazilian population.         The methylenetetrahydrofolate reductase (MTHFR) is a key enzyme for intracellular folate homeostasis and metabolism. Two common MTHFR polymorphisms, C677T and A1298C, which lead to an altered amino acid sequence, have been associated with a decreased enzyme activity.Individuals homozigous for the mutation had significantly elevated plasma homocysteine, resulting in an increased risk of cardiovascular diseases. The aim of this study was to examine the prevalence of the MTHFR C677T and A1298C polymorphisms and assess the association between the MTHFR gene with folate and vitamin B12. Methods: Forty five patients with COPD were included in this study, mean age 64,2 ± 12,06 years (range 36 – 85 years). All COPD patients signed an informed consent for participation in the study. We excluded patients with diabetes mellitus, cancer, renal and hepatic disease. Blood samples were collected for determination of biochemical parameters (folate and vitamin B12) and DNA extraction for the identification of MTHFR mutations. Results. The frequency of the MTHFR C677T polymorphism among subjects with CC, CT and TT genotypes were 51.2%, 44.4% and 4.4%, respectively. The frequency at the MTHFR A1298C polymorphism of the AA, AC and CC genotypes were 48.9%, 42.2% and 8.9%, respectively.   Table1. Different genotypes of MTHFR C677T and A1298C and serum concentration of folate and vitamin B12 in COPD patients   MTHFR C677T MTHFR A1298C CC (n=23) CT (n=20) TT (n=2) AA (n=22) AC (n=19) CC (n=4) Folate 8,9±3,6 5,7±2,7 4,1±0,63 6,9±4,01 7,5±2,9 8,1±4,1 Vitamin B12 416,2±174,7 439,7±163,5 439,5±130,8 443,9±169,6 417,7±172,8 386,5±125,1       Table2. Different haplotypes of MTHFR C677T:A1298C and serum concentration of folate and vitamin B12 in COPD patients. MTHFR haplotype C6
POSTMENOPAUSAL THERAPY REDUCES CATALASE ACTIVITY AND ATTENUATES ASSOCIATIONS OF CARDIOVASCULAR RISK FACTORS WITH CAROTID INTIMA-MEDIA THICKNESS
Castanho, Vera S; Nakamura, Ruy T; Pinto-Neto, Aarão M; Espirito Santo, Italo F; de Faria, Eliana Cotta;
ABSTRACT Oxidative stress can change plasma redox status of postmenopausal women; however, data concerning the relationship between hormone replacement therapy and plasmatic antioxidative system are controversial. Objective: Determine if hormone replacement therapy (HRT) affects plasma lipid concentration, lipoproteins, cholesteryl ester transfer protein (CETP), blood antioxidant enzyme catalase (CAT), lipid peroxidation (concentration of thiobarbituric acid-reactive substances (TBARS), and serum lipid peroxide levels (LPO), nitrate/nitrites (nitrate), high-sensitivity C-reactive protein (hs-CRP) and common carotid intima-media thickness (IMT) in postmenopausal women with and without HRT. Methods: The ninety-four postmenopausal women (POMW) assigned to participate in this study were divided into four groups: women without hormone replacement therapy (WTHRT, n=63), women with hormone reposition therapy for at least 12 months (WHRT, n=31), women using conjugated estrogens, (EHRT, n=20) and women using estrogen and medroxyprogesterone acetate conjugated replacement therapy (CHRT, n=11). Results: We observed that HRT antagonizes the decrease in CAT activity that may occur after menopause. No differences were found between the groups for CETP, TBARS, LPO, nitrate, hs-CRP and carotid IMT. Estrogen-based HRT attenuated associations of cardiovascular risk factors with IMT, as seen in the multivariate analysis. Conclusions: Estrogen administration in postmenopausal women was beneficial, reducing oxidative stress and associations of cardiovascular risk factors with carotid atherosclerosis. This model elucidates some benefits of HRT with respect to their antioxidant and atheroprotective actions.    Keywords: hormone replacement therapy; postmenopausal women; oxidative stress markers; common  carotid intima-media thickness, cardiovascular risk factors.
PREDICTION OF PHYSICAL ACTIVITY AFTER HOSPITAL DISCHARGE AMONG CORONARY HEART DISEASE PATIENTS
Mendez, Roberto D. R.; Spana, Thaís M.; Cornélio, Marilia E.; Gallani, Maria Cecília B. J.; Rodrigues, Roberta C. M.;
  Objective: the aim of this study was to identify the determinants of physical activity (PA) of coronary heart disease patients after hospital discharge, based on an extension of the Theory of Planned Behavior.   Methodology: A longitudinal study was conducted in three waves of data collection (T0 – at discharge; T1 – 1 month after the baseline and T2 – 1 month after T1). A sample of 88 subjects completed a baseline questionnaire assessing socio-demographic and clinical data, as well as TPB (Intention, Attitude, Subjective Norm and Perceived Behavioral Control) and additional variables (Self-efficacy, Habit, Past Behavior, Percieved Risk and Negative Risk). Behavior defined as: walking at least 3 times/week, during ³ 30min and was assessed with a 4-point Likert-type scale.   Results: Multiple regression analysis indicated that at T1 there was no variable predicting PA. At T2, however, only Intention in T1 explained the Behavior variance (R2 = 0.16; p= 0.001). Significant variables predicting Intention concerned to PA at T1 were Perceived Behavioral Control (24%), Attitude (8%) and Past Behavior (4%).   Conclusion: In planning educational interventions aimed to improve PA among coronary heart disease patients after the discharge, it must be considered that motivation and its determinants (mainly perceived behavioral control) begin to play a role in determining behavior only 1-month after the discharge. The other factors influencing behavior during the first month after discharge must be investigated.
PREVALêNCIA DE METáSTASE LINFáTICA PARA O NíVEL IV NO CâNCER DE LARINGE
CHONE, CARLOS TAKAHIRO ; KOHLER, HUGO FONTANA; NAVARRO, MARCOS LIMA; MAGALHÃES, RODRIGO SOUZA; ALTEMANI, ALBINA M. ; CRESPO, AGRICIO NUBIATO;
  Introdução: Nas últimas décadas, a morbidade da técnica cirúrgica do esvaziamento cervical vem sendo reduzida, poupando-se até algumas cadeias de linfonodos cervicais. O esvaziamento cervical lateral disseca, os níveis II, III e IV e tem assumido importância como procedimento eletivo e até terapêutico para o tratamento do pescoço no carcinoma espinocelular(CEC) da laringe. Este procedimento, tem-se realizado com remoção apenas dos níveis II e III, segundo alguns autores, devido à hipótese de baixa probabilidade de metástases linfáticas para o nível IV, entre 0% a 7% para tumores glóticos e 4,5% a 9% para tumores supraglóticos. Forma de estudo: corte transversal. Objetivos: Estudar a prevalência de metástases linfáticas no nível IV em CEC da laringe. Comparou-se esta prevalência entre pescoços clinicamente positivos e negativos. Material e métodos: Analisou-se prontuários de 31 pacientes com CEC laríngeo em estádio III e IV submetidos a laringectomias e esvaziamentos cervicais, totalizando 54 espécimes cirúrgicos. Os níveis cervicais foram identificados e marcados pelo cirúrgião no ato da cirurgia para posterior análise histopatológica. Resultados: 6%(3/54) das peças cirúrgicas apresentaram metástase linfática para o nível IV. Todos os espécimes cirúrgicos que clinicamente foram negativos(42) para metástases linfáticas no lado correspondente do pescoço foram isentos de metástases histopatológicas para o nível IV. Considerando-se os espécimes que clinicamente foram positivos(doze), para metástases linfáticas no lado correspondente do pescoço,  25,0% foram histopatologicamente positivos no nível IV. Esta diferença entre pescoço clinicamente negativo e positivo foi estatisticamente significativo(p=0,009). Não houve metástases isoladas para o nível IV, esta sempre relacionada a nível II ou III comprometido(p=0,002). Conclusão: A prevalência de metástase linfática para o nível IV no CEC de laringe no pescoço clinicamente negativo foi de 0%. A prevalência de metástase linfática para o nível IV esteve correlacionada à pescoço clinicamente positivo. Não houve metástases isoladas para o nível IV. Metástases para o nível IV foram relacionadas à presença de metástases em níveis II ou III.
PROGRESSOS NOS ESTUDOS PARA IDENTIFICAçãO DO GENE RESPONSáVEL PELA POLIMICROGIRIA PERISYLVIANA BILATERAL CONGêNITA
Torres, Fábio Rossi; Tsuneda, Simone Sayuri; de Sousa-Kols, Daniela Aguiar; Brandão de Almeida, Iara Leda ; Guerreiro, Marilisa Mantovani; Cendes, Fernando ; Lopes-Cendes, Iscia ;
  Polimicrogiria (PMG) é uma malformação causada por falhas no desenvolvimento do córtex cerebral e se caracteriza por um número excessivo de pequenos giros e laminação anormal, dando à superfície cortical uma aparência irregular e grosseira. A gravidade das manifestações clínicas se correlaciona com a extensão da malformação. Uma das síndromes de polimicrogiria mais bem descritas clinicamente é a polimicrogiria perisylviana bilateral congênita (PPBC). Existem casos familiares descritos de PPBC, vários deles com um padrão de herança ligado ao cromossomo X. Nosso grupo recentemente mapeou um novo locus candidato para a PPBC na região Xq27.1-q27.3. Além deste importante achado, foi descrita uma mutação no gene SRPX2 em um paciente com crise rolândicas e PPBC e em alguns de seus parentes de sexo feminino que possuem um fenótipo mais brando. Este gene está localizado em Xq22, portanto fora da região candidata, no entanto como foi descrita uma correlação do mesmo com PPBC, torna-se importante estudá-lo. O objetivo deste trabalho é estudar por método de triagem de mutações os genes localizados do locus candidato, além de investigar se o gene SPRX2 pode estar envolvido na etiologia da PPBC em nossos pacientes. Estão sendo analisados 31 pacientes cujo DNA foi obtido através de extração pelo método de fenol-clorofórmio. As regiões intron – exon e codificantes foram amplificadas pelo método da reação em cadeia da polimerase (PCR). Os produtos amplificados foram analisados por Denaturing High-performance Liquid Chromatography (DHPLC) que detecta possíveis alterações na seqüência gênica pela retenção diferencial de homoduplex e heteroduplex formados por moléculas de DNA parcialmente desnaturadas em uma cromatografia líquida em fase reversa. Amostras com perfil de retenção diferenciado foram submetidas à sequênciamento automático. O gene SPRX2 teve todos os seus 11 exons analisados. Foi identificado em dois pacientes uma alteração C82G, já descrita como um polimorfismo na base de dados do NCBI (refSNP ID rs1343213), além desta alteração também foi identificada no exon 2 de dois pacientes uma inserção em tandem de 17 pb ausente em 50 controles analisados. Alguns padrões cromatográficos do exon 9 do SPRX2 estão ainda em processo de sequênciamento. O gene AFF2 (localizado dentro do locus) ainda não foi analisado completamente. Foi encontrado em cinco pacientes um polimorfismo no intron 15 já descrito na base de dados do NCBI (refSNPID rs16994895) além de uma alteração C843A no exon 11 de AFF2 em dois pacientes (não descrita no NCBI).Serão necessários outros experimentos para definir se a inserção no gene SPRX2 é realmente patogênica, além de estudos em grupo controle para estimar se a alteração C843A do gene AFF2 está presente no mesmo. Desta forma ainda não podemos excluir a participação destes dois genes na etiologia da PPBC. Caso a exclusão destes genes se confirme, outros genes dentro do locus candidato (SLITRK2 e SLITRK4) serão analisados futuramente.
PROPOSTA DE NOVA ABORDAGEM FUNCIONAL PARA O ESTUDO DOS MECANISMOS DE EPILEPTOGêNESE EM ANIMAIS MODELO.
Pascoal, Vinicius D.B.; Marchesini, Rafael B.; Cavalheiro, Esper A.; Lopes-Cendes, Iscia ;
  Introdução: Uma das ferramentas mais utilizadas para estudar a fisiopatologia da epilepsia do lobo temporal (ELT) são os modelos experimentais. Entre os vários disponíveis, o modelo da pilocarpina, além de muito bem estabelecido, tem ampla caracterização molecular, histológica, fisiológica e fenomenológica. Estudos moleculares prévios demonstraram o aumento da expressão de vários genes durante a fase aguda (fase de estado de mal epiléptico); porém, permanece uma incógnita quais desses genes e/ou vias de sinalização seriam críticos para a determinação das lesões e/ou responsáveis pela epileptogênese que ocorre na fase crônica do modelo. A técnica de interferência por RNA (RNAi) tem sido utilizada em estudos funcionais e como uma alternativa terapêutica em situações nas quais existe uma expressão elevada dos genes alvo. Porém, no sistema nervoso central (SNC), ainda existe uma grande dificuldade na entrega das moléculas interferentes, os siRNAs, devido à presença da barreira hemato-encefálica e à diversidade de tipos celulares existentes.   Métodos: Nesse trabalho, para obtermos o silenciamento de genes expressos no SNC, utilizamos um peptídeo neurotrófico sintetizado quimicamente (com seqüência idêntica a um fragmento do cápsideo do vírus da raiva) como carreador da molécula de siRNA. Inicialmente, estudamos o papel de genes pró-inflamatórios e citosinas. Os animais foram previamente tratados com injeções intravenosas com as moléculas de siRNA associadas ao peptídeo neurotrófico. Posteriormente, tanto os animais controle (n=7) como os que tiveram crises induzidas pela pilocarpina (PILO, n=8) receberam novas injeções de siRNA.   Resultados: Até o momento, já temos moléculas de siRNAs validadas contra três genes alvos (IL1b, IL1-r e COX-2), sendo que a padronização da técnica de silenciamento nos animais controle se mostrou eficiente. A expressão dos genes alvo foi diminuída em aproximadamente 65 %, tanto ao nível de proteína quanto ao do RNA mensageiro (RNAm), sendo que obtivemos um efeito inibitório significativo com duração média de até 96 h. No grupo PILO, o primeiro gene estudado foi o IL1-r, sendo que o seu silenciamento aumentou significativamente o tempo de ocorrência da primeira crise e o tempo para que os animais entrassem em status epilepticus, além de ter provocado a diminuição da taxa de mortalidade nos animais silenciados.   Discussão: Acreditamos que nossos resultados fornecerão dados relevantes para apoiar ou refutar o papel crítico dos genes investigados na determinação da epileptogênese na fase aguda do modelo da pilocarpina. Além disso, nossa estratégia experimental, se provada eficiente, poderá ser rapidamente traduzida em propostas terapêuticas.    CNPq e FAPESP
PROPRIEDADES ADESIVAS E QUIMIOTáTICAS DOS NEUTRóFILOS EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATóIDE; INFLUêNCIA DE DIFERENTES TRATAMENTOS
Dominical, Venina Marcela; de Almeida, Camila Bononi; Penteado, Carla Franco ; Bértolo, Manoel Barros; Costa, Fernando Ferreira ; Conran, Nicola ;
Introdução: Um passo essencial no desenvolvimento de um processo inflamatório, incluindo doenças auto-imunes como a artrite reumatóide (AR), envolve o recrutamento de leucócitos para o sítio de inflamação. Este processo inclui a interação de várias moléculas como citocinas e moléculas de adesão celular. Objetivos: compreender melhor os mecanismos adesivos e quimiotáticos dos neutrófilos (que são as células mais abundantes na circulação sanguínea) em pacientes com AR e investigar a possível influência de diferentes tratamentos. Pacientes e métodos: Sangue periférico foi coletado de pacientes que preencheram os critérios do Colégio Americano de Reumatologia para AR e que estavam com a doença ativa (definido pelo índice de atividade da doença - DAS28 > 3,2). Os indivíduos foram divididos em 3 grupos: em tratamento com metotrexato (MTX, com a dosagem entre 7,5 a 25mg/semana), terapia com agentes biológicos anti-TNF-α (antiTNF, infliximab; 3mg/Kg podendo ou não estar em uso de MTX) e grupo com AR sem tratamento (NT). Indivíduos saudáveis sem AR foram usados como controles (CON). Os neutrófilos foram separados através de gradiente de separação utilizando ficoll-hypaque e os ensaios de adesão estática foram realizados com fibronectina (FN) como ligante; ensaios quimiotáticos in vitro utilizaram interleucina-8 (IL-8) como agente quimiotático. Resultados: Não foram encontradas diferenças significantes com relação à adesão dos neutrófilos à FN nos três grupos com AR quando comparados ao grupo controle (P>0.05, n≥14; 18.1±1.2%, 17.1±1.5%, 15.3±1.5%, 15.4±0.8%, para MTX, antiTNF, NT, CON, respectivamente). Interessantemente, quando os neutrófilos foram estimulados com IL-8 (200ng/ml), os neutrófilos dos grupos CON, MTX e antiTNF demonstraram aumento significativo da adesão à FN, porém no grupo NT não houve alteração da adesão (P<0.05, n≥3, 15.1%, 16.7%, 23.2%, 1.1% aumento relativo da adesão, respectivamente). Em contraste, as propriedades quimiotáticas dos neutrófilos, quando estimuladas com IL-8, foram significantemente aumentadas somente no grupo antiTNF (P=0.03), quando comparadas aos grupos não-tratado, MTX e controle (13.1±3.5%, 5.2±1.1%, 6.3±1.3%, 7.1±1.0% migração, respectivamente, n≥8). Conclusões: A inabilidade dos neutrófilos em aumentar as propriedades adesivas em resposta a IL-8 de pacientes com AR não-tratados, pode indicar que estas células já se encontram em um estado ativado na circulação destes pacientes. O aumento das propriedades quimiotáticas em pacientes com AR em terapia com anti-TNF-α indica que a remoção de mediadores inflamatórios da circulação nestes pacientes pode promover uma maior resposta quimiotática dos neutrófilos sob condições de estímulo. Futuras investigações são necessárias para entender como uma alteração na migração neutrofílica pode beneficiar pacientes com artrite reumatóide.
PROPRIEDADES FíSICO-QUíMICAS E VALOR PROTETOR DO HIDROGEL NO RECOBRIMENTO DAS ALçAS INTESTINAIS NA GASTROSQUISE EXPERIMENTAL
Lanhellas, Frances Lilian Gon; Bueno, Márcia Pereira; Schmidt, Augusto Frederico; da Silva, Regiane ; de Oliveira, Marcelo Ganzarolli; Sbragia, Lourenço ;
Gastrosquise é um defeito congênito da parede abdominal anterior no qual as alças intestinais ficam herniadas e em contato com o líquido amniótico (LA). Essa exposição das alças ao LA leva a inflamação e resulta em várias disfunções intestinais no período neonatal. No modelo experimental de gastrosquise utilizou-se um hidrogel de N-isopropilacrilamida (NIPAAm) copolimerizado com ácido acrílico (Aac) a fim de diminuir a inflamação das alças expostas ao LA. O defeito foi cirurgicamente criado aos 18,5 dias de gestação (termo = 22 dias) em fetos de ratas Sprague-Dawley por meio de um corte paramediano à direita do cordão umbilical e as alças expostas foram cobertas com o hidrogel aderido com selante de fibrina até o fim da gestação (21,5 dias). Quatro grupos de fetos foram estudados: controle (C), gastrosquise (G), gastrosquise + cobertura das alças com adesivo de fibrina - Beriplast® (GA) e gastrosquise + cobertura das alças com adesivo de fibrina e hidrogel (GAH). As variáveis morfo e histométricas avaliadas foram peso corporal e intestinal e a espessura das camadas da parede intestinal na microscopia óptica. A integridade da parede intestinal aderida ao hidrogel foi analisada por microscopia eletrônica de varredura (MEV). O LA de diferentes idades gestacionais foi coletado para quantificação protéica, análise de sua carga elétrica por isoeletrofocalização (IEF) e a capacidade de absorver água foi medida pelo grau de intumescimento do hidrogel. A comparação do peso, o diâmetro, a espessura das camadas e da parede intestinal foi significativamente menor nos grupos C e GAH quando comparados aos grupos G e GA (p<0.05). O hidrogel foi eficiente na cobertura do órgão e na MEV demonstrou não causar dano à parede intestinal após a sua remoção. O grau de intumescimento revelou que o peso do biomaterial foi 34 vezes maior após a exposição ao LA. No entanto, o seu peso final ainda foi 26 vezes menor que a média do peso corporal fetal (= 4400 mg). As proteínas do LA na IEF são predominantemente de carga elétrica negativa e coincide com a carga do hidrogel o que confere ao biomaterial a propriedade de repelir proteínas. Portanto, a utilização do hidrogel aderido pelo adesivo de fibrina reduziu o dano à parede intestinal da gastrosquise e pode servir como uma efetiva proteção das alças fetais herniadas.
PROSPECTIVE MINIMAL RESIDUAL DISEASE RESULTS FROM 77 CONSECUTIVE ACUTE LYMPHOBLASTIC LEUKEMIA PATIENTS.
Ganazza, Mônica Aparecida ; Assumpção, Juliana Godoy; Scrideli, Carlos Alberto ; Brandalise, Silvia Regina; Yunes, José Andrés ;
  Introduction: Acute lymphoblastic leukemia (ALL) is the most common childhood cancer. Although 95% of patients reach clinical remission, residual cancer cells (Minimal Residual Disease: MRD) not detected by conventional morphological analysis, can still be present in the bone marrow (BM). Objective: We are currently working in the standardization of the protocol for the detection of MRD in ALL using immunoglobulin and T cell receptor gene rearrangements as PCR targets. Material and Methods: In the present study we prospectively monitored 77 patients with childhood ALL, admitted to treatment at Centro Infantil Boldrini (Campinas/SP), starting on April 2006. Bone marrow samples were collected at diagnosis and at two consecutive time points, days 14 (D14) and 28 (D28) of the induction phase. DNA from diagnostic sample was used to identify clonal Ig and TCR rearrangements by PCR using consensus primers and homo-heteroduplex analysis. Monoclonal rearrangements were subsequently tested in D14 and D28 samples. Association between MRD status and other clinical variables were evaluated by the Fisher´s exact test. Potential prognostic factors considered in the analysis were age, white blood cells (WBC) count both at diagnosis and D7. Results: Eighteen out of 67 patients (26,9%) with available samples were MRD+ at D14. Association could be found between MRD status at D14 and male gender, age <1 to ³9 years, T-ALL imunophenotype, high risk group classification, absence of Calla (CD10), presence of blasts at day 14 of treatment, status of bone marrow at D14, and treatment response. Fourteen out of 73 patients (19,2%) analyzed were MRD+ at D28. Association could be found between D28 MRD status and T-ALL imunophenotype, absence of Calla (CD10), WBC count at day 7, presence of blasts and bone marrow status at D14 and treatment response. Conclusion: In conclusion, we can observe some associations between MRD status on D14 and D28 both in prognostic factors at diagnosis and treatment response prognostic factors. Also, we can show that the 13 out 67 patients (19,4%), considered to be in cytological remission at D28 were MRD positive at this time point, indicating that the MRD analysis by PCR is more accurate than the conventional citological methods in the analysis of bone marrow samples at day 28 of treatment. Pilot studies have shown that the presence of clonality at day 28 is a strong indicative of future relapse. Analyzing the follow-up of the patients enrolled in this study will help establish whether MRD could be a better parameter to determine efficacy of treatment and to improve patient’s group risk stratification. The present study is part of the manuscript: "A simplified minimal residual disease (MRD) PCR method at early treatment points stratifies children with acute lymphoblastic leukemia into good and poor outcome groups" accepted for publication in Haematologica (in press). Financial support: Fapesp/CNPq/Capes
PROTECTIVE EFFECTS OF ADENINE NUCLEOTIDES ON PERMEABILITY TRANSITION IN BRAIN MITOCHONDRIA
Saito, Ângela ; Castilho, Roger Frigério;
During severe hypoglycemia, brain ischemia and trauma, excessive mitochondrial Ca2+ uptake can cause non-selective inner mitochondrial membrane permeabilization, known as permeability transition (PT). This event can lead to mitochondrial dysfunction and cell death, either by apoptosis or necrosis. The adenine nucleotides ADP and ATP are probably the most important endogenous inhibitors of mitochondrial PT. The aim of the present study was to characterize the inhibitory effect of ADP and ATP on Ca2+-induced PT in isolated rat brain mitochondria. We observed that in the presence of either ADP or ATP at 250 µM, brain mitochondria accumulated approximately 1500 nmol Ca2+/mg protein. Interestingly, ATP lost most of its inhibitory properties when the experiments were carried out in the presence of the ATP-regenerating systems phosphocreatine/creatine kinase or phosphoenolpyruvate/pyruvate kinase. These results indicate that PT inhibition observed in the presence of added ATP could be mainly due to hydrolysis of ATP to ADP. The presence of ADP or ATP inhibited mitochondrial cytochrome c release, which occurred only after PT. When titration of ADP was carried out, maximal mitochondrial Ca2+ accumulation was obtained at 1 mM ADP (1700 nmol Ca2+/mg protein), while mitochondrial Ca2+ accumulation was slightly lower in the presence of higher ADP concentrations. Ki values for ADP and ATP determined by the inhibition of Ca2+-induced mitochondrial swelling were 4.5 and 98 µM, respectively. Furthermore, we proposed the presence of two sites for ADP on control of PT inhibition, since a later mitochondrial swelling, sensitive to higher ADP concentration, was observed. A period of anoxia/reoxygenation did not interfere in the inhibitory effect of ADP on Ca2+-induced PT. We conclude that ADP is a potent inhibitor of brain mitochondrial PT, while ATP is a weaker inhibitor of this phenomenon. These results of anoxia/reoxygenation suggest that ADP can have an important protective role during conditions of brain ischemia and hypoglycemia.
QUANTIFICAçãO E CARACTERIZAçãO DAS CéLULAS T CD4+ CD28NULL E T CD4+ CD28+ EM PACIENTES COM DOENçA CORONARIANA E INDIVíDUOS SAUDáVEIS
Téo, Fábio Haach; Oliveira, Rômulo Tadeu Dias; Mamoni, Ronei Luciano; Fernandes, Juliano de Lara; Coelho, Otávio Rizzi; Blotta, Maria Heloisa Souza Lima;
  Introdução e Objetivos: A aterosclerose ocupa papel de destaque entre as doenças cardiovasculares. Trata-se de uma doença inflamatória caracterizada por uma intensa atividade imunológica. Células T CD4+ CD28null, que produzem citocinas inflamatórias e apresentam atividade citotóxica, são encontradas em grande quantidade nos ateromas rompidos. Entretanto, pouco se sabe sobre o estado funcional dessas células em pacientes crônicos. O objetivo desse estudo foi quantificar e fenotipar as células T CD4+ CD28null e T CD4+ CD28+em pacientes com doença coronariana crônica (angina estável - AE) e controles saudáveis.              Métodos e Resultados: Foram avaliados vinte pacientes com doença coronariana estável e sem evidência de infecção ou imunossupressão e 6 controles saudáveis, sem doença coronariana documentada. Os pacientes foram recrutados no Hospital das Clínicas da Unicamp, junto ao Ambulatório de Isquemia da Disciplina de Cardiologia. Após a coleta de sangue periférico em tubo heparinizado, as células mononucleares (CMSP) foram separadas em duas alíquotas: uma foi submetida diretamente à citometria de fluxo (ex-vivo) e outra foi estimulada em cultura com anti-CD3 e ionóforo de cálcio por 6 horas, sendo então também submetida à citometria de fluxo. Foram avaliados os seguintes marcadores: perforina, granzimas A e B, TNF-a, IFN-g, CCR5, CXCR3, CCR7 e CD161. As citocinas IFN-g e TNF-a também foram avaliadas após estimulação das células em cultura. A expressão das moléculas nas diferentes populações de células T CD4+ foi analisada pela porcentagem de células positivas para os marcadores em cada população. Não houve diferença significativa quanto a porcentagem de células T CD4+CD28null e CD4+CD28+ entre pacientes com AE e controles, apesar da porcentagem de células CD4+CD28null ser ligeiramente maior nos doentes. Com relação aos marcadores analisados, as células T CD4+CD28null tanto dos pacientes (AE) como dos controles apresentaram expressão bem maior de perforina (p<0,0001 e p=0,008), granzima A (p<0,0001 e p=0,02), granzima B (p<0,0001 e p=0,02) e IFN-g (p=0,03 e p=0,02) do que a população CD28+. Em pacientes com AE a expressão de CCR5 em células CD4+CD28null foi significativamente maior do que em células T CD4+CD28+ (p=0,0047), o que não ocorreu no grupo controle. Por outro lado, no grupo controle a expressão de CXCR3 (p=0,04) e CCR7 (p=0,012) foi maior em células CD4+CD28+ do que na população CD28null, diferentemente do grupo AE. Após estímulo em cultura com anti-CD3 e ionóforo, a freqüência de células CD4+CD28null TNF-a+ (p=0,01) e IFN-g+ (p=0,006) aumentou significativamente, embora o mesmo não ocorresse com a população CD28+. O mesmo padrão foi observado nos nas células do grupo controle.   Conclusão: Os resultados parciais mostram que as células T CD4+CD28null tanto de pacientes como de controles apresentam um grande potencial citotóxico e inflamatório, quando comparadas à população CD4+CD28+. Entretanto, as células de pacientes e controles parecem diferir quanto a expressão de moléculas envolvidas na migração. As células CD4+CD28null dos pacientes apresentam alta expressão de CCR5 em rela&ccedi
RARE RHCE PHENOTYPES IN SICKLE CELL DISEASE PATIENTS: IDENTIFICATION AND TRANSFUSION SAFETY
da Costa, Daiane Cobianchi; Credidio, Débora Castilho; Ribeiro, Karina Rosa; Guarnieri, Mara Heloisa ; Amaral, Daphne Renata Tavares; Castilho, Lilian ;
  Background: Serological diagnosis of RHCE variants encountered in Afro-descendents individuals and associated with the production of clinically significant antibodies against high-incidence antigens (anti-RH18 [Hr], RH19 [hrs], anti-RH34 [HrB] and RH31[hrB], and against Rhe epitopes is difficult, especially when different combinations of altered alleles occur. The molecular backgrounds of these variants were previously determined (Noizat-Pirenne et al, 2002). Since the Sickle Cell Disease (SCD) patients may carry such variants and develop antibodies following transfusions, the frequency of such alleles was estimated in a population of SCD Patients. Methods: We performed molecular analyses of these rare alleles in 94 SCD patients. Five of these patients had already antibodies against high incidence antigens (2 anti RH34, 2 anti-RH19 and 1 anti-RH18). For the detection of the rare RHCE alleles we used a new blood group biochip (Bloodchip, Progenika, Derio, Spain) designed to detect more than 100 molecular polymorphisms including RHCE variants and a specific PCR assay followed by sequencing of RHCE exons 4, 5 and 6. Results: Among the 94 SCD patients studied, 9 (9.6%) presented rare RHCE alleles producing loss of immunogenic epitopes and/or weak e antigens. The variants associated with loss of immunogenic epitopes included the 5 patients who had already antibodies: 1 ceAR (with anti-RH18), 2 (C)ces (with anti-RH34) and 1 ceMO (with anti-hrs). The variants associated with weak e antigens included 4 patients without antibodies against high incidence antigens: 3 ce(C48) and 1 ces. Conclusion: We characterized rare RHCE phenotypes in SCD patients and associated some of these phenotypes to the presence of clinical significant alloantibodies against high incidence antigens. Therefore for efficient transfusion purposes, a complete characterization of these variants is required. Our results shows the importance to have a procedure to detect these variants within a population of SCD patients and Afro-descendents blood donors, to ensure patient transfusion safety.
RECEPTORES DE INSULINA E SUA IMPLICAçãO NA RESTRIçãO DE CRESCIMENTO INTRA-UTERINO DA GASTROSQUISE EXPERIMENTAL
Bueno, Márcia Pereira; Guadagnini, Dioze ; Schmidt, Augusto Frederico; Ueno, Mirian ; Saad, Mario ; Barini, Ricardo ; Sbragia, Lourenço ;
A restrição do crescimento intra-uterino (RCIU) é um processo capaz de limitar o desenvolvimento fetal aumentando a morbidade e mortalidade perinatais bem como o risco de doenças na idade adulta. A RCIU causa alteração no transporte de glicose e aminoácidos e na produção hormonal influenciando o desenvolvimento tecidual. Vários fatores de causas maternas e fetais podem causar RCIU entre eles a insuficiência placentária (IP) e as malformações como em 50% dos fetos com gastrosquise (G). Gastrosquise é um defeito congênito da parede abdominal anterior no qual as alças intestinais ficam herniadas e em contato com o líquido amniótico (LA) levando a inflamação que resulta em várias disfunções intestinais no período neonatal. A causa da RCIU pode estar relacionada à ativação inflamatória fetal e pode envolver as vias de transporte da glicose que até o momento ainda não está esclarecida. No modelo experimental de gastrosquise comparou-seou-se as alterações morfométricas e a expressão de Insulin Receptor beta (IR-b), Insulin Receptor Substrate 1 (IRS-1) e Insulin-like growth factor receptor beta (IGF-IRb) entre RCIU de causa materna causado pelo IP e de causa fetal causado pela G no modelo experimental de ratos. Ratas prenhes Sprague Dawley com 18,5 dias de gestação (vaginal smear = D0; termo=D22) foram divididas em três grupos de 20 fetos cada: Grupo I - submetido à ligadura da artéria uterina no corno direito para causar IP (técnica de Wigglesworth, 1964), fetos (IP) e fetos controle (CIP) no corno esquerdo.  Grupo II - submetido à G (técnica de Correia Pinto, 2001), subdividos em gastrosquise (G), controle (CG) e Sham (S) e Grupo III - controle externo (CE), ratos sem procedimento cirúrgico. Os dados morfométricos avaliados foram pesos corporal (PC), hepático (PH), intestinal (PI), renal (PR) e relações PH/PC, PI/PC, PR/PC, PP/PC. Foram comparados entre os grupos a expressão de IRS1, IRb e  IGF- IRb. Fetos IP tiveram somente PC, PH, PI menor que CIP (p <0,001). Fetos G tiveram PC menor que CG (p<0,0005) e que CE (p<0,0001); PI da G foi maior que CG , S (p<0,0001). Na IP temos um aumento de expressão de  IRb no intestino e rim e uma diminuição no fígado, o IGF-IRb esta diminuido no rim e aumentado no fígado. Nos fetos G houve aumento de IRb e IGF-IRb no intestino e diminuição no rim e no fígado. Portanto os fetos com IP têm RCIU com diminuição de todos os órgãos e expressão dos receptores de glicose alterada e fetos com G tem uma RCIU com aumento do peso intestinal e com receptores expressos diferentes da IP o que implica em provável comprometimento da via da glicose que repercute no crescimento fetal.
RECONSTRUÇÃO DE COORTES: MÉTODOS, TÉCNICAS E INTERFACES COM A VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR
Sabino, Marcos Oliveira; Corrêa Filho, Heleno Rodrigues;
O reconhecimento das condições de produção e dos ambientes e processos de trabalho, e suas repercussões sobre a saúde e vida dos trabalhadores e populações potencialmente afetadas representa elemento fundamental para as políticas de saúde pública, meio ambiente e sustentabilidade. Estudos de coortes ocupacionais podem contribuir para tal objetivo. O presente estudo buscou reconhecer a logística de estratégias, métodos, técnicas e elementos significativos para a recuperação de dados e informações necessárias à reconstrução de coortes ocupacionais no contexto brasileiro. Realizou-se uma revisão sistemática da literatura sobre reconstrução de coortes ocupacionais nacionais e estudo do caso Shell-Cyanamid-Basf, ocorrido em Paulínia/SP. Foram identificados e explorados desafios metodológicos, as principais variáveis, dados e informações relacionadas, os atores sociais e sua atuação, concluindo-se pela indicação de ações sistematizadas e de estratégias combinadas de busca, e pelo reconhecimento da importância do protagonismo dos trabalhadores nas várias etapas do processo de reconstrução das coortes ocupacionais como ações fundamentais e qualificadoras desses estudos e dos processos de atenção e vigilância à saúde dos trabalhadores.
REDUçãO HIPOTALâMICA DA PTP1B MELHORA A RESISTêNCIA à INSULINA E LEPTINA INDUZIDA PELO TNF-ALPHA
Picardi, Paty Karoll; Caricilli, Andrea Moro ; de Abreu, Lélia Lelis Ferreira; Carvalheira, José Barreto Campello; Saad, Mário José Abdalla;
  A alta expressão da PTP1B em hipotálamo de roedores pode contribuir para a resistência à insulina e leptina na obesidade. Fatores que estão associados ao desenvolvimento da resistência à insulina e leptina são potenciais mediadores da alta expressão da PTP1B na obesidade. A inflamação subclinica pode ter uma função no desenvolvimento da resistência à insulina e leptina, entretanto a função de mediadores inflamatórios na regulação da PTP1B em hipotálamo ainda não está bem esclarecida. Um dos fatores que estão associados ao desenvolvimento da resistência à insulina é o TNFα. TNFα é uma citocina que está envolvida em muitos processos patológicos, incluindo a inflamação. Recentes estudos tem demonstrado a importante função do TNFα na patogênese da resistência à insulina em humanos e modelos de animais, porém o mecanismo de ação requer mais estudos. Nossos objetivos foram avaliar o efeito central do TNFα na sensibilidade e sinalização da insulina e leptina em ratos pré-tratados com PTP1B-ASO. Para isso foi implantado uma cânula no terceiro ventrículo do hipotálamo de ratos pré-tratados com PTP1B-ASO duas vezes ao dia, durante quatro dias. Nossos resultados mostraram que a administração central do TNFα aumenta a atividade e expressão da PTP1B, e reduz a sinalização e a capacidade anorexigênica da insulina e leptina em hipotálamo de ratos. PTP1B. Nós acreditamos que a PTP1B é uma proteína importante na resistência à insulina e leptina induzida pelo TNFα, visto que a sua redução através do tratamento com PTP1B-ASO melhora a ação, a sinalização e o estado de resistência induzida por essa citocina.      
REFLEXãO SOCIOANTROPOLóGICA SOBRE O CORPO
Alves Separavich, Marco Antonio ;
           Segundo a antropóloga britânica Henrietta Moore (1997), quando se discute a sexualidade, as relações entre os sexos, a reprodução humana é comum surgirem referências à natureza inerente ao corpo e aos processos corporais. Da mesma forma quando se discute o processo saúde e doença não se prescinde da discussão sobre o corpo, sendo ele objeto de intervenção da medicina.                    Nas propagandas veiculadas na mídia, nas conversas da vida comum e nos discursos acadêmicos evoca-se, de forma conclusiva, a dimensão natural do corpo, para justificar certos comportamentos sociais e práticas biomédicas. Nestes contextos, a idéia do que é natural aparece como ordem universal inscrita na fisiologia do próprio corpo, trazendo em si uma explicação definitiva e irredutível (essencialista) da realidade corporal: a dimensão biológica.             No Ocidente, a correlação direta entre o natural e o biológico funda-se nos marcos da constituição e legitimação da biomedicina como ciência moderna, sendo hegemônica a explicação que valoriza a dimensão biológica ou natural dos corpos e dos processos corporais (Loyola, 2003).             Entretanto, estudos de pesquisadores da História da Medicina (Laqueur, 2001; Stolberg, 2007), e de antropólogos (Moore, 1997; Helman, 2003; Strathern, 2007) entre outros, têm problematizado a existência de uma universalidade subjacente à idéia do corpo natural, isto é, do corpo tal como concebido biologicamente no Ocidente.             Os primeiros demonstrando que o conhecimento científico tem uma história e que as teorias médicas ocidentais sobre os corpos e os processos corporais variaram não só devido às concepções filosóficas, políticas, mas, sobretudo, epistemológicas vigentes em suas épocas. Os segundos apontando para a construção sócio-cultural do corpo, não sendo possível atribuir-lhe uma concepção única e essencialista, já que a idéia do que é natural ou não é elaborada e estabelecida social e culturalmente.              No que concerne à Antropologia, há que se notar que a disciplina já consolidou um espaço de reflexão teórica sobre o corpo, com estudos pioneiros como o do etnólogo francês Marcel Mauss (2003 [1934]), que definiu o corpo humano como o primeiro instrumento sobre o qual incide técnicas, atos tradicionais capazes de orientá-lo, moldando a postura corporal às imposições sócio-culturais.             A antropóloga estadunidense, Margaret Mead (2000 [1935]) demonstrou que em sociedades indígenas da Nova Guiné, as diferenças sexuais eram interpretadas a partir de um repertório cultural complexo e diversificado, no qual padrões culturais distintos esculpiam temperamentos diferentes entre homens e mulheres, muitos deles diametralmente opostos de uma sociedade para outra.        &n
REFLEXOS DA EXPERIêNCIA DOCENTE SOBRE INCLUSãO EDUCACIONAL
, ;
Objetivo: Verificar a percepção de docentes das áreas de ciências humanas, paramédicas, exatas, econômicas e administrativas sobre aspectos diversos da Inclusão Educacional considerando-se o tempo de experiência docente. Amostra: 235 docentes de universidade privada, selecionados por cluster, em cada  curso sorteado da Universidade em que foram contatados. Instrumento: dados coletados por questionário semi-aberto, aplicado coletivamente, ou individualmente quando necessário, considerando-se disponibilidade de horário dos docentes.  Resultados: 47% dos docentes com 6 à 10 anos de experiência tinha mestrado e 52% entre 11à 20 anos de experiência tinha doutorado ou  pós-doutorado( Fisher, p= 0,0016); preparo para professores e funcionários para lidar com estudantes deficientes : 70% entre 6-10 anos de experiência  indicou o item para ser oferecido à médio prazo,mas  51% com 5 anos ou menos de experiência preferiu indicá-lo à curto prazo ao lado de  43% com 20 anos ou mais experiência docente ( Fisher,p = 0,0007);oferecer suporte psicológico foi um diferencial importante ( Fisher,p=0.016): a curto prazo 55% de 11 à 20 anos e   63% com mais de 20 anos de docência e a médio prazo 41% com 5 anos ou menos e 32% entre 6 a 10 anos de experiência docente.Pela análise de regressão comparando-se exatas e econômicas verificou-se que o fator mais relevante foi a escolaridade dos docentes (mestrado, doutorado ou pós-doutorado) (p=0.010)(OD = 5.29).Comparando-se humanas e paramédicas verificou-se que o fator mais relevante foi o gênero masculino embora sem expressiva significância estatística: apenas um indício (p= 0,123 ; OD=2.25), dados que esclarecem em parte as tendências observadas considerando-se o total da amostra (masculino p=0,052,OD =2.01 e escolaridade p=0.103,OD= 1.85), provavelmente derivadas dos cursos como computação( embora não se possa esquecer arquitetura) e fisioterapia, os quais aparentemente tinham experiências mais recentes relativas à estudantes deficientes. Conclusão: o tempo de experiência docente influenciou docentes da amostra relativamente a alguns aspectos, especialmente quanto a necessidade de oferecer suporte psicológico aos estudantes deficientes particularmente entre docentes com mais experiência docente e maior escolaridade.      
RELAÇÃO ENTRE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL E PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DO “BOM PRATO” EM CAMPINAS
Amaya, Sandra Cristina ; segall - correa, ana maria; marín-léon, letícia ;
  RESUMO O Governo Federal visando à segurança alimentar e nutricional lançou o Programa Fome Zero. Uma de suas várias metas é a criação de restaurantes populares destinadas ao preparo e à comercialização de refeições saudáveis, oferecidas a preços subsidiados à população. No Estado de São Paulo foi criado o Bom Prato. O objetivo deste projeto é analisar a segurança alimentar e nutricional (questionário EBIA) dos usuários do Bom Prato e a sua associação com o perfil sócio-econômico (critério Abipeme), demográfico e de características de saúde dessa população. Com este fim foi desenhado um estudo transversal descritivo com amostra aleatória de 250 usuários deste restaurante. Os dados serão analisados mediante cálculo de odds ratio para avaliar o maior risco da população em insegurança quanto às diversas variáveis. Trabalho iniciado em dezembro de 2008 e término previsto para setembro de 2009. Financiamento da Cátedra FAO
RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM TRABALHO DE CAMPO ETNOGRÁFICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE CAMPINAS-SP
Melo, Lucas Pereira de;
INTRODUÇÃO O presente estudo é um relato do trabalho de campo de uma dissertação de mestrado que teve seu desenvolvimento metodológico pautado na pesquisa qualitativa inaugurada pela Antropologia Moderna, a etnografia. No século XX, Bronislaw Malinowski, com seu estudo nas Ilhas Trobriand, promoveu uma renovação metodológica na antropologia ao apresentar a pesquisa etnográfica enfocada no “outro” e, dessa forma, propôs uma nova e moderna etnografia (Malinowski, 1978). Para ele, o objetivo da etnografia é entender, do ponto de vista do nativo, suas relações com a vida e suas visões de mundo. Spradley (1979) considera a etnografia o trabalho de descrever uma cultura e afirma que mais do que estudar as pessoas e suas culturas, a etnografia significa aprender com as pessoas que estão sendo estudadas. O objetivo deste texto é relatar a vivência do trabalho de campo etnográfico desenvolvido em uma enfermaria de um hospital universitário (HU) em Campinas, SP. Este trabalho justifica-se pelo fato de a etnografia favorecer uma perspectiva de compreensão em profundidade, permitindo ao pesquisador a imersão na realidade a ser estudada, aproximando-o intimamente dos atores sociais que, cotidianamente, tecem os fios de uma realidade social. Além de capacitá-lo, por meio do compartilhamento da cultura do “outro”, para ler os textos que são produzidos naquela cultura e interpretá-los de acordo com os significados que os atores sociais lhes atribuem. METODOLOGIA   Trata-se de um estudo etnográfico tendo como referencial metodológico as obras de Malinowski (1978) e Spradley (1979; 1980). O trabalho de campo foi desenvolvido na enfermaria cirúrgica de um HU em Campinas-SP, no período de março a setembro de 2008. Os atores envolvidos foram os profissionais de saúde que compõem a equipe multiprofissional (enfermeiros, médicos, fisioterapeutas, nutricionista, assistente social, técnicos de enfermagem e de administração) atuantes naquele cenário, sendo 17 informantes-chave e 28 informantes-gerais, todos maiores de 18 anos, funcionários do HU lotados na respectiva enfermaria, nos plantões manhã ou tarde e que estiveram presentes durante o período de coleta de dados, não importando o tempo de participação, pois alguns estiveram de férias ou em licenças trabalhistas diversas. As técnicas para coligir as informações foram observação participante, entrevistas semi-estruturadas, questionário socioeconômico e realização de fotografias da estrutura física do Serviço. Os dados das observações foram registrados no diário de campo, as entrevistas em áudio e transcritas na íntegra adotando-se pseudônimos para os informantes. A análise dos dados foi elaborada com base nos domínios culturais, análise taxonômica e temas culturais propostos por Spradley (1980). Este estudo está inscrito no Comitê de Ética da Unicamp sob o número 555/2008, tendo seguido as recomendações da Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. RELATO DE EXPERIÊNCIA Ao entrar no campo, fui recebido pela enfermeira plantonista e aos poucos apresentado aos outros profissionais de plantão, às rotinas e à estrutura física da unidade.  Por ser enfermeiro minha aceitação foi facilitada. Mesmo assim, fui tido como estagiário, tendo aulas extensas, à beira dos l
RESISTêNCIA INSULíNICA EM PACIENTES PORTADORAS DE HIPERPLASIA ADRENAL CONGêNITA QUE Já ATINGIRAM ALTURA FINAL.
Rezek, Gabrielle Schnaider; Guerra Jr, Gil ; Baptista, Maria Tereza; Lemos-Marini, Sofia Helena Val; D'Souza-Li, Lília ;
  Introdução: Excesso de andrógenos intra-útero leva a mudanças da programação fetal  e resulta em alteração do padrão de liberação de gonadotropinas, redução da sensibilidade de GnRH a  feed back de esteróides, alteração da distribuição de tecido adiposo e defeitos na secreção e ação de insulina. Estudos sugerem que, comparados com indivíduos normais, pacientes adultos com hiperplasia adrenal congênita forma clássica, uma formde de hiperandrogenismo intra-útero, apresentam maior incidência de obesidade, adiposidade visceral, hiperinsulinismo, resistência insulínica e hiperandrogenismo. O interesse em estudar a resistência insulínica e o metabolismo lipídico destes pacientes vem da crescente necessidade de prevenção desde a infância e a adolescência de doenças crônicas, como a aterosclerose, visto que as principas causas de morbidade e mortalidade em países desenvolvidos na atualidade são as doenças cardiovasculares. Objetivo: Avaliar a incidência de resistência insulínica e dislipidemia em pacientes femininas, portadoras de hiperplasia congênita acompanhadas no ambulatório de pediatria do hospital das clinicas da UNICAMP e que já atingiram altura final. Materiais e métodos: O estudo desenvolvido foi clínico do tipo transversal. Participaram desse estudo 18 pacientes adultas jovens, com idade entre 17 e 25 anos, apresentando diagnóstico prévio de hiperplasia adrenal congênita por deficiência de 21-hidroxilase, forma clássica, acompanhados no Ambulatório de Endocrinologia Pediátrica do Hospital das Clínicas, UNICAMP. Este estudo foi aprovado pelo Comite de ética da FCM/UNICAMP. As pacientes foram avaliadas clinicamente com medidas de peso, estatura, estadiamento puberal de Tanner, pressão arterial, cintura e quadril, além da especificação do tipo de reposição hormonal em uso. Avaliação sérica de colesterol total e suas frações (HDL, LDL e VLDL), triglicérides, glicemia de jejum, insulinemia basal, ACTH (hormônio adrenocorticotrófico), 17- hidroxi-progesterona, androstenediona e testosterona total oi determinada. A resistência insulínica foi avaliada através do cálculo do HOMA-IR. Resultados: De 18 pacientes avaliadas, a idade média foi de 19,5 anos (± 2,81DP). A altura média foi de156 cm. Destas, 11 apresentavam a forma perdedora de sal. Estatura final, dose de glicocorticóide em uso, e dados bioquímicos não foram significativamente diferentes entre as que apresentam a forma perdedora de sal e as com forma não perdedora. O IMC médio no grupo foi de 23,2 Kg/m2, sendo abaixo de 25 em 12 pacientes (66,7%), entre 25-30 em 5 pacientes (27,8%) e acima de 30 em 1 paciente (5,5%). Cintura abdominal foi normal em 15 pacientes (83,3%) e acima do normal em 3 (16,7%). De 15 pacientes avaliados, 11 (73%) apresentaram resistência insulínica (HOMA IR elevado para IMC), e 7 (47%) apresentaram HOMA IR acima de 2,7. Colesterol total foi normal para a idade em 13 (72,2%) e alto em 5 (27,8%), LDL foi normal em todas as pacientes e HDL baixo em 4 (22,2%) . Triglicérides foi normal em 16 (88,9%) e alto em 2 (11,1%). Conclusão: Pacientes púberes com hiperplasia adrenal congênita apresentam uma maior tendência ao desenvolvimento de resistência insulínica quando comparadas a popula&
RESOLUçãO TEMPORAL NA POLIMICROGIRIA PERISYLVIANA
Boscariol, Mirela ; Garcia, Vera Lucia; Guimarães, Catarina Abraão ; Hage, Simone Rocha de V; Cendes, Fernando ; Guerreiro, Marilisa Mantovani;
  Introdução: Áreas cerebrais relacionadas ao processamento auditivo estão localizadas ao redor da fissura sylviana. A maior porção do córtex auditivo em humanos é localizada no plano temporal superior que é definido pelo sulco temporal da fissura de Sylvius. Alterações estruturais mínimas nesta região podem comprometer o processamento da informação auditiva e estarem relacionadas a distúrbios de linguagem e aprendizagem. Estudos atuais têm correlacionado distúrbios específicos de linguagem e aprendizagem com malformações do desenvolvimento cortical. A polimicrogiria perisylviana refere-se a uma malformação do desenvolvimento cortical decorrente de migração neuronal tardia ou organização cortical anormal, podendo ser vista em exame de Ressonância Magnética. Objetivo: Verificar o comportamento auditivo por meio de resolução temporal em indivíduos com polimicrogiria perisylviana. Metodologia: Participaram deste estudo 17 escolares, de ambos os gêneros e faixa etária de oito a 16 anos de idade, divididos em dois grupos: Grupo I composto por 10 escolares (sendo oito do gênero masculino) com distúrbio específico de linguagem e/ou aprendizagem e polimicrogiria perisylviana e Grupo II composto por sete escolares (sendo cinco do gênero masculino) sem alterações neurológicas, audiológicas e neuropsicolinguísticas. Os pacientes foram submetidos à neuroimagem, avaliação neurológica, neuropsicológica (WISC-III), avaliação audiológica, de linguagem e aprendizagem. Os critérios de inclusão para o Grupo I foram: QI global igual ou superior a 80, audição periférica dentro da normalidade e desempenho abaixo do esperado para a idade cronológica e mental em testes de linguagem oral, leitura e escrita. Os escolares foram submetidos aos seguintes testes do processamento auditivo: Random Gap Detection Test ou Random Gap Detection Test Expandid. Resultados: Verificou-se diferença estatisticamente significante nos testes de resolução temporal entre os dois grupos. Nosso estudo mostrou alteração no processamento auditivo temporal em escolares com polimicrogiria perisylviana, sugerindo que o córtex polimicrogírico apresenta um funcionamento anormal. Na avaliação audiológica, isto pode ser um indicativo da necessidade de investigação de alterações estruturais mínimas para fins de diagnóstico e prognóstico terapêutico.
RISCO QUÍMICO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO DE INSPEçãO DE PRODUTOS E SUBSTâNCIAS QUíMICAS HOSPITALARES
CORRÊA, ARIANA GUTIERRES ; ZUBEN AUGUSTO SILVA, KARLA VON ; ANDRADE, AUDREY ELAYNE ; ANTUNES, MÔNICA CRISTINA ; M. RUSSO VALVEZAN, TATIANA REGINA ; OLIVEIRA CAMPOS MIQUILIN, ISABELLA DE;
        O risco químico provém de produtos e substâncias que são absorvidos pelo organismo durante o seu manuseio, podendo ocasionar processos alérgicos ou mesmo câncer. Atualmente no Brasil, a segurança e saúde dos trabalhadores da área da saúde estão sendo reforçadas com a Norma Regulamentadora 32 do Ministério do Trabalho e Emprego, que contempla, dentre outras, medidas de proteção contra os riscos químicos. A Resolução do Conselho Nacional de Meio Ambiente n°358 e a Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA, n°306, também apresentam diretrizes para o uso dos produtos e substâncias químicas que podem ser aplicadas ao ambiente hospitalar. Tendo em vista a vulnerabilidade dos trabalhadores da área da saúde frente ao manejo dos produtos químicos, foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre estes riscos em ambiente hospitalar, objetivando identificar os produtos e substâncias mais utilizadas, a fim de subsidiar a elaboração de um instrumento de avaliação de não conformidades baseado nas normas citadas, para que possa ser usado na identificação de possibilidades de melhoria no processo de trabalho, diminuindo a exposição dos trabalhadores a esses riscos no ambiente hospitalar. Analisando 19 artigos publicados no período de 1998 a 2008, foi identificado que a maior parte dos trabalhadores estão expostos a quimioterápicos (23%) e esterilizantes (20%). O roteiro elaborado apresentou 8 grupos, tendo como critério de avaliação itens imprescindíveis, recomendáveis, necessários e informativos. Os riscos químicos representam um desafio frente ao se controle, mas o uso de roteiros de inspeção representa uma ferramenta para possibilitar a saúde e segurança dos trabalhadores dos serviços de saúde.
SALT CONSUMPTION OF RENAL CHRONIC DISEASES PATIENTS IN HEMODIALYSIS TREATMENT: RELATIONS BETWEEN BELIEFS AND BEHAVIOR.
Agondi, Rúbia de Freitas; Gallani, Maria Cecília Bueno Jaym;
ABSTRACT Objectives: The aim of this study was to verify the relationship between the believes regarding Barriers and Benefits to follow a low salt diet of chronic renal failure (CRF) patients on dialysisand the behavior of sodium consumption.  Methodology: It is a cross-sectional study, enrolling a sample of 117patients which completed a questionnaire assessing socio-demographic and clinical data. Beliefs were evaluated with the Brazilian version of the BDCs - Beliefs about dietary compliance scale and Behavior was evaluated with a sodium- frequency food questionnaire and the estimation of the per capita salt.   Results: The average of total salt consumption was 10.6 g / day (± 6.3) and it was positively correlated to interdialytic weight gain (r = 0.20 p<0.05) and negatively with schooling (r = -0.19 p<0.05). The Barriers believes were positively correlated to time on dialysis (r = 0.25 p<0.001). The Benefits believes were discriminatory of the higher and lower  salt consumers, and proportionally related to monthly income (r = 0.22 p=001). Were reported more Benefits and lower Barriers to follow a low sodium diet. Conclusion: The reduction of salt consumption may contribute to the clinical status of the CRF patient on dialysis by reducing the interdialytic weight gain. Educational interventions aimed to reduce salt consumption among these patients must consider that the chronic experience of the disease results in barriers to comply the dietetic regimen, and that benefits believes must be promoted mainly among those with lower levels of monthly income.
SAÚDE AUDITIVA: ATUAÇÃO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE
Bonaldo, Rogers Danilo Kat; Nakamura, Helenice Yemi;
    Introdução: A audição desempenha grande papel na linguagem que é uma de nossas janelas de oportunidade do acesso ao mundo e as alterações auditivas podem levar a limitação ou impedimento da inserção social do indivíduo. Ao instituir, em 2004, a Política Nacional de Saúde Auditiva, avançou-se no desenvolvimento de estratégias de promoção da qualidade de vida, educação, proteção e recuperação da saúde e prevenção de danos. Estimativas da OMS calculam que 10% da população mundial apresentam algum tipo de perda auditiva e 80% destes vivem em países em desenvolvimento. No Brasil , no último censo, 3,3% dos brasileiros declararam apresentar algum tipo de problema auditivo. Ações em saúde voltadas para o objetivo educacional podem ser apontadas como estratégias que permitem aos sujeitos adquirirem as informações de forma significativa, dando-lhes recursos, o que amplia suas escolhas, e o faz agente de sua saúde. Este trabalho trata de  uma experiência educativa em saúde auditiva no interior de SP, em um Centro de Saúde (CS), pautada nas políticas de promoção da saúde e política nacional de atenção à saúde auditiva. Objetivo: Discutir a saúde auditiva na atenção básica e identificar o conhecimento que os usuários do CS têm sobre o tema. Metodologia: Diagnóstico situacional do território e entrevista, com roteiro semi-estruturado, elaborado pelos autores. Qualificou-se o sujeito e foram questionados hábitos de exposições sonoras e a agentes (físicos e/ou químicos) que interferem na audição e, realizada associação livre com as palavras saúde e audição. Resultados: O CS localiza-se em um bairro predominantemente residencial (casas simples e condomínios de classe média) com infra-estrutura completa. Foram entrevistados 50 sujeitos, de ambos os sexos, com média de idade de 42,5 anos, a maioria do sexo feminino (68%). Destes, 50% são trabalhadores com vínculo empregatício e 42% referem exposição tanto no trabalho como no lazer a agentes potencialmente prejudiciais à audição. Através do método da analise do discurso dos sujeitos em relação às concepções de saúde e audição, notamos que o entendimento do conceito saúde é ampliado, aproximando-se do campo emocional, social, sócio-econômico e biológico caracterizando uma visão bio-pisco-social. A audição foi entendida como um sentido importante para a comunicação e para vida, situando-se na esfera social e afetiva dos sujeitos, também foi enfatizado a importância do cuidado com esse sentido. Conclusão: O trabalho permitiu uma aproximação do saber que os sujeitos têm sobre a saúde auditiva. Nas entrevistas foram priorizadas a capacitação de uma escuta atenta, sem restrição de tempo, estimulando o fluxo natural de informações entre os saberes popular e acadêmico. Dessa maneira, oportunizou-se discutir dúvidas e crenças sobre o assunto, proporcionando a co-construção (influência recíproca entre quem pergunta e quem responde) do conhecimento sobre saúde auditiva.    
SAúDE MENTAL E CENTROS DE CONVIVêNCIA: UM OLHAR A PARTIR DO ATELIê LIVRE DE EXPRESSãO
Sei, Maíra Bonafé; De Sordi, Gal Soares;
O processo de Reforma Psiquiátrica trouxe para discussão quais podem ser os dispositivos substitutivos para atenção em saúde mental e dentro deste contexto foram criados os Centros de Convivência. Não há ainda uma legislação específica acerca deste tipo de serviço, ainda pouco presente na realidade brasileira e pouco abordado em âmbito acadêmico. A despeito deste panorama, o município de Campinas-SP se configura com um exemplo neste campo com um número significativo de Centros de Convivência da área da saúde mental, alguns contando com mais de uma década de funcionamento. Estes se caracterizam por ofertar um espaço de convivência, com um cuidado que se dá por meio das atividades desenvolvidas preferencialmente em grupos, pautado na idéia de clínica ampliada. Como forma de caracterizar este tipo de serviço, opta-se, neste trabalho, por apresentar o funcionamento do Centro Cultural Cândido/FUMEC e do Ateliê Livre de Expressão desenvolvido no local. O primeiro é um Centro de Convivência localizado em Campinas, mantido pelo Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira (SSCF), instituição filantrópica de saúde mental. Iniciou suas atividades no ano de 1997, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e com a Fundação Municipal para Educação Comunitária (FUMEC). Tem, atualmente, a missão de propiciar a convivência e troca de saberes, no âmbito da cultura, saúde e educação para garantir a inclusão de indivíduos com vulnerabilidades neste e em outros espaços sociais, com um olhar de acolhimento para a diversidade. Uma de suas atividades é o Ateliê Livre de Expressão caracterizado por incluir participantes especificamente da saúde mental, moradores de Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT) do SSCF, além de outros interessados na questão da expressão por meio dos recursos advindos das Artes Visuais. Conta com dez participantes e coordenação de duas psicólogas, com conhecimento e afinidade com o campo da arte, que colabora para um olhar integrado entre saúde, expressão e estética. O grupo acontece semanalmente, com duração de uma hora e meia. Tem seu funcionamento pautado no incentivo à utilização de materiais diversos, apesar do foco na pintura como principal linguagem a ser desenvolvida, e aceitação do que há de surpreendente na expressão individual, para que cada pessoa esteja à frente de seu processo expressivo. Busca-se a construção de um olhar, simultaneamente, de contemplação e crítica para a produção, situando todos os integrantes do grupo na mesma posição de criadores e apreciadores. O papel dos coordenadores do ateliê relaciona-se com a sustentação do processo criativo-expressivo e da convivência entre os participantes, para garantir a efetiva inclusão dos indivíduos com maior vulnerabilidade. De forma geral, pensa-se que as atividades ligadas à criação como práticas de grande importância para dispositivos como os centros de convivência por aproximar os participantes. Suas produções configuram-se como um produto que todos conseguem realizar, com impressão de uma marca singular que pode ser apresentada em seu meio social. Apesar de se verificar o quanto as atividades ligadas à criação são potentes nos
SAúDE MENTAL NA ATENçãO BáSICA: USO DE PSICOFáRMACOS NAS UBS: O QUE SABEM OS USUáRIOS
Oliveira, Gabriel Faria de ;
  Resumo do plano inicial I – Resumo               Este estudo faz parte do Estudo avaliativo de arranjos e estratégias inovadoras na organização da atenção básica à saúde, aprovado pela FAPESP – PP e representado pelo processo de número 06/61411-4.             Como componente desse projeto que avaliou alguns arranjos e estratégias na atenção básica, a presente investigação focou um aspecto vinculado ao eixo da saúde mental: o da utilização de medicação.              Vinculado a um projeto de mestrado que levantou a quantidade e qualidade de prescrição de psicofarmácos e as vinculou à implementação de arranjos considerados inovadores, nosso trabalho complementou os achados focando nos aspectos qualitativos que nos permitiram compreender como os pacientes estão sendo informados, escutados e co-participes ou não do seu acompanhamento farmacológico.             Inicialmente faríamos 15 entrevistas semi-estruturadas em domicilio com pacientes em uso crônico de medicação. Foram realizadas 14 entrevistas: no agrupamento I e III foram realizadas 5 entrevistas, e no agrupamento II só foi possível realizar 4 entrevistas, devido à dificuldade de marcar as entrevistas e por não termos encontrado o usuário em casa em 2 tentativas.             Os resultados ainda serão apresentados às equipes envolvidas e farão parte da restituição da pesquisa maior, com o qual esperamos que venham a contribuir para o aprimoramento da atenção à saúde mental na atenção básica e no Sistema Único de Saúde. Na conclusão, abordamos a questão da relação médico-paciente que parece estar prejudicada, a constatação da falta de troca eficaz de informações, já que os usuários sabem pouco acerca do tratamento e das possíveis complicações deste, e a falta de autonomia dos pacientes frente ao tratamento.                        II – Introdução   O Sistema Único de Saúde – SUS - foi estabelecido na Constituição de 1988 e tem sua doutrina delimitada por alguns princípios importantes como a universalidade, a equidade e a integralidade, que garantem a todo cidadão brasileiro o direito ao acesso a todos os serviços públicos de saúde em todos os seus níveis, sem privilégios para pessoas ou grupos, com a garantia de uma atenção integral (1). Uma das diversas facetas da atenção básica à saúde refere-se à atenção à saúde mental.Problemas de saúde mental são muito frequentes, figurando como uma das principais demandas da população nos estabelecimentos de saúde, principalmente nos serviços que compoem a Atenção Primária. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde – OMS- há 450 milhões de portadores de transtornos mentais no mundo, equivalente a 12% da carga mundial de doenças( OMS, 2001). De acordo com a World Health Organizati
SINOVECTOMIA RADIOISOTÓPICA EM PORTADORES DE HEMOFOLIA – EXPERIÊNCIA INICIAL
Silva, Janaína ; Hong, Harison ; Gomes, Aline ; Amorim, Bárbara J.; Lima, Mariana C. L.; Etchebehere, Elba C. S. C. ; Barboza, Marycel ; Mengatti, Jair ; Pagnano, Rodrigo ; Matta, Márcia ; Sambo, Andréia ; Annichino-Bizzacchi, Joyce ; Ozelo, Margareth ; Ferreira, Daniel ; Paula, Erich ; Santos, Allan O.; Ramos, Celso Darío;
  Sinovectomia radioisotópica (SR) é recomendada para articulações de hemofílicos que apresentem 3 ou mais sangramentos em 6 meses, (articulações–alvo), porque esses pacientes desenvolvem sinovite crônica e destruição articular.   Avaliar segurança e eficácia da SR com novos agentes (hidroxiapatita-90Y e hidroxiapatita-153Sm) e colóide-90Y, que é o agente mais frequentemente utilizado.   Foram tratadas 15 articulações (13 joelhos e 2 tornozelos) de 15 pacientes hemofílicos (4-28 anos), que apresentavam articulação alvo e sinovite crônica, comhidroxiapatita-90Y (8 joelhos e 1 tornozelo), colóide-90Y (4 joelhos e 1 tornozelo) e hidroxiapatita-153Sm (1 joelho). Imagens foram adquiridas para pesquisar extravasamento extra-articular. A eficácia do tratamento foi determinada pela comparação entre freqüência de hemorragia articular antes e após SR e segurança foi avaliada pela freqüência de efeitos adversos e pela ocorrência de extravasamento extra-articular.   Após seguimento médio de 5,8 meses, a média de sangramentos articulares na articulação tratada reduziu-se de 1,36±0,41 sangramentos/mês para 0,45±0,36 sangramentos/mês (p<0,001). Três pacientes (20%), igualmente distribuídos entre os grupos, apresentaram piora transitória da sinovite e 1 paciente tratado com colóide-90Y apresentou extravasamento extra-articular.   Nesta análise preliminar, SR com hidroxiapatita-90Y e colóide-90Y foram efetivas. Não houve extravasamento extra-articular com hidroxiapatita-90Y ou hidroxiapatita-153Sm. Aumento da casuística e seguimento mais prolongado são necessários.    
SINVASTATINA ATENUA O RECRUTAMENTO NEUTROFíLICO EM MODELO EXPERIMENTAL DE VENTILAçãO MONO-PULMONAR
Mussi, Ricardo Kalaf; Leite, Camila Ferreira ; Marangoni, Fábio ; Toro, Ivan Felizardo ; Antunes, Edson ; Landucci, Elen Cristina T;
A ventilação mono-pulmonar (VMP) é uma técnica muito utilizada durante procedimentos cirúrgicos por oferecer boas condições de visualização das estruturas intratorácicas. Entretanto, pode-se atribuir a esta modalidade ventilatória função adjuvante no processo inflamatório, que repercute negativamente na recuperação do paciente pós-cirúrgico. Objetivos: Na tentativa de modular esta resposta inflamatória, foi realizado este estudo experimental propondo a utilização de sinvastatina como possibilidade terapêutica antiinflamatória. Métodos: Ratos Wistar machos foram divididos em dois grupos: GRUPO VMP, submetido ao protocolo de cirurgia torácica (toracotomia para-esternal direita, com ampliação antero-lateral homolateral) e VMP (por clampeamento do brônquio fonte direito) por 60 minutos, seguida de ventilação bilateral por igual período; e GRUPO VMP+Sinvastatina, submetido ao mesmo protocolo, porém com administração prévia de sinvastatina, na dose de 40 mg/kg, por gavagem, durante 21 dias. Para caracterização da resposta inflamatória foram analisados, tanto no pulmão colapsado durante o ato cirúrgico como no pulmão contralateral a oclusão a atividade da mieloperoxidase (MPO), relação peso úmido/seco, níveis de extravasamento de proteínas plasmáticas (através da dosagem de iodo125), além de medidas dos níveis séricos de proteína-C reativa (PCR), TNF-α, IL-1β, IL-6 e IL-10. Resultados: Foi encontrada redução significativa da MPO no pulmão expandido no grupo tratado (p<0,05), sem diferenças significativas em relação ao pulmão colapsado. Não ocorreram diferenças significativas entre os grupos no que se refere a extravasamento de proteínas plasmáticas bem como relação peso úmido/peso seco. Quanto às dosagens séricas de citocinas, não foram detectados níveis de TNF-α, IL-1β e IL-10 nos dois grupos. Tanto IL-6 quanto PCR apresentaram valores quantificáveis em ambos os grupos, porém sem diferenças significativas. Conclusão: O tratamento com sinvastatina foi útil ao reduzir a atividade neutrofílica no pulmão contralateral durante a ventilação mono-pulmonar. Os resultados sugerem que este modelo de ventilação mono-pulmonar por curto período (uma hora) não impõe consistentes alterações inflamatórias locais e sistêmicas na avaliação pós-cirúrgica imediata.
STRESS NO COTIDIANO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM E SUA CORRELAçãO COM O CRONóTIPO
Ferreira, Luciane Carmona; De Martino, Milva Maria Figueiredo;
Introdução: Sendo a enfermagem uma profissão cujas atividades são ininterruptas, durante as 24 horas, em vários turnos e horários de trabalho, tendo que lidar com a dor, sofrimento e morte, características sem dúvida estressantes, e exaustivas jornadas e salários não condizentes, podemos observar uma série de novos problemas, com alterações do ritmo biológico, relacionados com o trabalho em turnos. O entendimento deste fenômeno é possível através da cronobiologia, que é uma ciência que promove o estudo sistemático das características temporais da matéria viva, em todos os seus níveis de organização, favorecendo o entendimento da problemática relacionada aos turnos de trabalho e aos distúrbios do sono” (ROTENBERG et al, 1997). Objetivo: Este estudo teve como propósito classificar o cronótipo dos funcionários da equipe de enfermagem, de acordo com o turno de trabalho, e identificar a presença de stress e suas correlações com o cronótipo e horário de trabalho. Método: Foi realizado em um hospital na cidade de Limeira, SP. Participaram da pesquisa 87 sujeitos, dos diferentes setores e turnos de trabalho. A amostra foi constituída por sujeitos de ambos os sexos, com idade entre 19 e 51 anos. Os instrumentos utilizados para a coleta dos dados foram: Inventário de Sintomas de Stress de Lipp (ISSL), e Questionário de Indivíduos Matutinos e Vespertinos (HO). Resultados: Os resultados do ISSL mostraram que 48 sujeitos (55,2%) apresentavam sintomas de stress, e destes, 40 sujeitos (83,3%) encontravam-se na fase de Resistência, com predomínio de sintomas psicológicos. O HO mostrou que 42 sujeitos (48,3%) foram classificados como do tipo Indiferente, estando estes alocados, principalmente, no turno noturno. Quanto à adequação no turno de trabalho, de acordo com o cronótipo, verificou-se que 65 sujeitos (74,7%) estavam adequados, e destes 36 (55,38%) apresentavam sintomas de stress. Houve diferença significativa quando comparado o tempo de trabalho na instituição e a incidência do stress, com os sujeitos com stress possuindo maior tempo de trabalho (Teste Exato de Fisher p=0.003). Conclusão: Conclui-se que a maioria dos sujeitos estava adequada ao turno de trabalho, de acordo com seu cronótipo. Porém, mesmo nestes, o stress foi observado em grande porcentagem da amostra, levando-nos a confirmar os dados obtidos em outras pesquisas quanto ao caráter estressante da profissão de enfermagem.
T. CRUZI CELL DEATH CAUSED BY CRATYLIA MOLLIS SEED LECTIN IS MEDIATED BY PLASMA MEMBRANE PERMEABILIZATION FOLLOWED BY MITOCHONDRIAL CA2+ OVERLOAD AND ROS PRODUCTION
Fernandes, Mariana Pinheiro; Inada, Natália Mayumi; Araújo, Flávia Fabianny B; Gadelha, Fernanda Ramos; Alves, Maria Julia M; Correia, Maria Tereza S; Coelho, Luana Cassandra ; Vercesi, Anibal Eugenio;
  Lectins are proteins or glycoproteins that serve as tools in glycobiology research and can be employed for the detection of cell surface glycoconjugates. This work was aimed at evaluating whether Cratylia mollis seed lectin (Cramoll 1,4) have toxic effects on Trypanosoma cruzi. Cramoll 1,4 recognized glycoconjugates present on parasite cell surface leading to agglutination of the epimastigotes and trypomastigotes in a dose-dependent manner. Trypomastigotes plasma membrane permeabilization by Cramoll 1,4 was documented by fluorescence microscopy using propidium iodide. Lectin decreased the epimastigote proliferation, reaching 93% inhibition at 50 µg/ml. Incubation of epimastigotes (1.25 x 108 /ml) in the presence of Cramoll 1,4 (50 µg/ml) and 10 µM Ca2+, during 1 h, induced plasma membrane permeabilization followed by mitochondrial Ca2+ overload. This increased the production of reactive oxygen species (ROS) by 5 times, significantly decreasing the mitochondrial membrane potential and impairing ADP phosphorylation. Interestingly, plasma membrane permeabilization by 20 µM digitonin in Ca2+ containing medium led to results similar to Cramoll 1,4. Basal and uncoupled respiration of T. cruzi epimastigotes were not affected by Cramoll 1,4 plus Ca2+ treatment, but oligomycin poisoned respiration was 60% higher than the control. In conclusion, Cramoll 1,4 toxicity to T. cruzi seems to result from a concerted action on parasite plasma membrane, mitochondrial Ca2+ overload and ROS production.   Supported by: CAPES, CNPq, FAPESP and FAEPEX/UNICAMP.             
TAXA DE DISFAGIA ANTES E APóS LARINGECTOMIA TOTAL: ANáLISE CLíNICA E ESTATíSTICA COM QUESTIONáRIO DE GRADUAçãO
CHONE, CARLOS TAKAHIRO ; SPINA, ANA L; SERVIN, HILDA ; CARVALHO, GUILHERME ; CRESPO, AGRICIO N;
  Introdução: A laringectomia total pode levar a disfagia devido às alterações anatômicas no trato digestivo. Esta seqüela é observada com frequência na rotina clínica, mas é pouco estudada. O objetivo deste estudo é comparar o grau de disfagia por questionário dirigido entre pacientes com e sem disfagia e antes e após cirurgia da laringectomia total. Foi avaliado, também, a correlação dos sintomas com tipos de consistência de alimentos e grau de disfagia com intervalo de duração da disfagia após o tratamento cirúrgico. A influência da radioterapia pós-operatória e esvaziamento cervical na disfagia, também, foram avaliados. Métodos: Vinte pacientes consecutivos submetidos a laringectomia total, sem metastases linfáticas ao exame físico e tomografia computadorizada, sem extensão extra-laríngea e sem comprometimento de hipofaringe foram incluídos no estudo. Disfagia foi estudada com questionário de graduação com notas atribuídas de 0 a 2 para cada um dos ítens. A análise estatística foi realizado com testes de Mann Whitney e teste Binomial com software Healthy para Windows XP. Resultados: O grau de disfagia foi diferente entre pacientes com queixas e sem queixas. O grau de disfagia aumentou após a laringectomia total(p=0.02). Disfagia foi temporária em 35%(3) e permanente em 65%(7), onde o grau foi diferente entre estes dois grupos. A queixa foi leve em 50% e moderada em 50%. A consistência pastosa foi a mais confortável em 80% dos pacientes com queixa(10) e aqueles sem queixa(10), sentiam-se confortáveis com qualquer consist~encia de alimento(p=0,00005). Radioterapia(p=0,95) e esvaziamento cervical(p=1,00) não apresentaram influência na presença de disfagia. Conclusão: Disfagia foi observado em 50% dos pacientes e foi maior após a laringectomia. O caráter da disfagia foi permanente em 65% com disfagia após cirurgia, estes com grau maior do que em pacientes com queixas temporárias e a melhor consist~encia de alimentos nestes pacientes foi a pastosa em 80%. Radioterapia e esvaziamento cervical não influenciaram a queixa de disfagia.   
TESTE DE INSUFLAçãO PRé E PóS APLICAçãO DE LIDOCAíNA EM SEGMENTO FARINGOESOFáGICO ASSOCIADA A VIDEOFLUOROSCOPIA COMO FATOR PREDITIVO DE AQUISIçãO DE VOZ ESOFáGICA?
CHONE, CARLOS TAKAHIRO ; CAIXÊTA, JULIANA ALVES ; SEIXAS, VINICIUS O; GRIPP, FLAVIO M; ROSSI, VANELLI C; SPINA, ANA L; BARCELLOS, IRENE H.K.; CRESPO, AGRICIO N;
  Introdução: A aquisição de voz esofágica para reabilitação de paciente laringectomizado total é em torno de 30%. O espasmo do segmento faringoesofágico(SFE) parece ser fator preditivo na aquisição ou não desse tipo de voz.Objetivo: Estudar o SFE de pacientes consecutivos que não conseguiram ser reabilitados com VE com videofluoroscopia e teste de insuflação com análise de tempo fonatório antes e após injeção de lidocaína na musculatura do SFE. Tipo de estudo: Estudo de teste diagnóstico. Material e métodos: Foram doze pacientes consecutivos. Realizou-se videofluoroscopia antes de aplicação de lidocaína no SFE e teste de insuflação antes e após aplicação de lidocaína no SFE. Foi considerado como  tempo fonatório adequado quando maior que oito segundos. O diagnóstico do espasmo foi realizado pela videofluoroscopia.Foi aplicado 5 ml de lidocaína em três locais da musculatura constritora da faringe. Resultados: Seis apresentaram tempo fonatório inadequados. Destes, após aplicação de lidocaína, 40% (2/6) evoluíram com melhora, porém sem diferença significativa(p=0,23) aos pacientes com tempo fonatório adequado. Metade(3/6) dos pacientes com  tempo fonatório inadequado apresentaram ganhos significativos, porém em apenas dois destes, este ganho foi suficiente para ter um tempo fonatório  adequado, apesar que 83%(5/6) dos pacientes com  tempo fonatório adequado também apresentaram ganho significativo. A diferença de ganho quantitativo no  tempo fonatório entre pacientes com e sem espasmo do SFE foi significativa(p=0,005). O grupo de pacientes com espasmo no SFE, representou uma tendência a pior  tempo fonatório (p=0,09). Conclusões: Não houve diferença de melhora ou de ganho significativo de tempo fonatório  entre os grupos de pacientes com tempo fonatório  adequado ou baixo. O grupo de pacientes sem espasmo do SFE à videofluoroscopia teve maior ganho de  tempo fonatório e com tendência a melhor tempo de fonação.
TEXTURA NUCLEAR é UM FATOR PREDITIVO INDEPENDENTE NO TUMOR VENéREO TRANSMISSíVEL CANINO TRATADO
Valladão, Maria Luiza de Castro ; Adam, Randall Luiz; Leite, Neucimar Jerônimo; Scarpelli, Karime Cury; Metze, Konradin ;
  O Tumor Venéreo Transmissível Canino (TVTC) de ocorrência natural é transmitido através da deposição de células tumorais vivas após a injúria de superfícies epiteliais. Ele representa a neoplasia mais freqüente do trato genital externo de caninos é e muito comum em animais no nosso país. Em células tumorais, as características da cromatina em lâminas citológicas são relevantes para o diagnóstico ou prognóstico por estarem relacionadas ao tipo ou a progressão da neoplasia. Características de textura da cromatina podem ser documentadas objetivamente através de análise computacional de lâminas de citologia de rotina e fornecem informações úteis quanto ao diagnóstico, escolha de protocolos de tratamento e prognóstico. O objetivo do nosso estudo foi avaliar prospectivamente o valor prognóstico ou preditivo da morfometria e análise computacional da textura da cromatina em relação ao sucesso do tratamento em cães com TVTC. 100 caninos portadores de TVTC naturalmente ocorridos foram prospectivamente acompanhados no Centro de Controle de Zoonoses de Taubaté, estado de São Paulo e tratados com o agente quimioterápico sulfato de vincristina (0,025 mg/Kg, via endovenoso, semanalmente). Foram anotados dados clínicos como raça, sexo, idade, peso corporal e escore na Escala de Desempenho Karnofsky Adaptada (EDKA), Escala de Desempenho Karnofsky Simplificada (EDKS) e tamanho da massa tumoral. Imagens provenientes de esfregaços citológicos de TVTC, corados com eosina e hematoxilina, foram digitalizadas interativamente utilizando-se câmara digital de alta resolução (12 megapixels), no sistema Leica ®DC 500 e software IrfanView, Microsoft®. Das imagens digitalizadas, foram selecionados 100 núcleos de células tumorais através de segmentação interativa, pela técnica de limiarização. Essas imagens dos núcleos foram transformadas em escala de cinza e analisadas através de programas de análise de imagem desenvolvidos no IC/UNICAMP, utilizando matriz de co-ocorrência de valores de cinza e análise de fractalidade. No cálculo da sobrevida e da resposta ao agente quimioterápico, realizamos a análise de regressão Cox univariada, para testar todas as variáveis clínicas, morfométricas e texturais nucleares. Na análise da sobrevida, ou da resposta ao agente quimioterápico, variáveis com p<0,20 foram selecionadas. Todas as análises foram realizadas com os programas Winstat e SPSS 8.0. Na regressão Cox univariada as variáveis peso (p=0,065), condição de domicilio (p=0,084), presença de inflamação (p=0,1), presença de inflamação purulenta (p=0,001), EDKA (p<0,001) e EDKS (p<0,001) foram significativas em relatar o óbito durante e ou até após 4 semanas do término da terapia. Entretanto, na regressão Cox multivariada, somente o peso (p=0,009; B= -0,21) e a EDKA (p=0,013; B= -0,068) foram significativas em prever o óbito. Censurados os casos em que houve interrupção no tratamento, na análise Cox univariada, as variáveis responsáveis em prever o sucesso da terapia com sulfato de vincristina em cães com TVTC foram as seguintes: área nuclear (p=0,0332), perímetro (p=0,0138), maior diâmetro transverso (p=0,0263), maior corda (p=0,0264) e R² (rugosidade) (p=0,1468). Na análise Co
THE INFLUENCE OF DIFFERENT FIXATIVES ON THE MOLECULAR TISSUE ARCHITECTURE REVEALED BY RAMAN SPECTRUM ANALYSIS.
Prado, Gustavo L P; Ceragioli, Helder J; Baranauskas, Vitor ; Metze, Konradin ;
 Introduction: Fixatives containing aldehydes or alcohol are commonly used in surgical pathology or cytology. They stop autolysis and stabilize the microscopic details of tissues or cells, thus enabling the storage of tissues and its examination by light or electron microscopy. Recently Raman spectroscopy, which reveals vibrational information specific for chemical bonds in molecules, has been studied for diagnostic purposes. The question whether only fresh, unfixed material or also aldehyde or alcohol-fixed, stored tissue can be used for Raman analysis, is still under discussion. Tissue fixation is a dynamic process. The aldehyde group are preserving and stabilizing the tissue mainly by forming cross-linking methylene bridges. The process of fixation by alcoholic solutions is mainly based on protein coagulation and less well understood. The aim of our study was to investigate the changes of the Raman spectrum in various tissues after addition of formaldehyde, Karnovsky´s solution or alcohol. Material and Methods: A Micro-Raman system (inVia Raman Microscope, Renishaw) with a 785 nm laser was used for this study. Small fragments of fresh and unfixed human and rat tissues (heart, brain, aorta, cartilage, adipose tissue and adenocarcinomas), were analyzed before fixation (humidified with 0,9%NaCl) and after storage in 4% formaldehyde aldehyde fixative, Karnovsky´s solution or 70% ethanol for different intervals (between 1 hour and 3 weeks). We identified characteristic peaks in the Raman spectra. In order to compensate differences of the acquisition process, all peaks were normalized by dividing them by the height of the carbohydrate peak. The different groups were compared by ANOVA or the Kruskall-Wallis test. A total of 323 Raman spectra were acquired. Results: Every kind of fixation suppressed completely the proline and tyrosine peak and the C-C stretch backbone (p<0,0001).The phosphate group and the tryptophan-d-ring vibration were more pronounced after alcohol fixation than after immersion in aldehydes (p<0,0001). Some vibrations assigned to the collagen molecule were more intensive after formaldehyde fixation, when compared with unfixed material, but completely suppressed after immersion in alcohol. The latter maintained the phenylalanine-peak, but aldehyde fixation diminished it significantly (p<0,0001). The symmetric PO2- stretching vibrations of the DNA backbone, which are a marker mode for the DNA concentration C-N of proteins, were seven-fold intensified after alcohol fixation (p<0,0001). The amide-III- peak, however was unchanged after immersion in the three different fixatives (p>0.2). Conclusions: Fixatives based on aldehydes or alcoholic solutions change the molecular structure, thus reflecting the biochemical reactions of the tissue components. Therefore Raman spectra obtained from tissues with or without fixation (with different kinds of solutions) cannot be compared.
THE POTENTIAL ROLE OF SYSTEMIC BUFFERS IN REDUCING INTRATUMORAL ACIDITY AND ACID-MEDIATED INVASION
Silva, Ariosto S; Yunes, José A; Gillies, Robert J; Gatenby, Robert A;
A number of studies have demonstrated that the extracellular pH (pHe) in cancers is typically lower than in normal tissue and that an acidic pHe promotes invasive tumor growth in primary and metastatic cancers. Here we investigate the hypothesis that increased systemic concentrations of pH buffers can reduce intra- and peri-tumoral acidosis and, as a result, inhibit malignant growth. Computer simulations are used to quantify the ability of systemic pH buffers to increase the acidic pHe of tumors in vivo and investigate the chemical specifications of an optimal buffer for such purpose. We demonstrate that increased serum concentrations of the sodium bicarbonate (NaHCO3) can be achieved by ingesting amounts that have been used in published clinical trials. Furthermore, we find the consequent reduction of tumor acid concentrations can significantly reduce tumor growth and invasion without altering the pH of blood or normal tissues. The simulations also demonstrate the critical parameter governing buffer effectiveness is its pKa. This indicates that NaHCO3, with a pKa of 6.1, is not an ideal intratumoral buffer and that greater intratumoral pHe changes could be obtained using a buffer with a pKa around 7. The simulations support the hypothesis that systemic pH buffers can be used to increase the tumor pHe and inhibit tumor invasion.   Obs.: Published in Cancer Res 2009; 69: (6). March 15, 2009.
THE ROLE OF NUCLEAR TEXTURE ANALYSIS IN THE CLASSIFICATION OF ATYPIC IMMATURE CELLS IN MDS
Lorand-Metze, Irene ; Rico Vido, Joyce ; Adam, Randall Luis ; Metze, Konradin ;
Purpose: Bone marrow (BM) cytology is essential for diagnosis and classification of myelodysplastic syndromes (MDS). However, in cases with a high degree of cell atypias it may be difficult to distinguish myeloblasts from promyelocytes. Consensus criteria have been established, but in daily praxis, there may remain difficulties in classifying individual cells. Our aim was to investigate whether objective parameters obtained by computerized image analysis was able to classify atypical immature cells. Material and Methods: BM smears (stained by May-Grünwald-Giemsa) of 14 newly diagnosed cases of myelodysplastic syndromes (8 RCMD, 4 RAEB, 2 RA) patients and 15 cases of normal BM were examined. Images of bone marrow granulocytic precursors were captured with the help of a Leica DC 500 digital system (bmpformat; 15 pixels/μm spatial resolution; 100x objective magnification). The cells were classified by two independent experts, and those presenting discrepancies in classification were labeled as “atypical cells”. Then, they were interactively segmented and gray scale converted. Images were normalized in order to eliminate differences in staining. Nuclear morphometry and texture features derived from the co-occurrence matrix (Haralick features), fractal dimensions and Fast-Fourier-transformed (FFT) images were calculated. We looked for the features that could distinguish normal blasts from promyelocytes and applied them for classification of the atypical cells in MDS. Results: Among the features examined, the form factor, maximal and minimal grey levels, mean integrated optical density (IOD), 10 variables of the co-occurrence matrix, fractal dimension and its goodness of fit, as well as the first ring of fast Fourier transform were able to distinguish between the cell types. In 10 of these variables, atypical cells had similar values as promyelocytes, in only one they were similar to blasts, but in 8 they presented intermediary values between blasts and promyelocytes. Conclusion: computerized image analysis is useful for classification of atypical immature cells in routine cytological smears. These cells may be abnormally maturating blasts or atypical promyelocytes. This issue is critical for the classification and prognosis of the patients. Computerized image analysis can eliminate subjective analysis, can be applied to digital image galleries and is useful in telemedicine. Supported by FAPESP and CNPq        
TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA COM CISTERNOGRAFIA E TESTE DE FLUORESCEíNA NA AVALIAçãO DE RINOLIQUORRéIA
CHONE, CARLOS TAKAHIRO; SAMPAIO, MARCELO HAMILTON; SAKANO, EULALIA ; PFEILSTICKER, LEOPOLDO N; PASCHOAL, JORGE R;
  CONTEXTO: O sucesso do fechamento de fístula liquórica em base anterior de crânio é relacionado à sua localização precisa. Tomografia computadorizada(CT) com cisternografia parece ser o método de imagem mais preciso para esta identificação. O teste de fluoresceína também foi útil para diagnosticar e localizar este local. OBJETIVO: Avaliar a acurácia da CT cisternografia associada ao teste de fluoresceína na demonstração do local correto da fístula liquórica em base anterior de crânio. TIPO DE ESTUDO: Estudo prospectivo não randomizado. LOCAL: Departamento de Otorrinolaringologia - Cabeça e Pescoço, Universidade Estatal de Campinas, Brasil, um centro universitário, terciário. MÉTODOS: Foram incluídos quinze pacientes sucessivos com rinoliquorréia. Foram executados CT cisternografia de alta-resoluçãoe teste de fluoresceína em todos os pacientes. Todos tiveram um diagnóstico clínico de fístula liquórica, confirmado na cirurgia. Três pacientes tiveram história prévia de meningites. Oito tiveram rinoliquorréia espontânea, cinco após traumatismo craniano e dois após hipofisectomia. Os pacientes com etiologia traumática apresentaram com fístulas tardias. CT cisternografia foi executado depois de injeção intratecal de meio de contraste de iodo não-iônico por punção lombar. Solução de fluoresceína sódica estéril a 5% (1ml) foi intratecalmente injetado por punção lombar para o teste de fluoresceína. RESULTADOS: CT cisternografia teve 100% de sensibilidade, 88.9% especificidade e corretamente demonstrou o local de fístula em 88.9% de todos os casos (precisão). O teste de fluoresceína teve uma sensibilidade de 88.9%, 100% especificidade e uma precisão de 88.9%. Ambos os métodos combinados obtiveram 100% de sensibilidade, especificidade e precisão. DISCUSSÃO: Fístula liquórica em base anterior de crânio pode levar a taxa alta de meningite e seu pronto diagnóstico e correção é importante. O local exato do local da fístula é fator chave para sua adequada correção cirúrgica. CT cisternografia é considerado a avaliação de imagem mais precisa para isso. A precisão de interpretação do exame depende de cortes finos na base de crânio e na experiência do neuroradiologista. O teste de fluoresceína intraoperatória é importante para o cirurgião visualizar o corante pelo local da fístula e compara-lo ao local detectado na CT cisternografia. Também, é importante para procurar outras áreas não indicadas na CT cisternografia. Nenhuma complicação foi observada, com o teste de fluoresceína, na concentração e volume descrito. Efeitos colaterais neurotóxicos como crises convulsivas, dores de cabeça e perda de audição, foram observados em outros estudos quando concentrações volumes maiores foram injetadas intratecalmente. CT cisternografia e teste de fluoresceína permitiram a identificação correta do local da fístula em todos os pacientes com uma precisão de 100%, quando comparado aos achados intra-operatórios. Todos pacientes foram submetidos com sucesso a fechamento microendoscópico transnasal do defeito dural. A taxa de sucesso de fech
TRADUçãO E ADAPTAçãO DO INSTRUMENTO “PEDIATRIC INVENTORY FOR PARENTS – PIP” PARA A CULTURA BRASILEIRA
dos Santos, Daniela Fernanda; Guirardello, Edinêis de Brito;
  O tratamento invasivo e doloroso do câncer infantil pode resultar em uma situação estressante para a família, e principalmente para os pais, que vivem essa nova realidade. A aplicação de um instrumento de avaliação do estresse relacionado ao cuidado pode auxiliar o enfermeiro a planejar intervenções para ajudar a família na mobilização de recursos para lidar com a doença, reduzindo seu impacto negativo e promovendo relações de qualidade e de compreensão entre a família e os profissionais de saúde. O objetivo do estudo é adaptar o instrumento Pediatric Inventory for Parents - PIP, desenvolvido por Streisand et al (2001), para a cultura brasileira. O PIP tem a finalidade de avaliar o estresse dos pais e identificar áreas relacionadas ao cuidado da criança com câncer que podem resultar em um impacto negativo para as suas vidas, levando em consideração a severidade e a variabilidade da doença bem como o apoio empírico que a equipe de saúde tem prestado aos pais que se sentem afetados negativamente pela doença dos seus filhos. Para o procedimento metodológico de tradução e adaptação cultural foram seguidas as etapas de: a) tradução do instrumento para a língua portuguesa; b) retro-tradução da versão para a língua de origem do instrumento; c) avaliação por um grupo de juízes.A maioria dos itens do instrumento obteve concordância igual ou superior a 80% após análise das avaliações dos membros do comitê. Entretanto, obteve-se um percentual inferior a 80% para o enunciado, a escala de medida e 15 itens (35,7%) do instrumento.
TRANSPORTE INTERINSTITUCIONAL NEONATAL: VISÃO DO ENFERMEIRO
Ferro , Natália de Godoy; Vale, Ianê Nogueira d; Carmona, Elenice Valentim;
  O transporte neonatal interinstitucional é um cuidado que complementa todos os cuidados intensivos que o recém-nascido de risco necessita para sobreviver à vida extra-uterina. O objetivo deste estudo é descrever as condições de transporte neonatal interinstitucional relatadas pelos enfermeiros no transporte de recém-nascidos de risco, em duas unidades de terapia intensiva neonatais, de dois hospitais-escola da região metropolitana de Campinas. Trata-se de um estudo observacional, descritivo e transversal. Os enfermeiros foram entrevistados no período de dezembro de 2008 à janeiro de 2009, e responderam um questionário contendo questões fechadas e abertas. Para análise dos dados utilizou-se técnicas da estatística descritiva (freqüência absoluta e relativa). Para as questões abertas, análise de conteúdo. Resultados: dos 30 enfermeiros entrevistados, sete nunca realizaram transporte interinstitucional por falta de oportunidade; a maioria é mulher com experiência na área. As respostas demonstram que quanto ao veículo, há adequação da maioria dos itens, sugerindo necessidade de manutenção mais rigorosa para evitar falhas e melhora da iluminação. Material de oxigenoterapia: os materiais necessários estão presentes, com exceção do ventilador mecânico com umidificador. Em relação ao material para monitorização (oxímetro de pulso, monitor cardíaco, estetoscópio, termômetro, fitas controle glicêmico, bombas de infusão e seringas) chama a atenção o fato de que a maioria dos respondentes afirma não haver monitor cardíaco nem fitas para controle glicêmico. Existência de materiais de suporte (material para reanimação neonatal, cateterismo, drenagem torácica, sondagem gástrica, aspiração, punção venosa, infusão e preparo de medicamentos, medicação de sedação preparada, medicação de parada, plástico bolha para aquecimento, organização facilitada), deixa dúvidas em relação aos itens: plástico bolha (proteção térmica), material para cateterismo e drenagem torácica. A composição da equipe é adequada, mas deixa a desejar em relação ao treinamento específico. Foram categorizadas as dificuldades e/ou intercorrências que apareceram nas falas. Assim surgiram duas categorias: Falhas no sistema do veículo e Falhas nos equipamentos de suporte. Grande parte dos profissionais participou de curso sobre reanimação neonatal e relatam estar seguros para transportar recém-nascido de risco. Quanto às sugestões, foram mencionados os fatores, descritos por ordem de importância que apareceram nas falas: I-Treinamento específico da equipe; II- Organização dos materiais, planejamento e registro; III- Melhorar o veículo; IV- Qualidade e manutenção de equipamentos; V- Motorista e pessoal.
TRATAMENTO COM ANTIOXIDANTE TEMPOL (MIMéTICO DA SUPERóXIDO DISMUTASE) PREVINE MARCADORES PRECOCES DA RETINOPATIA DIABéTICA EM MODELO QUE COMBINA HIPERTENSãO E DIABETES
Rosales, Mariana Aparecida Brunini; Silva, Kamila Cristina; Lopes de Faria, Jose Butori; Lopes de Faria, Jacqueline Mendonca;
Introdução e objetivo: A hipertensão arterial é um importante fator associado ao desenvolvimento da retinopatia diabética (RD). O estresse oxidativo é um dos mecanismos pelos quais a hiperglicemia inicia os processos bioquímicos na patogênese da RD. A retina possui mecanismos para mitigar o estresse oxidativo como sequestradores de baixo peso molecular e sistemas enzimáticos antioxidantes. Estudos recentes demonstraram o efeito benéfico do TEMPOL, um antioxidante mimético da superóxido dismutase, reduzindo a leucoestase na retina diabética e desempenhando um papel de neuroprotetor nas células da retina. O objetivo deste estudo foi investigar se o tratamento sistêmico com TEMPOL previne os efeitos iniciais na RD de rato experimentalmente diabético e hipertenso. Métodos: Ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 4 semanas de idade foram experimentalmente tornados diabéticos através de injeção intravenosa de estreptozotocina (60mg/kg). Ratos SHR diabéticos (DM SHR) foram randomizados para receber ou não injeção intraperitoneal de TEMPOL (250 mg/kg/dia). Ratos normotensos Wystar Kyoto (WKY) foram usados como grupo controle. Após 20 dias, os animais foram eutansiados, os olhos enucleados para imunohistoquímica, ou as retinas foram extraídas para ensaios de western blotting, colorimétricos e quimioluminesentes.   Resultados: As lesões inicias da RD foram avaliadas através da expressão retiniana das proteínas acídica fibrilar glial (GFAP) e fibronectina (FN). A expressão da proteína GFAP esteve aumentada no rato SHR (p=0.001) e este aumento foi incrementado no grupo diabético (p=0.0001). Similarmente, o acúmulo de FN revelou um aumento no DM SHR comparado aos grupos não diabéticos (p=0.02). O status oxidativo, avaliado pela produção de superóxido (O2-) e óxido nítrico (NO) e os sistemas antioxidantes, avaliado pela glutationa reduzida e Cu-Zn superóxido dismutase apresentaram acentuada redução no grupo DM SHR (p= 0.04 e p=0.002, respectivamente). Como conseqüência, o produto peroxinitrito detectado pelo “footprint” da nitrotirosina, esteve maior no grupo SHR em comparação com o grupo controle normotenso (p=0.008) e exacerbado no grupo DM SHR (p<0.0001). O tratamento com TEMPOL restabeleceu todos os parâmetros citados acima.   Conclusão: A administração sistêmica do TEMPOL reduziu os efeitos inicias da hiperglicemia na retina através da atenuação do peroxinitrito e restabelecimento do balanço oxidativo na retina diabética. Os dados desse estudo demonstraram o efeito protetor na retina diabética e poderá ser um composto útil no tratamento da RD.  
TRATAMENTO COM ANTIOXIDANTE TEMPOL REDUZ A ALBUMINÚRIA PELA DIMINUIÇÃO DA APOPTOSE DE PODÓCITOS EM MODELO EXPERIMENTAL DE DIABETES E HIPERTENSÃO ARTERIAL
Peixoto, Elisa Bouçada Ma; Ribeiro, Patrícia Aline Oliv; Lopes de Faria, José Butori;
Introdução: O aumento da excreção urinária de albumina é uma alteração característica da lesão renal na nefropatia diabética (ND). Danos oxidativos aos podócitos (células epiteliais glomerulares) parecem contribuir para aumento da albuminúria na ND. Recentemente demonstramos que tratamento com tempol (4-hidroxi-2,2,6,6-tetrametil-piperidine-1-oxil), um mimético do antioxidante endógeno superóxido desmutase (SOD), restaura o desbalanço redox e previne danos renais, como a albuminúria, em um modelo de diabetes mellitus (DM) e hipertensão arterial (HA). Objetivos: O objetivo deste estudo foi investigar o mecanismo pelo qual o tratamento com tempol melhora a albuminúria na presença do DM e da HA. Métodos e Resultados: DM foi induzido em ratos geneticamente hipertensos (SHR) de 4 semanas de idade pela injeção intravenosa de estreptozotocina (STZ, 60 mg/kg). Ratos controles receberam apenas o veículo da STZ, tampão citrato. Após 20 dias, os ratos foram sacrificados e os rins coletados. Foram observados maiores níveis de glicose plasmática (p<0,0001) nos SHR diabéticos que em seus controles não-diabéticos (482±52 vs 169±24 mg/dl) e o tratamento com tempol não alterou esse parâmetro (444±276 mg/dl). A pressão arterial sistólica foi de 159±11 mmHg nos ratos controles, semelhante aos ratos diabéticos (156±7 mmHg) e estes tratados com tempol (152±9 mmHg). A albuminúria foi significativamente maior nos diabéticos (680 (180 – 1815) mg/24h, p=0.012), em comparação aos controles (229 (109 – 540) mg/24h), e o tratamento reduziu a excreção de albumina a valores semelhantes aos dos controles (366 (109 – 1342) mg/24h, p=0.052). Observamos aumento significativo no número de células em apoptose nos glomérulos dos ratos SHR diabéticos, em comparação aos controles (p=0,0013) e o tratamento diminuiu drasticamente o número destas células (p=0,0057). Da mesma maneira, in vitro, o número de células apoptóticas foi significativamente elevado após incubação dos glomérulos com H2O2 (estresse oxidativo) e com alta concentração de glicose (mimetizando DM), comparado ao controle, e foi observada uma marcante redução na apoptose com o tempol. Observamos ainda significativa redução no número de células marcadas para WT-1 (uma proteína específica de podócitos) nos glomérulos dos ratos diabéticos, em comparação aos controles (p=0,0143), e o tratamento com tempol previniu o aumento do número de células positivas para WT-1. Por Western blot (WB) e imunofluorescência, foi observada uma diminuição significativa na expressão da nefrina, proteína chave na integridade capilar glomerular, em glomérulos isolados de SHR diabéticos, em comparação aos controles. Prevenção dessa alteração com tempol foi confirmada por imunofluorescência. A relação Bax/Bcl-2, proteínas pré e anti-apoptóticas, respectivamente, e estimadas por WB, mostrou tendência a elevação nos rins dos ratos diabéticos, comparado aos controles, e esta relação apresentou tendência a diminuir após tratamento com tempol.  A expressão de PARP, proteína nuclear que é ativada pelo estresse oxidativo, aumentou no
TRATAMENTO DA DOENÇA DE GRAVES: COMPARAÇÃO ENTRE DOSES FIXAS DE 10 MCI E 15 MCI DE IODETO-131I EM PACIENTES COM CAPTAÇÃO DE PERTECNETATO- 99MTC SUPERIOR OU INFERIOR A 12,5%
Mosci, Camila ; Amorim, Barbara Juarez; Wittmann, Denise Zantut; Lima, Mariana Cunha Lope; Santos, Allan de Oliveir; Etchebehere, Elba Cristina Sá de Cama; Ramos, Celso Dario;
  INTRODUÇÃO: Em publicação prévia sobre o tratamento de doença de Graves com doses fixas de 10 mCi de iodeto-131I, demonstramos baixa eficácia dessa terapia em pacientes com captação tireoidiana de pertecnetato-99mTc superior ou igual a 12,5%. OBJETIVO: Comparar a eficácia das doses de 10 mCi e 15 mCi de iodeto-131I no tratamento de pacientes com doença de Graves com captação de pertecnetato-99mTc superior ou inferior a 12,5%. MATERIAIS E MÉTODOS: Foram estudados dois grupos de pacientes portadores de doença de Graves refratária ao tratamento clínico, que utilizaram doses fixas de iodeto-131I: grupo 1, doses de 10 mCi de iodeto-131I; grupo 2, doses de 15 mCi de iodeto-131I. O grupo 1 foi composto por 82 pacientes consecutivos, sendo 70 femininos, com idades de 20 a 74 anos (média de 43,3 anos), 46% com captação de pertecnetato ≥ 12,5%. O grupo 2 incluiu 80 pacientes consecutivos, sendo 61 femininos, com idades de 18 a 79 anos (média de 44,01 anos), 33,7% com captação de pertecnetato ≥ 12,5%. A média da captação da tireóide na cintilografia com pertecnetato-99mTc era de 15,0% no grupo 1 e de 12,2 % no grupo 2. Em ambos os grupos foi feita a análise isolada dos pacientes com captação de pertecnetato-99mTc superior ou inferior a 12,5%. RESULTADOS: Após pelo menos 1 ano da dose terapêutica, a evolução dos pacientes dos grupos 1 e 2 foi, respectivamente: 38% e 17% com hipertireoidismo (recidiva da doença), 49% e 47% com hipotireoidismo, e 13% e 16% com eutireoidismo. Nos pacientes com captação tireoideana ≥12,5%, o índice de recidiva do hipertireoidismo dos grupos 1 e 2 foi respectivamente 63,1% e 26,0%. Com captação tireoidiana <12,5% a recidiva foi de 15,9% e 18,8% para os grupos 1 e 2, respectivamente. CONCLUSÃO: Portadores de doença de Graves com captação de pertecnetato- 99mTc inferior a 12,5% apresentam baixo índice de recidivas quando tratados com doses fixas de 10 mCi de iodeto- 131I . Entretanto, para se obter esse mesmo baixo índice de recidivas em pacientes com captação superior ou igual a 12,5%, são necessárias doses fixas de 15 mCi de iodeto- 131I.
TUBO ENDOTRAQUEAL ATRAUMÁTICO
Colli Neto, José Alexandre; Zen Jr., José Hélio; Tincani, Alfio José; Barreto, Gilson ; Del Negro, André ; Meirelles, Luciana ; Terzi, Renato G G; Moreira, Marcos Mello; Servin, Silvio O N;
Pacientes que necessitam permanecer com entubação endotraqueal (EET) por longos períodos, ou ainda, que são submetidos à anestesia geral com EET, poderão ter lesão na luz da traquéia devido a pressões elevadas do balonete (cuff) existente em sua extremidade distal. Em alguns casos, estas lesões no epitélio da traquéia poderão evoluir para estenose, ou ainda, excepcionalmente, necrose de parede. Com intuito de diminuir os efeitos adversos ocasionados pela EET prolongada, foi desenvolvido e patenteado um novo tubo endotraqueal em que o balonete distal (cuff) apresenta aumento de sua pressão durante o ciclo inspiratório e diminuição da sua pressão durante o ciclo expiratório. Em estudo comparativo em modelo animal (porcos de 25 kg), sob ventilação mecânica, os dois tipos de tubos endotraqueais foram comparados nestes animais que permaneceram anestesiados e entubados por 48 horas consecutivas. Após eutanásia dos mesmos e avaliação anatomopatológica em cortes seriados na traquéia dos animais, a traquéia do animal que permaneceu com o novo tubo demonstrou bem menos áreas traumáticas em seu epitélio, tanto macro como microscopicamente, quando comparado com o animal que permaneceu com o tubo de balonete convencional.  Concluiu-se que com o uso rotineiro deste novo tubo endotraqueal poder-se-á diminuir, em muito, o risco de ocorrência de lesão traqueal.
USO DA TELERRADIOGRAFIA EM NORMA LATERAL COMO AUXILIAR NO DIAGNÓSTICO DOS DISTÚRBIOS OBSTRUTIVOS RESPIRATÓRIOS DO SONO EM CRIANÇAS COM TDA/H.
Albertini, Fátima Rosana ; Ciasca, Sylvia Maria ; Reimão, Rubens ;
  Os Distúrbios Obstrutivos Respiratórios do Sono (DORS) têm sido associados ao Transtorno de Déficit de Atenção e hiperatividade das crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). O objetivo deste trabalho é utilizar as tele-radiografias norma lateral como auxiliar no diagnóstico das áreas obstruídas das vias aéreas e atresias orofaciais relacionadas aos DORS em manejo interdisciplinar. Métodos: Sujeitos da pesquisa foram diagnosticados pelo Ambulatório de Neuro-Dificuldades de Aprendizagem do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas. Foram incluídas 23 crianças, 04 (17,39%) meninas e 19 (82,61%) meninos, de 7 à 13 anos (Média 9,65). Foram realizadas duas tomadas radiográficas em cada criança: uma em oclusão dental e outra em Repouso da Mandíbula, para medir menores espaços vazios das vias respiratórias para correlação de Pearson. Em 20 sujeitos, as tonislas faringeas apresentaram porcentagem de 30 à 54%; e nos demais, 3 de 54 à 90%. A correlação de Pearson foi P = 0,0001 (-0,75) para aumento das Tonsilas Faríngeas com o vazio atrésico na nasofaringe alta, isto é, ao aumento das Tonsilas Faríngeas têm se como conseqüência uma diminuição no espaço linear entre a retrofaringe e a parte alta do palato mole, o que dificulta a passagem aérea nasal. Pearson foi P= 0,0213  (+0,47) com aumento das Tonsilas Faríngeas ocorreu leve aumento do espaço vazio linear entre retrofaringe e o dorso lingual, o qual pode colaborar com a respiração oral. Vinte e uma crianças apresentaram-se com língua de ápice baixo,assim como todo grupo apresentou hipertrofia das Tonsilas Palatinas e atresias dos maxilares, o que colabora com os DORS. Através destes resultados é possível sugerir que a telerradiografia é econômica, não invasiva e facilmente realizada e é capaz de facilitar o diagnóstico das áreas passíveis de obstrução ligada aos DORS, mediante o manejo interdisciplinar otorrinolaringológico e odontológico quando utilizada em crianças e adolescentes com TDA/H. Bibliografia: Albertini R, Ciasca SM, Reimão R. Questionário de Distúrbios do sono em crianças com Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade. In: Reimão R, org. Medicina do Sono. São Paulo: APM; 2007. p.189-91. Albertini R, Reimão R. Propriocepção e vedamento lingual do bebê Laura: Toque da ponta superior da língua na parte anterior do palato duro e respiração nasal. In: Reimão R, org. Avanços em Medicina do Sono. São Paulo: APM; 2001. p.349-60. Alves RSC, Ejzenberg B, Okay Y. Revisão das desordens do sono com excessiva movimentação, insônia e sonolência na criança. Pediatria (São Paulo) 2002; 24(1/2):50-64. Huang YS, Guilleminault C, Li HY, Yang CM, Wu YY, Chen NH. Attention-deficit/hyperativity disorder with obstrutive sleep apenea: treatment outcome study. Sleep Med 2007; 8(1): 18-30. Laittinen LA, Anttalainen U, Hänäläinen P, Koskela K. Ans expert advisory group listed in foreword. Ministério da Saúde da Finlândia: Guia Nacional para Prevenção e Tratamento da Apnéia do Sono 2002-2012. Respir Med 2003; 97(4): 337-65.    
USO DE áLCOOL E COMPORTAMENTO SUICIDA: UMA REVISãO
Lima, Daniela Dantas; Botega, Neury José; Azevedo, Renata Cruz Soare;
  Objetivo: buscar em artigos científicos internacionais e literatura informações atualizadas sobre a relação entre uso de álcool e comportamento suicida. Método: pesquisa em periódicos eletrônicos e livros. Resultado: Sher (2005) afirma que indivíduos que abusam ou dependem do álcool têm mais ideação suicida e um risco mais elevado de tentativas de suicídio, assim como para a consumação do ato em si. Aliás, o abuso de álcool já é considerado um comportamento auto-destrutivo. Intoxicação aguda é, provavelmente, o fator mais importante em mortes consideradas acidentais ou tentativas passivas de suicídio. Suicídio tem sido descrito como um ato agressivo contra si mesmo e o uso de determinadas substâncias que aumentam a agressividade podem ser o mecanismo que leva da ideação ao ato. A intoxicação aguda pode, assim, aumentar a agressividade, prejudicar a capacidade de análise e conduzir a comportamentos impulsivos. Uso de álcool está fortemente relacionado com tentativas impulsivas de suicídio. Além disso, o álcool pode atuar como facilitador para a execução de planos suicidas. Nestes casos, indivíduos usam algumas vezes álcool ou outras substâncias para atingirem um estado da mente que torne mais fácil o ato. Pode ser considerado freqüente o uso de álcool em horas que antecedem uma tentativa de suicídio. Segundo Suokas e Lonnqvist (1995) 62% de pessoas que tentaram suicídio haviam ingerido álcool antes ou durante sua tentativa e 33%, de acordo com Wetle, Abel e Wieczorek, consumiram logo antes de terem cometido suicídio. Estudo realizado na Slovenia, utilizando uma amostra de 508 casos de sucídio, revelou que apenas 25,4% da população estava completamente sóbria durante o ato. Em 38,1% dos casos, as vítimas estavam sob considerável influência de álcool (concentração em torno de 0.20 g/kg). Discussão e conclusões: de acordo com as fontes pesquisadas parece haver a evidência de uma associação entre suicídio e álcool baseada em estudos retrospectivos e prospectivos de cohort e pós-morte – como as autópsias psicológicas. Tais estudos demonstram uma forte associação entre álcool e suicídio.
USO DE DHPLC PARA A IDENTIFICAÇÃO DE MUTAÇÕES NO GENE CFTR RESPONSÁVEL PELA FIBROSE CÍSTICA
Bonadia, Luciana Cardoso; Correia, Cyntia A. A.; Ramalho, Anabela S.; Amaral, Margarida D.; Bertuzzo, Carmen Silvia;
A Fibrose Cística (FC) é uma doença autossômica recessiva letal que acomete aproximadamente 60 mil indivíduos no mundo, sendo que na Região Sul do Brasil, a incidência assemelha-se à da população caucasiana centro-européia que é de um em cada 2.500 nascimentos. FC é causada por mutações em um único gene localizado no braço longo do cromossomo 7 que consiste em 27 exons e codifica uma proteína transmembrânica reguladora da condutância iônica (CFTR - Cystic Fibrosis Transmembrane Conductance Regulator) expressa na membrana apical das células epiteliais das vias aéreas, pâncreas, glândulas sudoríparas, intestino e aparelho reprodutor. Trata-se de um canal de cloro que, quando ausente, encerra esse íon dentro das células, o que gera o aumento da pressão osmótica tornando as secreções extracelulares mais densas propiciando, por exemplo, a colonização por bactérias no parênquima pulmonar e a obstrução do ducto pancreático. Os sinais clínicos mais freqüentes são, portanto, doença pulmonar crônica e progressiva e a insuficiência pancreática exócrina, além da alta concentração de cloro no suor, este último utilizado para o diagnóstico clínico. Mais de 1600 mutações já foram descritas, sendo a mais freqüente na região de Campinas, a F508del responsável por cerca de 50% dos alelos alterados, seguidas das mutações G542X (4,29%), R1162X (2,14%) e N1303K (1,43%). Assim, cerca de 40% dos alelos alterados permanecem sem o diagnóstico. A técnica de cromatografia líquida de alta resolução por desnaturação tem sido utilizada para a triagem de mutações com alta sensibilidade (em torno de 98%). O objetivo desse estudo foi a identificação de mutações no gene CFTR por DHPLC. Para isso foi realizada a reação em cadeia da polimerase (PCR) de fragmentos contendo cada exon e pelo menos vinte bases dos introns anteriores e posteriores a ele. Devido à dimensão, alguns exons foram amplificados em dois ou mais fragmentos. Assim, para cada paciente com FC, foram idealizadas 30 reações. A seqüência nucleotídica de cada reação foi estuda no Navigator ™ Software e as temperaturas de análise onde se obtem interação ideal com a coluna do DHPLC foram determinadas. Vinte e duas mutações previamente determinadas distribuidas ao longo de todo o gene, foram submetidas ao procedimento a fim de checar a sensibilidade do método. Até o momento, foram analisados 24 pacientes para alguns exons no DHPLC, nove deles heterozigotos para a mutação 508delF, três heterozigotos para a mutação G542X e doze com o diagnóstico clínico de FC, porém sem nenhuma das mutações mais freqüentes identificadas. Os fragmentos que apresentaram alteração no padrão cromatográfico foram submetidos ao sequenciamento e cinco mutações descritas previamente como implicadas na doença foram identificadas. Como resultados é possível ressaltar que todas as mutações utilizadas como controles foram detectadas pelo método e que foi possível o diagnóstico de algumas alterações em pacientes com FC analisadas até o momento. Contudo nesse estudo foi verificado que, em fragmentos que apresentam muitos polim
UTILIZAçãO DA SF-36 EM PACIENTES OPERADOS DE TUMORES DA BASE DO CRâNIO
Servelhere, Katiane Raisa; Fernandes, Yvens Barbosa;
Intodução: A base do crânio é uma região complexa de múltiplos ossos por onde trajetam os nervos cranianos. Esta estrutura pode ser afetada por uma vasta escala de desordens incluindo os tumores. Os pacientes operados de tumores da base do crânio têm sua qualidade de vida comprometida, bem como redução da independência física, social, psicológica e funcional. A avaliação da qualidade de vida nos pacientes operados de tumores da base do crânio através da escala de qualidade de vida SF-36 pode ajudar a verificar se esses indivíduos se encontram em um grau satisfatório de independência física, social, psicológica e funcional. A SF-36 é um questionário genérico multidimensional de avaliação formado por 2 partes (saúde física e saúde mental)  divididas em oito domínios (capacidade funcional, aspectos físicos, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde mental) que por sua vez são subdivididos em 36 itens. Este questionário apresenta um escore final de 0 a 100, no qual zero corresponde ao pior estado geral de saúde e 100 ao melhor estado de saúde. Objetivo: A escala de qualidade de vida SF-36 foi utilizada para mensurar o grau de funcionalidade destes indivíduos e detectar suas principais deficiências, bem como identificar os indivíduos que apresentaram melhor capacidade funcional e aqueles que apresentaram maior prejuízo funcional. Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo e seccional, realizado através de coleta de dados de quarenta e três pacientes operados de tumores da base do crânio no período de 1998 à 2003 no Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Os mesmos tiveram a SF-36 preenchida no período de 1998 a 2008. Foi utilizado o programa estatístico SPSS 13.0 e realizados análise descritiva e aplicação dos testes Mann-Whitney e Spearman. O nível de significância adotado foi de 5%. Resultados: Os pacientes apresentaram a melhor pontuação para o Estado Geral de Saúde (74,8 ± 21,5) e a pior pontuação para o item Limitação por aspectos físicos (59,1 ± 40,7). As mulheres apresentaram menor pontuação nas dimensões dor (66,3 ± 26,5; homens 77,7 ± 30,1; p=0,16) e saúde mental (62,9 ± 25; homens 69,6 ± 19,6; p=0,43) e maior pontuação em limitações por aspectos físicos (65 ± 40; homens 50 ± 41,4, p=0,21). Houve correlação entre limitações por aspectos físicos e capacidade funcional para a amostra total (r=0,5 e p= 0,001). Conclusão: Foi verificada uma redução na qualidade de vida através das dimensões limitação por aspectos físicos e vitalidade, sendo nos homens a primeira dimensão a mais deficitária e nas mulheres, a saúde mental.  
VICISSITUDES DA COORDENAçãO DE UMA COLETA DE DADOS
Lima, Daniela Dantas; Botega, Neury José; Azevedo, Renata Cruz Soare;
  Objetivo: Relatar a experiência de coordenação de estudo de coleta de dados de uma pesquisa de detecção e intervenção em transtornos mentais em hospital geral. Método: Foram rastreados 3.361 pacientes em um período de seis meses com uma equipe constituída de 32 entrevistadores e três digitadores, além de dois docentes na coordenação geral. As atividades realizadas foram: organizar os formulários de entrevista, dividir e monitorar o trabalho dos entrevistadores da fase I (rastreamento) por enfermarias, fazer a classificação dos casos detectados e enviar às equipes da fase II para entrevistas de confirmação diagnóstica e intervenções, fazer controle e repasse de formulários para digitação, controle e pagamento da produção, contagem freqüente e apresentar relatórios dos dados atualizados. Resultados: A atividade foi realizada com êxito apesar das dificuldades enfrentadas. A existência de perdas por alta entre as duas fases de entrevistas foi motivo de grande preocupação, questionamentos e mudanças de atitude. Ajustes freqüentes foram feitos na equipe de entrevistadores de rastreamento (estudantes de medicina) em função do calendário escolar. O controle das entrevistas realizadas através do monitoramento de pacientes que são internados tem sido reavaliado de forma sistemática devido limitações do sistema de informática do hospital. Discussão e Conclusões: A tarefa de manter a afinação da equipe de entrevistadores e o fluxo de documentos se mostrou complexa e intensa principalmente no primeiro trimestre. À medida que a coleta caminhou, as atividades tornaram-se rotineiras, rotina que ameaçou trazer cansaço à equipe, resultando em mais uma demanda para a coordenação, que apostou em um trabalho de motivação mais intenso, com intercâmbios e recrutamentos de novos entrevistadores. Neste ponto, os problemas deixaram de ser ameaçadores para se tornarem vicissitudes do processo. Esperamos com este relato, contribuir na organização de outros estudos de desenho semelhante.      
XEROSTOMIA PóS-RADIOTERAPIA EM CABEçA E PESCOçO: TRATAMENTO TóPICO ORAL COM PILOCARPINA
CHONE, CARLOS TAKAHIRO ; SAMPAIO, MARCELO PIZZOLATO; PEREIRA, PABLO S.G.; CRESPO, AGRICIO N;
  Objectivo: Avaliar a eficácia das pastilhas de pilocarpina em seis pacientes com xerostomia previamente submetidos a radioterapia(RTX) por apresentarem carcinoma espinocelular(CEC) de cabeça e pescoço. A eficácia foi estudada como aumento global no fluxo salivar e melhora da sensação de xerostomia após um mês de tratamento. Foram avaliados também efeitos adversos associados à pilocarpina durante o tratamento. Forma de estudo:Estudo clínico prospectivo. Material e métodos: Seis pacientes consecutivos com CEC de cabeça e pescoço previamente submetidos RTX como tratamento primário ou adjuvante com sintomas de xerostomia. Foi utilizado teste de fluxo salivar e questionário com para auto-avaliação da xerostomia antes e depois de um mês de tratamento com pilocarpina. Cada pastilha de 10 mgrs de pilocarpina foi administrada via oral três vezes ao dia. Resultados: Após um mês de tratamento quatro pacientes sentiram-se melhor em relação à xerostomia e aumento no fluxo salivar foi observado em metade destes pacientes. Dois pacientes com doenças cardíacas e hipertensão arterial sistêmica apresentaram taquicardia ou bradicardia ou síncope e interromperam o tratamento. Conclusão: Pilocarpina em pastilhas demonstrou aumento no fluxo salivar e melhora dos sintomas de xerostomia, após um mês de tratamento em 66% dos pacientes. Deve-se ter cautela em administrar este medicamento em pacientes cardiopatas ou hipertensos, mesmo sob a forma de pastilhas devido à alguns efeitos cardiovasculares.
“PESQUISA DO CITOMEGALOVíRUS HUMANO PELA REAçãO EM CADEIA DA POLIMERASE TIPO NESTED-PCR EM LESõES ATEROSCLERóTICAS.”
Ozaki, Michiko Regina; Bonon, Sandra Helena A.; Costa, Sandra Cecilia B.; de Almeida, Eros Antonio;
A aterosclerose é um processo inflamatório crônico das artérias que pode resultar em infarto do miocárdio. Estudos epidemiológicos tem revelado que a resposta imune a agentes infecciosos, tais como o citomegalovírus, pode promover o desenvimento da aterosclerose. A presença do DNA do HCMV nas amostras poderá ser indicativo de que a infecção por este vírus pode ser o causador da formação das lesões ateroscleróticas nas amostras dos pacientes estudados ou ser fator de risco para a formação das lesões, uma vez que sugere-se que agentes infecciosos localizados na adventícia da lesão podem migrar até lá. Amostras de artéria coronária estão sendo estudadas em blocos parafinados e em amostras a fresco, retirados através de biópsia ou necrópsia. O material parafinado é submetido a desparafinização com a utilização de xilol e o DNA é extraído utilizando a técnica de extração clássica, com fenol, clorofórmio, proteinase K e estocado em freezer a –20° C até sua utilização. O DNA obtido é submetido a análise pela PCR do gene de beta-globina para verificar a presença de DNA na amostra. Nested-PCR é utilizada para verificar a presença do DNA do Citomegalovírus nas amostras estudadas. Até o presente momento, foram realizadas a extração de DNA de 181 amostras parafinadas e realizada a PCR para o gene da beta-globina; destes, 120 foram positivas para este gene. Das 20 amostras de DNA submetidas a reação da N-PCR, todas foram negativas. Com a determinação deste agente infeccioso, medidas preventivas poderão ser realizadas diminuindo ou eliminando a formação de lesões em pacientes com predisposição para este fim.
“PROGRAMA DE CONTROLE DA GIARDIOSE EM CRECHES”
Rebolla, Mayra Frozoni ; Franco, Regina Maura Bueno; Silva, Eliete Maria ;
  Segundo a Organização Mundial Saúde 200 milhões de pessoas na Ásia, África e América Latina têm sintomas de giardiose, com 500 mil novos casos por ano, especialmente, entre crianças. Esta parasitose pode produzir diarréia severa aguda nas crianças menores de cinco anos com infecções crônicas que resultam em perda de peso e retardo do crescimento. Os levantamentos epidemiológicos no estado de São Paulo revelam que a giardiose é a parasitose intestinal mais comum. A elevação crescente da proporção de crianças que freqüentam creches e escolas maternais, assim como a ausência de um programa de controle específico para estas instituições, conduziu para evolução dos casos. O objetivo desta pesquisa é elaborar um programa de controle de giardiose em creches. Nos primeiros 6 meses de pesquisa foram realizados 3 passos: o primeiro consistiu em procurar nas bases de dados os artigos; o segundo, em selecioná-los mediante leitura exploratória e seletiva, terceiro, em verificar os artigos que de fato interessavam ao “Programa de Controle à giardiose em creches” através dos artigos que possuíssem fatores de risco com O.R. >1 e/ou análise multivariada. No 1º passo a Coleta de Informações aconteceu por meio de busca nas bases de dados disponíveis pelo sistema de bibliotecas digitais (BioMed Central, Scielo, Science Direct, Scopus, Pub Méd e Web of Science) entre os meses de julho e agosto de 2008, mediante as principais palavras-chave, em língua portuguesa e inglesa, no singular e plural: day-care-center, day-care-centers, day-care-centre, day-care-centres, creche, creches; Giardia; giardiasis, giardiose/giardíase; risk factor, risk factors, fator de risco, fatores de risco. Apenas a base de dados Scielo possuía a língua Portuguesa e Inglesa, as outras bases tinham como língua o Inglês. Todas as bases de dados foram pesquisadas com as combinações de palavras-chave, com exceção da base de dados Scielo. O requisito para procura nas bases de dados era que oferecessem a busca através de “advanced search” e com a opção “keywords”; apenas as bases Scopus e Science Direct possuíam estas duas opções. Então, em cada base que não oferecia estes requisitos, foram utilizadas as opções mais próximas dos mesmos. O 2º passorealizou-se através de leitura exploratória, seguida de leitura seletiva. A seleção dos artigos deu-se de acordo com a disponibilidade dos mesmos em sua totalidade nas bases de dados e sua presença nas línguas Portuguesa, Inglesa ou Espanhola (idiomas compreendidos pela aluna bolsista deste projeto). Eles foram acessados em computadores no interior do campus da Universidade Estadual de Campinas. O 3º passo deu-se através da leitura analítica, a fim de ordenar e sumarizar as informações contidas nas fontes; em seguida, ocorreu a seleção dos fatores de risco relacionados ao objeto de estudo por meio dos trabalhos que identificaram os fatores de risco com base em análises multivariadas e/ou O.R. > 1. Foram selecionados 21 artigos com seus respectivos fatores de risco. Nestes, foram encontrados 80 fatores de risco e 2 fatores de proteção; ao todo, 70 fatores de risco diferentes, sendo que 7 destes fatores foram citados 2 vezes cada um. Os fatores de risco foram distribuídos em 9 grupos: origem da água consumida e contato com águas de recre